Protocolos ambientais: o que são e principais protocolos

Os protocolos ambientais são uma série de acordos internacionais que visam melhorar as condições ambientais em todo o mundo. Eles buscam alcançar a prevenção e redução dos impactos das ações humanas em relação ao meio ambiente.

São documentos antigovernamentais que têm apoio legal. A Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial do Comércio (OMC) são essenciais para a implementação desses protocolos. A conformidade com os protocolos ambientais é uma obrigação para os países que assinam ao se comprometerem com o projeto.

Protocolos ambientais: o que são e principais protocolos 1

Por O impacto da tecnologia no meio ambiente [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

O Protocolo de Proteção Ambiental ao Tratado da Antártica, o Protocolo de Compostos Orgânicos Voláteis, o Protocolo de Kyoto e o Protocolo de Montreal são alguns dos tratados adotados para melhorar as condições ambientais.

Além disso, alguns dos protocolos estabelecem as responsabilidades de cada país signatário pelo cumprimento das medidas estipuladas no tratado.

Em que eles consistem?

Importância do direito internacional

O direito internacional é definido como o conjunto de regras, acordos e tratados vinculativos entre países. Quando os estados soberanos criam um acordo (vinculativo e aplicável), isso é chamado de direito internacional.

Os países do mundo se reúnem para criar regras para beneficiar seus cidadãos; bem como promover a paz, a justiça e os interesses comuns.

O direito internacional está associado aos direitos humanos de todos os cidadãos, tratamento de refugiados, acusação de crimes internacionais, reivindicação de territórios, tratamento justo de prisioneiros, preservação do meio ambiente e inúmeras questões que beneficiam Os habitantes do mundo.

Acordos ambientais

Protocolos ambientais, ou também chamados acordos ambientais internacionais, são um tipo de tratado vinculado ao direito internacional, a fim de alcançar um objetivo ambiental.

É uma série de documentos intergovernamentais (com apoio jurídico) que têm como principal objetivo prevenir ou gerenciar os impactos dos seres humanos nos recursos naturais.

A Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial do Comércio (OMC) são organizações intergovernamentais importantes na implementação desses acordos.

As Nações Unidas lidam com um compêndio de questões relacionadas à diversidade biológica, produtos químicos e resíduos, clima e atmosfera; como a Organização Mundial do Comércio, que promove políticas comerciais e ambientais e promove a proteção e preservação do meio ambiente.

A maioria dos tratados é obrigatória e legal por todos os países que confirmaram formalmente sua participação no acordo.

Principais protocolos internacionais

Protocolo de Proteção Ambiental ao Tratado da Antártica

O Protocolo Ambiental Antártico, em seu menor nome, era um tratado que entrou em vigor em 14 de janeiro de 1998, concluído na capital da Espanha, Madri.

O acordo tem a função de fornecer proteção abrangente ao ambiente antártico. Estima-se que em 2048 esteja aberto para uma nova revisão.

No protocolo, foi escrita uma série de artigos cujos países envolvidos têm o dever de cumprir, entre eles a proibição de qualquer atividade relacionada a recursos minerais que não seja apenas para fins científicos.

Outro artigo exige que os Estados Membros estejam preparados para ações de resposta a emergências na região.

Até maio de 2013, o protocolo foi ratificado por 34 dos países membros, enquanto apenas 11 não o fizeram.

Protocolo de compostos orgânicos voláteis

O Protocolo da Convenção de 1979 sobre poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância, relacionado ao controle de emissões voláteis de compostos orgânicos ou de seus fluxos transfronteiriços. Entrou em vigor em 29 de setembro de 1997.

O programa faz parte da Convenção sobre poluição atmosférica transfronteiriça de longa distância.

Procura controlar e reduzir a emissão de produtos químicos orgânicos que têm alta pressão de vapor a temperaturas estáveis. Com isso, visa reduzir os fluxos transfronteiriços para proteger tanto a saúde do ser humano quanto a do meio ambiente.

Foi concluído na Suíça e contou com a participação de 24 países, incluindo Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Hungria, Itália, Espanha, Suécia e Suíça.

Protocolo de Quioto

O Protocolo de Kyoto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima foi adotado na cidade do Japão em dezembro de 1997 e entrou em vigor em fevereiro de 2005.

Era um tratado internacional que visava reduzir os gases poluentes que causam o aquecimento global. Quando entrou em vigor, exigiu que 41 países e os estados membros da União Europeia reduzissem a emissão de gases de efeito estufa.

Em 2015, o Protocolo de Kyoto foi substituído por um acordo global para limitar o aumento da temperatura média global a um máximo de 2 ° C.

Protocolo de Montreal

O Protocolo de Montreal sobre substâncias que empobrecem a camada de ozônio foi um tratado internacional adotado em 16 de setembro de 1987.

O objetivo era regular a produção e reduzir o uso de produtos químicos que contribuem para a destruição da camada de ozônio da Terra. Foi assinado por 46 países; No entanto, atualmente possui 200 signatários.

O Protocolo de Montreal entrou em vigor em 1º de janeiro de 1989, mas continuou a ser modificado para reduzir e eliminar o uso de clorofluorcarbonetos e halons.

Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança

O Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica entrou em vigor em 2003.

É um tratado internacional que visa proteger a diversidade biológica dos riscos impostos pelos organismos geneticamente modificados graças à biotecnologia. Esses organismos têm sido utilizados para produzir medicamentos e alimentos com modificações genéticas.

O protocolo afirma que os produtos resultantes de modificações genéticas devem ter uma série de precauções e permitir que os países estabeleçam um equilíbrio entre a saúde pública e os benefícios econômicos.

O Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança pode proibir a importação de organismos geneticamente modificados, se eles forem considerados inseguros.

Referências

  1. Protocolo de Kyoto, Portal Encyclopedia Britannica, (sd). Retirado de britannica.com
  2. Protocolo de Montreal, Portal Encyclopedia Britannica, (sd). Retirado de britannica.com
  3. O que é o Direito Internacional?, Portal Legal de Carreira, (nd). Retirado de legalcareerpath.com
  4. O Protocolo ao Tratado da Antártica sobre Proteção Ambiental, Secretaria do Portal do Tratado da Antártica, (nd). Retirado de ats.aq
  5. Lista dos principais tratados, regras e outras iniciativas ambientais em que Lindy Johnson desempenhou um papel fundamental na modelagem, Documento PDF, (s). Retirado de gc.noaa.gov
  6. Protocolo de compostos orgânicos voláteis, Wikipedia em inglês, (nd). Retirado de wikipedia.org
  7. Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, Wikipedia em inglês, (nd). Retirado de wikipedia.org
  8. Lista de acordos ambientais internacionais, Wikipedia em inglês, (nd). Retirado de wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies