Qual é a diferença entre plasma e soro?

Plasma e soro são dois componentes importantes do sangue, mas existem diferenças significativas entre eles. O plasma é a parte líquida do sangue que contém água, proteínas, hormônios, vitaminas, minerais, entre outros componentes. Já o soro é o plasma sem as células sanguíneas, como os glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Essas diferenças são fundamentais para entender a função e utilização de cada um desses componentes no diagnóstico e tratamento de diversas condições de saúde. Neste artigo, exploraremos mais detalhadamente as diferenças entre plasma e soro e como eles são utilizados na prática clínica.

Diferença entre soro e plasma: o que os distingue na composição sanguínea?

O plasma e o soro são componentes importantes do sangue, mas possuem diferenças significativas em sua composição. O plasma é a parte líquida do sangue que contém água, sais, proteínas, hormônios e nutrientes. Já o soro é o plasma sem as células sanguíneas, como os glóbulos vermelhos e brancos, que são removidos durante a coagulação do sangue.

Uma das principais diferenças entre o plasma e o soro é a presença de fibrinogênio no plasma, uma proteína essencial para a coagulação sanguínea. Como o soro é obtido após a coagulação do sangue, ele não contém fibrinogênio, tornando-se útil em testes laboratoriais que requerem uma amostra sem interferência da coagulação.

Além disso, o plasma é utilizado para transfusões sanguíneas, pois contém todos os componentes necessários para manter a homeostase do organismo. Por outro lado, o soro é utilizado em testes clínicos e diagnósticos, pois fornece informações mais precisas sobre os níveis de substâncias no sangue sem a interferência das células sanguíneas.

Enquanto o plasma é utilizado para transfusões sanguíneas, o soro é mais comumente utilizado em testes laboratoriais para diagnóstico de doenças e monitoramento da saúde.

Diferença entre sangue e plasma: características distintas dos componentes sanguíneos e suas funções.

O sangue é um fluido vital que circula pelo corpo humano, sendo responsável por diversas funções essenciais para a manutenção da vida. Ele é composto por diferentes componentes, sendo os principais o plasma, as células vermelhas (hemácias), as células brancas (leucócitos) e as plaquetas.

O plasma é a parte líquida do sangue, representando cerca de 55% do volume total. Ele é composto principalmente por água, sais minerais, proteínas, hormônios e nutrientes. O plasma é responsável por transportar substâncias essenciais para as células, regular a pressão osmótica e manter o equilíbrio ácido-base no organismo.

Por outro lado, o soro é o plasma sanguíneo sem as proteínas de coagulação, que são removidas durante o processo de coagulação do sangue. Ele é utilizado em testes laboratoriais para análises bioquímicas, já que as proteínas podem interferir nos resultados. O soro é uma parte importante do sangue, pois contém informações valiosas sobre o estado de saúde do indivíduo.

Enquanto o plasma é o líquido que transporta nutrientes e substâncias essenciais, o soro é o plasma sem as proteínas de coagulação, utilizado em testes laboratoriais. Ambos são fundamentais para a manutenção da saúde e do equilíbrio do corpo humano.

Relacionado:  Pílula do dia seguinte: como é tomado, efeitos e eficácia

Significado do soro presente no sangue: entenda sua importância para a saúde.

O soro presente no sangue é uma parte essencial para o bom funcionamento do organismo. Ele é composto por uma solução aquosa de proteínas, eletrólitos e outras substâncias que são essenciais para diversas funções do corpo. É importante ressaltar que o soro é diferente do plasma sanguíneo, apesar de ambos serem componentes do sangue.

O soro é o líquido que resta depois que o coágulo sanguíneo é removido. Ele contém nutrientes como proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas que são essenciais para a saúde. Além disso, o soro também é responsável pela manutenção do equilíbrio ácido-base no organismo e pelo transporte de hormônios e outras substâncias pelo corpo.

A falta de soro no sangue pode levar a diversos problemas de saúde, como desidratação, desequilíbrios eletrolíticos e até mesmo insuficiência renal. Por isso, é fundamental manter uma dieta equilibrada e hidratar-se adequadamente para garantir a presença adequada de soro no organismo.

É importante entender a diferença entre o soro e o plasma sanguíneo para garantir que nosso organismo receba os nutrientes necessários para se manter saudável.

Exame que faz uso de soro ou plasma para diagnóstico de doenças.

Quando um paciente realiza um exame de sangue para diagnosticar uma doença, é comum que o laboratório utilize soro ou plasma para realizar a análise. Mas afinal, qual é a diferença entre plasma e soro?

O plasma é a parte líquida do sangue, composta por água, sais minerais, proteínas e outras substâncias. Já o soro é o plasma sanguíneo sem as células sanguíneas, como glóbulos vermelhos e brancos. Ambos são utilizados em exames laboratoriais para identificar possíveis doenças no organismo.

Um exemplo de exame que faz uso de soro ou plasma é o hemograma, que analisa a quantidade de células sanguíneas no organismo. Outro exame comum é o teste de glicose, que mede os níveis de açúcar no sangue e ajuda a diagnosticar diabetes.

Portanto, tanto o plasma quanto o soro são fundamentais para o diagnóstico correto de diversas doenças. É importante ressaltar que a coleta e o armazenamento adequados dessas amostras são essenciais para garantir a precisão dos resultados.

Qual é a diferença entre plasma e soro?

A diferença entre plasma e soro está em seus fatores de coagulação. Plasma e soro são partes importantes do sangue, assim como outras células em forma. A concentração plasmática do sangue é de 55% do total.

O sangue é um tecido líquido que circula pelo corpo de todos os seres humanos e vertebrados. É responsável pela distribuição de nutrientes por todo o corpo, bem como pela defesa contra infecções e trocas gasosas.

Qual é a diferença entre plasma e soro? 1

Plasma: contém fribrinogênio, glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas. Soro: o soro sanguíneo é o resultado da coagulação do sangue e da remoção do coágulo. É o mesmo que o plasma sanguíneo, embora não possua proteínas de coagulação (fibrinogênio)
Relacionado:  10 Doenças Causadas pelas Bactérias Mais Comuns

É composto de elementos de forma e plasma. Os elementos são; glóbulos, que são glóbulos brancos ou leucócitos; e derivados celulares, que são glóbulos vermelhos ou eritrócitos e plaquetas.

O plasma é o líquido no qual os elementos da forma flutuam e são distribuídos por todo o corpo através de capilares, veias e artérias. O plasma é uma solução isotônica, necessária para a sobrevivência das células que transporta. A solução isotônica é aquela em que a concentração de soluto é igual fora e dentro das células.

Existe uma substância chamada fibrinogênio, responsável pela coagulação do sangue. Quando o sangue se separa e o plasma é removido, ele ainda retém o fibrinogênio. Quando os fatores de coagulação são consumidos, a parte resultante do sangue é o soro sanguíneo, que não contém a extração desse fibrinogênio.

Diferenças entre plasma e soro

Tanto o soro como o plasma são componentes do sangue. O plasma é o meio aquoso de sangue obtido após a remoção de glóbulos vermelhos e glóbulos brancos.

Quando o plasma é removido e deixado coagular, o coágulo diminui com o tempo. Nesse momento, o soro é extraído removendo o coágulo. Esse processo é conhecido como eletroforese.

Quando o coagulante é eliminado, fibrinoglobulinas e plasmases aparecem no soro. Geralmente, como removemos apenas o fibrinogênio, o soro é considerado plasma sem um agente de coagulação.

Plasma

O plasma é o fluido no sangue que não possui células. Isso é obtido quando o sangue é filtrado e os glóbulos vermelhos e brancos são removidos.

A composição do plasma é de 90% de água, 7% de proteína e o restante corresponde a gorduras, glicose, vitaminas, hormônios etc. O plasma é o principal componente do sangue, pois é o meio aquoso onde as substâncias são mantidas em solução.

O plasma tem um nível de viscosidade de 1,5 vezes o da água. E cobre 55% do volume de sangue. Com uma concentração de 7% de proteínas, estas são classificadas em albumina, lipoproteínas, globulinas e fibrinogênio.

A albumina é a proteína que controla o nível de água no sangue e ajuda no transporte de lipídios. As lipoproteínas são responsáveis ​​por absorver as alterações de pH e responsáveis ​​pela viscosidade do sangue, as globobinas, estão relacionadas a todos os mecanismos de defesa que o corpo possui e o fibrinogênio, é a principal proteína da coagulação sanguínea.

As proteínas plasmáticas realizam diferentes atividades dentro do corpo. As funções mais importantes delas são:

  • Função oncótica : executam a função de pressão no sistema circulatório responsável por manter o nível de água no sangue.
  • Função tampão : esta função é responsável por manter os níveis de pH no sangue. O sangue está em níveis entre 7,35 e 7,35 pH.
  • Função reológica : é a função responsável por manter a viscosidade do plasma, para que o restante das células possa se mover pela corrente sanguínea.
  • Função eletroquímica : que mantém o equilíbrio de íons no sangue.
Relacionado:  Hipocloremia: sintomas, causas, conseqüências e tratamento

Soro

O soro sanguíneo ou soro sanguíneo é o componente do sangue após a remoção do fibrinogênio. Para obter o soro, primeiro precisamos filtrar o sangue para separar o plasma e remover suas proteínas fibrinogênio. Essas proteínas são o que permitem a coagulação.

Depois que as células sanguíneas, glóbulos brancos e coagulantes são removidos do sangue, o resultado é um líquido que consiste praticamente em água com uma solução de proteínas, hormônios, minerais e dióxido de carbono. Embora o soro seja um sangue desprovido de praticamente todos os seus nutrientes, é uma fonte importante de eletrólitos.

Eletrólitos são substâncias compostas por íons livres. A manutenção de um nível correto de eletrólitos é extremamente importante, pois é responsável por manter a função osmótica do corpo, o que afeta a regulação da hidratação do corpo e a manutenção do pH, sendo fundamental para as funções nervosas e musculares. .

O soro sanguíneo, também conhecido como soro imune, contém plasmase, que é o fermento solúvel que pode transformar o fibrinogênio em fibrina. Além de conter fibrinoglobulina que é formada às custas do fibrinogênio quando este é fornecido com fibrina.

Usos de plasma e soro

O plasma é usado principalmente em vítimas de queimaduras para reabastecer fluidos e proteínas no sangue. Nesses casos, a pele perde sua capacidade de reter líquidos, por isso é necessário substituir os líquidos corporais perdidos.

Da mesma forma, como o plasma contém todos os efeitos coagulantes, é usado para doar a pacientes com deficiência de coagulante. Para este tratamento, o plasma é usado para cultivar coagulantes que são então transmitidos aos pacientes com deficiência de coagulante.

O soro, ao remover seu agente de coagulação, mantém uma concentração mais alta de anticorpos. Isso é usado em infecções, para que os anticorpos presentes no soro se liguem ao agente infeccioso, causando uma reação maior a ele. Isso desencadeia uma resposta imune do corpo infectado.

Referências

  1. Rhoades, R. & Bell, D. (2009). Capítulo 9 – Componentes do sangue. Fisiologia Médica: Princípios para Medicina Clínica. Recuperado do google books.
  2. Thiriet, Marc (2007) Biologia e Mecânica dos Fluxos Sanguíneos: Parte II: Mecânica e Aspectos Médicos. Recuperado do google books.
  3. Hess, Beno (1963) Enzimas no plasma sanguíneo. Recuperado do google books.
  4. Yuta Nakashima, Sakiko Hata, Takashi Yasuda (2009) Separação e extração de plasma sanguíneo de uma quantidade minuciosa de sangue usando forças dieletroforéticas e capilares. Sensores e atuadores. Vol. 145. Recuperado de sciencedirect.com.
  5. Johann Schaller, Simon Gerber, Urs Kaempfer, Sofia Lejon, Christian Trachsel (2008) Proteínas do plasma sanguíneo humano: Estrutura e função. Recuperado do google books.
  6. Lodish, Harvey (2004) Biologia celular e molecular 5ª Edição. Recuperado do google books.
  7. Bruce Alberts, Dennis Bray (2004) Introdução à biologia molecular. 2ª Edição. Recuperado do google books.

Deixe um comentário