Reforma liberal de 1833: características e leis

A reforma liberal de 1833 foi uma série de leis aprovadas pelo Congresso Mexicano, que serviu de base jurídica para as leis de reforma aprovadas vinte anos depois. Essas leis serviram para regular o relacionamento entre a Igreja e o México. Eles foram ditados no breve período do presidente provisório Valentín Gómez Farías (1833-1834).

Por meio dessa legislação, o político liberal e anticlerical Gómez Farías tentou acabar com os privilégios da Igreja Católica e do exército, mas o programa de reformas falhou em resposta à reação dessas duas entidades. Ambos os setores pediram ao general Santa Anna que retomasse o governo e eliminasse todas as leis aprovadas pelos liberais.

Reforma liberal de 1833: características e leis 1

Valentín Gómez Farías, presidente que promulgou a Reforma Liberal de 1833

Antecedentes

Nas eleições de 1833, foi eleito o general Antonio López de Santa Anna, que nomeou Valentín Gómez Farías como vice-presidente.

Em 1º de abril de 1833, o novo período do governo começou, mas Santa Anna apareceu um mês depois, então Gómez Farías estava no comando da presidência. Santa Anna alegou estar doente, mas, na realidade, ele era um homem de poucas convicções políticas e preferia intrigar por trás do poder, em vez de exercê-lo diretamente.

Valentín Gómez Farías representou a classe média liberal mexicana. Ele é considerado o precursor da reforma que Benito Juárez imporá duas décadas depois.

Introdução de reformas liberais

A situação foi explorada por Gómez Farías para introduzir uma série de reformas liberais na Constituição.

Para liberais como Gómez Farías, o progresso do país só foi possível com o clero e o exército fora da política e distanciando os conservadores. As leis que ele ditava visavam transformar as condições políticas e sociais do México.

Os reformistas tentaram assumir o controle da economia, que estava nas mãos dos espanhóis. Eles também queriam ganhar o controle dos escritórios públicos federais e estaduais, mantidos por intelectuais distintos.

Objetivos

Assim começou a aprovação de leis de reforma ao longo do ano de 1833 e início de 1834. Essas leis pretendiam minar as defasagens institucionais da Colônia e das instituições conservadoras.

Relacionado:  10 Causas da Queda do Império Romano

O objetivo principal era abolir os privilégios de classe, considerados um obstáculo ao desenvolvimento do país.

Caracteristicas

Anti-clericalismo

A principal característica das leis de reforma de 1833 é o anticlericalismo. Procurou separar o Estado da Igreja para enfraquecer sua enorme influência nos assuntos do país.

Caráter civil

Outra característica era seu caráter civil e igualitário. Essas leis visavam também diminuir o poder militar sobre o Estado.

Pesquisa de progresso

O programa reformista aprovado pelo presidente Valentín Gómez Farías queria transformar o México em uma nação de progresso. Para isso, era essencial livrá-la do despotismo colonial e das antigas tradições conservadoras.

O poder do clero deve então ser removido das raízes e subordinado ao Estado. Esse poder era despojá-lo da enorme riqueza que se acumulava ao longo da história. Também era necessário decretar a liberdade de culto para subtrair sua influência sobre a população.

Leis da reforma liberal

As principais reformas introduzidas por Valentín Gómez Farías foram:

– Suspensão de ordens monásticas (que governam os mosteiros).

– Supressão do pagamento do dízimo à Igreja, ficando à vontade de cada pessoa o seu pagamento.

– O casamento civil é instituído.

– Abolição dos privilégios que o clero e o exército gozavam.

– Liberdade de expressão e imprensa é introduzida.

– O monopólio educacional da Igreja cessou. A Pontifícia Universidade do México foi suspensa e a Diretoria Geral de Instrução Pública foi criada.

– Milícias populares são criadas nos estados, substituindo os corpos militares eliminados.

– Os bens do clero são confiscados em vista dos compromissos de pagamento da dívida que ele tinha da república.

Reforma eclesiástica

Foi aprovada uma lei que libertou os camponeses da obrigação civil de pagar o dízimo à Igreja. Seu pagamento foi por decisão voluntária de cada pessoa.

Relacionado:  Biênio negro: antecedentes, desenvolvimento, medidas

A Igreja Católica se recusou a se subordinar ao Estado mexicano. O clero pretendia permanecer independente do poder civil e ser subordinado apenas ao papa.

As reformas contemplavam o estabelecimento de educação obrigatória e a abertura de escolas em cidades pequenas, fundando universidades e apoiando o desenvolvimento do conhecimento científico, além de promover a liberdade de imprensa e o hábito de ler.

As medidas tomadas para esse fim foram:

– A abolição do Colégio Prefeito de Santa Maria de Todos os Santos. Seus recursos foram repassados ​​para instituições públicas de ensino. A Universidade Pontifícia também foi abolida, pois estudava apenas uma minoria privilegiada.

– Foi criado um sistema de escolas populares administrado pela Direção Geral de Instrução Pública, dirigido por intelectuais ilustres da época.

– O programa governamental de educação incluiu a criação de seis universidades para jovens. Foi autorizada a abertura de escolas públicas e ordenada a criação de uma escola para os artesãos operar à noite.

– Para que os professores sejam treinados, é instruída a criação de duas escolas normalistas. E para criar e fornecer a Biblioteca Nacional, é aprovado o recebimento de livros da Universidade e de várias instituições religiosas.

Reforma do exército

Para transformar o Estado e a situação do país, era imperativo reduzir o poder militar. O exército conspirava permanentemente para derrubar o governo civil recém-inaugurado. Com isso, ele procurou formar um novo que sustentasse suas ambiciosas demandas.

Os chefes e líderes militares não estavam interessados ​​no progresso do país, mas na preservação de seus próprios privilégios.Suas principais reivindicações eram manter seu status, continuar a aumentar sua riqueza, obter mais promoções e uma jurisdição que garantisse a impunidade.

Em novembro de 1833, foi arranjada a dissolução de todo o corpo militar que se rebelara contra o governo constitucional.

O número de oficiais seniores e chefes militares seniores foi reduzido. O exército foi reduzido para seis batalhões de infantaria e seis outros regimentos de cavalaria.

Além disso, a milícia nacional foi criada para abastecer o exército em cada estado. Essa milícia seria composta de tropas populares armadas e treinadas para enfrentar conspiradores veteranos.

Relacionado:  Eratóstenes: biografia e contribuições para geografia e matemática

Reforma das Finanças Públicas

A situação financeira da república era muito precária. A dívida externa contratada recentemente pelos governos anteriores, mais a dívida interna resultante de empréstimos às taxas de Leon, tinham o estado em falência.

Os poucos impostos coletados não permitiram o pagamento de compromissos financeiros externos. Os impostos da agricultura, mineração e indústria mal foram suficientes para cobrir as despesas do Estado. Esses setores também estavam em estado crítico.

Capital e riqueza nas mãos do clero não foram transferidos como um empréstimo para os setores econômicos do país. Isso levou os reformadores a concluir que a única maneira de lidar com a dívida pública nacional era através do confisco dos bens da Igreja.

Mas, na prática, isso não aconteceu assim, porque a partir do estado clerical foi transferida para o estado laico. Muitos oportunistas adquiriram esses bens a um preço baixo com o único objetivo de acumular riqueza, não para o desenvolvimento do país.

Fracasso da reforma

A reação da Igreja e do exército às leis reformistas que amputaram seu poder não esperou. Ambos concordaram em solicitar ao general San Anna que assuma novamente a presidência e ponha um fim ao programa de reformas liberais.

Em maio de 1933, Santa Anna retomou o comando e Valentín Gómez Farías foi demitido. Ele imediatamente revogou todas as leis ditadas pelos liberais. Isso levou ao triunfo dos setores conservadores do país.

Referências

  1. As leis de 1833 e as leis da reforma. wikimexico.com
  2. Gloria M. Delgado de Cantú (2002): História do México. Consultado em books.google.co.ve
  3. Confisco espanhol. Consultado em es.wikipedia.org
  4. Biografia de Valentín Gómez Farías. Consultado em biografiasyvidas.com
  5. Valentín Gómez Farías. Consultado de ecured.cu
  6. Leis de reforma de Valentín Gómez Farías. Consultado de academia.edu
  7. Regras monásticas Consultado em es.wikipedia.org

Deixe um comentário