Psicologia da saúde: história, objetivos, áreas, instrumentos

A psicologia da saúde é o estudo da influência dos aspectos psicológicos e comportamentais, tais como processos de saúde, doença e cuidados médicos dos pacientes. É baseado na ideia de que nossas atitudes, pensamentos, emoções e formas de agir podem desempenhar um papel fundamental em nosso estado físico.

O principal objetivo da psicologia da saúde é entender quais fatores psicológicos têm um papel mais importante em nosso bem-estar físico. Dessa maneira, esse conhecimento pode ser aplicado para melhorar a saúde dos pacientes, seja individualmente em consulta ou em larga escala, gerando programas de conscientização pública.

Psicologia da saúde: história, objetivos, áreas, instrumentos 1

Fonte: pexels.com

Embora no início a psicologia da saúde se baseasse em estudos relacionados à psicologia clínica, hoje são disciplinas totalmente independentes. De fato, ao longo dos anos, diferentes ramos surgiram nesse campo, cada um estudando a influência de processos psicológicos em diferentes áreas do bem-estar físico.

Atualmente, os profissionais de psicologia da saúde podem se dedicar a áreas como clínica, pública, comunidade e saúde crítica. No entanto, embora seja um campo de estudo independente, é muito comum os especialistas nessa área colaborarem com outras pessoas dedicadas a disciplinas como terapia ocupacional, intervenção comunitária ou psicologia clínica tradicional.

Origem e História

Primeira evidência

A influência de fatores psicológicos e comportamentais na saúde física começou a ser estudada desde o início do século XX. No entanto, as primeiras investigações a esse respeito vieram de áreas como medicina, especialmente de especialidades como medicina comportamental ou psicossomática. A psicologia, a princípio, não teve nenhum papel nesse sentido.

No entanto, em meados do século XX, diferentes investigações começaram a relacionar fatores da psicologia e do comportamento com um melhor estado de saúde física. Assim, os primeiros estudos a esse respeito demonstraram o efeito que o sono adequado, a ingestão de alimentos saudáveis, o exercício e a prevenção de substâncias nocivas como tabaco e álcool tiveram sobre o bem-estar da população.

Por outro lado, nos anos 60 e 70, alguns psicólogos e cientistas começaram a suspeitar que os processos mentais também poderiam desempenhar um papel importante na saúde do nosso corpo. Por exemplo, descobriu-se que o estresse teve um impacto muito negativo no sistema imunológico e aumentou as chances de sofrer doenças cardiovasculares.

Surgimento da psicologia da saúde

Até a década de 1970, o papel dos psicólogos em contextos clínicos, como hospitais, limitava-se a ajudar os pacientes a se ajustarem melhor às condições causadas por suas doenças. No entanto, o psicólogo William Schofield teve que preparar um relatório para a American Psychological Association (APA) que causou uma série de mudanças nesse fato.

Em seu relatório, Schofield percebeu que a maioria das pesquisas tratava a psicologia e a saúde física como entidades separadas e que quase não havia estudos sobre a relação entre os dois. Devido a esse resultado, a APA decidiu criar um programa para treinar os profissionais de saúde mental sobre qual o papel que eles deveriam ter em relação à medicina tradicional.

Assim, em 1977, a APA criou uma divisão específica dedicada à psicologia da saúde, que buscava coletar e expandir dados disponíveis sobre o papel dos pensamentos, emoções, comportamentos e atitudes sobre o bem-estar físico. Nos anos seguintes, instituições semelhantes foram criadas em todo o mundo.

Descobertas e mudanças nas últimas décadas

Desde a criação dos primeiros departamentos de psicologia da saúde, entre os anos 70 e 80, essa disciplina vem ganhando importância e no número de profissionais dedicados a ela. Algumas das mudanças e descobertas mais importantes dos últimos tempos são citadas abaixo.

Evidências sobre a relação entre mente e corpo

Desde a criação das primeiras divisões profissionais dedicadas à psicologia da saúde, mais e mais evidências da relação entre bem-estar psicológico e físico começaram a ser coletadas. Também foi observado que fatores como as habilidades sociais e comunicativas dos médicos influenciaram bastante a adesão aos tratamentos médicos.

Relacionado:  Howard Gardner: Biografia e principais teorias

Por outro lado, ao longo das últimas décadas, foi desenvolvido um grande número de programas médicos baseados em teorias psicológicas, como modificação de comportamento (uma técnica derivada do behaviorismo), mudança de crenças ou treinamento de habilidades. social, autocontrole e inteligência emocional.

Criação da figura do psicólogo da saúde

À medida que foram coletados dados sobre a influência do bem-estar mental de uma pessoa em sua saúde física, tornou-se cada vez mais evidente a necessidade de treinar profissionais que pudessem servir de ponte entre a psicologia e a medicina. Foi assim que surgiu a figura do psicólogo da saúde.

Atualmente, as pessoas que desejam se dedicar a esse campo devem receber treinamento específico, no qual estão preparadas para enfrentar as dificuldades específicas de seu trabalho.

