Quais são os blocos econômicos da África?

Os blocos económicos em África são principalmente a Comunidade da África Oriental (CEA), o Mercado Comum para a África Oriental e do Sul (COMESA) e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

No entanto, existem outras comunidades econômicas e organizações de integração, como a União do Magrebe Árabe (UMA), a Comunidade dos Estados Sahelo-Saarianos (CEN-SAD), a Comunidade Econômica dos Estados da África Central (CEEAC).

Quais são os blocos econômicos da África? 1

Também fazem parte desses blocos africanos: a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), um órgão que apoia a integração e a cooperação.

Em outubro de 2008, os três blocos econômicos concordaram em promover o estabelecimento de um único bloco de livre comércio e união aduaneira, mas esse objetivo ainda não foi alcançado.

Esse bloco unificado iria da África do Sul ao Egito e do Quênia à República Democrática do Congo.

Os blocos econômicos, juntamente com as organizações de integração, são constituídos pelos 55 países que compõem a União Africana (UA).

Eles foram criados tendo em vista a necessidade de expandir mercados comuns e garantir a paz e a estabilidade na região.

Blocos econômicos e organizações de integração

CEA – Comunidade da África Oriental

A EAC foi fundada originalmente em 1967, mas dez anos depois foi dissolvida e relançada em 1999 com a assinatura do Tratado para o Estabelecimento da Comunidade da África Oriental (Tratado que criou o CAO).

Inicialmente, foi criado com a participação do Quênia, Uganda e República Unida da Tanzânia. Então, em 2007, Burundi e Ruanda se juntaram, enquanto o Sudão do Sul foi incorporado em 2016.

Os Estados membros estabeleceram um acordo de cooperação econômica e lançaram as bases para uma maior integração política, econômica e social.

Mercado Comum da África Oriental e Austral ( COMESA)

Este mercado foi criado em dezembro de 1994 com o objetivo de substituir a antiga Zona Preferencial de Comércio (PTA), fundada no início dos anos 80 na África Oriental e Austral.

Relacionado:  Onde você obtém os dados para preparar um relatório?

A COMESA é uma organização para a cooperação e o desenvolvimento dos recursos humanos e naturais de seus membros, todos os estados soberanos e livres.

Seu principal objetivo tem sido alcançar a criação de uma grande unidade econômica e comercial, a fim de superar as barreiras comerciais que cada Estado membro enfrenta individualmente.

Países membros: Zâmbia, Zimbábue, Uganda, Suazilândia, Seychelles, Burundi, Comores, República Democrática do Congo, Egito, Eritreia, Etiópia, Quênia, Djibuti, Líbia, Madagascar, Maurício, Ruanda, Malawi e Sudão.

Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC)

Foi criada em abril de 1992 com a assinatura do Tratado da SADC, que transformou a Conferência de Coordenação da África Austral (SADCC) em SADC para aprofundar os processos de integração e cooperação.

Os países signatários também assinaram a Declaração “Para uma Comunidade de Desenvolvimento da África Austral”, na qual a Agenda Comum da SADC foi claramente definida

Países membros: Angola, África do Sul, Suazilândia, Botsuana, República Democrática do Congo, Namíbia, Lesoto, Madagascar, Malawi, Maurício, Moçambique, Zâmbia, Zimbábue, Seychelles, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue.

União do Magrebe Árabe (AMU)

Foi criado em fevereiro de 1989 em Marrakech pelos chefes de estado da Tunísia, Argélia, Marrocos, Líbia e Mauritânia, após uma reunião realizada um ano antes em Argel. A AMU surge após a aprovação do Tratado que estabelece a União do Magrebe Árabe.

Os Estados membros concordaram em coordenar, harmonizar e racionalizar suas políticas e estratégias para alcançar o desenvolvimento sustentável em todos os setores de atividades humanas.

Comunidade do Sahelo – Estados do Saara (CEN-SAD)

Esta comunidade foi criada em 4 de fevereiro de 1998, após a realização da Conferência de Líderes e Chefes de Estado em Trípoli, Líbia.

Posteriormente, em julho de 2000, o CEN-SAD tornou-se um bloco econômico regional, durante a Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da Organização da Unidade Africana, realizada em Lomé, Togo.

Relacionado:  Trajes típicos de Sinaloa: Destaques

A CEE assinou imediatamente acordos de cooperação nas esferas econômica, política, cultural e social.

Países membros: Chade, Burkina Faso, República Centro-Africana, Comores, Costa do Marfim, Djibuti, Egito, Gâmbia, Gana, Sudão, Guiné-Bissau, Líbia, Mali, Mauritânia, Serra Leoa, Marrocos, Níger, Tunísia, Nigéria, Eritreia, Senegal, Somália, Benin e Togo.

Comunidade Econômica dos Estados da África Central (CEEAC)

Foi criado em outubro de 1883 pelos países signatários da União Aduaneira e Econômica dos Estados da África Central (UDEAC), São Tomé e Príncipe e os membros da Comunidade Econômica dos Países dos Grandes Lagos, Burundi, Zaire e Ruanda .

Esses países concordaram em promover uma comunidade econômica mais ampla dos Estados da África Central. Ele ficou inativo por alguns anos devido a restrições financeiras, conflitos na região dos Grandes Lagos e guerra na República Democrática do Congo.

No entanto, em outubro de 1999, foi reativado e o CEEAC foi formalmente designado como Comunidade Econômica Africana e um dos oito pilares da União Africana.

Países membros: Angola, Guiné Equatorial, Burundi, República Centro-Africana, Chade, Congo, República Democrática do Congo, Camarões, Ruanda, Gabão e São Tomé e Príncipe.

Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)

Foi criado com a assinatura do Tratado de Lagos, assinado por quinze Chefes de Estado e de Governo da África Ocidental em 28 de maio de 1975.

Este tratado foi inicialmente limitado à cooperação econômica, mas mais tarde em 1993 outras áreas foram incorporadas à cooperação.

Em 1976, ingressou na CEDEAO Cabo Verde e, em 2000, a Mauritânia decidiu se aposentar para fazer parte da União do Magrebe Árabe.

A CEDEAO tem a visão de promover a integração e a cooperação para o estabelecimento de uma União Econômica na África Ocidental.

Relacionado:  Salvador Alvarenga: história

Seu objetivo é melhorar o padrão de vida da população, alcançar a estabilidade econômica, promover boas relações entre os Estados membros e contribuir para o progresso e desenvolvimento do continente africano.

Países membros: Níger, Burkina Faso, Cabo Verde, Benin, Togo, Costa do Marfim, Guiné, Guiné Bissau, Libéria, Gâmbia, Serra Leoa, Gana, Mali, Nigéria e Senegal.

Autoridade Intergovernamental de Desenvolvimento (IGAD)

Esta agência foi criada em 1996 para substituir a Autoridade Intergovernamental sobre Seca e Desenvolvimento, fundada em 1986. A IGAD mudou seu nome, estrutura organizacional e objetivos para alcançar uma cooperação ampliada entre seus membros.

A sua missão principal é promover e cumprir os objetivos do COMESA e da Comunidade Econômica Africana.

Ajudar e complementar também os esforços dos Estados membros nas áreas de segurança alimentar, cooperação e integração econômica. Como a proteção do meio ambiente e a promoção da paz e segurança na região.

Referências

  1. Kayizzi-Mugerwa, Steve: A economia africana: políticas, instituições e o futuro. Routledge, 1999. Recuperado de books.google.co.ve
  2. Os três blocos econômicos africanos, EAC, COMESA e SADC, concordam em ingressar em um em apenas seis meses. Consultado em africafundacion.org
  3. As Comunidades Econômicas Regionais (CERs) da União Africana. Consultado em un.org
  4. Comunidades Econômicas Regionais Consultado em uneca.org
  5. Comunidade dos Estados sahelo-saarianos. Obtido em reingex.com
  6. União Africana Consultado em es.wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies