Psicologia experimental: história, método e características

A psicologia experimental é uma área da psicologia que se dedica ao estudo científico do comportamento humano e dos processos mentais. Surgida no final do século XIX, seu desenvolvimento foi impulsionado por pesquisadores como Wilhelm Wundt e William James, que buscavam aplicar métodos científicos e experimentais para compreender a mente humana.

Neste campo, os pesquisadores utilizam uma variedade de métodos, como experimentos controlados, observação sistemática e análise estatística, para investigar questões relacionadas à percepção, memória, aprendizagem, emoção, entre outros aspectos do comportamento humano.

As características distintivas da psicologia experimental incluem a ênfase na objetividade, na replicabilidade dos resultados, na utilização de métodos rigorosos e na busca por leis e princípios gerais que possam explicar o funcionamento da mente. Ao longo dos anos, a psicologia experimental tem contribuído significativamente para o avanço do conhecimento sobre o comportamento humano e para o desenvolvimento de teorias e aplicações práticas em diversas áreas da psicologia.

Características principais da psicologia experimental: o que é importante saber sobre ela.

A psicologia experimental é uma área da psicologia que se dedica ao estudo do comportamento humano e dos processos mentais através de métodos experimentais. Suas características principais incluem a utilização de experimentos controlados, a observação sistemática do comportamento e a coleta de dados objetivos para análise.

Um dos aspectos mais importantes da psicologia experimental é a sua abordagem científica, baseada na aplicação do método científico para investigar questões relacionadas ao comportamento humano. Isso envolve a formulação de hipóteses, a realização de experimentos controlados e a interpretação dos resultados de forma objetiva e imparcial.

Outra característica fundamental da psicologia experimental é a utilização de amostras representativas da população para garantir a validade e a generalização dos resultados obtidos. Isso significa que os experimentos são projetados de forma a incluir participantes diversos, de modo a refletir a diversidade da sociedade.

Além disso, a psicologia experimental se destaca pela sua busca constante por novos conhecimentos e descobertas no campo da psicologia. Os pesquisadores experimentais estão sempre em busca de novas teorias e métodos para compreender melhor o comportamento humano e os processos mentais.

Seu foco na experimentação e na observação sistemática a torna uma ferramenta fundamental para o avanço do conhecimento no campo da psicologia.

É uma característica do método experimental?

Sim, uma característica do método experimental é a sua capacidade de controlar variáveis. Na Psicologia experimental, os pesquisadores buscam isolar e manipular variáveis específicas para poder estudar o efeito que elas têm sobre o comportamento humano. Isso permite que os cientistas façam inferências mais precisas sobre as relações de causa e efeito, já que podem controlar outras influências que possam interferir nos resultados.

Origem da psicologia experimental: sua evolução e contribuições para a ciência do comportamento.

A Psicologia Experimental teve sua origem no final do século XIX, quando Wilhelm Wundt fundou o primeiro laboratório de psicologia experimental na Universidade de Leipzig, na Alemanha. Wundt acreditava que a mente humana poderia ser estudada de forma objetiva e sistemática, por meio da observação e experimentação.

A evolução da Psicologia Experimental foi marcada pelo desenvolvimento de métodos e técnicas de pesquisa cada vez mais sofisticados, como a utilização de equipamentos de medição e a aplicação de testes psicológicos. Com o passar do tempo, a Psicologia Experimental se tornou uma disciplina fundamental para entender o comportamento humano e os processos mentais.

As contribuições da Psicologia Experimental para a ciência do comportamento são inúmeras. Através de experimentos controlados, os pesquisadores conseguiram identificar padrões de comportamento, investigar a influência de variáveis específicas e testar teorias sobre o funcionamento da mente humana. Esses estudos têm sido essenciais para o avanço do conhecimento em áreas como a psicologia cognitiva, a psicologia social e a psicologia do desenvolvimento.

Relacionado:  Associação livre: história, método e como funciona

Em suma, a Psicologia Experimental desempenha um papel crucial na compreensão do comportamento humano e no desenvolvimento de intervenções eficazes para a promoção da saúde mental e do bem-estar. Seu método rigoroso e suas características distintivas a tornam uma disciplina fundamental no campo da psicologia.

Entendendo o método experimental: conceito e aplicação na pesquisa científica.

A Psicologia Experimental é uma área da Psicologia que se dedica ao estudo dos processos mentais utilizando o método experimental. Este método consiste na manipulação de variáveis independentes para observar os efeitos produzidos nas variáveis dependentes, a fim de estabelecer relações de causa e efeito. Através da aplicação de procedimentos controlados e sistemáticos, os pesquisadores podem investigar fenômenos psicológicos com maior rigor e precisão.

Historicamente, a Psicologia Experimental teve início no século XIX, com Wilhelm Wundt fundando o primeiro laboratório de Psicologia Experimental em Leipzig, na Alemanha. Desde então, o método experimental tem sido amplamente utilizado pelos psicólogos para investigar questões relacionadas ao comportamento humano e aos processos mentais.

Uma das principais características da Psicologia Experimental é a sua abordagem científica e empiricamente baseada. Os pesquisadores buscam realizar estudos controlados, replicáveis e objetivos, a fim de produzir conhecimento confiável e válido. Além disso, o método experimental permite a realização de experimentos que testam teorias e hipóteses, contribuindo para o avanço do conhecimento na área da Psicologia.

Através da manipulação de variáveis e da observação sistemática, os pesquisadores podem compreender melhor os fenômenos psicológicos e contribuir para o desenvolvimento da ciência psicológica.

Psicologia experimental: história, método e características

A psicologia experimental é uma escola da psicologia que estuda fenômenos psicológicos utilizando metodologia experimental baseada na observação. Garante uma prática científica e implica a observação, manipulação e registro das variáveis ​​que afetam um sujeito em estudo.

Psicólogos experimentais estão interessados ​​em estudar o comportamento humano através da manipulação de variáveis ​​em situações controláveis ​​e em ambientes não naturais que afetam e influenciam o comportamento.

Psicologia experimental: história, método e características 1

Gustav Theodor Fechner foi um dos pioneiros no uso do experimental ao tentar provar a relação entre magnitudes físicas e sensoriais em 1860. No entanto, foi em 1879 quando Wilhelm Wundt, considerado um dos fundadores dessa corrente, criou o primeiro laboratório de psicologia experimental.

Definição de psicologia experimental

Essa corrente da psicologia defende o método experimental como a maneira mais adequada de estudar o comportamento humano.

A psicologia experimental considera que os fenômenos psicológicos podem ser analisados ​​por métodos experimentais que consistem na observação, manipulação e registro de variáveis ​​dependentes, independentes e estranhas que influenciam o objeto de estudo.

Muitos psicólogos usaram esse método ao realizar seu trabalho para abordar vários problemas, como processos de memória, aprendizado, sensação, percepção, motivação e desenvolvimento, entre outros.

Profissionais que adotam esse método querem conhecer o comportamento de um sujeito manipulando variáveis ​​em ambientes controlados. Os contextos em que são realizados são laboratórios e instrumentos para garantir controle e precisão completos em suas investigações.

Experimentos podem ser realizados em seres humanos, mas principalmente animais são usados, pois muitas vezes por razões éticas as pessoas não podem ser usadas para realizar esses testes. Além disso, os animais fornecem maior disponibilidade e controle aos pesquisadores.

A parte mais científica da psicologia é unificada à psicologia experimental, porque o uso de sua metodologia garante uma prática científica através da observação e experimentação, eliminando as leis do comportamento e dos processos mentais.

História

Com o surgimento no século XIX, a psicologia começa a se concentrar e a se interessar pelo estudo de fenômenos observáveis, dando origem a uma ciência empírica, ou seja, baseada na observação e na experiência de eventos.

Relacionado:  Sensação (psicologia): características, limites, tipos

Mais tarde, a psicologia experimental usaria métodos e instrumentos rigorosos para realizar as medições em suas investigações.

A psicologia experimental surge na Alemanha como uma disciplina moderna com Wilhelm Wundt, que criou o primeiro laboratório experimental em 1879 e introduziu uma abordagem matemática e experimental à pesquisa.

Psicologia experimental: história, método e características 2

Wilhelm wundt

No início de 1860, Gustav Theodor Fechner, um psicólogo alemão, tentou provar e raciocinar a ligação entre magnitudes físicas e sensoriais através de dados experimentais em seu trabalho Elements of psychophysics .

Outros autores que contribuíram para essa crescente ciência foram Charles Bell, um fisiologista britânico que investigou os nervos; Ernst Heinrich Weber, médico alemão considerado um de seus fundadores; e Oswald Külpe, fundador principal da Escola Würzburg na Alemanha, entre outros.

O surgimento de diferentes escolas deveu-se a essa tendência de experimentar na época, cujo objetivo era tentar observar o grau de relação entre o biológico e o psicológico.

Entre essas escolas está o russo, que estava interessado em neurofisiologia e foi iniciado por Ivan Pavlov e Bechterev. Também funcionalismo, que visa demonstrar as leis biológicas que delimitam o comportamento e o behaviorismo de Watson.

Psicologia experimental: história, método e características 3

Ivan Pavlov

No século XX, o behaviorismo era a escola predominante em psicologia em geral e especialmente nos Estados Unidos. É o ramo da psicologia que anula os fenômenos mentais na psicologia experimental.

Na Europa, no entanto, não foi esse o caso, uma vez que a psicologia foi influenciada por autores como Craik, Hick e Broadbent, que se concentraram em temas como atenção, pensamento e memória, lançando assim os fundamentos da psicologia cognitiva.

Na última metade do século, os psicólogos usaram vários métodos, não apenas focando e se limitando a uma abordagem estritamente experimental.

Além disso, o método experimental é usado em muitos campos diferentes da psicologia, como psicologia social e psicologia do desenvolvimento.

Método experimental

Psicologia experimental: história, método e características 4

Exemplo de experimento de laboratório

A psicologia experimental acredita que os fenômenos psicológicos podem ser estudados através da experimentação.Implica a observação, manipulação e registro de variáveis ​​dependentes, independentes e estranhas que são objeto de estudo, a fim de descrevê-las e explicá-las de acordo com sua relação com o comportamento humano.

Este método tem como objetivo identificar as causas e avaliar as consequências, o pesquisador tenta encontrar uma causalidade entre diferentes variáveis.

Por um lado, existe a variável do meio, que atuaria como uma variável independente. O dependente seria aquele que está relacionado ao comportamento do sujeito. Finalmente, todos os fatores externos que influenciam isso seriam variáveis ​​estranhas.

Experiências

O experimento é realizado em um ambiente controlado, como um laboratório, onde o pesquisador pode manipular variáveis ​​e controlar aquelas que podem afetar outras pessoas. Além disso, dessa forma, você pode formar grupos experimentais específicos de sujeitos, de acordo com os interesses do estudo.

É o pesquisador quem cria as condições necessárias para poder realizar o estudo e aplicar a variável independente quando julgar conveniente. Além deste método, você pode repetir as condições para verificar os resultados, bem como alterá-los para ver as diferenças no comportamento a ser estudado entre as diferentes situações.

Nessa abordagem, o pesquisador manipula as circunstâncias para controlar seu aumento ou diminuição, bem como seu efeito nos comportamentos observados, para poder descrever por que uma situação ou mudança ocorre.

Muitas vezes antes de conduzir uma investigação, são usadas experiências piloto, que são tentativas da experiência para estudar alguns aspectos dela. Além disso, os experimentos têm outra parte positiva, pois, quando realizados nesses contextos controlados, podem ser replicados por outros pesquisadores em situações futuras.

Relacionado:  Sigmund Freud: Biografia e Trabalho

Características da pesquisa experimental

Algumas das características da pesquisa experimental são as seguintes:

-Os sujeitos são dispostos aleatoriamente, formando grupos equivalentes, dando origem a uma equivalência estatística, de modo que as diferenças entre os resultados não se devam a diferenças iniciais entre os grupos de sujeitos.

-Existência de dois ou mais grupos ou condições para poder realizar a comparação entre eles. As experiências não podem ser realizadas com um único grupo ou condição a ser comparada.

-Gerenciamento de uma variável independente, na forma de diferentes valores ou circunstâncias. Essa manipulação direta é feita para poder observar as alterações que produz nas variáveis ​​dependentes. Além disso, a atribuição de valores e condições deve ser feita pelo pesquisador, pois, se não fosse assim, não seria considerado um experimento real.

– Avalie cada variável dependente atribuindo valores numéricos para que o resultado possa ser avaliado e, portanto, fale de uma investigação experimental.

-Ter um design com o qual a influência das variáveis ​​estranhas possa ser controlada em maior medida e evitar que os resultados sejam afetados por elas.

-Utilizar estatísticas inferenciais para poder realizar generalizações da pesquisa para a população.

Fases de um experimento

Psicologia experimental: história, método e características 5

Experiência de Asch

Declaração do Problema

A escolha do problema a ser investigado depende do pesquisador e do que ele deseja estudar, as questões de pesquisa precisam ser resolvidas através de um processo experimental.

Dependendo do problema que surgir, a abordagem metodológica a ser seguida será delimitada.

Formulação de hipóteses

As hipóteses são as afirmações formuladas e que antecipam os resultados que poderiam ser obtidos com a investigação, relacionam pelo menos duas variáveis ​​e devem ser descritas em termos empíricos, e podem ser observadas e mensuráveis.

Fazendo um design adequado

Com o desenho, é expresso o procedimento ou o plano de trabalho do pesquisador, indicando o que será feito e como o estudo será realizado, desde as variáveis ​​envolvidas até a atribuição dos sujeitos aos grupos.

Coleta e análise de dados

Para a coleta de dados, existem vários instrumentos válidos e confiáveis, e técnicas que se adaptarão melhor ou pior e que apresentarão vantagens e desvantagens.

A análise dos dados é realizada organizando as informações para que possam ser descritas, analisadas e explicadas.

Conclusões

Nas conclusões, são desenvolvidas as hipóteses propostas, as limitações do trabalho de pesquisa, a metodologia seguida, as implicações para a prática, a generalização em nível populacional e as linhas de pesquisa futuras.

Objetivo e condições do método experimental

O objetivo do método experimental em psicologia experimental é investigar as relações causais entre variáveis, ou seja, analisar as mudanças na variável dependente (comportamento) como conseqüência dos diferentes valores apresentados pela variável independente (fator externo).

As condições para concluir que existe uma relação entre variáveis ​​são:

  • A contingência temporal entre variáveis. A variável causa que seria independente, deve preceder a variável consequência, que seria dependente.
  • Covariância entre as variáveis. Para que exista um relacionamento entre os dois, uma mudança nos valores de um deles significaria uma mudança proporcional nos valores do segundo.
  • A correlação entre variáveis ​​não deve ser atribuída ao efeito de variáveis ​​estranhas.

Em suma, o pesquisador deve manipular a variável independente, estabelecer uma ordem temporal entre as variáveis ​​e eliminar o efeito exercido como consequência de variáveis ​​estrangeiras.

Referências

  1. Psicologia experimental Recuperado de ecured.cu.
  2. Psicologia experimental Recuperado de wikipedia.org.
  3. Psicologia experimental Recuperado de wikipedia.org.
  4. Definição de psicologia experimental. Recuperado de definition.de.
  5. Definição, características e objetivo do método experimental. Recuperado de psikipedia.com.

Deixe um comentário