Porfiriato: origem, características, etapas, crise, fim

Porfiriato: origem, características, etapas, crise, fim

O porfiriato é o nome do período histórico no México durante o qual Porfirio Díaz governou. Inclui entre 28 de novembro de 1876 e 25 de maio de 1911. Nessa etapa, ocorreram quatro anos, de 1880 a 1884, nos quais o presidente era Manuel González, embora os historiadores concordem que foi Díaz quem administrou o governo. .

O protagonista indiscutível de todo esse estágio da história do México foi Porfirio Díaz, militar e político que conseguiu ganhar poder depois de se levantar em armas contra o governo de Lerdo de Tejada. Apesar de antes de ganhar o poder, ele defendia o não reelecionismo, depois conseguiu se perpetuar no poder.

De fato, sua saída do poder não foi voluntária, mas o resultado de uma revolta liderada por Francisco I. Madero, considerado o início da Revolução Mexicana. Todos os especialistas apontam os chiaroscuros de sua administração.

Do lado positivo, a recuperação econômica do país, a industrialização e a modernização da infraestrutura. Pelo contrário, esse aprimoramento atingiu apenas uma minoria da população, corrupção, autoritarismo e repressão política que causaram vários assassinatos.

Origem do porfiriato

Quem foi Porfirio Díaz?

Você não pode entender o porfiriato sem conhecer o homem que o tornou possível. Porfirio Díaz nasceu em Oaxaca de Juárez em 1830 e, antes de ocupar a presidência, destacou-se por seu trabalho militar.

Sua participação na Segunda Intervenção Francesa, especialmente com a criação de guerrilheiros que combatiam europeus no estado de Oaxaca, o tornaram conhecido em seu país. Da mesma forma, ele foi um dos protagonistas da recuperação da Cidade do México pelo Exército Republicano.

No entanto, o prestígio conquistado não serviu para vencer as eleições presidenciais para as quais ele concorreu antes de assumir o poder. Essas derrotas fizeram com que ele se levantasse duas vezes em armas contra os governos eleitos.

Eleições de 1867

A queda do imperador Maximiliano fez o México recuperar sua completa soberania, sem interferência do exterior. Benito Juárez ocupou a presidência após a derrota imperial.

As eleições seguintes foram convocadas em 1867. Porfirio Díaz decidiu se opor a Juárez. Na época, Díaz era contra a reeleição presidencial. No entanto, Juárez venceu por uma grande maioria. A derrota afetou o militar, que deixou a vida política por um tempo.

Plano de La Noria

Quando chegou a hora das eleições de 1871, Díaz decidiu concorrer novamente. Novamente, Benito Juárez era seu rival e a essa dupla juntou-se um novo oponente: Sebastián Lerdo de Tejada. O resultado foi novamente favorável a Juárez, deixando Díaz na segunda posição.

No entanto, desta vez Porfirio não aceitou os resultados e começou a recrutar apoiadores, principalmente entre os proprietários de terras em seu estado natal. Em 8 de novembro do mesmo ano, ele proclamou o chamado Plano de La Noria, com o qual instou os militares mexicanos a derrubar Juárez.

A princípio, o avanço dos rebeldes foi muito rápido, mas as derrotas começaram.

Eleições extraordinárias

Quando a derrota de Díaz parecia inevitável, Benito Juárez morreu. Lerdo de Tejada assumiu a presidência provisoriamente e Porfirio deitou os braços, já que não havia mais sentido continuar a luta.

Dessa forma, novas eleições foram convocadas em outubro de 1872. Díaz e Lerdo se enfrentaram nas urnas, sendo este último o vencedor.

A Revolução Tuxtepec

A história se repetiu em parte nas eleições de 1876. Lerdo de Tejada anunciou sua candidatura, assim como Porfirio Díaz. Ao mesmo tempo, os apoiadores de Diaz – ainda contra a reeleição – começaram a se manifestar contra Lerdo, sendo violentamente reprimidos.

A ação das forças do governo levou Díaz a se levantar novamente em janeiro de 1876. Muitos soldados e a Igreja Católica apoiaram desta vez a chamada Revolução Tuxtepec.

Depois de quase um ano de guerra civil, o lado porfirista entrou na capital mexicana em novembro. No dia 21 daquele mês, ele se tornou presidente interino. Em 5 de maio do ano seguinte, e depois de finalmente ter vencido uma eleição, Porfirio Díaz tornou-se Presidente do México.

Porfiriato história

Primeiro mandato presidencial (1877-1880)

Durante esse primeiro período de Porfirio Díaz na presidência, o político tentou pacificar o país; seu lema era “ordem, paz e justiça”. Para atingir esse objetivo, ele conseguiu que o Congresso lhe desse poderes extraordinários e usou o exército para destruir os caciques.

Da mesma forma, ele substituiu numerosos líderes militares por outros em quem confiava, para acabar com possíveis rebeliões. Em apenas um ano, as medidas entraram em vigor e o país foi pacificado.

Relacionado:  Deus Netuno: história e adoração

Presidência de Manuel González (1880-1884)

Embora na legislatura que durou de 1880 a 1884 o presidente do país fosse Manuel González, a verdade é que foi Díaz quem continuou a dirigir o governo.

González era um militar que havia participado com Díaz no levante contra Lerdo de Tejada. Em 1879, ele foi declarado candidato às eleições e no ano seguinte prometeu o cargo.

O destaque durante seu mandato foi o grande investimento em infraestrutura voltada para a modernização do país. Assim, o governo promoveu a implantação da ferrovia, como o telégrafo. Na esfera econômica, destaca-se a criação de dois grandes bancos, que mais tarde se fundiram para formar o Banco Nacional do México.

Diante desses aspectos, González teve que lidar com acusações contínuas de corrupção e uma revolução contra ele quase eclodiu. Díaz interveio e salvou a situação.

25 anos de porfiriato (1884 -1911)

Díaz recuperou a presidência após o intervalo de González. Foi em 1884 e ele não mais deixaria o cargo até 1911.

A princípio, as notícias econômicas trouxeram grande alegria ao governo e ajudaram a manter a paz e a estabilidade. As infraestruturas continuaram a crescer e a mineração e a produção agrícola foram promovidas.

No entanto, ao mesmo tempo, o descontentamento cresceu. O autoritarismo e a desigualdade de Diaz na distribuição da riqueza criada tornaram grande parte da população contra ele. A ação do exército nas greves de Cananea e Río Blanco espalhou descontentamento.

Para isso, devemos acrescentar os efeitos da crise econômica internacional que surgiu em 1907, que também afetou o México. Essa recessão fez com que o descontentamento aumentasse ainda mais. Assim, em 1910, eclodiu a Revolução Mexicana e, após derrotar os apoiadores de Díaz, o porfiriato foi encerrado.

Estágios

A maioria dos historiadores divide o longo prazo da presidência de Porfirio Díaz (incluindo a legislatura de González) em três etapas:

Primeira etapa

Essa primeira etapa vai de sua primeira eleição até a década de 1980. Foi uma fase em que Díaz tentou estabilizar o país e consolidar seu governo. Ele construiu uma equipe confiável ao seu redor e colocou a ordem e o progresso como uma meta nacional.

Esse objetivo não foi isento de controvérsias, uma vez que o porfiriato não hesitou em recorrer à violência e à repressão contra todos os seus oponentes (inclusive a imprensa) para alcançá-lo.

Segunda etapa

Essa etapa durou até os primeiros anos do século XX. A economia era o principal ativo do governo. Promoveu a modernização da mineração, agricultura e comércio. Os investimentos de milhões de dólares começaram a chegar do exterior, mesmo que isso custasse, por exemplo, empresas de mineração de propriedade americana.

A construção da ferrovia e muitas linhas telefônicas e telegráficas mudaram as comunicações em todo o país.

