Pythium: características, espécies, reprodução, nutrição

Pythium é um gênero de fungos do filo Oomycota, conhecidos por sua capacidade de causar doenças em plantas. São organismos aquáticos, que podem ser encontrados em solos úmidos e ambientes aquáticos. Existem diversas espécies de Pythium, sendo algumas delas patogênicas para plantas, causando podridão radicular e outras doenças. A reprodução dos Pythium ocorre de forma assexuada, através da produção de esporângios que liberam zoósporos móveis. Quanto à nutrição, esses fungos são saprófitos, se alimentando de matéria orgânica em decomposição. A compreensão das características, espécies, reprodução e nutrição dos Pythium é fundamental para o controle de doenças causadas por esses fungos em cultivos agrícolas e plantas ornamentais.

Quais são as causas da pitiose?

A pitiose é uma doença causada pelo fungo Pythium, que afeta principalmente animais, especialmente equinos. As causas da pitiose estão relacionadas à presença deste fungo no ambiente, que é capaz de infectar os animais através da ingestão de água contaminada ou contato com solo úmido e contaminado.

O Pythium é um gênero de fungos aquáticos, que se desenvolve em ambientes úmidos e quentes. Existem diversas espécies deste fungo, sendo as mais comuns o Pythium insidiosum e o Pythium aphanidermatum. Estes fungos se reproduzem através de esporos, que são liberados no ambiente e podem infectar os animais quando entram em contato com mucosas ou feridas na pele.

Além da reprodução por esporos, o Pythium também pode se alimentar de matéria orgânica em decomposição, como restos de plantas e animais. Este fungo possui enzimas que permitem a degradação da matéria orgânica, o que contribui para a sua sobrevivência e disseminação no ambiente.

Portanto, as principais causas da pitiose estão relacionadas à presença do fungo Pythium em ambientes úmidos e contaminados, onde ele pode infectar os animais através da ingestão de água contaminada ou contato com solo infectado. A prevenção da pitiose envolve evitar o contato dos animais com ambientes suspeitos de contaminação e garantir a higiene das instalações onde os animais são mantidos.

Estratégias eficazes para controlar a infestação de Pythium em suas plantas de forma eficiente.

Pythium é um gênero de fungos que pode causar sérios danos às plantas, especialmente em condições de alta umidade e temperatura. Existem várias espécies de Pythium, algumas das quais são patogênicas para uma ampla gama de plantas. A reprodução deste fungo ocorre através de esporos que são disseminados pelo vento ou água. Em termos de nutrição, Pythium se alimenta de matéria orgânica em decomposição e pode infectar as raízes das plantas, causando apodrecimento e morte.

Para controlar eficazmente a infestação de Pythium em suas plantas, é importante adotar algumas estratégias preventivas e de tratamento. Uma das maneiras mais eficazes de evitar a infestação é garantir que as plantas sejam cultivadas em condições adequadas de drenagem e aeração. Além disso, evitar o excesso de umidade no solo e utilizar substratos bem drenados pode ajudar a reduzir o risco de infecção por Pythium.

Relacionado:  Quais são os consumidores terciários? (com exemplos)

Outra estratégia importante é a rotação de culturas, que envolve alternar o tipo de plantas cultivadas em um determinado local a cada temporada. Isso pode ajudar a reduzir a quantidade de esporos de Pythium no solo, diminuindo assim o risco de infecção. Além disso, a utilização de fungicidas específicos para Pythium pode ser eficaz no controle da infestação.

É importante monitorar regularmente as plantas em busca de sinais de infecção por Pythium, como amarelamento das folhas, murcha e apodrecimento das raízes. Caso seja detectada uma infestação, é essencial intervir rapidamente para evitar danos maiores. A remoção das plantas infectadas e a desinfecção do solo também podem ser medidas eficazes no controle da infestação.

A prevenção e o controle da infestação de Pythium exigem um manejo integrado que combine várias estratégias. Ao adotar práticas adequadas de cultivo, monitoramento e tratamento, é possível reduzir significativamente os danos causados por esse fungo e manter as plantas saudáveis e produtivas.

Pythium: características, espécies, reprodução, nutrição

Pythium é um gênero de oomicetos que contém muitas espécies fitopatogênicas de importância econômica na agricultura, pois causam a doença conhecida como podridão das raízes em várias plantas. Algumas espécies são saprófitas e uma delas afeta diferentes espécies de animais, incluindo o homem, causando a doença conhecida como pitiose.

As espécies desse gênero caracterizam-se, entre outras coisas, por apresentar um micélio cenocítico, capaz de se reproduzir tanto vegetativamente (assexuadamente) quanto sexualmente, produzindo uma única oosfera por oogônio, apresentando um anteídio alongado e produzindo zoósporos flagelados.

Pythium: características, espécies, reprodução, nutrição 1

Cultivo de Pythium debaryanum. Retirado e editado de: Tashkoskip [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)].

Atualmente, o gênero é representado por mais de 120 espécies em todo o mundo. As espécies parasitárias de plantas não mostram especificidade para o hospedeiro e são difíceis de erradicar, pois além de atacar várias espécies de plantas, elas são capazes de sobreviver como saprófitas em matéria vegetal em decomposição.

Caracteristicas

As espécies do gênero Pythium apresentam todas as hifas cenocíticas, de aparência hialina, sem septos transversais. O esporângio pode ocorrer em forma globosa ou filamentosa. Uma característica desses oomicetos é que os zoósporos não se desenvolvem diretamente no esporângio, mas em uma vesícula que deriva do tubo de descarga do esporângio.

O oogônio pode ser liso ou ornamentado e o anteidium pode ser paraginoso ou hipoginoso. Dentro do oogônio, forma-se um único oospora, que pode ocupar todo o seu interior (pletórico) ou um espaço pode permanecer entre as paredes do oogônio e o oóporo (apletor).

Taxonomia e espécies representativas

– Taxonomia

A taxonomia dos oomicetos é complexa, tanto no nível das categorias taxonômicas superiores quanto nas inferiores. De acordo com a taxonomia tradicional, esses organismos foram considerados fungos; no entanto, recentemente sofreu vários rearranjos devido a estudos moleculares e bioquímicos.

De acordo com esses resultados, alguns autores os colocam no Reino Protista, enquanto outros os colocam, juntamente com as algas Chrysophyta e Phaeophyta, no Reino Chromista, Ramo Pseudofungi. Finalmente, eles também foram localizados no Reino de Straminipila.

O gênero Pythium está localizado na Ordem Pythiales, Classe Pythiaceae. Este gênero foi originalmente descrito por Pringsheim em 1858, que selecionou P. monospermum como a espécie-tipo.

A ordenação interna do gênero também passou por inúmeras alterações, com a descrição de vários subgêneros ou a inclusão ou exclusão de espécies. Atualmente, os taxonomistas consideram que existem dois grupos morfologicamente diferenciáveis ​​com base na forma do esporângio.

Por um lado, existem espécies com esporângio filamentoso, enquanto no outro grupo o esporângio é globoso, o que sugere que eles devam realizar novos estudos intrageneréricos para elucidar a relação filogenética entre os dois grupos.

– Espécies representativas

Pythium aphanidermatum

As espécies fitopatogênicas inespecíficas de aparência frequente nas lavouras em estufas são responsáveis ​​pela doença conhecida como amortecimento, podridão das raízes e caules, ou praga dos frutos que afetam muitas famílias e gêneros de plantas.

A doença afeta principalmente as plantas em seus estágios iniciais de desenvolvimento. Nas mudas de tabaco, por exemplo, causa retardo no crescimento, folhas cloróticas ou com necrose parcial, bem como sistema radicular diminuído, com raízes cada vez mais escuras.

Também é responsável pela doença conhecida como queima de grama ou queima de algodão, que afeta a grama de campos de golfe, estádios esportivos, parques e jardins. Esta doença é mais ativa nas estações mais quentes, com temperaturas noturnas acima de 20 ° C.

Pythium debaryanum

É o agente causador da doença conhecida como podridão macia das plântulas, que pode atacar a planta em qualquer fase do seu ciclo, mas é mais frequente na fase de plantio, antes e após a germinação. Faz com que as mudas caiam e apodreçam.

Nas sementes recém-germinadas e nas plantas menores, causa a destruição total do hospedeiro, mas as plantas mais desenvolvidas podem sobreviver mostrando como sintomas da doença uma alteração na coloração de algumas folhas, que ficam amarelas.

Pythium insidiosum

É um patógeno que causa pitiose, uma doença piogranulomatosa da pele que se caracteriza por ser difusa, com múltiplos focos, exsudativa e que avança muito rapidamente. Como esta espécie carece de quitina e ergosterol na parede celular e na membrana, ela não pode ser controlada por agentes antifúngicos que inibem sua produção.

Relacionado:  Pêssego: origem, características, habitat, benefícios, cuidados

Afeta várias espécies de vertebrados, incluindo cães, gatos, ovelhas, cavalos, gado, aves migratórias e até homem. É considerada uma doença emergente.

Outras espécies

Pythium spiculum causa podridão radical do carvalho e sobreiro. É a causa do declínio das populações de azinheiras na Espanha e em Portugal desde os anos 90 do século passado.

Pythium ultimum é uma espécie que afeta o pepino, produzindo a podridão úmida da fruta. A doença começa em um extremo floral e rapidamente invade a fruta. Pythium guiyangense , enquanto isso, é um parasita de larvas de mosquitos.

Reprodução

Assexual

Os esporângios em Pythium podem ser filamentosos ou globosos. Quando amadurecem, esses esporângios podem germinar diretamente e dar uma hifa ou podem desenvolver uma vesícula na qual os zoósporos móveis se formarão. Esses zoósporos usam seus flagelos para se mover na água em busca de um hospedeiro.

Uma vez localizado o local certo, a zoospora é encistada e germina, formando um tubo de germinação que penetrará nos tecidos do hospedeiro para iniciar um novo ciclo.

Sexual

A reprodução sexual pode ser realizada por cruzamentos homotálicos e heterotálicos, ou seja, que oogônio e anteídio podem ou não se desenvolver na mesma hifa. Durante a reprodução, o anteídio emite um tubo de fertilização que penetra no oogônio, transferindo seu núcleo gamético.

Após a cariogamia, a parede das ovocélulas torna-se mais espessa. Este oospora pode germinar imediatamente ou, se as condições forem adversas, sobreviver em dormência por vários anos.

Nutrição

Pythium pode ter uma dieta saprotrófica, nutrindo-se de restos de plantas mortas. Também pode ter uma dieta parasitária, com plantas sendo seus hospedeiros na maioria dos casos; no entanto, pelo menos duas espécies podem parasitar animais.

Além disso, algumas espécies foram designadas como micoparasitas fúngicas, bem como outros oomicetos parasitas, para que pudessem ser utilizados como controladores biológicos. Entre essas espécies estão, por exemplo, Pithium periplocum e P. acanthicum.

Referências

  1. AJ van der Plaats-Niterink (1981). Monografia do gênero Pythium . Estudos em Micologia.
  2. S. Uzuhashi, M. Tojo e M. Kakishima (2010). Filogenia do gênero Pythium e descrição de novos gêneros. Mycoscience
  3. JA Cardona, M. Vargas e S. Perdomo (2012). Frequência de apresentação de pitiose cutânea bovina ( Pythium insidiosum ) em três fazendas de criação em Córdoba, Colômbia. Revista CES de Medicina Veterinária e Zootecnia.
  4. Explorando o que é Pythium … No FungiAlert. Recuperado de: fungialert.es
  5. Pythium . Na Wikipedia Recuperado de: en.wikipedia.org
  6. CALevesque e AW de Cock (2004) Filogenia molecular e taxonomia do gênero Pythium . Pesquisa Micológica
  7. O que é Pythium ? Departamento de Patologia Vegetal e Microbiologia Ambiental. Recuperado de: plantpath.psu.edu.

Deixe um comentário