Psicologia reversa: o que é, fases e como usá-lo

A psicologia reversa é persuadir alguém a fazer algo a pedir-lhe para fazer o contrário. Por exemplo, uma criança desobediente é instruída a não pedir seu quarto com a intenção de encomendá-lo.

Essa técnica é baseada no fenômeno psicológico da reatância, no qual uma pessoa se recusa a ser persuadida e escolhe a opção oposta à sugerida. É frequentemente usado em crianças por causa de sua tendência a reagir de forma reativa, um desejo de restaurar a liberdade de ação.

Psicologia reversa: o que é, fases e como usá-lo 1

Outro exemplo: um pai que sugere ao filho adolescente que ele é mesquinho porque não compra um presente de aniversário para a irmã. O garoto reage comprando um presente bonito. Outro exemplo seria quando um garoto tímido começa a conversar com garotas quando sugerem que ele não está interessado nelas.

História

A psicologia reversa foi descrita pelo famoso médico e escritor Viktor Frankl durante o século passado. Essa técnica é mais complexa do que parece, portanto, seu uso e eficácia foram questionados muitas vezes e devem ser usados ​​com cautela.

Esse psiquiatra e neurologista austríaco introduziu o conceito de psicologia reversa por meio de sua própria prática clínica, isto é, ao lidar com pacientes psiquiátricos em seu consultório.

Psicologia reversa: o que é, fases e como usá-lo 2

Viktor Frankl

De fato, Viktor Frankl começou a fazer a seguinte pergunta diretamente a pacientes depressivos, instáveis ​​ou multi-problemáticos: “Por que você não se suicida?”

Obviamente, o psiquiatra não queria que seus pacientes se suicidassem, mas pelo contrário, mas começou a usar a formulação dessas idéias em seu próprio plano terapêutico de doença mental. E, ao fazê-lo, a maioria dos pacientes imaginou o evento de sua morte e, ao fazê-lo, muitos encontraram algum motivo para não cometer suicídio.

Dessa maneira, Frankl usou os motivos encontrados pelos pacientes para não cometerem suicídio como ponto de partida para um tratamento psicológico que lhes permitia encontrar estímulos para evitar pensamentos suicidas.

Obviamente, essa técnica não foi usada sem uma tonelada nem antes de qualquer um que apresentasse idéias de morte ou estados depressivos, uma vez que a formulação da possibilidade de cometer suicídio é altamente perigosa.

De fato, se essa pergunta fosse feita a uma pessoa altamente deprimida com vários pensamentos suicidas, o resultado poderia ser catastrófico.

No entanto, Frankl encontrou alguma utilidade em uma técnica de psicologia reversa no tratamento de muitos casos psiquiátricos.

O que é psicologia reversa?

Psicologia reversa: o que é, fases e como usá-lo 3

Através das técnicas aplicadas por Viktor Frankl, surge uma técnica conhecida hoje como psicologia reversa. É uma técnica para conseguir que alguém faça algo que realmente não quer.

Esse fato tem sido amplamente divulgado na sociedade atual, especialmente em contextos não profissionais e no cotidiano.

Hoje acredita-se que a psicologia reversa é uma técnica especialmente eficaz na educação de crianças e adolescentes. Especificamente, é considerada uma técnica útil para crianças que geralmente não o fazem e se tendem a ir contra.

Portanto, antes de uma criança que sempre contradiz as coisas que sua mãe lhe diz, ele pensa que, ao dizer o contrário, fará o que queria inicialmente, pelo simples fato de que continuará carregando o oposto.

Relacionado:  51 perguntas para pensar e refletir

Vamos dar um exemplo: se uma mãe diz continuamente ao filho para ir buscar o quarto e ele se recusa constantemente, pensa-se que, se lhe dizem para não buscá-lo, ele o ordenará, a fim de continuar mantendo o oposto.

Princípios psicológicos

Embora seja verdade que alguns dos comportamentos negativos das crianças possam ser influenciados pelas ordens que lhes são dadas, a psicologia reversa não se baseia nesses princípios.

O sucesso da psicologia inversa reside no que é conhecido como resistência psicológica, ou seja, na dificuldade que colocamos em fazer algo que nos é imposto ou que nos é enviado, e que interfere em nossa autonomia ou liberdade.

