Psicopatologia infantil: principais distúrbios e suas características

A psicopatologia infantil é um campo de estudo que se dedica a compreender e diagnosticar os distúrbios mentais que afetam crianças e adolescentes. Neste contexto, é importante identificar os principais distúrbios e suas características para que se possa intervir precocemente e proporcionar um desenvolvimento saudável e equilibrado para as crianças. Alguns dos principais distúrbios psicológicos na infância incluem o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Transtornos de Ansiedade, Transtornos do Espectro Autista (TEA) e Transtornos de Conduta. Cada um destes distúrbios apresenta características específicas que podem variar de acordo com a idade, o contexto familiar e social da criança, sendo fundamental a intervenção de profissionais qualificados para o diagnóstico e tratamento adequado.

Principais transtornos infantis: conheça os principais desafios da saúde mental na infância.

A Psicopatologia infantil é uma área da psicologia que estuda os diversos transtornos mentais que podem afetar as crianças. É fundamental conhecer os principais distúrbios e suas características para que seja possível identificar e intervir precocemente, garantindo o bem-estar e desenvolvimento saudável das crianças.

Um dos principais transtornos infantis é o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), caracterizado pela dificuldade de concentração, impulsividade e hiperatividade. Outro transtorno comum é o Transtorno do Espectro Autista (TEA), que afeta a comunicação e interação social da criança.

Além disso, a ansiedade infantil também é um problema frequente, manifestando-se através de medos irracionais, dificuldade para dormir e comportamentos de evitação. Já a depressão infantil pode se manifestar através de tristeza profunda, irritabilidade e isolamento social.

É importante ressaltar que cada criança é única e pode manifestar os transtornos de forma diferente. Por isso, é essencial que os pais e profissionais estejam atentos a qualquer sinal de alteração no comportamento da criança, buscando ajuda especializada quando necessário.

A saúde mental na infância deve ser tratada com a mesma importância que a saúde física, visando o bem-estar e desenvolvimento saudável das crianças.

Entendendo a psicopatologia na infância: conceito, sintomas e diagnóstico para pais e profissionais.

A psicopatologia infantil refere-se ao estudo dos distúrbios psicológicos que afetam as crianças. É importante que pais e profissionais compreendam o conceito, os sintomas e o diagnóstico desses distúrbios para garantir o bem-estar e o desenvolvimento saudável das crianças.

Os principais distúrbios psicológicos na infância incluem o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), a Ansiedade, a Depressão e o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Cada um desses distúrbios apresenta características específicas que podem variar de criança para criança.

O TDAH, por exemplo, é caracterizado pela desatenção, hiperatividade e impulsividade. Crianças com ansiedade podem apresentar sintomas como medo excessivo, preocupação constante e dificuldade em lidar com situações novas. Já a depressão infantil pode se manifestar através de tristeza persistente, irritabilidade e alterações no sono e no apetite. O TEA, por sua vez, é marcado por dificuldades na comunicação, interação social e comportamentos repetitivos.

O diagnóstico dos distúrbios psicológicos na infância geralmente é realizado por profissionais da saúde mental, como psicólogos e psiquiatras. É importante observar atentamente o comportamento da criança, levando em consideração a duração e a intensidade dos sintomas.

Pais e profissionais devem estar atentos aos sinais e sintomas, buscando ajuda especializada sempre que necessário.

Principais distúrbios frequentes: conheça os problemas de saúde mais comuns atualmente.

A psicopatologia infantil refere-se ao estudo dos distúrbios psicológicos que afetam crianças e adolescentes. É importante conhecer os principais distúrbios e suas características para identificar e tratar esses problemas precocemente.

Um dos distúrbios mais comuns na infância é o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), caracterizado por dificuldade de concentração, impulsividade e hiperatividade. Outro distúrbio frequente é o Transtorno do Espectro Autista (TEA), que afeta a comunicação e a interação social das crianças.

O Transtorno de Ansiedade também é um problema comum, manifestando-se em medos excessivos e preocupações constantes. Já a Depressão Infantil pode ser identificada por sintomas como tristeza profunda, irritabilidade e falta de interesse nas atividades.

Além desses distúrbios, também é importante estar atento ao Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD), caracterizado por comportamento desafiador e hostil. O Transtorno de Conduta, por sua vez, está relacionado a comportamentos agressivos e desobedientes.

É fundamental que os pais, educadores e profissionais de saúde estejam atentos aos sinais desses distúrbios e busquem ajuda especializada quando necessário. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem fazer toda a diferença no desenvolvimento saudável das crianças.

Principais transtornos psicopatológicos: conheça as principais condições mentais que afetam a saúde emocional.