Entre as tarefas que os psicólogos da saúde devem executar estão algumas: interação com os pacientes, criação de programas de intervenção ou treinamento de médicos, enfermeiros e outros profissionais.

Teoria principal da psicologia da saúde: o modelo biopsicossocial

Antigamente, acreditava-se que corpo e mente eram entidades separadas e que não se influenciavam de maneira alguma. Isso é conhecido como “dualismo”. No entanto, desde meados do século passado, é cada vez mais claro que essa noção está completamente errada.

Hoje, um modelo chamado “biopsicossocial” é usado tanto na medicina quanto no campo da saúde mental. A teoria por trás disso é que a saúde física, o bem-estar psicológico e certos fatores sociais se influenciam. Assim, se um deles for alterado, é muito provável que os outros dois também o façam.

O modelo biopsicossocial foi desenvolvido a partir da psicologia da saúde, mas foi estendido a muitos outros campos relacionados. Por exemplo, serve para explicar quais fatores psicológicos impedem algumas pessoas de seguir uma dieta tempo suficiente para perder peso; ou por que o estresse pode aumentar muito as chances de contrair câncer.

Objetivos

Após o desenvolvimento que sofreu nas últimas décadas, a psicologia da saúde agora tem um grande número de metas e objetivos diferentes. A seguir, veremos alguns dos mais importantes.

– Compreender a relação entre corpo, mente e sociedade

Já vimos que o modelo atualmente utilizado no campo da saúde compreende que os aspectos físicos, mentais e sociais estão intimamente relacionados e se afetam. No entanto, ainda existem muitas questões não resolvidas a esse respeito. Respondê-los é precisamente um dos objetivos desse ramo da psicologia.

Por exemplo, hoje sabemos que doenças mentais como a depressão podem ser o produto de padrões de pensamento pouco adaptativos; mas também podem surgir devido a alterações químicas em nosso cérebro ou no resto do organismo. A relação entre as duas causas ainda não é muito clara.

Por outro lado, sabe-se atualmente que fatores como pobreza, baixa escolaridade ou pertencimento a uma classe social desfavorecida podem aumentar as chances de sofrer doenças físicas e mentais. De fato, em alguns círculos se diz que “a pobreza é contagiosa”, embora essa frase não seja usada literalmente.

A psicologia da saúde, portanto, tem entre seus principais objetivos entender como nossa saúde física interage com nossos processos mentais; e como esses dois elementos, por sua vez, se relacionam com os diferentes aspectos de nossa vida na sociedade.

-Prevenção de doenças

Os psicólogos da saúde também têm entre seus objetivos ajudar a prevenir todos os tipos de doenças físicas. Eles podem fazer isso de várias maneiras. Muitos deles estão relacionados a pesquisas sobre os diferentes fatores que influenciam a aparência de diferentes problemas de saúde e os efeitos de um estilo de vida pouco saudável.

Relacionado:  Os 13 tipos de liberdade e suas características

A seguir, veremos quais são os principais métodos usados ​​pelos psicólogos da saúde para ajudar a prevenir doenças de todos os tipos.

Mudança de comportamento

A maneira mais básica pela qual os psicólogos desse ramo podem ajudar seus pacientes a evitar o aparecimento de doenças é alterando hábitos diferentes que geralmente levam a todos os tipos de problemas de saúde. Isso, acima de tudo, é conseguido usando técnicas comportamentais, como reforçar bons costumes e penalizar negativos.

Embora obviamente um médico ou psicólogo não tenha o poder de “punir” seus pacientes se eles tiverem hábitos de vida insanos, eles podem, por exemplo, criar campanhas publicitárias que destacam os aspectos mais negativos de elementos como tabaco, álcool ou álcool. açucar Dessa forma, busca melhorar os hábitos da população em geral.

Procure resistência a fatores de mudança

No entanto, muitas pessoas estão perfeitamente conscientes de que a maneira como agem ameaça seu bem-estar físico e, no entanto, decidem não mudar. Outra das funções dos psicólogos da saúde, então, é descobrir quais fatores psicológicos ou sociais estão desempenhando um papel na manutenção desses costumes prejudiciais.

Assim, nessa área, foi descoberto que a maioria dos usuários de tabaco usa esse medicamento para evitar seus problemas e emoções negativas. Munidos desse conhecimento, os profissionais de saúde podem criar campanhas eficazes para resolver o problema subjacente e, assim, gerar mudanças duradouras.

Melhoria da saúde mental dos pacientes

Finalmente, já vimos que fatores como emoções negativas ou o aparecimento de distúrbios como depressão ou ansiedade tornam mais provável o surgimento de condições físicas como câncer ou doenças cardiovasculares.

Por esse motivo, outra das tarefas que os psicólogos da saúde podem realizar para ajudar a prevenir doenças é elaborar estratégias e programas de intervenção para reduzir o máximo possível o impacto de todos esses tipos de distúrbios psicológicos sobre a saúde. A população em geral.

