Polonês: sintomas, causas, tratamento

O polonês é uma condição médica caracterizada pela presença de manchas brancas na pele, geralmente nas mãos, braços, pernas e rosto. Essas manchas podem ser causadas por diferentes fatores, como a falta de pigmentação da pele, exposição ao sol, genética ou deficiência nutricional. O tratamento para o polonês pode variar de acordo com a causa e gravidade do problema, incluindo o uso de cremes despigmentantes, terapias a laser ou cirurgias. Neste artigo, vamos abordar os sintomas, causas e opções de tratamento para o polonês.

Sintomas de tromboembolismo venoso: conheça os sinais que não podem ser ignorados.

O tromboembolismo venoso é uma condição grave que ocorre quando um coágulo sanguíneo se forma em uma veia profunda, geralmente nas pernas. É importante estar ciente dos sintomas dessa condição para procurar ajuda médica imediatamente. Alguns dos sinais que não podem ser ignorados incluem inchaço repentino em uma perna, dor ou sensibilidade na perna, vermelhidão ou calor na área afetada e dificuldade para respirar.

Outros sintomas podem incluir tosse com sangue, dor no peito e batimentos cardíacos rápidos. Se você apresentar algum desses sintomas, é essencial procurar atendimento médico imediatamente, pois o tromboembolismo venoso pode levar a complicações graves, como embolia pulmonar.

O tratamento para o tromboembolismo venoso geralmente envolve o uso de medicamentos anticoagulantes para ajudar a dissolver o coágulo e prevenir a formação de novos coágulos. Em alguns casos, pode ser necessário realizar uma intervenção cirúrgica para remover o coágulo. É fundamental seguir o tratamento prescrito pelo médico e fazer acompanhamento regular para garantir a eficácia do tratamento.

Tratamento da trombose crônica: opções e cuidados essenciais para a recuperação completa.

A trombose crônica é uma condição em que há formação de coágulos sanguíneos nas veias por um longo período de tempo. Isso pode levar a complicações graves, como inchaço, dor e até mesmo úlceras na pele. O tratamento da trombose crônica é essencial para evitar essas complicações e garantir a recuperação completa do paciente.

Existem várias opções de tratamento para a trombose crônica, incluindo medicamentos anticoagulantes, compressão elástica e em alguns casos, cirurgia. Os medicamentos anticoagulantes são essenciais para prevenir a formação de novos coágulos sanguíneos e reduzir o risco de complicações. A compressão elástica, por sua vez, ajuda a melhorar a circulação sanguínea e reduzir o inchaço nas pernas.

Além disso, é importante adotar alguns cuidados essenciais para garantir a recuperação completa da trombose crônica. Isso inclui manter um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada e prática regular de exercícios físicos. Também é fundamental evitar o tabagismo e o sedentarismo, pois esses hábitos podem piorar a condição do paciente.

Em resumo, o tratamento da trombose crônica envolve o uso de medicamentos anticoagulantes, compressão elástica e, em alguns casos, cirurgia. Além disso, cuidados essenciais, como manter um estilo de vida saudável, são fundamentais para garantir a recuperação completa do paciente. Com o tratamento adequado e os cuidados necessários, é possível controlar a trombose crônica e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Sinais e sintomas de trombose e varizes: o que você precisa saber.

Polonês é uma condição que afeta as veias das pernas, causando sintomas como dores, inchaço e sensação de peso nas pernas. As varizes são veias dilatadas e tortuosas que podem causar desconforto e comprometer a circulação sanguínea. Por outro lado, a trombose é a formação de um coágulo sanguíneo em uma veia profunda, podendo ser uma condição grave que requer tratamento imediato.

Alguns dos sinais e sintomas de trombose incluem dor, inchaço, vermelhidão e calor na região afetada. Já as varizes podem apresentar sintomas como sensação de queimação, coceira e sensibilidade ao toque. É importante estar atento a esses sinais e buscar ajuda médica caso apresente algum deles.

As causas das varizes e da trombose podem estar relacionadas a fatores genéticos, obesidade, gravidez, sedentarismo e tabagismo. O diagnóstico é feito por meio de exames de imagem, como ultrassom e doppler, que ajudam a identificar a extensão do problema e orientar o tratamento adequado.

O tratamento para varizes e trombose pode envolver medidas conservadoras, como uso de meias de compressão, prática de exercícios físicos e mudanças na alimentação. Em casos mais graves, pode ser necessário recorrer a procedimentos cirúrgicos ou medicamentos para prevenir complicações.

Relacionado:  Taquififmia: o que é, quando ocorre e como evitá-la

É importante manter um estilo de vida saudável, praticar atividades físicas regularmente e fazer acompanhamento médico para prevenir e tratar problemas relacionados às veias. Fique atento aos sinais do seu corpo e não hesite em buscar ajuda profissional caso perceba algo fora do comum.

Sintomas de trombose no quadril que não podem ser ignorados.

Um dos sintomas mais graves de trombose no quadril é a dor intensa e constante na região afetada. Esta dor pode piorar ao caminhar ou ao realizar movimentos bruscos. Além disso, é comum sentir inchaço e calor no local, assim como uma coloração avermelhada na pele.

Outro sintoma importante a ser observado é a dificuldade de movimentar a perna afetada, podendo apresentar rigidez e limitação dos movimentos. Em casos mais graves, pode ocorrer formigamento, dormência ou até mesmo fraqueza muscular.

Se você apresentar alguns destes sintomas, não ignore e procure ajuda médica imediatamente. A trombose no quadril é uma condição séria que requer tratamento adequado para evitar complicações graves, como a embolia pulmonar.

Lembre-se que a prevenção é fundamental, principalmente para pessoas com fatores de risco, como obesidade, tabagismo, sedentarismo ou histórico familiar de trombose. Mantenha uma vida saudável, pratique exercícios regularmente e siga as orientações médicas para reduzir as chances de desenvolver esta condição.

Polonês: sintomas, causas, tratamento

O termo polaquiúria refere-se ao aumento no número total de micções por dia, sem aumentos na quantidade de urina expelida. De fato, o mais comum é que a diurese é escassa em cada ida ao banheiro. Não deve ser confundido com poliúria, que é o aumento da quantidade de urina removida.

A palavra polaquiúria tem raízes gregas. A parte inicial vem do léxico polaco , que significa “frequente” ou “frequentemente”; e ouron , pronunciado “oura”, é entendido como relativo à urina; O sufixo “ia” é adicionado para indicar qualidade. A tradução oficial seria “micção frequente” ou “micção frequente”.

Polonês: sintomas, causas, tratamento 1

Existem várias causas de polaquiúria. Os mais numerosos estão intimamente relacionados ao sistema urinário, mas não são exclusivos dele. Algumas doenças sistêmicas ou à distância podem gerar essa condição e também existem fenômenos ligados ao gênero e à faixa etária que explicam alguns casos de polaquiúria.

Os tratamentos para a polaquiúria dependerão da etiologia da doença. Como ocorre muitas vezes no universo médico, existem tratamentos farmacológicos e cirúrgicos, mas é necessário acrescentar um tratamento separado para terapia comportamental e psicológica, que desempenha papel fundamental no manejo de muitos casos de polaquiúria.

Sintomas

Embora a Polachiuria tenha características particulares, não é correto apresentar seus próprios sintomas, uma vez que a Polachieuria em si é um sintoma. Faz parte dos elementos sindromáticos de várias patologias urinárias e muitas outras sistêmicas. Entre suas características mais importantes, temos o seguinte:

Aumento da frequência urinária

Sua etimologia o define; Há um aumento no número de micção. Alguns autores consideram que ir ao banheiro 8 ou mais vezes por dia já pode ser considerado polaquiúria, independentemente da quantidade total de diurese que ocorre dentro de 24 horas.

Diminuição da diurese

Enquanto o número de vezes que você vai ao banheiro aumenta, o mesmo não ocorre com a quantidade de urina expelida; o oposto. O paciente relata que muitas vezes vai ao banheiro, mas urina uma pequena quantidade.

Noturnidade

Outra queixa frequente dos pacientes é que o aumento do número de micções ocorre mais à noite. Essa condição é conhecida como polaquúria noturna e é uma orientação diagnóstica.

Concomitantes

Polakiuria geralmente não vem sozinha. É acompanhado por outros sintomas urinários, como disúria (expulsão dolorosa da urina) ou tenesmo da bexiga (necessidade urgente e permanente de urinar, mesmo quando a bexiga já estiver esvaziada). A presença de outros sintomas, como sangue na urina, febre alta, calafrios e dor abdominal, pode significar infecções ou tumores.

Causas

Existem muitas doenças que têm a polaquiúria como sintoma habitual ou casual. Como já mencionado, a maioria afeta o sistema geniturinário, mas não exclusivamente. Os mais frequentes são mencionados abaixo:

Relacionado:  Jean Watson: Biografia e Teoria

Infecções do trato urinário

É a causa mais frequente de polaquiúria. Qualquer condição infecciosa local que altere o funcionamento normal do sistema urinário pode causar um aumento no número de micções diárias.

A disúria também é comum nesses casos. Afeta mais mulheres do que homens e pode ser acompanhada de febre alta, calafrios e dor abdominal ou lombar.

Em exames laboratoriais, a elevação dos glóbulos brancos e a neutrofilia podem ser encontradas na hematologia completa e na presença de bactérias, leucócitos, nitritos e sangue na uroanálise.

Cistite

A inflamação da bexiga, infecciosa ou não, também é uma causa comum de polaquiúria. Dentro da bexiga irritada, a presença de urina não é bem tolerada; portanto, o corpo procura esvaziá-la com frequência. Disúria, hematúria e dor no hipogástrio são concomitantes comuns na cistite.

Doenças da próstata

Infecção, inflamação reativa, crescimento anormal e câncer de próstata são causas de polaquiúria exclusivas ao sexo masculino. A proximidade da próstata com o trato urinário, principalmente sua relação íntima com a uretra, favorece que suas alterações afetem a função miccional.

Diabetes

Um dos primeiros sinais do paciente diabético é a polaquiúria. De fato, é um dos primeiros motivos de consulta que uma pessoa que ainda não é conhecida como diabético vai ao médico. Ele estudou inicialmente com poliúria e depois se transformou em polaquiúria devido à deterioração progressiva da filtração glomerular.

Gravidez

Uma das queixas constantes da mulher grávida é a necessidade de ir ao banheiro com muita frequência. Durante a gravidez, são desencadeados vários fenômenos fisiológicos que favorecem o aumento do fluxo sanguíneo renal e o constante esvaziamento da bexiga urinária.

Fisicamente falando, a pressão exercida pelo feto em crescimento nos órgãos pélvicos impede a bexiga de encher completamente e a força a descarregar seu conteúdo repetidamente. Da mesma forma, existe um efeito conhecido como hidrômetro fisiológico da gestante, devido à dilatação do trato urinário, aumentando a frequência urinária.

Finalmente, em mulheres grávidas, há liberação excessiva de vários hormônios. Alguns deles causam um aumento de até 50% na filtração glomerular, que imediatamente se traduz em aumento da produção de urina e, portanto, na polaquúria.

Drogas

Muitos são os medicamentos que, atuando no sistema renal, causam um aumento no número de micções. Os mais óbvios são os diuréticos.

Esses medicamentos universalmente utilizados para o tratamento da pressão alta, entre outras patologias, produzem poliúria ou polaquiúria, dependendo de como estão os rins do paciente.

Outros medicamentos que podem gerar polaquúria são anticonvulsivantes, lítio e difenidramina. Algumas substâncias de consumo de massa associadas ao aumento da micção são cafeína, álcool e algumas infusões ou chás.

Distúrbios do sistema nervoso

As doenças cerebrovasculares, isquêmicas ou hemorrágicas podem contribuir para o aparecimento de polaquiúria. O mecanismo pelo qual isso ocorre parece estar associado a danos celulares em áreas do cérebro, responsáveis ​​pela produção e liberação de hormônios e neurotransmissores que lidam com o processo de micção.

Certas lesões da coluna vertebral – congênitas, tumorais ou traumáticas – danificam os nervos que controlam a bexiga e prejudicam seu funcionamento. Uma das conseqüências dessa lesão é a síndrome da bexiga hiperativa, que causa micção freqüente e limitada, incontinência urinária e músculo detrusor da bexiga hiperativo.

Doenças mentais, como ansiedade e depressão, incluem distúrbios urinários entre seus sintomas. De fato, a síndrome da micção, cujos sintomas incluem polaquiúria, tem entre suas possíveis causas distúrbios psicológicos ou psiquiátricos.

Outras doenças do trato urinário

A presença de cálculos renais, capaz de obstruir a produção normal de urina, é uma causa comum de polaquiúria. O mesmo vale para a estenose uretral, pois essa condição não permite corrimento normal da bexiga, deixando a sensação de micção incompleta e forçando o paciente a ir ao banheiro com mais frequência.

Tratamento

Como mencionado anteriormente e em publicações anteriores, os sintomas não são tratados, as causas são tratadas. Isso significa que a polaquiúria não é tratada particularmente, mas sua etiologia. No entanto, existem medidas terapêuticas gerais que aliviam esse distúrbio urinário, incluindo o seguinte:

Relacionado:  Psoas sinal: o que é, psoas anatomia muscular

Antibióticos

Sendo as infecções urinárias as principais causas da polaquiúria, fica claro que, ao tratar essas, o sintoma melhora. Os germes envolvidos nas infecções do trato urinário são geralmente bactérias gram-negativas, especialmente enterobactérias, que respondem a terapias com macrólidos, cefalosporinas de terceira ou quarta geração e quinolonas.

Caso as bactérias sejam multirresistentes e produzam um toque importante do estado geral, os carbapenêmicos são a escolha. O tratamento é complementado com anti-sépticos e antiespasmódicos do trato urinário, como nitrofurantoína e flavoxato.

Outros tratamentos farmacológicos

O controle da glicemia é fundamental no tratamento de pacientes diabéticos e para evitar polaquiúria. Portanto, agentes hipoglicêmicos orais e insulina são medicamentos muito úteis para controlar essa condição. Eles devem ser indicados por um médico especialista após uma revisão física e laboratorial completa.

As doenças benignas da próstata também são tratadas com terapias medicamentosas. O crescimento da próstata é tratado com inibidores da 5-alfa-redutase e bloqueadores alfa, relaxando o músculo liso da bexiga. A prostatite pode exigir antibióticos, anti-inflamatórios e ocasionalmente esteróides.

O câncer de próstata deve ser tratado em conjunto com os serviços de urologia e oncologia. O tratamento inicial inclui quimioterapia, radioterapia e inibidores hormonais, que impedem o rápido desenvolvimento do tumor e podem destruir as células cancerígenas.

Cirurgia

É indicado em alguns tipos de câncer de próstata quando a resposta à terapia primária é inadequada ou quando faz parte do protocolo oncológico da doença. Outros tipos de tumores – como tumores ginecológicos ou gastrointestinais, que podem afetar indiretamente o trato urinário – também podem ser corrigidos através de cirurgia.

A prostatectomia parcial é uma opção quando o crescimento da próstata dificulta a micção e prejudica a qualidade de vida do paciente. Isso pode ser feito por via abdominal ou transuretral.

Certos distúrbios da bexiga também respondem satisfatoriamente à cirurgia, como a cistite intersticial. O mesmo vale para cálculos renais que não podem ser expelidos na urina e bloqueados nos ureteres.

Outros tratamentos

A bexiga hiperativa pode ser tratada com medicamentos, como tolterodina ou imipramina, mas o treinamento da bexiga é essencial: o paciente deve aprender a urinar novamente.

Nestes casos, a terapia psicológica é muito valiosa. Algumas terapias físicas também são apreciadas em pacientes grávidas com polaquiúria.

A acupuntura tem sido usada desde os tempos antigos para o tratamento de distúrbios da micção. Embora não se saiba exatamente como funciona, os resultados são animadores, especialmente em mulheres com incontinência urinária e urgência urinária.

Polonês em crianças

Polonês: sintomas, causas, tratamento 2

Embora tudo explicado nas seções anteriores possa afetar a criança, com óbvias exceções, existe um quadro clínico particular em pediatria que é estudado com polaquúria. Essa condição é conhecida como polaquúria benigna da infância e, apesar da preocupação que gera nos pais e nos médicos, não é grave.

Esses pacientes, principalmente entre 4 e 8 anos de idade, são levados pelos pais ao pediatra devido à necessidade imperiosa de ir ao banheiro. Essa urgência urinária ocorre em qualquer lugar, a qualquer hora, afetando o desempenho escolar e as atividades diárias.

Embora seja um diagnóstico de descarte, os autores sugerem uma etiologia psicológica do quadro. Está relacionado à pressão exercida pelos idosos para aprender a ir ao banheiro, o que coincide com a idade de início. Portanto, o tratamento é baseado em terapia comportamental, treinamento adequado e cessação de pressões na criança.

Referências

  1. Gordillo Paniagua, Gustavo et al. (1995). Nefrologia Pediátrica. Segunda edição, Elsevier, Madri – Espanha.
  2. Shah, Anuja (2018). Polonês Recuperado de: msdmanuals.com
  3. Polaquiuria.org (2015). Polonês recuperado de: polaquiuria.org
  4. CCM Health (2013). Frequência Urinária Recuperado de: health.ccm.net
  5. Gil Bolaños, A. e Torres Costoso, AI (2004). Síndrome de urgência urinária.Physiotherapy, 26: 281-294.
  6. Gallo, JL e Padilla, MC (2000). Função renal na gravidez.Clínica e Pesquisa em Ginecologia e Obstetrícia. 27: 56-61.
  7. Wikipedia (última edição 2018). Polonês Recuperado de: en.wikipedia.org
  8. Fernández Fernández, Marta e Vabrera Sevilla, José Eugenio (2014). Desordens da micção e enurese na infância.Associação Espanhola de Pediatria, 1: 119-134.
  9. Mollea, Juan Carlos (2012). Polakiúria benigna da infância. Recuperado de: telediariodigital.net

Deixe um comentário