A Psicopatologia infantil se refere ao estudo dos distúrbios psicológicos que afetam as crianças e adolescentes. É importante conhecer os principais transtornos psicopatológicos para identificar e tratar precocemente essas condições, visando a saúde emocional e o bem-estar das crianças.

Entre os principais distúrbios psicopatológicos infantis, destacam-se o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), a Ansiedade, a Depressão, o Transtorno do Espectro Autista (TEA) e o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD).

O TDAH é caracterizado pela dificuldade de concentração, impulsividade e hiperatividade. Crianças com TDAH podem ter problemas na escola e nas relações sociais.

A Ansiedade se manifesta através de medos irracionais, preocupações excessivas e sintomas físicos como taquicardia e sudorese. É importante buscar ajuda profissional para lidar com a Ansiedade na infância.

A Depressão infantil pode ser confundida com tristeza passageira, mas é um distúrbio sério que afeta o humor, o sono e o apetite da criança. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são fundamentais para o bem-estar da criança.

O TEA é caracterizado por dificuldades na comunicação, interação social e comportamentos repetitivos. O diagnóstico e intervenção precoces são essenciais para o desenvolvimento da criança com TEA.

O TOD é marcado por comportamentos desafiadores e opositores, como desobediência, agressividade e irritabilidade. O tratamento envolve terapia e orientação para os pais.

É fundamental estar atento aos sinais e sintomas dos principais distúrbios psicopatológicos infantis, buscando apoio profissional quando necessário. A saúde emocional das crianças é essencial para o seu desenvolvimento saudável e feliz.

Psicopatologia infantil: principais distúrbios e suas características

A psicopatologia infantil pode ser definida como o estudo de transtornos comportamentais em crianças e jovens.Para estudar patologias ou distúrbios na infância, uma série de características que as diferenciam das presentes em adultos deve ser levada em consideração.

Primeiro, não é comum a criança perceber que está com um problema e pedir ajuda psicológica, o que geralmente acontece é que alguém ao seu redor detecta o problema e pede ajuda. Essa pessoa geralmente é um membro da família ou alguém do ambiente escolar (professor, tutor ou conselheiro).

Psicopatologia infantil: principais distúrbios e suas características 1

Em segundo lugar, deve-se ter em mente que nem todas as crianças amadurecem na mesma proporção; no entanto, há um intervalo dentro do qual a presença ou não de um comportamento pode ser normal. Por exemplo, é normal que as crianças não mijem na cama por aproximadamente dois anos, mas não é considerado um distúrbio se a criança não atingir 5 anos.

Finalmente, devemos levar em conta a família e o círculo social próximo que circunda a criança, pois as crianças são altamente suscetíveis e o que acontece ao seu redor pode afetá-las muito mais do que um adulto, tanto psicologicamente quanto fisiologicamente. Eles podem até sofrer problemas de maturidade cerebral.

Em seguida, os distúrbios que ocorrem, ou começam, na infância ou adolescência serão descobertos.

Distúrbios alimentares

Nos manuais de diagnóstico, anorexia nervosa, bulimia e outros distúrbios alimentares não especificados geralmente são incluídos nesse grupo, mas os distúrbios de pica e ruminação também são incluídos aqui porque, como você verá mais adiante, eles têm muito a ver com distúrbios alimentares

-Anorexia nervosa

Esse distúrbio geralmente aparece na infância, embora os casos sejam cada vez mais encontrados em pessoas mais jovens e até crianças. Existem dois picos de idade em que o aparecimento desse distúrbio é mais comum, o primeiro aos 14 anos e o segundo aos 18.

Estima-se que afete aproximadamente 1% dos adolescentes, dos quais 90% são meninas, embora mais e mais meninos sejam afetados por esta doença.

As pessoas que sofrem com isso são geralmente descritas como jovens responsáveis ​​e normais. Mas, à medida que o distúrbio progride, eles se tornam cada vez mais afastados.

O principal sintoma que coloca os parentes do jovem em alerta é a desnutrição, uma diminuição física pode ser vista a olho nu a longo prazo, que pode levá-lo a reduzir seus sinais vitais, economizar energia e, em casos graves, pode até levar à morte.

Os seguintes critérios da CID-10-MIA devem ser atendidos para diagnosticar a anorexia nervosa:

  1. Perda de peso significativa ou pré-púbere, não obtendo o peso certo para o seu período de crescimento. MC = Kg / m2 <17,5
  2. Através de: 1) prevenção do consumo de ” alimentos para engordar ” e por um ou mais dos seguintes sintomas: 2) vômito auto-evocado, 3) expurgos intestinais auto-provocados, 4) exercício excessivo e 5) consumo de drogas anorexigênicas ou diuréticas
  3. Distorção da imagem corporal com caráter de ideia supervalorizada e intrusiva, de pavor diante da forma corporal adiposa ou flácida, de modo que o paciente se impõe a permanecer abaixo de um limite máximo de peso corporal
  4. Transtorno endócrino generalizado que afeta o eixo hipotálamo-hipófise-gonadal, manifestando-se em mulheres como amenorréia e em homens como perda de interesse e potência sexuais
  5. Se o início ocorre antes da puberdade, a sequência das manifestações da puberdade é atrasada ou até pára (o crescimento cessa, nas mulheres os seios não se desenvolvem e há amenorreia primária; nos meninos, os genitais infantis persistem ) Se ocorrer uma recuperação, a puberdade pode ser concluída, mas a menarca está atrasada.
Relacionado:  Distúrbios da personalidade: tipos e características

A presença de métodos purgativos, como vômitos auto-evocados, expurgos intestinais auto-evocados, consumo de drogas anorexigênicas ou diuréticas, abuso de laxantes e extratos tireoidianos. Os critérios sublinhados são métodos purgativos. A presença destes é um indicador de que a doença leva muito tempo.

-Bulimia nervosa

Esse distúrbio geralmente começa mais tarde que a anorexia. Estima-se que eles sofram entre 1 e 3% de adolescentes e adultos jovens, dos quais 90% são meninas, como foi o caso da anorexia.

Os sintomas físicos da bulimia são semelhantes aos da anorexia, embora não haja uma redução drástica no peso.

Em relação aos sintomas psicológicos, eles compartilham características com a anorexia, como medo de ganhar peso e comportamentos compensatórios inadequados. Mas eles diferem na medida em que as pessoas com bulimia praticam compulsão alimentar e comportamentos purgativos desde o início.

Os seguintes critérios da CID-10-MIA devem ser atendidos para diagnosticar a bulimia nervosa:

  1. Preocupação contínua com os alimentos, com desejo irresistível de comer, para que o paciente acabe sucumbindo a eles, apresentando episódios de polifagia durante os quais consome grandes quantidades de alimentos em curtos períodos de tempo
  2. O paciente tenta neutralizar o ganho de peso assim produzido por um ou mais dos seguintes métodos: vômitos auto-provocados, abuso de laxantes, períodos de intervalos de jejum, consumo de medicamentos como inibidores de apetite, extratos de tireóide ou diuréticos. Quando a bulimia ocorre em um paciente diabético, ele pode abandonar o tratamento com insulina.
  3. A psicopatologia consiste em um medo mórbido de ganhar peso , e o paciente observa estritamente um lintel de peso muito menor do que tinha antes da doença ou de seu peso ideal ou saudável. Freqüentemente, mas nem sempre, há uma história anterior de anorexia nervosa com um intervalo entre os dois distúrbios de vários meses ou anos. Esse episódio inicial pode se manifestar em forma florida ou, pelo contrário, adotar uma forma menor ou larval, com moderada perda de peso ou uma fase transitória de menorrea.

A presença de métodos purgativos, como vômitos auto-evocados, expurgos intestinais auto-evocados, consumo de drogas anorexigênicas ou diuréticas, abuso de laxantes e extratos tireoidianos. Os critérios sublinhados são métodos purgativos. A presença destes é um indicador de que a doença leva muito tempo.

-Pique

Pica consiste na ingestão persistente de substâncias não nutritivas, como seixos ou areia, sem mostrar nenhum tipo de aversão ou aversão.Passando de crianças pequenas para adolescentes e adultos, as substâncias que você costuma usar são:

  • Tinta, gesso, corda, cabelo ou roupa
  • Excrementos, areia, insetos, folhas ou seixos
  • Terra ou estrume

Para diagnosticar pica, os seguintes critérios da CID-10-MIA devem ser atendidos:

  1. Ingestão persistente de substâncias não nutritivas, duas vezes por semana
  2. Duração de pelo menos um mês
  3. Ausência de outros critérios psiquiátricos da CID-10, exceto retardo mental
  4. A idade cronológica e mental deve ser de pelo menos dois anos
  5. O distúrbio não pode ser um hábito culturalmente aceito.

-Ruminação

É considerado um distúrbio precoce, pois geralmente aparece antes do primeiro ano de vida da criança.As crianças que sofrem desse distúrbio regurgitam parte dos alimentos parcialmente digeridos, cospem um pouco e mastigam o restante para engoli-lo e digeri-lo novamente.

Uma característica deste distúrbio é que a criança geralmente realiza movimentos antes da regurgitação, como o arqueamento das costas para as costas.

Para diagnosticar a ruminação (chamada transtorno do comportamento alimentar na CID-10-MIA e transtorno alimentar no DSM-IV), os seguintes critérios devem ser atendidos:

  1. Falha persistente na ingestão adequada ou persistente de ruminação ou regurgitação de alimentos.
  2. Falha em ganhar peso ou perder peso em um período de pelo menos um mês.
  3. Início do distúrbio antes dos 6 anos de idade.
  4. Os critérios para qualquer outro distúrbio psiquiátrico da CID-10 não são atendidos.
  5. Não há doença orgânica que possa explicar o fracasso do comportamento alimentar.

Distúrbios de eliminação

O aprendizado normal das funções de controle do esfíncter ocorre na seguinte ordem cronológica:

  1. Controle retal noturno
  2. Controle retal diurno
  3. Controle diurno da bexiga
  4. Controle da bexiga noturna

-Enurese

Urinar na cama é definido como a emissão voluntária ou involuntária freqüente de urina na cama ou na roupa de crianças que já são maduras o suficiente para controlá-la e que não sofrem de nenhum problema orgânico.

A prevalência de enurese noturna afeta 7% em meninos e 3% em meninas. A prevalência de enurese diurna é de 1-2% e é mais frequente em meninas.

Dependendo da hora do dia, três tipos são contemplados: somente noturno, somente diurno, noturno e diurno (CID-10-MIA). Embora a enurese diurna seja geralmente referida simplesmente como enurese.

Dependendo se houve um período anterior de continência urinária, existem dois subtipos: primário (quando esse período nunca existiu) e secundário, se a criança já tiver aprendido a controlar as emissões.

Os tipos mais comuns são enurese noturna e primária.

Para diagnosticar enurese, os seguintes critérios da CID-10-MIA devem ser atendidos:

  1. A idade cronológica e mental deve ser de pelo menos cinco anos.
  2. Emissão não intencional ou intencional de urina na cama ou na roupa que ocorre pelo menos duas vezes por mês em crianças com menos de sete anos de idade e pelo menos uma vez em crianças com mais de um ano de idade.
  3. Urinar na cama não é uma conseqüência de crises epilépticas, incontinência de origem neurológica ou anormalidades estruturais do trato urinário ou outros distúrbios físicos.
  4. A tabela deve estar presente por pelo menos três

-Encoprese

Encoprese é definida como evacuação repetida de fezes em locais inapropriados, involuntariamente ou intencionalmente em crianças que já são maduras o suficiente para controlá-lo e na ausência de qualquer problema orgânico.

Esse problema afeta aproximadamente 1% dos meninos 5 e é mais comum em meninos do que meninas.

Além disso, é subdividida em primária / secundária e noturna / diurna como enurese, existe outra subdivisão: devido ao ensino inadequado no controle do esfíncter, deposição deliberada de fezes em locais inapropriados ou deposição líquida devido ao excesso secundário de retenção

Critérios de diagnóstico para encoprese não orgânica (CID-10-MIA):

  1. Emissão repetida de fezes em locais inadequados, involuntariamente ou intencionalmente (inclui incontinência por transbordamento secundária à retenção fecal funcional).
  2. Idade cronológica e mental de pelo menos quatro anos.
  3. Pelo menos um episódio de encoprese por mês.
  4. Duração de pelo menos seis meses.
  5. Ausência de imagens orgânicas que possam ser uma causa suficiente de encoprese.

Transtornos do sono

-Disomnias

Esses tipos de distúrbios afetam a quantidade, qualidade ou horário (duração) do sono.

Insônia

Insônia como a dificuldade em iniciar ou manter o sono, ou a sensação de não ter tido um sono reparador.

Eles podem ser categorizados:

  • De acordo com o momento: de conciliação, manutenção e terminal.
  • Dependendo da sua gravidade: comum precoce e grave precoce (pode se manifestar de duas maneiras: calma e agitada, especialmente comum em crianças que foram posteriormente diagnosticadas com TEA).
  • De acordo com a sua duração: transitória e persistente

Aproximadamente 10% das crianças têm problemas de insônia, embora isso possa ser confundido com dificuldades em adormecer.

Critérios de diagnóstico para insônia não orgânica (DSM-IV-R):

a) Reclamações que geralmente consistem em dificuldades para adormecer, mantê-lo ou sobre a má qualidade dele.

b) Essa manifestação foi apresentada pelo menos três vezes por semana durante pelo menos um mês.

c) Preocupação excessiva, tanto durante o dia quanto à noite, com o fato de não dormir e com suas conseqüências.

d) A quantidade ou qualidade insatisfatória do sono causa um mal-estar geral ou interfere nas funções sociais e ocupacionais do paciente.

Dificuldade para dormir

É mais frequente que a insônia, podendo atingir até 20% na idade pré-escolar.

É essencial realizar uma boa entrevista para obter informações dos pais sobre os hábitos que eles e seus filhos têm na hora de dormir e durante a noite (também é útil obter informações sobre as condições da sala).

Relacionado:  Entrevista psicológica: características, objetivos, etapas, tipos

Dependendo do histórico e dos registros, podemos identificar se algum desses problemas ocorre:

  1. Problemas de relacionamento que não atendem aos critérios de qualquer transtorno mental específico, mas que levam a encaminhamentos clínicos para avaliação ou recursos (inclui dificuldades nos costumes na hora de dormir ou na alimentação de crianças pequenas).
  2. Problema relacionado ao controle e supervisão inadequados dos pais (vários aspectos afetados).
  3. Transtorno de ansiedade fóbica na infância ou F40.2 Fobia específica.

Narcolepsia

É definida como a presença de ataques irresistíveis nos quais a pessoa adormece, pode durar de alguns segundos a 20 minutos ou mais e geralmente é precipitada por situações monótonas ou chatas.

O habitual é que não se manifeste até a adolescência, na população em geral há uma prevalência de aproximadamente 0,1%.

Ao lado do sintoma principal, “ataques do sono”, um ou mais dos seguintes itens são exibidos:

  • Cataplexia: episódios repentinos nos quais o tônus ​​muscular é perdido (de alguns segundos a alguns minutos) ocorrem após emoções intensas e o sujeito permanece consciente.
  • Paralisia do sono: incapacidade de realizar movimentos voluntários ao acordar ou adormecer enquanto dorme ou acorda (de segundos a alguns minutos) e geralmente desaparece ao tocar no objeto.
  • Alucinações hipnagógicas: lembram os sonhos que experimentamos algumas vezes antes de adormecer ou acordar.

Apneia do sono

A apneia do sono envolve a ocorrência intermitente de episódios de interrupção da respiração durante o sono (por mais de 10 segundos); até 10 episódios desse tipo podem ser contados por hora. Eles estão associados a roncos fortes e sonolência diurna, o que leva a crianças associadas a mau desempenho escolar, ataques de sono e dores de cabeça matinais.

É um distúrbio raro, o número de crianças com esse distúrbio não chega a 1%.

Existem três subtipos: obstrutivo, devido à obstrução do trato respiratório superior (é o subtipo mais frequente), central, devido a uma disfunção dos mecanismos do SNC, e misto (este último subtipo é incomum).

Os sujeitos reduziram a duração das fases do sono profundo (despertar ou superficialização do sono).

-Parasomnias

Esta categoria inclui distúrbios que ocorrem durante o sono ou durante a transição sono-vigília.

Pesadelos

Pesadelos são definidos como sonhos angustiantes que despertam a criança. A criança é capaz de fazer uma descrição estruturada de seu pesadelo, cujo conteúdo é ameaçador e lembrado.

Os episódios ocorrem na fase MOR (fase REM), exceto no caso de pesadelos que ocorrem devido a um distúrbio de estresse pós-traumático.Aproximadamente 1 em cada 4 crianças com mais de 3 anos sofrem pesadelos ocasionalmente.

De acordo com a CID-10, os seguintes critérios devem ser atendidos para estabelecer o diagnóstico:

  1. O despertar de uma noite de sono ou uma soneca com lembranças detalhadas e muito vívidas de sonhos aterrorizantes, que normalmente representam uma ameaça à sobrevivência, segurança ou auto-estima. O despertar pode ocorrer a qualquer momento durante o período de sono, embora geralmente ocorra durante o segundo semestre.
  2. Uma vez acordado, o indivíduo atinge rapidamente o estado de vigília e é orientado e alerta.
  3. Tanto a experiência do sonho em si quanto os distúrbios do sono causam grande desconforto ao paciente.

Terrores noturnos

As crianças que sofrem desse distúrbio geralmente acordam com um grito e uma grande ativação vegetativa. Durante os episódios de terror noturno, as crianças “olham, mas não vêem”, não respondem às tentativas dos pais de acalmá-lo ou acordá-lo.

Depois de alguns minutos, o terror desaparece e a criança volta para a cama ou acaba acordando sem se lembrar do episódio ou, no máximo, capaz de se lembrar vagamente da experiência do terror.

Esses episódios ocorrem nas fases III-IV do sono NMOR (fase não REM), sono de ondas lentas.É mais frequente entre 4-12 anos, nesse intervalo, cerca de 3% das crianças têm terror noturno.

De acordo com a CID-10, os seguintes critérios devem ser atendidos para estabelecer o diagnóstico:

  1. O sintoma predominante é a presença de episódios repetidos de acordar durante o sono, que começam com um grito de pânico e são caracterizados por intensa ansiedade, excitação motora e hiperatividade vegetativa, como taquicardia, taquipnéia e sudorese.
  2. Esses episódios de caráter repetido têm uma duração característica de 1 a 10 minutos. Eles geralmente ocorrem durante o primeiro terço do sono noturno.
  3. Existe uma relativa falta de resposta às tentativas de outras pessoas de influenciar o terror, e essas tentativas tendem a ocorrer alguns minutos de desorientação e movimentos perseverantes.
  4. A memória do evento, se houver, é mínima (normalmente, uma ou duas imagens mentais fragmentárias).
  5. Não há evidências de um distúrbio somático, como um tumor cerebral ou uma epilepsia.

Sonambulismo

Esse distúrbio é descrito como a presença de atividade motora em uma criança que estava profundamente adormecida. A atividade pode ser mais ou menos complexa e não responde às pessoas ao seu redor. As crianças geralmente têm os olhos abertos durante o episódio.

É uma dissociação entre atividade motora e nível de consciência, uma vez que a pessoa não está ciente dos movimentos que está fazendo. Os episódios podem durar até 20 minutos.

É mais frequente entre 4-8 anos, nesse intervalo, aproximadamente 3% das crianças sofrem com isso.De acordo com a CID-10, os seguintes critérios devem ser atendidos para estabelecer o diagnóstico:

  1. O sintoma predominante é a presença de episódios repetidos de sair da cama durante o sono e vagar por alguns minutos ou até meia hora, geralmente durante o primeiro terço do sono noturno.
  2. Durante o episódio, o indivíduo tem um olhar vazio, não responde totalmente aos esforços dos outros para modificar seu comportamento ou se comunicar com ele e é muito difícil acordá-lo.
  3. Ao acordar do episódio ou na manhã seguinte, o indivíduo não se lembra de nada do que aconteceu.
  4. Após alguns minutos de despertar após um episódio, nenhuma deterioração da atividade ou comportamento mental é revelada, embora possa haver inicialmente um curto período de tempo em que haja alguma confusão e desorientação.
  5. Não há evidências de um distúrbio mental orgânico, como demência ou epilepsia.

Transtornos psicomotores: os tiques

Os tiques são definidos como movimentos involuntários, rápidos, repetidos e arrítmicos que geralmente afetam um grupo circunscrito de músculos ou uma vocalização de aparência abrupta e que não têm um objetivo aparente.

É considerado irresistível e incontrolável, mas pode ser suprimido por períodos variáveis. A conseqüência de sua execução é uma diminuição temporária da tensão sofrida pela pessoa. Aqueles que ocorrem na parte superior do corpo são mais frequentes.

Esses distúrbios geralmente começam entre 6 e 12 anos e é mais comum em meninos do que em meninas. 15% dessas crianças sofrem de distúrbios transitórios dos tiques, 1,8% sofrem de distúrbios motores ou fonológicos crônicos e 0,5% sofrem da síndrome de Gilles de la Tourette.

A observação é a maneira mais segura de diagnosticar esse distúrbio. Nos casos mais graves, é aconselhável realizar um exame neurológico, verificar se há histórico de doenças infecciosas e neurológicas (próprias e familiares).

A classificação difere entre:

  • Desordem de tiques transitórios.
  • Desordem de tiques motores ou tônicos crônicos.
  • Tiques múltiplos combinados e desvio fonatório (síndrome de Gilles de la Tourette).
  • Outros transtornos de tiques.
  • Transtorno de tiques não especificado.

Critérios para o diagnóstico de transtorno de tiques transitórios (de acordo com o DSM-IV-R):

  1. Presença de tiques únicos ou múltiplos, do tipo motor e / ou fonatório, repetidos várias vezes na maioria dos dias por um período de pelo menos 4 semanas.
  2. Duração não superior a 12 meses.
  3. Ausência de história da síndrome de Gilles de la Tourette. O distúrbio não é secundário a outros distúrbios físicos nem corresponde aos efeitos colaterais de qualquer medicamento.
  4. Aparência antes dos 18 anos de idade.

Critérios para o diagnóstico de distúrbios crônicos de tiques motores ou fonográficos (de acordo com o DSM-IV-R):

  1. Presença de tiques motores ou fonatórios, mas não os dois repetidos várias vezes na maioria dos dias por um período de pelo menos 12 meses.
  2. Não há períodos de remissão durante esse ano superiores a dois meses.
  3. Ausência do histórico de Gilles de la Tourette. O distúrbio não é secundário a outros distúrbios físicos nem corresponde aos efeitos colaterais de qualquer medicamento.
  4. Aparência antes dos 18 anos de idade.

Critérios para o diagnóstico da síndrome de Gilles de la Tourette ou distúrbio de tiques motores ou fonográficos múltiplos (de acordo com o DSM-IV-R):

  1. A presença de vários tiques motores em conjunto com um ou mais tiques fonéticos deve ocorrer em algum momento do curso do distúrbio, mas não necessariamente juntos.
  2. Os tiques devem ser apresentados muitas vezes ao dia, quase todos os dias por mais de um ano, sem que nenhum período de remissão durante esse ano exceda dois meses.
  3. O distúrbio não é secundário a outros distúrbios físicos nem corresponde aos efeitos colaterais de qualquer medicamento.
  4. Aparência antes dos 18 anos de idade.
Relacionado:  Insônia familiar fatal: sintomas, causas, tratamentos

Transtornos de ansiedade

Os transtornos de ansiedade são encontrados na seção “Transtornos de emoções de início específico na infância” no DSM-IV. Eles são mais comuns em meninas.

Esta seção inclui transtorno de ansiedade de separação na infância (TEA), transtorno de ansiedade fóbica na infância (TAF) e transtorno de ansiedade (hipersensibilidade) na infância (TAH).

– Transtorno de ansiedade de separação

Os critérios de diagnóstico para esse distúrbio são:

  1. Pelo menos três dos seguintes:
  2. uma preocupação irracional sobre possíveis danos que possam ocorrer a pessoas significativas ou medo de serem abandonados;
  3. uma preocupação irracional de que um evento adverso o separará de pessoas importantes (como conseguir se perder, ser sequestrado, internado em um hospital ou morto);
  4. uma relutância persistente ou recusa em ir à escola por medo de separação (mais do que por outras razões, como medo de algo que pode acontecer na escola);
  5. uma relutância persistente ou recusa em ir para a cama sem a companhia ou a proximidade de qualquer pessoa significativa;
  6. um medo inadequado e persistente de ficar sozinho ou sem a pessoa significativa em casa durante o dia;
  7. pesadelos repetidos sobre separação;
  8. sintomas somáticos repetidos (como náusea, gastralgias, dores de cabeça ou vômitos) em situações que envolvem a separação de uma pessoa significativa, como sair de casa para ir à escola;
  9. desconforto excessivo e recorrente (na forma de ansiedade, choro, birras, tristeza, apatia ou retraimento social) antecipando, durante ou imediatamente após a separação de uma pessoa significativa;
  10. Ausência de transtorno de ansiedade generalizada na infância.
  11. Aparência antes de 6 anos.
  12. Ausência de alterações generalizadas no desenvolvimento da personalidade ou comportamento (F40-48: distúrbios neuróticos, secundários a situações estressantes e somatomórficas), distúrbios psicóticos ou distúrbios devido ao uso de substâncias psicoativas.
  13. Duração de pelo menos 4 semanas.

Transtorno de ansiedade -fóbica

Critérios de diagnóstico de acordo com a CID-10:

  1. O início ocorreu no período evolutivo apropriado.
  2. O grau de ansiedade é clinicamente anormal.
  3. A ansiedade não faz parte de um distúrbio mais generalizado.

No DSM-IV, esse distúrbio é chamado de fobia específica e as características são as seguintes:

  • Medo desproporcional de um objeto ou situação.
  • Alta ativação: birras, imobilização, gritos, abraços, etc.
  • Eles causam evasão ou são apoiados com grande esforço.
  • Caráter irracional.
  • Interferir significativamente na adaptação da criança
  • É necessário que você esteja presente há 6 meses.
  • Não é explicável por outro grande transtorno de ansiedade.
  • Muitos remetem espontaneamente anos depois.

Transtorno de hipersensibilidade social na infância

Critérios de diagnóstico de acordo com a CID-10:

  1. Ansiedade persistente em situações sociais em que a criança é exposta à presença de pessoas desconhecidas, incluindo colegas de escola, e se manifesta na forma de comportamento social de prevenção
  2. Auto-observação, sentimentos de vergonha e preocupação excessiva com a adequação de seu comportamento quando encontram figuras desconhecidas
  3. Interferência significativa nas relações sociais (incluindo colegas de escola) que têm conseqüências restritas. Quando enfrentam novas situações sociais de maneira forçada, ocorre um estado de intenso desconforto e desconforto manifestado pelo choro, falta de linguagem espontânea ou fuga da situação.
  4. As relações sociais com figuras da família (familiares ou amigos próximos) são satisfatórias
  5. Critérios TAG não atendidos
  6. Ausência de alterações generalizadas no desenvolvimento da personalidade e comportamento, distúrbios psicóticos ou uso de substâncias psicoativas.

Transtorno de ansiedade generalizada

  • Preocupação excessiva (eventos passados ​​ou futuros) e comportamento medroso não limitado a um fato ou objeto específico
  • Preocupação com sua própria competência em diferentes áreas
  • Sintomas associados (vários meses): apreensão, fadiga, diminuição da concentração, irritabilidade, tensão muscular, distúrbios do sono
  • Não é melhor explicado por Phobias, Panic T., TOC, nem aparece exclusivamente durante um T. depressivo.

Transtornos do humor: depressão infantil

Esse distúrbio é definido como uma área persistente no comportamento de uma criança, que consiste na diminuição de sua capacidade de desfrutar de eventos, se comunicar com outras pessoas e atuar em suas áreas de competência em relação às suas possibilidades, e que também é acompanhada de ações plurais de protesto (Del Barrio, 1998).

Na Espanha, estima-se que 1,8% das crianças entre 8 e 11 anos sofram de um transtorno depressivo maior, enquanto até 6,4% sofrem de um distúrbio distímico. Durante a infância não há diferença entre os sexos, mas na adolescência é muito mais frequente nas meninas.

– Episódio depressivo maior

Os critérios de diagnóstico para o transtorno depressivo maior são os seguintes (DSM-IV):

  1. Presença de cinco (ou mais) dos seguintes sintomas durante um período de 2 semanas, o que representa uma alteração em relação à atividade anterior. Um dos sintomas deve ser (1) ou (2).
    • humor deprimido a maior parte do dia, quase todos os dias, conforme indicado pelo próprio sujeito ( por exemplo, sentindo-se triste ou vazio ) ou observação por outros ( por exemplo, chorando ). Ou humor irritável em crianças e adolescentes
    • diminuição acentuada do interesse ou da capacidade de prazer em todas ou quase todas as atividades, na maior parte do dia, quase todos os dias (de acordo com o próprio sujeito ou outros observados ) (anedonia)
    • perda de peso significativa sem regime ou ganho de peso, ou perda ou aumento de apetite quase todos os dias. Ou falha em aumentar o peso em crianças
    • insônia ou hipersonia quase todos os dias
    • agitação psicomotora ou lentidão quase todos os dias ( observável por outros , não meros sentimentos de inquietação ou desaceleração )
    • fadiga ou perda de energia quase todos os dias
    • sentimentos excessivos ou inapropriados de inutilidade ou culpa (que podem ser ilusórios) quase todos os dias ( não mera autocensura ou culpa por estar doente )
    • diminuição da capacidade de pensar ou concentrar-se ou indecisão quase todos os dias ( uma atribuição subjetiva ou uma observação externa )
    • pensamentos recorrentes de morte ( não apenas medo da morte ), ideação suicida recorrente sem um plano específico ou uma tentativa de suicídio ou um plano específico de suicídio (não é necessário verificar se isso ocorre quase todos os dias).
  2. Os sintomas não atendem aos critérios para um episódio misto
  3. Os sintomas causam desconforto clinicamente significativo ou áreas sociais, ocupacionais ou outras áreas importantes de atividade do indivíduo
  4. Os sintomas não se devem aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância ou doença médica.
  5. Os sintomas não são melhor explicados pela presença de um duelo ( por exemplo, após a perda de um ente querido ), os sintomas persistem por mais de dois meses ou são caracterizados por uma deficiência funcional acentuada, preocupações mórbidas de inutilidade, ideação suicida , sintomas psicóticos ou lentidão psicomotora

– Distúrbio distímico

Os critérios de diagnóstico para transtorno distímico são os seguintes (DSM-IV):

  1. Humor cronicamente deprimido (irritável) na maior parte do dia, na maioria dos dias por pelo menos 1 ano.
  2. Durante este ano, ele não está sem sintomas há mais de dois meses seguidos.
  3. Nenhum episódio depressivo maior durante este primeiro ano ( nem crônico nem em remissão ). Depois, dupla depressão.
  4. Nenhum episódio maníaco ou misto.
  5. Não apenas durante um episódio psicótico.
  6. Não é devido a uma substância ou doença médica.
  7. Os sintomas causam desconforto ou deterioração significativa.

Transtornos comportamentais: distúrbios disociais

Os distúrbios disociais são caracterizados por uma forma persistente e repetida de alteração de comportamento, agressiva ou desafiadora e, em casos graves, por violações de normas sociais.

Normalmente, os distúrbios pioram se não forem tratados e se as crianças tiverem pouca ou nenhuma consciência do problema.A maioria das crianças que sofrem deste distúrbio são meninos, existe uma proporção de 3/1 a favor dos meninos.

Os distúrbios comportamentais incluem:

  • Transtorno disocial limitado ao contexto familiar: este é o distúrbio mais leve, seguido pelo oposicionista desafiador. É comum quando um dos pais tem um novo parceiro.
  • Transtorno disocial em crianças não socializadas: esse distúrbio é o mais grave. É comum que a criança se relacione com outros iguais que são tão desociais quanto ela.
  • Transtorno disocial em crianças socializadas.
  • Transtorno dissociativo e dissocial de oposição.

Distúrbios dissociativos

Deixe um comentário