Revolução Industrial na Espanha: história e por que falhou?

A Revolução Industrial na Espanha foi o processo de transformar a economia agrícola e artesanal em uma economia baseada em fábricas e no uso de máquinas. A Primeira Revolução Industrial começou na Inglaterra na segunda metade do século XVIII e se estendeu até cerca de 1860.

O que levou a esse processo foi a conjunção do machinismo, juntamente com uma série de fatores que estavam alinhados nos aspectos econômico, político e social. Por outro lado, na Espanha do século XIX, esse processo começou tarde em comparação com outros países como Grã-Bretanha, França e Alemanha.

Revolução Industrial na Espanha: história e por que falhou? 1

Alguns autores apontam que na Espanha não houve realmente uma revolução industrial no sentido estrito, mas um processo de industrialização. Em 1830, quando o processo de industrialização na Espanha começou, o reino possuía uma economia de subsistência baseada na agricultura e mineração.

No início do século XX, a situação não havia mudado em maior grau, exceto em regiões como a Catalunha e o norte da Espanha, onde houve um forte impulso industrial no setor têxtil e siderúrgico.

Primeira Revolução Industrial na Espanha

A decolagem ou o primeiro impulso do processo de industrialização espanhol começou tarde. É por isso que falamos do final da Revolução Industrial da Espanha.

A Primeira Revolução Industrial do mundo começou na Inglaterra em meados do século XVIII e se estendeu até o final da primeira metade do século XIX.

Outros países, como França, Alemanha e Estados Unidos, iniciaram esse processo anteriormente, atrás da Inglaterra, entre 1820 e 1860. Esses países representavam a segunda geração industrial.

Embora a Espanha tenha iniciado sua industrialização com esse grupo, sua verdadeira decolagem não foi possível devido a vários fatores. No início do reinado de Isabel II (1833), o Império Espanhol iniciou esse processo; Até então, ele não possuía capital suficiente para apoiar a decolagem e o início firme.

Os investimentos do exterior substituíram parcialmente essa limitação de capital e a industrialização começou a avançar. Nesta fase, o capital financeiro internacional e os avanços tecnológicos ajudaram a impulsionar o processo de industrialização.

Casos isolados de industrialização

Houve algum progresso na indústria têxtil da Catalunha, especificamente na década de 40 do século XIX. 1229 máquinas foram importadas entre 1836 e 1840; em meados do século, o uso do motor a vapor na indústria têxtil catalã já era diário.

Em 1847, havia cerca de 28.000 teares, com cerca de 97.000 trabalhadores têxteis. Em 1848, a primeira ferrovia que cobre a rota de Barcelona a Mataró foi inaugurada na Espanha e tinha 28,25 quilômetros de extensão. Ao mesmo tempo, no norte da Espanha, existe outra base de industrialização isolada da indústria siderúrgica.

Em 1840, são instalados fornos para alimentar a fábrica da Trubia em Oviedo, dedicada à indústria de armas.

A mineração naquela época ainda não havia sido regulamentada em termos de uso do subsolo. Até então, a Espanha vivia à custa da riqueza mineral que tirava de suas colônias na América, por isso não se preocupava com esse setor.

Então, muitas empresas de mineração foram criadas, particularmente ali na Catalunha. No entanto, especialmente a indústria do carvão permaneceu estagnada. O carvão mineral não será usado até 1848.

Situação política

As três primeiras décadas do século XIX na Espanha passaram entre guerras de independência das colônias americanas. A fazenda espanhola estava exausta para apoiar a industrialização incipiente.

Foi um longo período de atraso industrial e estagnação, como aconteceu no resto do reino espanhol. Na segunda década do século XIX, a Espanha mal estava se recuperando da invasão francesa.

A situação política não ajudou os planos de industrialização precoce, muito menos o absolutismo de Fernando VII.

No entanto, foi feito um esforço. A adequação capital e legal da Espanha para a finalidade industrializadora começou a se mover com a aprovação das primeiras leis de confisco.

Em 1850, o processo de industrialização surgiu na Espanha, mas não teve o mesmo significado que nos outros países europeus, nem as idéias políticas que acompanharam o processo.

O ano de 1848 foi marcado por revoluções e idéias liberais em toda a Europa, enquanto na Espanha houve um período moderado que durou até 1868.

Segunda Revolução Industrial na Espanha

Em 1910, a Revolução Industrial terminou em quase todos os países europeus . A maioria dos países estava passando por uma mudança qualitativa em seus respectivos processos de industrialização. É o que se chama Segunda Revolução Industrial, período que vai do final do século XIX até o final do século XX.

Na Espanha, a situação econômica do início do século XX era diferente. A industrialização era escassa na maior parte do país; Permaneceu uma sociedade tradicional do ponto de vista social e econômico.

70% da população economicamente ativa trabalhava em agricultura, pecuária e trabalho de subsistência artesanal; isto é, no setor primário.

Do agrário ao industrial

Foi feita uma tentativa de ajustar o progresso do país ao de outros que, como a Grã-Bretanha, estavam iniciando uma nova etapa. Esse salto consistiu na substituição da base agrária tradicional por uma base industrial.

Essa mudança foi baseada nos setores básicos (algodão e aço), mas a tentativa fracassou porque não era totalmente industrial nem revolucionária.

O desenvolvimento industrial europeu – predominantemente inglês – teve como principal característica que as mudanças fossem simultâneas em termos econômicos, políticos, sociais, ideológicos, técnicos, comerciais, agrícolas, etc. Tudo isso levou à implementação do capitalismo como um sistema de produção.

Por outro lado, a Espanha tinha uma economia dupla e ambígua na qual permaneciam os traços da economia tradicional e moderna; isto é, produção de subsistência com produção em massa.

Por que se diz que ele falhou?

As causas do fracasso do processo de industrialização na Espanha têm sua explicação em vários elementos a serem considerados.

O mercado espanhol era muito pequeno e fragmentado, caracterizado por pequenas células de produção rural, com uma troca muito fraca entre si. Os mercados locais não estavam interconectados devido à ausência de meios de transporte adequados.

A demanda foi muito baixa em comparação com os mercados domésticos dos países vizinhos, pois havia uma baixa densidade populacional. Até 1860, a população espanhola mal cresceu: entre 1797 e 1860, a população passou de 10,4 milhões para 15,6.

Outro motivo foi que o nível de renda era muito baixo comparado à Inglaterra e à França. A situação do Estado permaneceu deficiente desde a independência das colônias americanas. As remessas milionárias que chegaram da América não puderam ser substituídas pela economia espanhola interna.

Causas do fracasso da Revolução Industrial

Falhas na revolução agrícola

O que havia sido um processo natural na Inglaterra, na Espanha, começou tardiamente através do confisco; isto é, da nacionalização e venda de terras nas mãos do clero, instituições coloniais e nobreza.

Fracasso da revolução comercial

No final da Guerra da Independência, em 1814, um processo inquebrável de emancipação americana das colônias se seguiu. O reino foi mergulhado em dívidas e falências.

Com a perda das colônias, o comércio exterior espanhol foi neutralizado. Por outro lado, na Inglaterra, o processo de industrialização foi acompanhado pelo aumento do comércio.

Revolução inadequada de transporte

O que caracteriza os países industrializados pré-industrializados é a acumulação de capital social; Isso torna os investimentos individuais e coletivos mais lucrativos. Dentro do estoque de capital existem sistemas de transporte.

A Espanha não possuía uma moderna rede comercial terrestre, fluvial e marítima. Após as guerras de independência na América, a frota de navios ficou devastada.

Baixa resistência nos setores têxtil e siderúrgico

O caso catalão e do norte da Espanha foi a exceção na indústria têxtil e siderúrgica. O resto do país carecia de indústrias.

A indústria do algodão impulsionou a Revolução Industrial Inglesa e também na Espanha, mas estava muito concentrada na Catalunha.

Comparação com países mais avançados da Europa

Vários elementos permitem comparar e deduzir por que a Revolução Industrial falhou na Espanha e foi bem-sucedida em outros países europeus.

No final do século XIX, a estrutura agrária permaneceu semi-feudal e atrasada. A produtividade da agricultura espanhola representava um terço dos ingleses.

Nem a Inglaterra nem a Espanha eram produtoras de algodão em grandes quantidades, a maioria delas era importada. No entanto, no caso inglês, a abundância de carvão de alta qualidade ajudou a economia industrial. Isso não aconteceu na Espanha, uma vez que a cocaína desse país não era apenas de qualidade inferior, mas também mais escassa.

Isso, juntamente com a alta densidade populacional e o mais alto padrão de vida, tornou a indústria têxtil de algodão a mais eficiente do mundo.

Outro problema foi a indústria siderúrgica, que foi estabelecida perto das minas de ferro em Málaga, Bilbau, Aviles Sagunto. O problema era a baixa disponibilidade de carvão para alimentar os fornos. Isso tornou a indústria espanhola menos competitiva.

Especialistas indicaram que o ideal seria instalar a indústria siderúrgica fora do país, na Inglaterra ou na Polônia, que possuía grandes depósitos ferrosos.

A Espanha também não possuía bancos que financiassem o processo de industrialização, diferentemente da Inglaterra, Alemanha ou França.

Educação

Outro fator fundamental que a Espanha não possuía era um nível educacional e tecnológico adequado. Por outro lado, os demais países europeus mais importantes o alcançaram. Em 1874, a taxa de analfabetismo espanhol era de 54,2% em homens e 74,4% em mulheres.

Referências

  1. Lucas Marín, Antonio e García Ruíz Pablo: Sociologia das Organizações. Mc Graw Hill, Espanha, 2002. Acesso em 17 de março de 2018.
  2. O fracasso da revolução industrial na Espanha, 1814. Consultado em uvadoc.uva.es
  3. O final da Revolução Industrial Espanhola. Consultado sobre sobrehistoria.com
  4. Revolução industrial na Espanha. Consultado em es.wikipedia.org
  5. A Revolução Industrial e a nova face da Grã-Bretanha. Consultado em britishmuseum.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies