Síndrome de DiGeorge: sintomas, causas, tratamento

A síndrome de DiGeorge é uma doença de origem genética que se manifesta pelo desenvolvimento da estrutura cardíaca malformações relacionada, o rosto, o timo e as glândulas paratireóides.

A nível clínico, produzirão uma grande variedade de complicações médicas, entre as quais deficiências imunológicas, hipocalcemia, patologias cardíacas e distúrbios psiquiátricos.

Síndrome de DiGeorge: sintomas, causas, tratamento 1

Quanto à origem etiológica, está associada a uma alteração genética do cromossomo 22. Por esse motivo, também recebe o nome de síndrome de deleção 22q11.2.

O diagnóstico baseia-se na identificação de sinais cardinais clínicos através do exame físico e de vários exames laboratoriais: analítico, imunológico, ultrassonográfico abdominal, ecocardiograma e estudo genético, baseado principalmente na hibridização fluorescente in situ (FISH).

Finalmente, o tratamento dessa patologia se concentra na correção de malformações orgânicas e no controle de complicações médicas. Assim, geralmente são usadas terapia com linfócitos T, suplementos de cálcio, cirurgia corretiva etc.

História e descoberta

Essa patologia foi inicialmente descrita pelo especialista em pediatria americano Angelo M. DiGeorge em 1965. Em seu relatório clínico, DiGeroge descreveu uma patologia congênita definida pelo desenvolvimento deficiente ou ausência da glândula paratireóide e do timo.

Posteriormente, Chapelle, em 1918, descreveu especificamente os defeitos congênitos derivados dessa patologia. Assim, a síndrome de DiGeorge foi referida como a segunda causa de defeitos cardíacos congênitos após a síndrome de Down.

Finalmente, essa patologia foi caracterizada clinicamente através da tríade clássica de imunodeficiência, endocrinopatia com hipocalcemia e cardiopatia.

Além disso, em muitos casos, a ampla heterogeneidade sintomática das deleções localizadas no cromossomo 22 implica a diferenciação de três tipos diferentes de patologias no nível clínico:

– síndrome de DiGeorge

– síndrome velocardiofacial

– síndrome cardiofacial

Características da síndrome de DiGeorge

Síndrome de DiGeorge: sintomas, causas, tratamento 2

Fonte da imagem: https://www.omicsonline.org/norway/digeorge-syndrome-peer-reviewed-pdf-ppt-articles/

A síndrome de DiGeorge, também conhecida como síndrome de exclusão 22q11.2, em uma doença causada por um defeito genético que resulta no desenvolvimento de várias malformações orgânicas e corporais.

Nesse sentido, essa síndrome deriva fundamentalmente de processos de desenvolvimento defeituosos durante a fase pré-natal ou gestacional, localizados principalmente durante a terceira e a oitava semana de gestação.

Especificamente, por volta da quinta semana de gestação, as estruturas embrionárias iniciam um processo de formação e desenvolvimento de diferentes estruturas e órgãos (Vera de Pedro et al., 2007).

Assim, um grupo de certas células levará ao desenvolvimento da face, várias partes do cérebro, timo, coração, aorta e glândulas paratioróides.

Esse “campo celular” geralmente está localizado ao redor da área ou área após o colo do embrião em gestação. Dessa maneira, para que o restante das estruturas comece a se formar e se diferenciar, é essencial que essas células se movam em direção às diferentes áreas específicas de cada estrutura.

Nesse estágio de desenvolvimento, as bolsas, arcos e fendas da faringe, o timo e as glândulas paratireoides são formados e, posteriormente, parte das estruturas cranianas e faciais ou várias porções do tecido conjuntivo.

Relacionado:  Drenagem cirúrgica: características e tipos

Dessa forma, as anormalidades genéticas da síndrome de DiGeroge resultam em uma alteração sistemática desse processo de formação pré-natal, causando sérias falhas no desenvolvimento.

Áreas mais afetadas

Como conseqüência, as áreas mais afetadas são geralmente:

– Coração : essa estrutura constitui um dos órgãos vitais para a nossa sobrevivência. Faz parte do sistema circulatório e sua função essencial é bombear o sangue para o resto do corpo.

– Configuração facial : a formação da estrutura facial depende da formação correta do crânio, dos globos oculares, do sistema oral, dos ouvidos, etc.

– Timo : essa estrutura desempenha um papel fundamental no sistema imunológico, pois é responsável pela maturação de linfócitos ou células T.

Glândulas paratireóides : consistem em um conjunto de glândulas endócrinas que têm um papel importante na regulação do cálcio, entre outros fatores.

Assim, as áreas mais afetadas na síndrome de DiGeorge estão relacionadas ao defeito de formação embrionária em áreas associadas ao pescoço e regiões adjacentes.

Estatisticas

A síndrome de DiGeroge tem uma prevalência estimada de 1 caso por 4.000 pessoas na população em geral.

Entretanto, numerosos estudos epidemiológicos indicam maior prevalência devido principalmente à heterogeneidade de seu curso clínico e à dificuldade de estabelecer um diagnóstico precoce.

Além disso, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente, a síndrome de DiGeorge é considerada uma das causas mais comuns de anormalidades cardíacas congênitas e malformações faciais.

Por outro lado, em relação às características epidemiológicas de natureza sociodemográfica, foi identificada uma prevalência de 1 caso para cada 6.000 pessoas de origem caucasiana, asiática e afrodescendente, enquanto no caso de hispânicos, a prevalência equivale a um caso para cada 3.800 indivíduos

Signos e sintomas

Síndrome de DiGeorge: sintomas, causas, tratamento 1

No caso dos sinais e sintomas mais frequentes na síndrome de DiGeorge, devemos ressaltar que ela apresenta um curso clínico com expressividade variável.

Nesse caso, em algumas complicações médicas afetadas, o status é grave, o que pode levar à morte precoce. Em outros casos, as características geralmente apresentam um compromisso mínimo com a sobrevivência e a funcionalidade da pessoa afetada.

Portanto, nem todos os afetados pela síndrome de Di George terão o mesmo envolvimento, no entanto, geralmente cobrem uma ou várias alterações relacionadas.

Anormalidades nas configurações faciais

As alterações relacionadas à configuração facial constituem uma das características mais marcantes no nível visual da síndrome de DiGeorge, geralmente definidas por:

– Microcefalia : a cabeça se desenvolve com uma dimensão menor ou menor que o esperado para o nível de desenvolvimento e idade cronológica da pessoa afetada. Além disso, uma estrutura nasal tubular geralmente se desenvolve acompanhada de bochechas achatadas ou levemente acentuadas.

– Hyploplasia mandibular e retrognatia : a estrutura da mandíbula não se desenvolve completamente. Assim, em muitos casos, possui um tamanho pequeno ou uma posição alterada, localizada mais para trás do que o habitual.

Relacionado:  Cefalexina: Para que serve, dosagem, efeitos colaterais

– Alteração ocular : geralmente os olhos são geralmente colocados em direção ao plano inferior; além disso, microftalmia (subdesenvolvimento de um dos globos oculares), catarata (opacidade da lente ocular) ou cianose (coloração azul) ao redor dos olhos.

– Alteração do pavilhão auricular : é possível identificar uma assimetria na configuração das orelhas. Eles geralmente têm um baixo implante com a presença de malformações nos lobos e outras áreas externas do pavilhão auricular.

– Malformações orais : a configuração da boca geralmente apresenta uma aparência arqueada em direção ao plano supressor, caracterizada pela presença de um sulco labial nasal longo e pontudo e fenda palatina.

Malformações e defeitos cardíacos

Síndrome de DiGeorge: sintomas, causas, tratamento 4

As anormalidades cardíacas geralmente incluem uma grande variedade de defeitos. No entanto, as áreas mais afetadas estão relacionadas à aorta e estruturas cardíacas associadas:

– Defeitos septais : a parede ou estrutura que separa as cavidades cardíacas responsáveis ​​pelo bombeamento do sangue podem ser formadas incompleta ou defeituosamente.

– Malformação do arco aórtico : várias anomalias também podem ser descritas no segmento aórtico localizado entre as vias ascendente e descendente.

– Tetralogia de Fallot : esta patologia refere-se à presença de alterações na comunicação interventricular, estreitamento significativo da artéria pulmonar, posição anormal da aorta e espessamento da área do ventrículo direito.

Imunodeficiência

As pessoas afetadas pela síndrome de DiGeorge geralmente têm uma suscetibilidade significativa à contração de vários tipos de patologias, principalmente de natureza infecciosa (vírus, fungos, bactérias, etc.).

Esse fato se deve à presença de disfunção do sistema imunológico, devido ao baixo desenvolvimento do tipo e produção de linfócitos e células T.

O sistema imunológico é composto por uma ampla variedade de órgãos, estruturas, tecidos e células que juntos nos protegem dos agentes patológicos ambientais e internos.

Nesse sentido, a síndrome de DiGeorge produz uma formação ruim ou incompleta do timo, resultando em alterações em sua funcionalidade e localização final.

Geralmente, a anomalia mais proeminente é a hipofuncionalidade dos linfócitos T, essencial na produção de imunoglobulinas e anticorpos.

Hipocalcemia

Nesse caso, as pessoas afetadas pela síndrome de Digeorge geralmente apresentam níveis anormalmente baixos de concentração de cálcio no corpo e na corrente sanguínea.

Essa condição médica deriva principalmente da presença de anormalidades nas glândulas paratireóides, devido ao subdesenvolvimento de seus componentes (PrimaryInmune, 2011).

Essas glândulas estão localizadas no pescoço e estão em uma posição próxima à tireóide. No entanto, neste caso, eles têm um volume reduzido, por isso terá um impacto significativo no controle do metabolismo e do equilíbrio de cálcio no organismo.

Assim, neste caso, o nível de cálcio no sangue é geralmente inferior a 2,1-8,5 mm / dl, causando diferentes complicações médicas, como cãibras, irritabilidade muscular, dormência, alterações de humor, déficits cognitivos, etc.

Distúrbios neurológicos e psiquiátricos

Além dos sinais e sintomas descritos acima, é possível identificar outros relacionados à esfera cognitiva e intelectual das pessoas afetadas.

Relacionado:  Murmúrio vesicular: características diminuídas e aumentadas

Especialmente, nos casos diagnosticados, foram descritas dificuldades de aprendizado, déficit intelectual moderado, déficit de atenção, transtornos do humor, transtornos de ansiedade, entre outros.

Causas

A origem genética da síndrome de DiGeorge está associada à presença de alterações no cromossomo 22, especificamente no local 22q11.2.Especificamente, é devido à ausência de uma sequência de DNA, composta por um número de 30 a 40 genes diferentes.

Embora muitos dos genes envolvidos ainda não tenham sido identificados detalhadamente, a ausência desse grande grupo ocorre em mais de 90% dos casos como uma mutação de novo, enquanto aproximadamente 7% é devido a fatores hereditários.

Diagnóstico

Para o estabelecimento do diagnóstico da síndrome de DiGeorge, é essencial identificar os sinais clínicos cardinais dessa patologia:

– defeitos faciais.

– Cardiopatias.

– imunodeficiência.

– Hipocalcemia

Nesse sentido, juntamente com a análise da história clínica e do exame físico, é essencial a realização de vários exames laboratoriais, como ecocardiografia, ultrassonografia, exame imunológico e estudos analíticos séricos.

Além disso, um aspecto importante é o teste genético, principalmente através da hibridização fluorescente in situ (FISH).

Tratamento

Como indicamos na descrição inicial, o tratamento visa principalmente o controle e a correção dos sinais e sintomas causados ​​por esse tipo de doença.

No caso da hipocalcemia, geralmente é tratada através da administração de suplementos de cálcio e / ou vitamina D.

Por outro lado, no caso de deficiência imunológica, embora precisem melhorar com a idade, várias abordagens podem ser utilizadas, como o transplante de parte do tecido do timo, a terapia com linfócitos T ou o transplante de medula óssea.

Quanto às malformações faciais e orais, geralmente são utilizados reparos cirúrgicos, que melhoram a aparência física e a funcionalidade desses ossos.

Finalmente, no caso de alterações cardíacas, ambos os medicamentos para o tratamento e a correção podem ser administrados através de cirurgia.

Prognóstico

Na maioria dos casos, as pessoas afetadas geralmente atingem a idade adulta, no entanto, uma porcentagem significativa delas começa a desenvolver anormalidades imunológicas e / ou cardíacas significativas, causando morte prematura, principalmente no primeiro ano de vida.

Referências

  1. Bertrán, M., Tagle, F. e Irarrázaval, M. (2015). Manifestações psiquiátricas da síndrome de deleção 22q11.2: uma revisão da literatura. Neurology
  2. Chemocare (2016). Hipocalcemia (baixos níveis de cálcio). Obtido de Chemocare.
  3. Clínica Mayo (2014). Síndrome de DiGeorge. Obtido na Mayo Clinic.
  4. McDonald-McGinn, D. & Zackai, E. (2012). Síndrome de deleção 22q11.2. Obtido da Orphanet.
  5. NIH (2016). Síndrome de deleção 22q11.2. Obtido na Referência da Genetics Home
  6. NORD (2016). Síndrome de Deleção do Cromossomo 22q11.2. Obtido na Organização Nacional para Distúrbios Raros.
  7. Imune Primário (2016). Síndrome de DiGeorge. Obtido de primário imune.
  8. Serra Santos, L., Casaseca García, P., García Moreno, A. e Martín Gutiérrez, V. (2014). Síndrome de DiGeorge. REV CLÍN MED FAM, 141-143.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies