Quais são os 12 ramos da história?

A história é uma disciplina vasta e diversificada que se divide em diferentes ramos, cada um focado em aspectos específicos do passado da humanidade. Existem 12 ramos principais da história que abrangem desde a história política e econômica até a história cultural e social. Cada um desses ramos contribui para a compreensão mais completa e holística do desenvolvimento da sociedade ao longo do tempo. Vamos explorar mais a fundo cada um desses ramos e sua importância no estudo da história.

Descubra os diversos campos de estudo da história e suas especialidades.

A história é uma disciplina vasta e diversificada, que oferece uma ampla gama de campos de estudo e especialidades para os interessados em compreender o passado. Existem diversos ramos da história, cada um focando em aspectos específicos e períodos temporais distintos.

Entre os 12 principais ramos da história, destacam-se a história política, que analisa as instituições, governos e movimentos políticos ao longo do tempo, e a história econômica, que investiga as relações econômicas, comércio e desenvolvimento financeiro de sociedades passadas. Além disso, a história cultural se concentra nas práticas culturais, crenças e valores de diferentes grupos sociais, enquanto a história social estuda as relações e interações entre indivíduos em contextos históricos.

Outros ramos importantes incluem a história militar, que examina conflitos armados e estratégias militares, a história da ciência e tecnologia, que investiga os avanços científicos e tecnológicos ao longo dos séculos, e a história da arte, que analisa a produção artística e estética de diferentes períodos históricos.

A história religiosa, a história da educação, a história da medicina, a história do meio ambiente e a história da alimentação são outros campos de estudo que oferecem uma compreensão mais profunda de aspectos específicos da experiência humana ao longo do tempo.

Em resumo, os diversos ramos da história proporcionam uma visão abrangente e multifacetada do passado, permitindo aos pesquisadores e estudiosos explorar e interpretar os eventos, práticas e transformações que moldaram a humanidade ao longo da história.

O conteúdo abordado na disciplina de História: sua importância e diversidade de temas.

A disciplina de História é fundamental para compreendermos o passado e refletirmos sobre o presente e o futuro. Seu estudo nos permite entender a evolução da humanidade, as transformações sociais, políticas, econômicas e culturais ao longo do tempo. Além disso, a História nos ajuda a compreender as origens de diversas sociedades, culturas e instituições que existem atualmente.

Na disciplina de História, encontramos uma diversidade de temas que abrangem diferentes períodos e regiões do mundo. Desde a Antiguidade até os tempos contemporâneos, passando pela Idade Média, Renascimento, Revolução Industrial, Guerras Mundiais, Guerra Fria, entre outros eventos e processos históricos de grande importância.

Alguns dos ramos da História mais conhecidos e estudados são: História Antiga, História Medieval, História Moderna, História Contemporânea, História do Brasil, História da América Latina, História da África, História da Ásia, História da Europa, História da Arte, História da Ciência e História da Religião.

Cada um desses ramos aborda aspectos específicos da história da humanidade, contribuindo para uma compreensão mais ampla e profunda dos acontecimentos passados e suas influências no mundo atual. Portanto, a disciplina de História é essencial para a formação crítica e cidadã, permitindo-nos refletir sobre os desafios e possibilidades do presente a partir das lições do passado.

A importância do estudo da história através de registros históricos.

O estudo da história através de registros históricos é de extrema importância para compreendermos o passado, analisarmos o presente e projetarmos o futuro. Através dos registros históricos, podemos aprender com os erros e acertos de civilizações passadas, compreender a evolução da humanidade e refletir sobre as consequências de determinadas ações.

Os registros históricos são fontes indispensáveis para os historiadores e pesquisadores que buscam desvendar os acontecimentos do passado e suas influências no presente. Sem esses registros, muitos eventos importantes poderiam ser esquecidos ou distorcidos ao longo do tempo, prejudicando a nossa compreensão da história.

Além disso, o estudo da história nos ajuda a desenvolver o senso crítico, a capacidade de análise e a empatia. Ao conhecermos as experiências de povos e culturas diferentes, somos capazes de ampliar nossa visão de mundo e respeitar a diversidade. A história nos ensina lições valiosas que podem ser aplicadas em diversas áreas da nossa vida.

Por isso, é fundamental valorizarmos e preservarmos os registros históricos, sejam eles documentos, artefatos, monumentos ou tradições. Eles são a base do conhecimento histórico e permitem que possamos aprender com o passado para construirmos um futuro melhor.

Relacionado:  4 escolas de interpretação histórica e suas características

Quais são os 12 ramos da história?

Os 12 principais ramos da história são: história política, história econômica, história social, história cultural, história militar, história religiosa, história das ciências, história da arte, história da literatura, história da música, história da tecnologia e história da educação.

Cada um desses ramos da história se dedica a estudar um aspecto específico da humanidade, contribuindo para a compreensão global do desenvolvimento da sociedade ao longo do tempo. Através da análise desses diferentes ramos, é possível obter uma visão mais completa e abrangente da história da humanidade.

Portanto, o estudo da história através dos 12 ramos mencionados é essencial para ampliarmos nosso conhecimento sobre o passado, compreendermos melhor o presente e nos prepararmos para o futuro. Cada um desses ramos desempenha um papel importante na construção do conhecimento histórico e na formação de uma consciência crítica e reflexiva sobre a nossa própria história.

Qual é o propósito central da narrativa?

O propósito central da narrativa é contar uma história de forma coerente e significativa, transmitindo informações sobre eventos passados de forma organizada. Na história, os 12 ramos da história são categorias que ajudam a organizar e classificar os diferentes aspectos da história humana, permitindo uma compreensão mais abrangente e aprofundada dos acontecimentos. Estes ramos incluem a história política, econômica, social, cultural, entre outros.

Cada um dos 12 ramos da história aborda um aspecto específico da humanidade, fornecendo uma visão única e complementar da evolução da sociedade ao longo do tempo. Ao estudar esses ramos, é possível obter uma compreensão mais completa e complexa das diferentes forças e influências que moldaram o mundo em que vivemos hoje.

Portanto, o propósito central da narrativa ao falar sobre os 12 ramos da história é explorar e analisar os diversos aspectos da experiência humana, buscando compreender melhor as origens e consequências dos eventos históricos. Através dessa abordagem, é possível enriquecer nosso conhecimento sobre o passado e refletir sobre as lições que podemos aprender para o futuro.

Quais são os 12 ramos da história?

Os ramos da história são história militar, história da religião, história social, história cultural, história diplomática, história econômica, história ambiental, história mundial, história universal, história intelectual, história de gênero e história pública.

A história é a descoberta, coleta, organização, análise e apresentação de informações sobre eventos passados.

Quais são os 12 ramos da história? 1

A história também pode significar um registro contínuo, tipicamente cronológico, de eventos importantes ou públicos ou de uma tendência ou instituição específica.

Os estudiosos que escrevem sobre história são chamados de historiadores. É um campo de conhecimento que usa uma narrativa para examinar e analisar a sequência de eventos e, às vezes, tenta investigar objetivamente os padrões de causa e efeito que determinam eventos.

Os historiadores discutem a natureza da história e sua utilidade. Isso inclui discutir o estudo da disciplina como um fim em si mesmo e como uma maneira de fornecer “perspectiva” aos problemas do presente.

As histórias comuns a uma cultura específica, mas não apoiadas por fontes externas (como as lendas que cercam o rei Arthur), são frequentemente classificadas como patrimônio cultural e não como a “pesquisa altruísta” de que a disciplina da história precisa. Os eventos do passado antes do registro escrito são considerados pré-históricos.

Entre os estudiosos do século V aC, o historiador grego Heródoto é considerado o “pai da história”. Os métodos de Heródoto, juntamente com Tucídides contemporâneos, formam a base do estudo moderno da história.

O estudo moderno da história tem muitos campos diferentes, incluindo aqueles que se concentram em determinadas regiões e aqueles que se concentram em certos elementos tópicos ou temáticos da pesquisa histórica.

Daí a importância da história ter relevância global por suas contribuições para cada região, cultura e classe sócio-política.

Como diria um escritor chileno, referindo-se à história: “a importância de conhecer o passado para entender o presente e imaginar o futuro”.

Ramos principais da história

Devido à multiplicidade de áreas de estudo da história, essa disciplina foi diversificada para fornecer uma abordagem mais objetiva a áreas específicas através de métodos e procedimentos que se adaptam às necessidades de conhecimentos específicos.

História militar

A história militar refere-se à guerra, estratégias, batalhas, armas e à psicologia do combate.

A “nova história militar” desde os anos 1970 preocupa-se mais com soldados do que com generais, com psicologia e não com táticas e com o impacto mais amplo da guerra na sociedade e na cultura.

História da religião

A história da religião tem sido um tema importante para historiadores seculares e religiosos há séculos e continua a ser ensinada em seminários e academias.

Entre os principais jornais estão a História da Igreja, a Revista Histórica Católica e a História das Religiões.

Os tópicos variam de dimensões políticas, culturais e artísticas a teologia e liturgia. Este tópico estuda religiões de todas as regiões e áreas do mundo onde os seres humanos viveram.

História social

História social é o campo que inclui a história das pessoas comuns e suas estratégias e instituições para lidar com a vida.

Na sua “era de ouro”, foi um importante campo de crescimento nas décadas de 60 e 70 entre os estudiosos, e ainda está bem representado nos departamentos da história.

A “velha” história social, antes dos anos sessenta, era uma mistura de questões sem um tema central, e frequentemente incluía movimentos políticos, como o populismo, que eram “sociais” no sentido de estarem fora do sistema de elite.

A história social é contrastada com a história política, a história intelectual e a história dos grandes homens.

O historiador inglês GM Trevelyan viu isso como a ponte entre a história econômica e a história política, refletindo que “sem a história social, a história econômica é estéril e a história política é ininteligível”.

História cultural

A história cultural substituiu a história social como a forma dominante nos anos 80 e 90.

Geralmente, combina as abordagens da antropologia e da história para examinar o idioma, tradições culturais populares e interpretações culturais da experiência histórica.

Examina os registros e descrições narrativas de conhecimentos, costumes e artes do passado de um grupo de pessoas.

Como as pessoas construíram sua memória do passado é uma questão importante. A história cultural inclui o estudo da arte na sociedade, bem como o estudo de imagens e produção visual humana (iconografia).

História diplomática

A história diplomática concentra-se nas relações entre as nações, principalmente no que diz respeito à diplomacia e às causas das guerras.

Mais recentemente, as causas da paz e dos direitos humanos são examinadas . Geralmente, apresenta os pontos de vista do Ministério das Relações Exteriores e os valores estratégicos de longo prazo, como a força motriz da continuidade e das mudanças na história.

Esse tipo de história política é o estudo da condução das relações internacionais entre estados ou através das fronteiras estaduais ao longo do tempo.

O historiador Muriel Chamberlain ressalta que, após a Primeira Guerra Mundial, “a história diplomática substituiu a história constitucional como o carro-chefe da pesquisa histórica, ao mesmo tempo o mais importante, o mais preciso e o mais sofisticado dos estudos históricos”.

Ele acrescenta que após 1945, houve uma tendência invertida, permitindo que a história social a substituísse.

História econômica

Embora a história econômica esteja bem estabelecida desde o final do século XIX, nos últimos anos, os estudos acadêmicos têm se deslocado cada vez mais para os departamentos de economia e longe dos departamentos de história tradicionais.

A história econômica lida com a história de organizações empresariais individuais, métodos comerciais, regulamentação governamental, relações trabalhistas e o impacto na sociedade.

Também inclui biografias de empresas, executivos e empreendedores individuais.

História ambiental

A história ambiental é o estudo da interação humana com o mundo natural ao longo do tempo.

Em contraste com outras disciplinas históricas, destaca-se o papel ativo da natureza na influência dos assuntos humanos. Os historiadores ambientais estudam como os seres humanos formam seu ambiente e são moldados por ele.

A história ambiental surgiu nos Estados Unidos a partir do movimento ambiental dos anos 60 e 70, e grande parte do seu momento ainda vem das atuais preocupações ambientais globais.

O campo foi baseado em questões de conservação, mas expandiu seu escopo para incluir uma história social e científica mais geral e pode lidar com cidades, população ou desenvolvimento sustentável.

Como todas as histórias, isso acontece no mundo natural. A história ambiental tende a se concentrar em escalas de tempo específicas, regiões geográficas ou questões-chave.

Relacionado:  5 Consequências das guerras napoleônicas

É também um tema fortemente multidisciplinar, amplamente baseado nas ciências humanas e nas ciências naturais.

História do mundo

A história mundial, a história global ou a história transnacional (que não deve ser confundida com a história diplomática ou internacional) é um campo de estudo histórico que emergiu como um campo acadêmico distinto nos anos 80. Examine a história de uma perspectiva global.

Não deve ser confundida com a história comparativa, que, como a história do mundo, lida com a história de várias culturas e nações, mas não o faz em escala global.

A história do mundo busca padrões comuns que surgem em todas as culturas. Os historiadores do mundo usam uma abordagem temática, com dois pontos focais principais: integração (como os processos da história do mundo atraíram as pessoas do mundo) e diferença (como os padrões da história do mundo revelam a diversidade de experiências humano).

História universal

História universal é um termo para um trabalho que aponta para a apresentação da história da humanidade como um todo, como uma unidade coerente.

A história universal na tradição ocidental é comumente dividida em três partes, a saber: antiga, medieval e moderna.

Uma crônica universal ou crônica mundial traça a história desde o início das informações escritas sobre o passado até o presente.

A história universal abrange os eventos de todos os tempos e nações, com a única limitação que eles devem ser estabelecidos para possibilitar um tratamento científico deles.

História intelectual

A história intelectual surgiu em meados do século XX, enfocando intelectuais e seus livros, por um lado, e, por outro, no estudo de idéias como objetos desencarnados com sua própria carreira.

História de gênero

A história de gênero é um ramo da História e dos Estudos de Gênero, que olha o passado de uma perspectiva de gênero. É de muitas maneiras uma consequência da história das mulheres.

Apesar de sua vida relativamente curta, a História do Gênero (e sua antecessora História da Mulher) teve um efeito bastante significativo no estudo geral da história.

História pública

A história pública descreve a ampla gama de atividades realizadas por pessoas com algum treinamento na disciplina de história que geralmente trabalham fora de ambientes acadêmicos especializados.

A prática da história pública tem raízes profundas nas áreas de conservação histórica, ciência arquivística, história oral, curadoria de museus e outros campos relacionados.

Alguns dos cenários mais comuns para a história pública são museus, casas históricas e locais históricos, parques, campos de batalha, arquivos, empresas de cinema e televisão e todos os níveis do governo.

Referências

  1. Leopold von Ranke. História universal: o grupo histórico mais antigo de nações e gregos. Scribner, 1884. Um epítome da história universal Por A. Harding. Página 1.
  2. A Origem e Objetivo da História (Londres: Yale University Press, 1949).
  3. Guha, Ramachandra. 1999 Ambientalismo: Uma História Global.
  4. Simmons, Ian G. (1993). História Ambiental: Uma Introdução Concisa. Oxford: Blackwell. ISBN 1-55786-445-4.
  5. H. Waters, Heródoto, o Historiador (1985)
  6. Peter N. Stearns; Peters Seixas; Sam Wineburg, eds. (2000) “Introdução”. Conhecendo História de Ensino e Aprendizagem, Perspectivas Nacionais e Internacionais. Nova York e Londres: New York University Press. p. 6. ISBN 0-8147-8141-1.
  7. Scott Gordon e James Gordon Irving, História e Filosofia das Ciências Sociais. Routledge 1991. Página 1. ISBN 0-415-05682-9
  8. Carr, Edward H. (1961). O que é história?, P.108, ISBN 0-14-020652-3
  9. Robert Whaples, “A História Econômica é um Campo de Estudo Negligenciado?”, Historically Speaking (abril de 2010) v. 11 # 2 pp 17-20, com respostas pp 20-27
  10. Georg G. Iggers, Historiografia no século XX: Da objetividade científica ao desafio pós-moderno (2005).
  11. «Ensinar história nas escolas: a política dos livros didáticos na Índia» »History Workshop Journal, abril de 2009, edição 67, pp 99-110
  12. Marwick, Arthur (1970). A natureza da história. A Macmillan Press LTD. p. 169
  13. Tosh, John (2006). A busca da história. Educação de Pearson limitada. pp. 168-169.
  14. David Glassberg, “História pública e o estudo da memória”. The Public Historian (1996): 7-23. no JSTOR
  15. Pavkovic, Michael; Morillo, Stephen (2006). O que é História Militar? Oxford: Polity Press (publicado em 31 de julho de 2006). pp. 3-4. ISBN 978-0-7456-3390-9.

Deixe um comentário