Dessa maneira, se usarmos a psicologia reversa e mudarmos o conteúdo da mensagem e o estilo comunicativo, a pessoa poderá modificar sua atitude em relação ao comportamento latente que deve ou não fazer.

Cabe ressaltar que essa técnica nem sempre funciona ou deve ser utilizada em qualquer situação, pois pode até causar efeitos negativos. Da mesma forma, pode ser um pouco criticável, porque é uma técnica que pode envolver alguma manipulação.

No entanto, muitas pessoas o usam hoje em dia, tanto com crianças quanto com adultos, e pode ser uma estratégia de comunicação eficaz se for feita de maneira apropriada.

Como aplicar a psicologia reversa?

Psicologia reversa: o que é, fases e como usá-lo 4

Aqui estão 8 etapas a serem tomadas, que devem ser levadas em consideração se você deseja aplicar a psicologia reversa de maneira apropriada.

Analise a pessoa para quem você a executará

O uso da psicologia reversa implica uma série de riscos; portanto, antes de fazer isso, é importante que você analise a pessoa a quem a aplicará. E é antes de usar a psicologia reversa que você precisa deixar bem claro que o uso dessa técnica não oferece uma chance dupla.

Por exemplo, se você disser que seu filho estuda para o exame e ele o ignora, você decide usar a psicologia reversa e diz para ele não estudar, não poderá ignorar o que acabou de dizer, e terá que fazê-lo. Mantenha a mensagem de não estudar.

Obviamente, se você aplicar essa estratégia em um caso em que não for apropriado, o que você obterá é que seu filho tem mais motivos para não estudar e deixa de ter um estímulo que o incentive a fazê-lo.

Por esse motivo, é importante que você analise bem a pessoa a quem deseja aplicar a psicologia reversa e tente descobrir se isso pode funcionar ou não.

Quais são os seus motivos para ignorá-lo? Você pode sentir que a realização da tarefa que você tem que fazer está sendo imposta a você e sua autonomia ou liberdade é cortada? Poderia ser este o motivo de se recusar a fazê-lo?

Você precisa fazer todas essas perguntas antes de usar a psicologia inversa.

Antes de usar a psicologia reversa, você deve certificar-se de que o fato de a pessoa se recusar a fazer um determinado comportamento seja motivado pela dificuldade que levamos as pessoas a fazer algo que nos é imposto.

Relacionado:  11 Sintomas do amor Você está apaixonado?

Analise seu relacionamento com ela

Depois de termos assegurado que há uma certa resistência psicológica nas razões pelas quais a pessoa se recusa a realizar uma determinada atividade, você deve analisar o relacionamento que tem com essa pessoa.

Esse fato é importante, pois não podemos isolar a psicologia inversa do relacionamento que temos com uma determinada pessoa. Dessa maneira, no momento em que começarmos a perceber, o relacionamento entre os dois será afetado.

Para fazer isso, é útil analisar qual padrão de comportamento a pessoa em questão tem consigo mesma.

Se você indicar que essa pessoa tem uma tendência a contradizê-lo em tudo e tende a associar o que você diz a obrigações, diretrizes e mandamentos e, portanto, na criação de uma barreira psicológica, pode ser apropriado usar a psicologia reversa.

Isso acontece com frequência em crianças e adolescentes, que adotam um estilo comunicativo com os pais, no qual qualquer mensagem é interpretada como uma restrição de sua autonomia e liberdade.

Assim, em face de relacionamentos desse tipo, a psicologia reversa pode ter um resultado alterando a estrutura do relacionamento e transferindo responsabilidade e poder de decisão para o adolescente que se recusa a ser governado e que outros o decidam.

No entanto, essa análise não é tão simples. Como dissemos, a psicologia reversa não tem reversão; portanto, no momento em que você começar a usá-la, não poderá ignorá-la.

Portanto, você deve analisar adequadamente se a pessoa (seja uma criança ou não) a quem você aplicará atende aos requisitos mínimos em que confiar, a fim de transferir o poder de decisão.

Analisar comportamento

Finalmente, você deve analisar o comportamento que você pretende modificar através da psicologia reversa e tudo o que a rodeia.

Se eu der à pessoa a possibilidade de que ela é quem decide, ela escolherá o comportamento apropriado? Para responder a essa pergunta, várias coisas devem ser analisadas.

O primeiro são os dois que já mencionamos antes, mas o terceiro é garantir que não haja outras pessoas que também possam agir como uma barreira psicológica.

Dessa forma, se você decidir pedir ao seu filho para não estudar para que seja ele quem decide fazê-lo, você deve garantir que não haja outras pessoas, como membros da família, professores ou colegas de classe, que continuem dizendo a ele que ele deveria estudar.

Se isso acontecer, certamente a criança continuará tendo uma barreira psicológica em termos de comportamento para mudar e, usando a psicologia reversa, a única coisa que você terá é reduzir o número de pessoas que o incomodam, dizendo para você estudar.

Diga o oposto do que você pensa de uma maneira congruente

Depois de analisar bem os três pontos anteriores, você pode aplicar a psicologia reversa, ou seja, pode dizer o contrário do que pensa.

No entanto, você deve dizê-lo de maneira congruente, para que a outra pessoa perceba sua mensagem como verdadeira e firme.

Assim, se você disser ao seu filho para não estudar, você deve fazê-lo de maneira séria e credível, para que a criança realmente pense que sua mensagem é séria e que você está parando para forçá-lo a estudar.

Relacionado:  Psicologia experimental: história, método e características

Assista ao seu estilo de comunicação

Outro aspecto muito importante é o estilo comunicativo com o qual o conteúdo da psicologia reversa é expresso. Os comentários são inúteis “bem, não estude” com um tom depreciativo, raiva e reprovação.

O objetivo não precisa ser dizer a ele para não estudar, mas expressar que você ainda o está forçando a fazê-lo, mas que você deve expressar a ideia de maneira calma e firme, para que ele perceba que a partir de agora as decisões sobre esse assunto Eles serão apenas seus.

Evite a discussão

Outro aspecto muito relacionado ao ponto anterior é o fato de evitar qualquer discussão sobre o assunto. Quando você decide aplicar a psicologia reversa, precisa cumprir dois objetivos para que seja eficaz.

A primeira é que a pessoa a quem é aplicada deixa de ver sua liberdade de decisão interrompida em relação a um determinado comportamento e a segunda é garantir que essa conduta deixe de ser uma questão de conflito e discussão.

Reafirme sua decisão

Depois de aplicar a psicologia reversa, você deve permanecer firme em sua decisão, para que ela possa ter um efeito. Geralmente é necessário que, depois de expressar a mensagem, repita-a em outras ocasiões para reafirmar sua postura.

Da mesma forma, é importante que você continue mantendo o mesmo estilo comunicativo ao expressar essas idéias.

Portanto, você não deve usar a mensagem de psicologia inversa da mesma maneira que usou a mensagem “original”. Ou seja, não repita constantemente a mensagem “não estude” como um substituto para a mensagem “estude”.

Seja congruente

Por fim, o aspecto mais importante para que a mensagem da psicologia reversa seja eficaz é manter uma postura completamente congruente.

Esse fato implica que você não deve ser consistente apenas com a mensagem, sempre dizendo a mesma coisa, mas que deve estar especialmente com sua atitude em relação ao assunto.

O objetivo é fornecer à pessoa uma estrutura diferente da anterior, na qual ela não vê sua capacidade de tomada de decisão cortada e na qual ela pode fazer suas resoluções autonomamente e com o apoio de outras pessoas.

Assim, da mesma maneira que Frankl usou o motivo que o paciente encontrou por não viver como parte do tratamento, você pode usar os motivos que seu filho acha de se envolver em uma disciplina da escola para motivá-lo a estudar.

E de que outras maneiras você sabe como usar a psicologia reversa?

Referências

  1. Hamilton, GG; Woolsey Biggart, N. (1985). Por que as pessoas obedecem Observações teóricas sobre poder e obediência em organizações complexas. Perspectivas sociológicas (No. 28, vol. 1, p. 3-28).
  2. Sherif, M. (1936). A formação de normas sociais. O paradigma experimental? A: H. Proshansky; B. Seidenberg (ed.) (1965). Estudos básicos de Psicologia Social. Madri: Tecnos.
  3. Turner, JC (1987). A análise da influência social. A: JC Turner (ed.) Redescubra o grupo social. Madri: Morata, 1990.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies