Projeção azimutal: características, tipos, vantagens, desvantagens

A projeção azimutal é um tipo de projeção cartográfica que representa a Terra em um plano a partir de um ponto de vista específico, geralmente o centro da Terra ou um ponto acima dela. Essa projeção é útil para representar áreas polares, já que as distorções são mínimas nesses locais. Existem diferentes tipos de projeções azimutais, como a projeção polar, equatorial e oblíqua.

Uma das principais vantagens da projeção azimutal é a sua capacidade de representar de forma precisa as distâncias e direções a partir do ponto de vista escolhido. Além disso, ela é ideal para visualizar regiões polares e para aplicações em navegação e meteorologia.

Por outro lado, as desvantagens da projeção azimutal incluem distorções significativas em áreas distantes do ponto de vista escolhido, como as bordas do mapa. Além disso, essa projeção não consegue representar com precisão as áreas próximas aos polos, o que pode resultar em distorções em regiões como os trópicos.

Características da projeção azimutal: definição, aplicação e vantagens desse sistema cartográfico.

Projeção azimutal: características, tipos, vantagens, desvantagens

A projeção azimutal é um sistema cartográfico que representa a Terra em um plano, preservando as distâncias e direções a partir de um ponto central. Nesse tipo de projeção, os meridianos são representados por retas que convergem para o centro, enquanto os paralelos são círculos concêntricos em relação a esse mesmo ponto. Existem diferentes tipos de projeção azimutal, como a projeção polar, equatorial e oblíqua, cada uma com suas próprias características e aplicações específicas.

Uma das principais vantagens da projeção azimutal é a capacidade de representar com precisão as distâncias e direções a partir de um ponto central. Isso torna esse sistema cartográfico ideal para aplicações que exigem uma visão global a partir de um determinado local, como navegação aérea e marítima, planejamento de rotas e monitoramento de fenômenos naturais.

Além disso, a projeção azimutal é bastante útil para representar regiões polares, onde outras projeções cartográficas podem distorcer significativamente as áreas mais próximas dos polos. Com a projeção azimutal, é possível visualizar essas áreas de forma mais precisa e sem distorções excessivas.

No entanto, a projeção azimutal também apresenta algumas desvantagens, como a distorção das áreas mais distantes do ponto central, o que pode dificultar a representação de regiões distantes. Além disso, essa projeção não é adequada para representar o planeta como um todo, já que as distorções aumentam à medida que nos afastamos do ponto central.

Em resumo, a projeção azimutal é um sistema cartográfico com características únicas que o tornam ideal para aplicações específicas, como a representação de distâncias e direções a partir de um ponto central. Apesar de suas vantagens, é importante considerar as limitações desse sistema ao utilizá-lo para representar áreas mais distantes do ponto central.

Prós e contras das projeções cilíndricas, cônicas e azimutais: exemplos de aplicação.

As projeções cilíndricas, cônicas e azimutais são métodos utilizados para representar a superfície curva da Terra em um plano, facilitando a visualização e análise de dados geográficos. Cada tipo de projeção possui suas próprias características, vantagens e desvantagens, bem como diferentes aplicações em diversas áreas.

Projeção cilíndrica: Este tipo de projeção é feito colocando a Terra dentro de um cilindro tangente ao equador. As áreas próximas ao equador são menos distorcidas, enquanto as regiões polares sofrem mais distorção. É comumente utilizado em mapas de navegação marítima e aérea, bem como em projeções de mercator para representar áreas equatoriais.

Relacionado:  Relief of Cundinamarca: Destaques dos recursos

Projeção cônica: Neste caso, a Terra é projetada em um cone tangente a um ponto específico, resultando em menos distorção nas áreas próximas a esse ponto. É frequentemente utilizado em mapas de pequenas áreas, como mapas de países ou regiões específicas.

Projeção azimutal: Neste tipo de projeção, a Terra é projetada em um plano tangente a um ponto específico, resultando em uma representação plana de apenas uma parte da Terra. É comumente utilizado em mapas de regiões polares, como o polo norte ou sul.

As projeções azimutais possuem a vantagem de mostrar com precisão as distâncias e direções a partir do ponto de tangência, sendo úteis em aplicações de navegação e comunicações. No entanto, apresentam distorções significativas nas áreas distantes do ponto de tangência, o que pode comprometer a representação de regiões mais distantes.

Em resumo, cada tipo de projeção possui suas próprias características, vantagens e desvantagens, sendo importante escolher o método mais adequado de acordo com a finalidade do mapa e a região a ser representada. Conhecer as diferenças entre as projeções cilíndricas, cônicas e azimutais é fundamental para garantir a precisão e a eficácia da representação cartográfica.

Conheça os diversos tipos de projeção utilizados em diversos campos profissionais e acadêmicos.

A projeção azimutal é um dos diversos tipos de projeção utilizados em diferentes campos profissionais e acadêmicos. Essa projeção é caracterizada pela representação de um ponto central no globo terrestre, a partir do qual os outros pontos são projetados. Existem vários tipos de projeção azimutal, como a projeção azimutal equidistante, a projeção azimutal estereográfica e a projeção azimutal gnomônica.

A projeção azimutal equidistante é utilizada para representar distâncias verdadeiras a partir do ponto central. Já a projeção azimutal estereográfica é comumente utilizada para representar áreas polares. Por fim, a projeção azimutal gnomônica é utilizada para representar grandes círculos como retas.

Entre as vantagens da projeção azimutal, podemos destacar a facilidade de cálculo de distâncias a partir do ponto central, bem como a representação fiel das áreas próximas ao centro da projeção. No entanto, essa projeção apresenta algumas desvantagens, como a distorção das áreas distantes do ponto central e a dificuldade de representar áreas próximas aos limites da projeção.

Em resumo, a projeção azimutal é um tipo de projeção utilizado em diversos campos profissionais e acadêmicos, com características específicas que a tornam adequada para determinadas aplicações. Conhecer os diferentes tipos de projeção é fundamental para escolher a mais adequada para cada situação.

Por que optar pela projeção cilíndrica? Veja as vantagens dessa técnica de representação cartográfica.

Optar pela projeção cilíndrica pode trazer diversas vantagens na representação cartográfica. Uma das principais vantagens dessa técnica é a preservação das formas e áreas das regiões representadas, o que torna a projeção cilíndrica ideal para mapas que necessitam de precisão nesses aspectos.

Além disso, a projeção cilíndrica é amplamente utilizada em mapas-múndi e mapas de navegação marítima, pois permite uma fácil visualização e compreensão das distâncias e direções entre diferentes pontos. Outra vantagem é a facilidade de traçar linhas retas, o que facilita a representação de rotas e caminhos.

Por fim, a projeção cilíndrica também permite uma melhor compreensão das áreas polares, que podem ser distorcidas em outras projeções cartográficas. Dessa forma, ao optar pela projeção cilíndrica, é possível obter mapas mais precisos e fáceis de interpretar em diversas situações.

Projeção azimutal: características, tipos, vantagens, desvantagens

A projecção azimutal , também chamado azimutal e de projecção de projecção zenital é o mapa de projecção da terra sobre uma superfície plana. A principal intenção desta projeção é obter uma visão do globo a partir do centro do globo ou do espaço sideral.

Essa é a reflexão obtida em um plano tangente (por exemplo, uma folha de papel), levando em consideração os meridianos e paralelos, que acabam transmitindo um conjunto de características e características da esfera para aquele outro elemento.

Projeção azimutal: características, tipos, vantagens, desvantagens 1

Projeção azimutal gnomônica.

Em geral, os pontos de referência para esta projeção são geralmente qualquer um dos pólos. No entanto, isso pode ser feito a partir de qualquer ponto da Terra. É importante notar que a projeção azimutal se refere ao termo matemático “azimute”, que se acredita vir do árabe e se refere a distâncias e trajetórias.

As distâncias mais próximas entre dois pontos do planeta podem ser localizadas através da projeção azimutal, levando em consideração os círculos máximos da circunferência. Por esse motivo, esse tipo de projeção é utilizado para a navegação ortodômica, que busca seguir o caminho dos círculos máximos para percorrer a menor distância entre dois pontos.

História

Alguns estudiosos afirmam que os antigos egípcios foram os pioneiros no estudo dos céus e da forma da Terra. Até alguns mapas podem ser encontrados em livros sagrados.

No entanto, os primeiros textos relacionados à projeção azimutal apareceram no século XI. É a partir daí que se desenvolve o estudo da geografia e dos mapas, cuja evolução floresceu durante o Renascimento .

Naquela época, esboços foram feitos nos continentes e países. O primeiro a fazê-lo foi Gerardo Mercator, que fez o famoso mapa de 156. Mais tarde, ele foi seguido pelo francês Guillaume Postel, que popularizou essa projeção sob o nome de “Postel projection”, que ele usou em seu mapa de 1581.

Ainda hoje se vê a influência dessa projeção no emblema da Organização das Nações Unidas.

Características principais

– Meridianos são linhas retas.

– Paralelos são círculos concêntricos.

– Linhas de longitudes e latitudes se cruzam em ângulos de 90 °.

– A escala dos elementos próximos ao centro é real.

– A projeção azimutal gera um mapa circular.

– Em geral, os polos são considerados pontos centrais para a realização da projeção.

– Os mapas resultantes podem preservar valores em termos de equidistância, área e forma.

– É caracterizada por ter simetria radial.

– O endereço está correto desde que vá do ponto ou elemento central para outro.

– Geralmente não é usado perto do equador, porque existem melhores projeções nessa área.

– Apresenta distorções à medida que se afasta do ponto central.

Para entender a projeção de qualquer tipo, é importante levar em consideração que ela se baseia em conceitos matemáticos para obter o melhor resultado possível em termos de imagem terrestre.

Para isso, os seguintes conceitos são considerados:

Projeção equidistante

É essa projeção que preserva as distâncias.

Projeção equivalente

É a projeção que preserva as superfícies.

Projeção conforme

Preserve a relação de forma ou ângulo entre os pontos estudados.

No final, isso indica que nenhuma projeção realmente permite a preservação desses três elementos, pois matematicamente é impossível porque toma como referência um elemento com dimensões esféricas.

Principais tipos de projeção azimutal

Quando há projeção em perspectiva

Projeção estereográfica

Considera um ponto extremo oposto no globo. O exemplo mais comum é quando os polos são usados ​​como referência, embora nesse caso seria chamado de projeção polar.

Relacionado:  Norte ou norte da África: características, sub-regiões, economia

Também se caracteriza pelo fato de que os paralelos se aproximam à medida que vão em direção ao centro, e cada círculo é refletido como um semicírculo ou como uma linha reta.

Projeção ortográfica

É usado para ter uma visão dos hemisférios, mas da perspectiva do espaço sideral. A área e a forma são distorcidas e as distâncias são reais, especialmente aquelas que estão ao redor do equador.

Projeção Gnômica

Nesta projeção, todos os pontos são projetados em direção a um plano tangente, considerando o centro da Terra.

Geralmente é usado por navegadores e pilotos porque os padrões circulares dos meridianos são mostrados como linhas retas, mostrando rotas mais curtas a serem seguidas.

Note-se que, embora haja avanços tecnológicos pelos quais é mais fácil encontrar essas rotas, o uso de papel ainda persiste.

Quando não há projeção em perspectiva

Projeção Azimutal Equidistante

Geralmente é usado para navegação e viagens para áreas polares, destacando-se as distâncias das rotas aéreas. As medidas do centro são reais.

Projeção Azimutal de Lambert

Com esta projeção é possível ver a Terra inteira, mas com distorções angulares. É por isso que é usado especialmente para a construção de atlas, começando de leste a oeste.

As linhas oblíquas permitem incluir os continentes e os oceanos. Além disso, entre seus usos está o mapeamento de pequenos países e ilhas.

Usos

– A projeção azimutal permite a navegação ortodôntica, que consiste em procurar a distância mínima de um ponto a outro, do ar ou do mar.

– Permite o desenvolvimento de mapas para locais pequenos e compactos, bem como atlas universais.

– Os sismólogos usam projeções gnômicas para determinar as ondas sísmicas, uma vez que se movem na forma de grandes círculos.

– Assistência ao sistema de radiocomunicação, pois os operadores usam projeção azimutal para localizar antenas de acordo com os ângulos que estabelecem nos mapas.

Vantagens

– Intercepte a Terra de acordo com as diferentes leis sobre perspectivas.

– Quando o centro das projeções está nos pólos, as distâncias são reais.

– Fornece uma grande projeção dos mapas do Ártico e Antártico, bem como dos hemisférios.

– A representação dos polos não mostra distorção, pois aumenta no equador.

Desvantagens

– A distorção será maior à medida que a distância aumenta, de um ponto na superfície plana à superfície do globo.

– Não permite representar a Terra em sua totalidade, a menos que apresente distorções.

Artigos de interesse

Projeção homolográfica .

Projeção de Peters .

Tipos de projeções cartográficas .

Projeção Mercator .

Referências

  1. Projeções azimutais: Ortográficas, Esterográficas e Gnomônicas. (2018). Em GISGeography. Retirado: 15 de fevereiro de 2018. Em GISGeography of gisgeography.com.
  2. Projeção azimutal. (sf). Na Wikipedia Retirado: 15 de fevereiro de 2018. Na Wikipedia, em en.wikipedia.org.
  3. Projeções azimutais. (sf). Em Lázaro. Recuperado: 15 de fevereiro de 2018. Em Lazarus de lazarus.elte.hu.
  4. Fundamentos do Mapeamento. (2016). No ICSM. Retirado: 15 de fevereiro de 2018. No ICSM de icsm.gov.au.
  5. Projeção azimutal. (2013). Em Engenharia de Mapa. Retirado: 15 de fevereiro de 2018. Em Engineering of Ingenieriademapas.wordpress.com Maps.
  6. Projeção azimutal. (sf). Na Wikipedia Retirado: 15 de fevereiro de 2018. Na Wikipedia, es.wikipedia.org.
  7. Projeções azimutais. (sf). No UNAM. Retirado: 15 de fevereiro de 2018. Na UNAM de arquimedes.matem.unam.mx.

Deixe um comentário