Por outro lado, durante esse período o autoritarismo de Diaz aumentou. Opositores, imprensa e líderes trabalhistas foram presos. Os episódios mais extremos de repressão foram contra os Yaquis e contra os atacantes de Cananea e Río Blanco.

Terceira etapa

Embora houvesse menos e menos oposição política e imprensa livre, o descontentamento social continuou a crescer. Além disso, o crescimento econômico diminuiu, afetando muitas camadas da sociedade.

Principais características do porfiriado

Artes

Durante o mandato de Porfirio Díaz, houve um boom nas várias áreas da expressão artística e, em geral, elas podem ser divididas em dois períodos no Porfiriato.

Durante o primeiro período, de 1876 a 1888, a inclinação foi para o nacionalismo; e mais tarde, de 1888 a 1911, a tendência era uma preferência pela França e sua cultura.

A literatura era a arte e o campo cultural, com maiores avanços durante o Porfiriato. O escritor Ignacio Manuel Altamirano e Costilla criou grupos de estudos para a história do México, as línguas do México e, por sua vez, promoveu o estudo da cultura universal.

Posteriormente, escritores mexicanos “abandonaram” o orgulho nacionalista e foram influenciados pela literatura francesa com o modernismo.

Eles foram influenciados pelo poeta nicaragüense Rubén Darío, que propôs a liberdade artística sob certas regras. Dessa forma, os autores se inclinaram para o sentimentalismo.

Nas artes visuais da época, destacou-se o pintor José María Velasco, que dedicou a maior parte de seu trabalho como pintor a paisagismo, retratando o vale do México, haciendas, vulcões e personagens da sociedade mexicana. Além disso, outra parte de seu trabalho foi dedicada a retratar cenas provinciais de Oaxaca.

Quanto ao teatro, uma forma de teatro popular, de gênero nacionalista muito popular, era o teatro de meninos mexicano. No entanto, esse gênero tem origem em fatores econômicos e sociais, a nova comercialização do teatro e sua massificação, o que levou à diferenciação de dois gêneros: o gênero menino espanhol e o teatro popular mexicano.

Relacionado:  Chileanization do cobre: ​​contexto, causas e conseqüências

A maioria das atividades teatrais do país ocorreu em dois espaços socioculturais principais. Um deles era o dominante, pertencente ao chamado teatro de culto, destinado às classes média e alta. Mas, por sua vez, surgiu uma cultura popular que realizava atividades de palco como forma de entretenimento para a classe trabalhadora.

Educação

Na filosofia positivista de Porfiriato prevaleceu no México. Desse modo, foi dada grande importância ao estudo da história.

O governo de Porfirio Díaz precisava alcançar a união nacional, porque ainda existiam grupos conservadores. Assim, o Ministério da Instrução Pública usou a história do país para alcançar esse objetivo, dando grande importância à Segunda Intervenção Francesa.

A exposição de monólitos pré-hispânicos no museu nacional foi inaugurada em 1887. Além disso, em 1901, o secretário de instrução pública Justo Sierra criou os departamentos de etnografia e arqueologia no museu.

Em 1904, foi apresentada a Escola Mexicana de Arqueologia, História e Etnografia, que apresentou amostras da cultura pré-hispânica ao mundo.

Para o ano de 1891, foi promulgada a Lei Reguladora da Educação, que estabeleceu a educação como secular, gratuita e obrigatória. Por sua vez, para controlar que os pais e responsáveis ​​cumprissem a obrigação de levar os filhos à escola, foram estabelecidos os Comitês de Vigilância.

Em 26 de maio de 1900, foi proclamada uma lei que proclamava a criação da Universidade Nacional do México (atualmente UNAM), uma iniciativa apresentada por Justo Sierra. Dessa forma, as escolas de Medicina, Engenharia e Jurisprudência, que funcionavam separadamente há mais de 40 anos, se reuniram, em conjunto com a Escola Preparatória Nacional, em uma única instituição.

A Igreja Católica

Durante a Guerra dos Três Anos (1858-1861) no México, foi emitido um conjunto de leis, conhecidas como leis de reforma, cujo objetivo era separar a igreja do governo.

No entanto, a Igreja Católica recuperou grande parte do poder perdido com essas leis. Porfirio Díaz se declarou católico, embora já houvesse um boom no protestantismo.

Sob o mandato de Porfirio Díaz, a Igreja Católica pôde continuar obtendo o dízimo. Essa prática afetou os pequenos proprietários, porque a igreja recebeu sementes como dízimos dos povos indígenas e dos próprios pequenos proprietários.

Dessa maneira, a igreja poderia vender as sementes a preços baixos, os compradores preferindo seus preços aos dos produtores.

Economia

Quando Porfirio Díaz chegou ao poder, ele herdou consideráveis ​​dívidas nacionais e estrangeiras, além de um tesouro público falido. Por esse motivo, os ministros das Finanças realizaram ações para liquidar as finanças, entre as quais: criação de novos impostos que não prejudicam o comércio, maior controle de renda ou redução de gastos públicos, entre outros.

A administração dos recursos do país foi realizada com participação pública e privada. Em 1882, surgiu o Banco Nacional do México, como resultado da união do Banco Mercantil Mexicano e do Banco Nacional Mexicano.

Nesse banco, os impostos eram coletados, eles eram responsáveis ​​pelo Tesouro Geral e concediam empréstimos ao governo. O objetivo era que o México entrasse na economia internacional como exportador de produtos agrícolas ou minerais.

Dessa forma, o México se tornou um importante exportador de matérias-primas e a primeira revolução industrial ocorreu no país.

Atividade marítima e portuária

Entre os anos de 1884 e 1889, a marinha estava em um estado “deplorável”. Para o ano de 1897, foi inaugurada a Escola Militar Naval, que preparava oficiais para a Marinha. Da mesma forma, foram criadas as empresas Transatlántica Mexicana, Mexicana de Navegação e Naviera del Pacífico.

Devido ao aumento do tráfego marítimo, que estava se tornando insuficiente para os portos, outros como Veracruz, Manzanillo, Tampico, entre outros, foram aprimorados. Durante o governo de Díaz, o trabalho no setor marítimo e portuário foi realizado continuamente.

A criação de vários faróis começou na costa mexicana, foi estudada a melhor localização para o porto de Campeche e foram criadas melhorias no porto de Manzanillo.

Sociedade durante o porfiriato

A principal característica da sociedade mexicana durante o Porfiriato era a profunda desigualdade que havia nele. A estabilidade econômica foi alcançada, mas à custa de deixar boa parte da população para trás e suprimir a liberdade.

Por um lado, a Cidade do México se consolidou como o centro cultural e político do país. Grandes obras arquitetônicas começaram a aparecer e a alta sociedade desfrutou da cultura.

Por outro lado, os trabalhadores nunca notaram a melhora econômica. A exploração do trabalho era a norma, em fábricas ou em fazendas; o que eles ganharam não foi suficiente para sobreviver. Uma estimativa aproximada é de 860 mil trabalhadores apenas nos campos industrial e de mineração.

Relacionado:  Tumbes History: Recursos Mais Importantes

Finalmente, os povos indígenas também viram seus direitos diminuídos. Parte de suas terras foi retirada e vendida para capital estrangeiro.

Governo Porfirio Díaz

O longo governo de Porfirio Díaz afetou todas as esferas sociais, econômicas e políticas. Da educação às relações com a Igreja foram afetadas pelas características do Porfiriato.

Economia

A melhora econômica nos primeiros anos do Porfiriato foi evidente. O país chegou ao ponto de obter excedentes e pagar a dívida com os Estados Unidos. Da mesma forma, prosseguiu uma industrialização que deixou a agricultura em segundo plano.

O preço a pagar foi a desigualdade social e a perda dos direitos trabalhistas. Os trabalhadores das haciendas ou da indústria de mineração tinham salários muito baixos, além de longas horas sem fim. Além disso, parte das novas indústrias e terras passaram para mãos estrangeiras.

Repressão e autoritarismo

A repressão violenta foi amplamente utilizada, primeiro com a desculpa de pacificar o país e, posteriormente, para proteger o sistema econômico criado pelos Porfiriato contra os protestos dos trabalhadores.

Por outro lado, uma das características mais pronunciadas desse período foi o acentuado autoritarismo e personalismo com os quais Díaz realizou as tarefas do governo.

Igreja

Governos anteriores haviam removido muitos dos privilégios históricos da Igreja Católica. Com Porfirio Díaz, essa instituição recuperou parte desse poder.

Um dos aspectos mais importantes foi a possibilidade de obter o dízimo. Os pequenos proprietários foram os mais afetados por esse pagamento obrigatório à Igreja.

Educação e cultura

A educação e a cultura também passaram por mudanças, começando pela filosofia que as sustentava.

Esses campos foram inspirados pelo positivismo, muito em voga na época. A história e seu reflexo tornaram-se parte fundamental nos dois campos.

Crise

No início do século XX, o Porfiriato começou a mostrar sinais de exaustão. O clima social, bem como a desaceleração da economia, causavam cada vez mais descontentamentos.

O presidente parecia mostrar sinais de aceitação de eleições democráticas. Assim, em uma famosa entrevista com o jornalista americano James Creelman, concedida em 1908, ele afirmou que nas eleições de 1910 era possível que algum partido da oposição tivesse permissão para participar.

Essas palavras encorajaram os oponentes do regime e movimentos políticos começaram a aparecer para formar partidos.

Francisco I. Madero

Entre os oponentes, destacou-se Francisco Ignacio Madero, que se colocou à frente do movimento antiporfiriato. Ele apresentou sua candidatura no início de 1910 e sua campanha eleitoral foi um verdadeiro sucesso.

No entanto, as palavras de Diaz nada mais eram do que uma miragem. Quando o governo percebeu que Madero poderia ser um rival muito difícil, começou a prender seus partidários e, finalmente, o próprio candidato.

Eleições

Com esta situação, Porfirio vence na votação. Madero tem que se exilar para os Estados Unidos, de onde lança o Plano de San Luis.

Em sua proclamação, ele ignora Díaz como presidente e incentiva os mexicanos a se levantarem contra ele. A data escolhida para o início da revolta foi em 20 de novembro.

Fim do porfiriato

As forças de segurança do governo reagem ao plano prendendo ou assassinando alguns de seus líderes, como Aquiles Serdán. No entanto, a revolta foi quase geral, alcançando grandes progressos em alguns meses.

Em abril de 2011, quase todos os estados tinham grupos revolucionários ativos. A batalha de Ciudad Juárez, com a vitória dos oponentes, faz Díaz começar a considerar sua renúncia. De fato, no final de maio, todo o seu governo renunciou.

Finalmente, em 25 de maio, com mais de mil pessoas se manifestando, a Câmara dos Deputados aprovou a renúncia do presidente, que acabou tendo que se exilar. O porfiriato terminou e a Revolução Mexicana começou.

Referências

  1. Secretário de Defesa Nacional. O Porfiriato. Obtido de gob.mx
  2. Serrano Álvarez, Pablo. Porfirio Díaz e o Porfiriato. Recuperado de inehrm.gob.mx
  3. Cárdenas Ayala, Elisa. O porfiriato: um rótulo historiográfico. Recuperado de scielo.org.mx
  4. Departamento de História, Faculdade de Artes. O Porfiriato: A estabilidade e o crescimento que o México precisava. Obtido em journal.lib.uoguelph.ca
  5. Viagem mãe mãe. O Porfiriato, 1876-1910. Obtido de motherearthtravel.com
  6. História do México. Diaz e o Porfiriato 1876-1910. Obtido em mexicanhistory.org
  7. Garner, Paul. Porfirio Diaz. Recuperado de books.google.es
  8. Tuck, Jim. Democrata em autocrata: a transformação de Porfirio Diaz. Obtido de mexconnect.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies