Psicologia e ciência: 6 chaves para identificar produtos pseudocientíficos

A Psicologia é uma ciência que estuda o comportamento humano e os processos mentais, buscando compreender e explicar os fenômenos psicológicos de forma científica. No entanto, no campo da Psicologia, assim como em outras áreas do conhecimento, surgem frequentemente produtos e práticas pseudocientíficas que se apresentam como soluções milagrosas, mas que carecem de fundamentação científica sólida. Neste contexto, é importante estar atento a algumas chaves que nos ajudam a identificar produtos pseudocientíficos na Psicologia, garantindo assim que possamos fazer escolhas informadas e baseadas em evidências. Neste artigo, apresentaremos 6 chaves para identificar produtos pseudocientíficos na Psicologia e nos proteger de práticas enganosas e ineficazes.

Principais temas e teorias em Psicologia Social abordados em PDF.

A Psicologia Social é uma disciplina que estuda como as pessoas pensam, sentem e se comportam em contextos sociais. Em um artigo em PDF sobre Psicologia Social, podem ser abordados diversos temas e teorias importantes, como a influência social, a percepção social, os processos grupais, a identidade social, entre outros. Esses temas são fundamentais para compreendermos como as interações sociais impactam o comportamento humano.

Na Psicologia Social, a teoria da identidade social destaca a importância da identificação com um grupo social para a nossa autoestima e comportamento. Já a teoria da atribuição analisa como as pessoas interpretam e explicam as causas do comportamento humano, influenciando assim as suas atitudes em relação aos outros.

Além disso, a Psicologia Social também explora a influência social, que se refere ao impacto que outras pessoas têm sobre nossas crenças, atitudes e comportamentos. A conformidade e a obediência são temas recorrentes nesse campo, mostrando como tendemos a nos ajustar às normas sociais e às figuras de autoridade.

Outro tema relevante é a percepção social, que estuda como percebemos e interpretamos as informações sociais ao nosso redor. A teoria da autoeficácia, por sua vez, investiga a nossa crença na nossa capacidade de realizar determinadas tarefas e alcançar objetivos.

Ao estudarmos esses conceitos, podemos ampliar nosso conhecimento sobre como as interações sociais influenciam nossas atitudes, comportamentos e relações interpessoais.

A consolidação da Psicologia como ciência no Brasil: marcos históricos e contribuições significativas.

A consolidação da Psicologia como ciência no Brasil é um processo que teve como base diversos marcos históricos e contribuições significativas ao longo dos anos. A Psicologia, como disciplina científica, começou a se desenvolver no país no final do século XIX, com a fundação do primeiro laboratório de Psicologia experimental na Universidade de São Paulo em 1901.

Outro marco importante foi a criação da primeira graduação em Psicologia no Brasil, em 1962, na Universidade de Brasília. A partir daí, a Psicologia passou a se consolidar como uma ciência autônoma, com a criação de diversos cursos de graduação, mestrado e doutorado em todo o país.

Além disso, contribuições significativas foram feitas por diversos psicólogos brasileiros ao longo dos anos, como Henrique Abreu, que desenvolveu a Teoria das Representações Sociais, e Ana Maria Braz, pioneira na Psicologia Escolar no Brasil.

Relacionado:  As diferenças psicológicas e cerebrais entre canhotos e destros

Atualmente, a Psicologia no Brasil é uma ciência reconhecida e respeitada, com diversas áreas de atuação e pesquisa, como Psicologia Clínica, Psicologia Organizacional e Psicologia Social, entre outras.

Origem da psicologia como disciplina autônoma no contexto científico da psicologia moderna.

A psicologia como disciplina autônoma no contexto científico da psicologia moderna teve sua origem no final do século XIX, com o surgimento de laboratórios de psicologia experimental em universidades europeias e americanas. Antes disso, a psicologia era muitas vezes considerada uma subárea da filosofia ou da fisiologia.

Com a influência de pensadores como Wilhelm Wundt, considerado o pai da psicologia experimental, a psicologia começou a se consolidar como uma ciência independente, com métodos de pesquisa e abordagens teóricas próprias. Wundt fundou o primeiro laboratório de psicologia experimental em 1879, na Universidade de Leipzig, na Alemanha, e foi um dos primeiros a defender a ideia de que a psicologia deveria ser estudada de forma objetiva e científica.

Outro marco importante na consolidação da psicologia como disciplina científica foi a publicação do livro “Principles of Psychology” por William James, em 1890. James foi um dos primeiros psicólogos americanos a defender a abordagem funcionalista na psicologia, que se concentrava no estudo das funções mentais e comportamentais em vez de estruturas mentais.

Com o passar do tempo, a psicologia foi se diversificando em diferentes abordagens teóricas e áreas de atuação, como a psicologia clínica, a psicologia do desenvolvimento, a psicologia social, entre outras. Hoje em dia, a psicologia é reconhecida como uma ciência complexa e multifacetada, que utiliza métodos científicos para estudar o comportamento humano e os processos mentais.

Psicologia e ciência: 6 chaves para identificar produtos pseudocientíficos.

Psicologia Social: Abordagens Teóricas e Temas Atuais na Terceira Edição.

A Psicologia Social é uma área da Psicologia que estuda como os indivíduos são influenciados pelo ambiente social em que estão inseridos. O livro “Psicologia Social: Abordagens Teóricas e Temas Atuais na Terceira Edição” aborda diferentes teorias e temas contemporâneos dessa disciplina, fornecendo uma visão abrangente e atualizada do campo.

Os autores exploram as principais abordagens teóricas da Psicologia Social, como a teoria da identidade social e a teoria da atribuição, e discutem temas atuais, como preconceito, discriminação e influência social. A obra também destaca a importância da pesquisa empírica e da aplicação prática dos conceitos estudados.

Este livro é uma ferramenta essencial para estudantes e profissionais que desejam aprofundar seu conhecimento em Psicologia Social e compreender as complexidades das interações sociais. Com uma abordagem clara e acessível, a terceira edição desta obra se destaca por sua relevância e atualidade no campo da Psicologia.

Psicologia e ciência: 6 chaves para identificar produtos pseudocientíficos.

Quando se trata de Psicologia, é fundamental saber distinguir entre abordagens científicas legítimas e produtos pseudocientíficos que não possuem embasamento empírico sólido. Existem seis chaves principais que podem ajudar a identificar esses produtos enganosos.

Em primeiro lugar, é importante verificar se a teoria ou método proposto está fundamentado em evidências científicas sólidas. Produtos pseudocientíficos muitas vezes carecem de pesquisa empírica robusta para respaldar suas alegações.

Relacionado:  Aprendendo a lidar com a empatia e a adaptação: duas maravilhosas qualidades do ser humano

Além disso, é essencial analisar a credibilidade dos autores ou instituições por trás do produto. Profissionais e pesquisadores reconhecidos no campo da Psicologia geralmente são mais confiáveis do que fontes desconhecidas ou duvidosas.

Outra chave importante é a consistência com o conhecimento atual da Psicologia. Produtos que contradizem amplamente aceitos na comunidade científica devem ser vistos com ceticismo.

Portanto, ao avaliar produtos relacionados à Psicologia, é crucial manter um olhar crítico e utilizar essas seis chaves para identificar potenciais produtos pseudocientíficos.

Psicologia e ciência: 6 chaves para identificar produtos pseudocientíficos

Psicologia e ciência: 6 chaves para identificar produtos pseudocientíficos 1

A ciência é um farol no meio do ruído aleatório

– Nassim Taleb

Certamente, quando navegarem pelo “monstro da informação”, a Internet, perceberão que, ao procurarem tópicos relacionados à psicologia ou outras ciências, vários documentos relacionados a coisas como psicanálise , aromaterapia, constelações e psicomagia estão sempre à vista. , teorias da conspiração … e que, é claro, pessoas que não sabem nada sobre psicologia, ciência, que não têm bom senso e até mesmo profissionais e estudantes em treinamento caem nas redes da tentadora “pseudociência” .

Por esse motivo, e para esclarecer dúvidas sobre esse assunto, decidi publicar este artigo com algumas dicas e definições que nos ajudarão a determinar em que confiar e o que não fazer.

Em busca de fontes confiáveis ​​de informação

Para começar, gostaria de mencionar o trabalho do filósofo americano Charles Sanders Pierce ao classificar quatro métodos de fixação de crenças [1]. O primeiro disso é o método de autoridade , no qual a maneira mais simples de fixar uma crença é acreditar cegamente na palavra de uma pessoa sem questioná-la; Um exemplo poderia ser o cenário de crenças religiosas.

O segundo método é o da tenacidade , que consiste em apegar-se a um estereótipo, mesmo na presença de um bom contra-exemplo; Este método é observado em fãs racistas.

O terceiro é o método a priori, que se refere a uma crença na qual nenhuma referência ou análise é feita para aceitá-lo. Finalmente, permanece o método que é a única forma válida de conhecimento aceito, o método científico (Kantowitz, RoedigerIII, & Elmes, 2011; Kerlinger & Lee, 2002) que é definido como um processo serial pelo qual a ciência obtém respostas para suas perguntas (McGuigan, 2011), e que possui a característica de autocorreção e, portanto, “possui pontos de verificação intrínsecos ao longo de todo o caminho do conhecimento científico. Esses controles são projetados e usados ​​de maneira a direcionar e verificar atividades científicas e conclusões para poder depender … “(Kerlinger & Lee, 2002).

Teclas para detectar textos ou artigos pseudocientíficos

Já esclarecemos as maneiras pelas quais estabelecemos nossas crenças sobre algo, podemos dizer que existem algumas teorias que “disfarçam” a ciência quando não são, mas como evitá-las?

Abaixo está uma lista de algumas dicas para não cair na armadilha de alguns charlatães:

Relacionado:  As emoções são realmente importantes?

1. Verifique se a fonte é confiável

Verifique se o que você está lendo ou consumindo por alguns meios de comunicação possui fontes válidas e confiáveis ​​de consulta . Por exemplo, artigos revisados ​​por pares publicados em revistas científicas indexadas (uma vez que, para um artigo ser publicado, ele passa por vários processos de validade e confiabilidade), citações de pessoas importantes no campo científico …

2. Livre-se do viés de confirmação

Não caia em um viés de confirmação . Não acredite em tudo que você pensa, o que o outro pensa, é mais, melhor não acreditar e questionar tudo . As pessoas, por princípios psicológicos, sempre buscam confirmar nossas idéias (Gazzaniga, Heatherton & Halpern, 2016).

3. Confie em números mais do que em crenças

Pense em se concentrar nos dados estatísticos, em vez de intuitivamente ou com base em sua própria experiência . A realidade é muito mais ampla do que se vive ou pensa que se percebe. Muitas vezes deixamos de lado o raciocínio lógico para prestar mais atenção ao que o bom senso exige.

4. Lembre-se: nem todos os fatores são facilmente explicados

Nem tudo tem um significado ou causas facilmente identificáveis, que podem ser reduzidos a uma simples afirmação do tipo “homossexualidade é causada por abuso infantil”. Na realidade, todos os fenômenos são multicausais , embora certas variáveis ​​sejam mais importantes que outras, e seu estudo nos permite prever melhor o que acontecerá.

5. Validade

Lembre-se de que a ciência, para ser chamada assim, precisa atender a certos critérios e um deles é a validade , que é o grau em que algo, um instrumento ou método realmente mede a variável a ser medida.

6. Confiabilidade

Este conceito é, juntamente com o anterior, muito importante e refere-se ao grau em que um instrumento de medição ou método de terapia … produz resultados consistentes e coerentes.

Em conclusão, lembre-se, da próxima vez que você consumir um produto da “verdadeira psicologia”, que apenas para lembrar é o estudo científico da mente, cérebro e comportamento, lembre-se de todas essas dicas e evite ser enganado pelos charlatães. Todo produto, na mídia, na Internet ou na televisão, coloca-o sob o microscópio da ciência , procura por artigos que atendam a critérios rígidos de publicação e fontes confiáveis ​​e evitem ser enganados.

Referências bibliográficas:

  • Gazzaniga, MS, Heatherton, TF e Halpern, DF (2016). Ciência Psicológica Estados Unidos da América: WWNORTON.
  • Kantowitz, BH, Roediger III, HL e Elmes, DG (2011). Psicologia experimental México: CENGAGE Learning.
  • Kerlinger, FN, & Lee, HB (2002). Pesquisa comportamental México: McGrawHill.
  • McGuigan, FJ (2011). Psicologia Expertal México: debulha.

[1] Para mais informações sobre os quatro métodos, consulte as referências da Psicologia Experimental de Barry H. Kantowitz, p. 6-8 e Investigação Comportamental de Fred N. Kerlinger. p. 6-7.

Deixe um comentário