-Educação e treinamento

Outro dos objetivos mais importantes da psicologia da saúde é transmitir todas essas descobertas, estratégias e conhecimentos aos profissionais que precisam lidar com os pacientes todos os dias. Assim, os psicólogos dessa área costumam se dedicar a fornecer treinamento para outros profissionais de saúde mental, médicos e terapeutas ocupacionais.

Nessas formações, podem ser tratados tópicos tão diversos quanto os resultados das pesquisas mais recentes sobre o modelo biopsicossocial, como quais são as melhores maneiras de se comunicar com os pacientes ou o que pode ser feito para reduzir os fatores de risco do aparecimento de várias condições físicas e mentais

Áreas de aplicação

No âmbito da assistência formal à saúde, esse ramo da psicologia pode ser observado especialmente em três áreas: tratamento da dor, melhor adesão a tratamentos médicos e melhor comunicação entre especialistas e pacientes.

Vamos olhar para cada uma dessas áreas.

Manejo da dor

Uma das últimas áreas a aparecer na psicologia da saúde é o campo do tratamento da dor. De acordo com as pesquisas mais recentes sobre esse fenômeno, o componente psicológico desempenha um fator muito importante na experiência subjetiva da dor.

Assim, os psicólogos da saúde desenvolveram diversas técnicas que podem ser usadas para reduzir o desconforto dos pacientes, desde aquelas baseadas em terapias científicas como cognitivo-comportamentais até aquelas com abordagens menos tradicionais, como a acupuntura.

Relacionado:  70 filmes psicológicos e de reflexão imperdíveis

Melhoria da adesão a tratamentos médicos

Como já mencionamos, grande parte da tarefa realizada por psicólogos da saúde tem a ver com investigar as causas que levam os pacientes a não seguir seus tratamentos ou a mudar hábitos que podem impedir o aparecimento de todos os tipos de doenças.

Mas, além de investigar quais são as causas que levam as pessoas a não adotar hábitos benéficos e planejar intervenções com base nessas descobertas, os psicólogos da saúde também podem realizar terapias diretas focadas na solução desse problema.

Assim, por exemplo, um especialista nesse campo poderia acompanhar um paciente que precisa fazer um tratamento específico e que já o deixou várias vezes. Através de técnicas extraídas de terapias como cognitivo – comportamental ou aceitação e comprometimento, você pode aumentar as chances de seguir.

Melhorar a comunicação entre especialistas e pacientes

Empregos relacionados à área da saúde exigem empatia e habilidades de comunicação especialmente fortes. Isso se deve, entre outras coisas, à maneira como o médico comunica certas notícias sobre sua condição física ao paciente e pode influenciar bastante sua recuperação futura.

Para melhorar a comunicação, empatia e habilidades sociais de médicos e outros profissionais de saúde, psicólogos especializados nessa área podem realizar treinamentos a intervenções personalizadas, com uma abordagem mais terapêutica.

Instrumentos de avaliação

Como qualquer outra disciplina científica, para saber se uma intervenção realizada com base na psicologia da saúde é eficaz, é necessário realizar medidas que permitam comparar os resultados que existiam anteriormente com os obtidos após ela.

Dependendo da área a que nos referimos, a avaliação da eficácia de diferentes intervenções será realizada de maneira diferente. Por exemplo, se uma campanha publicitária tiver sido desenvolvida com o objetivo de reduzir o uso de drogas entre a população adolescente, será necessário coletar dados sobre quantos indivíduos nesse grupo consomem substâncias ilegais antes e depois da execução.

Outra área em que as avaliações podem ser realizadas na psicologia da saúde é quando se tenta aumentar a adesão dos pacientes a um tratamento específico, ou quando se trata de verificar se eles modificaram seus hábitos. Esses resultados são difíceis de medir objetivamente, mas existem algumas ferramentas que podem ajudar a concluir esta tarefa.

Um dos mais utilizados é a redação de auto-relatórios. Esses documentos, escritos pelos próprios pacientes, coletam informações sobre seus hábitos e a maneira como eles agiram durante o período entre duas visitas ao médico ou psicólogo. Nela, você pode escrever, por exemplo, em que dias tomou as pílulas prescritas para você, para ver se sua adesão está aumentando.

Embora a elaboração de auto-relatórios seja complicada, foi demonstrado que o uso de ferramentas de avaliação desse tipo ajuda a melhorar os resultados obtidos pelos profissionais de psicologia da saúde.

Referências

  1. “O que é psicologia da saúde?” In: VeryWell Mind. Retirado em: 22 de maio de 2019 de VeryWell Mind: verywellmind.com.
  2. “Psicólogos da saúde” em: Australian Psychological Society. Retirado em: 22 de maio de 2019 da Australian Psychological Society: psychology.org.au.
  3. “O que é psicologia da saúde?” In: O que é psicologia? Retirado em: 22 de maio de 2019 de What Is Psychology?: Whatispsychology.biz.
  4. “Uma visão geral da psicologia da saúde” em: PsychCentral. Recuperado em: 22 de maio de 2019 de PsychCentral: psychcentral.com.
  5. “Psicologia da Saúde” em: Wikipedia. Retirado em: 22 de maio de 2019 na Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário