Rinofaringite: sintomas, causas, fatores de risco, prevenção

A rinofaringite, também conhecida como resfriado comum, é uma inflamação das vias respiratórias superiores causada principalmente por vírus, como os rinovírus. Os sintomas incluem coriza, espirros, dores de cabeça, febre baixa e tosse. A doença é altamente contagiosa e pode ser transmitida pelo contato direto com secreções respiratórias de uma pessoa infectada.

Os fatores de risco incluem o contato com pessoas doentes, ambientes fechados e com aglomeração de pessoas, além de baixa imunidade. Para prevenir a rinofaringite, é importante adotar medidas de higiene, como lavar as mãos frequentemente, evitar tocar o rosto com as mãos sujas e manter ambientes ventilados.

Em casos mais graves, a rinofaringite pode evoluir para infecções secundárias, como sinusite ou otite. O tratamento geralmente é sintomático, com repouso, hidratação e medicamentos para aliviar os sintomas. Em casos de complicações ou sintomas persistentes, é importante procurar orientação médica.

Quais são os motivos que levam ao desenvolvimento da rinofaringite?

A rinofaringite, popularmente conhecida como resfriado comum, é uma inflamação das vias aéreas superiores que afeta principalmente o nariz e a garganta. Os sintomas incluem espirros, coriza, tosse, dor de garganta e febre baixa. Mas afinal, quais são os motivos que levam ao desenvolvimento dessa condição?

Existem diversos fatores que podem contribuir para o surgimento da rinofaringite. Um dos principais é a infecção viral, sendo os rinovírus os responsáveis pela maioria dos casos. Além disso, a exposição a ambientes frios e úmidos pode enfraquecer o sistema imunológico, tornando o organismo mais suscetível a infecções.

Outros fatores de risco incluem o contato com pessoas infectadas, especialmente em locais fechados e com aglomerações, o tabagismo, a falta de higiene adequada das mãos e a baixa umidade do ar. Crianças, idosos e pessoas com sistema imunológico comprometido também estão mais propensos a desenvolver a rinofaringite.

Para prevenir o desenvolvimento da rinofaringite, é importante adotar medidas simples, como manter uma boa higiene pessoal, evitar o contato próximo com pessoas doentes, manter-se hidratado, praticar atividades físicas regularmente e ter uma alimentação saudável e equilibrada. Além disso, a vacinação contra a gripe pode ajudar a reduzir o risco de infecções virais que podem levar à rinofaringite.

Adotar hábitos saudáveis e medidas de prevenção pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver essa inflamação das vias aéreas superiores.

Fatores que levam ao desenvolvimento de nasofaringite: entenda as causas dessa inflamação respiratória.

Rinofaringite: sintomas, causas, fatores de risco, prevenção.

A rinofaringite, também conhecida como nasofaringite, é uma inflamação que afeta a região do nariz e da garganta, causando sintomas como coriza, tosse e febre. Diversos fatores podem levar ao desenvolvimento dessa condição, sendo importante compreendê-los para prevenir o seu surgimento.

As principais causas da rinofaringite estão relacionadas a vírus respiratórios, como os rhinovírus e os adenovírus, que são altamente contagiosos e se espalham facilmente através do contato direto com pessoas infectadas ou objetos contaminados. Além disso, fatores ambientais, como a exposição ao ar frio e seco, podem contribuir para o desenvolvimento da inflamação.

Existem também fatores de risco que aumentam a susceptibilidade à rinofaringite, como o tabagismo, a baixa imunidade e a exposição a ambientes fechados

Para prevenir a rinofaringite, é fundamental manter hábitos saudáveis, como lavagem frequente das mãos, manter ambientes ventilados e evitar o contato próximo com pessoas doentes. Além disso, a vacinação contra a gripe pode ajudar a fortalecer o sistema imunológico e reduzir as chances de desenvolver a inflamação respiratória.

Ao compreender as causas e os fatores de risco associados à doença, é possível tomar precauções adequadas e minimizar o impacto da inflamação no bem-estar.

Principais motivos que desencadeiam a rinite alérgica e não alérgica.

A rinite é uma inflamação da mucosa nasal que pode ser desencadeada por diversos motivos, sendo os principais a alergia e agentes irritantes, como poeira, fumaça, poluição, entre outros. A rinite alérgica ocorre quando o sistema imunológico reage de forma exagerada a substâncias inofensivas, como pólen, ácaros e pelos de animais. Já a rinite não alérgica pode ser causada por mudanças bruscas de temperatura, infecções virais e até mesmo certos medicamentos.

Relacionado:  Flebóclise: equipamento, materiais, preparação e procedimento

Rinofaringite: sintomas, causas, fatores de risco, prevenção.

Os sintomas da rinofaringite incluem coriza, espirros, congestão nasal, coceira no nariz e nos olhos, além de eventualmente dor de cabeça e cansaço. As causas podem ser virais, como os rinovírus, ou bacterianas, como o Streptococcus pneumoniae. Os fatores de risco incluem convívio com pessoas infectadas, baixa imunidade e tabagismo. Para prevenir a rinofaringite, é importante manter hábitos saudáveis, como lavar as mãos regularmente, evitar o contato com pessoas doentes e manter a vacinação em dia.

Tratamento eficaz para rinofaringite: o que fazer para aliviar os sintomas respiratórios comuns.

A rinofaringite, também conhecida como resfriado comum, é uma infecção viral que afeta o nariz e a garganta. Os sintomas mais comuns incluem nariz entupido, espirros, tosse, dor de garganta e febre. É uma condição que pode ser bastante incômoda, mas existem algumas medidas que podem ser adotadas para aliviar os sintomas respiratórios comuns.

Para aliviar os sintomas da rinofaringite, é importante manter-se hidratado, descansar o suficiente e evitar ambientes com ar seco. Beber água em abundância ajuda a manter as mucosas hidratadas, facilitando a eliminação do muco. Além disso, usar um umidificador no quarto pode ajudar a aliviar a congestão nasal e a tosse.

Outra medida importante é fazer gargarejos com água morna e sal, pois isso ajuda a aliviar a dor de garganta e a reduzir a inflamação. Além disso, é recomendado evitar fumar e estar próximo de fumantes, pois a fumaça do cigarro pode piorar os sintomas da rinofaringite.

Em casos mais graves, pode ser necessário o uso de medicamentos para aliviar os sintomas, como descongestionantes nasais, analgésicos e antitérmicos. No entanto, é importante consultar um médico antes de iniciar qualquer tratamento, para garantir que este seja adequado e seguro.

Seguindo essas recomendações, é possível amenizar os sintomas e acelerar a recuperação.

Rinofaringite: sintomas, causas, fatores de risco, prevenção

Rinofaringite: sintomas, causas, fatores de risco, prevenção

A nasofaringite , nasofaringite ou coriza é uma doença viral do trato respiratório superior. É uma das causas mais frequentes de morbidade em crianças e adultos, sendo o principal motivo de consulta médica em crianças.

Nos países temperados, calcula-se que um adulto pode apresentar entre três a quatro episódios por ano, enquanto as crianças podem apresentar entre cinco e seis. É uma doença que causa inflamação da mucosa nasal e faríngea. Apresenta aumento da produção de muco, febre, dor de garganta, desconforto geral, dores musculares, podendo ser acompanhado por tosse e rouquidão.

Geralmente, dependendo do agente causador, o período de incubação é curto, de algumas horas (15 a 16 horas) a 72 horas. A doença não requer tratamento, apenas o tratamento para febre (antipirético) e / ou anti-inflamatório é indicado.

Em alguns casos, em crianças pequenas, lavagens nasais com solução salina podem ser prescritas para aliviar a obstrução nasal.

Os vírus são os agentes causadores da rinofaringite. Existem mais de 200 vírus que foram associados ao resfriado comum. Embora a doença geralmente desapareça em média após cerca de cinco a sete dias, pode haver complicações.

As complicações mais frequentes são otite média, sinusite, bronquite e pneumonia. Podem ocorrer infecções bacterianas secundárias.

Embora as rinofaringites sejam processos virais agudos, eles podem ser causados ​​por problemas alérgicos e podem ser recorrentes ou crônicos.

Sintomas

Após o período de incubação, os sintomas aparecem. O período de incubação é muito curto, em média de um a dois dias, mas pode ser de 10 a 15 horas ou até 72 horas. Essas variações dependem fundamentalmente do agente causador e das condições de saúde do hospedeiro.

Segundo alguns autores, os sintomas podem ser divididos em sintomas predominantes, sintomas frequentes e sintomas gerais, e que afetam outros sistemas orgânicos.

Sintomas predominantes : coriza ou coriza, geralmente hialina com obstrução nasal e espirros frequentes são os sintomas iniciais predominantes.

Sintomas frequentes : dor de garganta ou desconforto, como irritação na garganta, tosse, dor de cabeça (dor de cabeça), febre com intensidade variável, dependendo da idade do paciente. Desconforto geral, dor de ouvido transitória (otalgia) pode aparecer.

Sintomas gerais que afetam outros sistemas orgânicos : irritação ocular com ou sem secreção abundante de lágrimas. Linfadenite cervical, isto é, inflamação dos linfonodos cervicais. Dor no peito, vômito, diarréia, dor abdominal, dor muscular (mialgia) e dor nas articulações (artralgia), irritabilidade (em crianças), perda de apetite, recusa em comer.

Em crianças pequenas, especialmente bebês, a obstrução nasal pode causar dificuldade em adormecer e se alimentar. Pode gerar vômitos, com maior frequência de evacuações.

Quanto menor a criança, mais ela depende da respiração nasal, de modo que essas obstruções podem gerar alguma dificuldade respiratória.

No curso da rinofaringite autolimitada, a febre pode persistir por até cinco dias, enquanto a tosse e a rinorréia podem ser mantidas por períodos mais longos, até 10 dias. A secreção nasal, inicialmente hialina, torna-se mais espessa e mais branca após dois a três dias devido à presença de células e bactérias polimorfonucleares.

Principais causas de rinofaringite

A rinofaringite pode ser causada por múltiplas causas, sendo as mais alérgicas e infecciosas.

Rinofaringite alérgica 

A rinofaringite alérgica é uma consequência da inflamação da mucosa do nariz e da faringe, às vezes envolvendo também os seios paranasais (nesse caso, é chamada de rinossinusite).

Essa inflamação é gerada devido à exposição a um determinado alérgeno, geralmente poeira, ácaros ou pólen.

Em cada paciente, o alérgeno é diferente; portanto, o que causa rinofaringite alérgica em uma pessoa não o faz necessariamente em outra. Da mesma forma, existem pacientes que podem ser sensíveis a vários alérgenos, portanto existe a possibilidade de mais de dois elementos no ambiente desencadearem os sintomas.

Sazonal e perene

Quando a rinofaringite ocorre sazonalmente, especialmente na primavera e como resultado da exposição a certos tipos de pólen, é referida a rinofaringite alérgica sazonal, também conhecida como febre do feno.

Por outro lado, quando esse padrão não aparece, geralmente falamos de rinofaringite perene.

Rinofaringite infecciosa

Quase todos os casos de rinofaringite infecciosa são de origem viral. Geralmente, um rinovírus é responsável, embora existam muitos outros vírus (adenovírus, coronavírus, parainfluenza) com capacidade de infectar a mucosa da rinofaringe, causando rinofaringite.

Infecção bacteriana

Em alguns casos, a rinofaringite pode ser causada por uma infecção bacteriana; os germes mais freqüentemente envolvidos são  Haemophilus influenzae e Streptococcus pyogenes. 

Quando há bactérias envolvidas, o envolvimento nasal é muito menor, concentrando os sintomas na garganta; por esse motivo, geralmente é utilizado o termo faringite ou faringotonsilite, este último quando há envolvimento das amígdalas.

Alto risco de contágio

Nos casos de rinofaringite infecciosa, geralmente é possível associar o contato com uma pessoa com a doença. O contato não deve ser fechado, uma vez que o agente infeccioso pode ser transmitido até 10 metros devido a gotículas de saliva emitidas ao tossir ou espirrar.

A rinofaringite viral é altamente contagiosa e geralmente ocorre em surtos, principalmente nos meses frios e naquelas situações em que há altas concentrações de pessoas em áreas relativamente pequenas, como escolas, quartéis, casas de repouso, entre outros.

Relacionado:  Reflexo patelar ou patelar: como ocorre, fisiologia, ausência

Fatores de risco

Tradicionalmente, existe uma teoria de que a rinofaringite pode ser “pega” pela exposição a um ambiente frio, chuva ou condições comuns de inverno. Daí o nome de resfriado comum ou ” resfriado ” em inglês.

Muitos dos vírus que causam esta doença são sazonais e a rinofaringite é mais comum em climas frios e úmidos.

A razão pela qual a doença é sazonal não é totalmente elucidada. Alguns fatores sociais podem estar envolvidos.

Quando o clima é frio e úmido, as pessoas ficam mais tempo em ambientes fechados e a proximidade com pessoas infectadas favorece o contágio, como a escola para crianças.

O papel da baixa temperatura corporal como fator de risco é controverso, mas a maioria das evidências sugere que essas baixas temperaturas geram uma maior suscetibilidade à infecção.

Um fator de risco para esse tipo de patologia infecciosa está relacionado à diminuição da função imunológica. Horas reduzidas de sono e desnutrição têm sido associadas a um risco aumentado de infecção por exposição ao rinovírus.

A amamentação reduz o risco de complicações como otite e infecções respiratórias inferiores (pulmão) e é recomendável que, mesmo que a criança esteja doente, ela não seja suspensa.

Prevenção

As únicas medidas realmente úteis para impedir a disseminação dos vírus da rinofaringite são medidas físicas, como o uso correto da técnica de lavagem das mãos e o uso de máscaras faciais. Luvas, máscaras e aventais descartáveis ​​também devem ser usados ​​na área da saúde.

Quando uma pessoa é exposta a um paciente infectado, deve-se evitar o contato das mãos com os olhos ou o nariz. As pessoas infectadas devem eliminar adequadamente as secreções nasais e se abrigar ao tossir ou espirrar.

Isolamento ou quarentena não são usados ​​nesses casos; no entanto, para evitar o contágio, as crianças doentes não devem frequentar a escola. A vacinação não é uma medida realmente eficaz, pois esses vírus sofrem mutações constantes e são muito numerosos, dificultando a obtenção de uma vacina que permita ampla proteção contra eles.

Aparentemente, a lavagem regular das mãos tem sido eficaz na redução da transmissão desses vírus. A adição de antibacteriano ou antiviral à lavagem normal das mãos não está claro se ele oferece algum benefício adicional. Os anti-sépticos em gel têm como única vantagem o conforto da lavagem a seco.

O uso de vitamina C não reduz o risco de contrair a doença, mas reduz a duração da doença. Os suplementos de zinco, cujo uso se tornou popular, não está claro se eles realmente reduzem o risco ou afetam o curso da doença.

Referências

  1. Green, RJ (2006). Tratamento sintomático dos sintomas do trato respiratório superior em crianças. South African Family Practice , 48 (4), 38-42.
  2. Hernández, SF, Trejo, JA, Morales, HR, Cuevas, RP e Gallardo, HG (2003). Guia clínico para o diagnóstico, tratamento e prevenção de infecções respiratórias agudas. Revista Médica do Instituto Mexicano de Seguridade Social , 41 (1), 3-14.
  3. Kardos, P., & Malek, FA (2017). Resfriado comum – um termo genérico para infecções agudas do nariz, garganta, laringe e brônquios. Pneumologie , 71 (04), 221-226.
  4. Kopp, MV, Ankermann, T., & Härtel, C. (2011). Potencial clínico para o uso de probióticos no tratamento de doenças respiratórias e sintomas semelhantes ao resfriado e à influenza. Nutrição e suplementos alimentares , 3 , 51.
  5. Singh, M., Singh, M., Jaiswal, N., & Chauhan, A. (2017). Ar aquecido e umidificado para o resfriado comum. Base de dados Cochrane de revisões sistemáticas , (8).
  6. Tamayo Reus, CM (2015). Resfriado comum e violência terapêutica na população infantil. MediSan , 19 (02), 229-241.

Deixe um comentário