Sawney Bean e sua família canibal: biografia e assassinatos

Alexander Sawney Bean era o chefe de um clã composto por 48 pessoas que moravam na Escócia por volta do século XVI. Ele era conhecido como “O Canibal das Colinas”, porque além de ter cometido crimes horríveis, também praticava canibalismo e vampirismo, assim como o resto de sua família.

A história deste canibal e seu clã se tornou uma das lendas mais famosas de Edimburgo. Por ser uma história tão antiga e sem muitos detalhes específicos, muitos duvidam de sua veracidade.

Sawney Bean e sua família canibal: biografia e assassinatos 1

Alexander «Sawney» Bean.

No entanto, alguns escritos sugerem que eles existiram. De fato, como se sabe, o clã foi julgado e executado após ser descoberto. Eles foram acusados ​​de assassinato e canibalismo contra mais de 1000 pessoas.

Infância e juventude

Pouco se sabe sobre os primeiros anos da vida de Sawney Bean. Os fatos o colocam no momento em que Tiago VI da Escócia reinou, que foi entre 1566 e 1625. Portanto, muitos colocam seu nascimento em algum momento no final do século XVI. O canibal nasceu em uma família de agricultores no condado de East Lothian, perto de Edimburgo, na Escócia.

Dizem que a vida em casa de Bean não era muito pacífica. O menino era frequentemente espancado pelo pai, que o acusava de não ser um filho suficientemente bom.

Quando ele cresceu, ele tentou se tornar o filho que seu pai sempre quis. Ele começou a assumir deveres como adulto e trabalhar. No entanto, sua atitude imprudente e seu impulso natural de desobedecer às regras, além da profunda aversão que ele tinha pelo trabalho, o fizeram falhar. Sua tentativa fracassada de ganhar uma vida honesta acabou decepcionando seu pai mais uma vez.

Casamento com Agnes Douglas

Bean se cansou de se encaixar em sua família e sociedade, então deixou de lado seu desejo de se tornar um membro produtivo da comunidade. Foi então que ele conheceu uma mulher chamada Agnes Douglas.

O casal se casou, mas logo eles tiveram que deixar a cidade, porque os nativos começaram a acusar Agnes de ser uma bruxa. Eles alegaram que a mulher estava envolvida em sacrifícios humanos e feitiços com demônios.

Viaje pelo sul da Escócia e primeiros crimes

Bean e Douglas decidiram viajar pelo sul da Escócia, e nessa jornada eles se dedicaram a roubar de todos que estavam na estrada. Algumas lendas dizem que foi durante essas viagens que Bean testou a carne humana.

Sendo fugitivos, era arriscado entrar nas aldeias para vender o que roubavam ou comprar coisas. Portanto, diz-se que, diante da fome, Agnes convenceu o marido de que o canibalismo era a solução.

Mas, para não atrair muita atenção, eles decidiram tomar suas precauções. Eles só faziam isso quando era absolutamente necessário e, para evitar suspeitas, deixaram os corpos de uma maneira que parecia que a morte havia sido causada por um ataque de animal.

Relacionado:  Carl Rogers Teoria Humanista da Personalidade

South ayrshire

Mas depois de passar meses viajando e se escondendo, o casal finalmente decidiu se estabelecer em um só lugar. A localidade escolhida foi South Ayrshire, perto de Ballantrae. Ao inspecionar a área em busca de possíveis vítimas, bem como de abrigos.

Bean e sua esposa cruzaram a entrada de uma caverna com vista para a água. Eles a descobriram em um momento em que a maré estava baixa, mas logo perceberam que, devido à sua localização, uma vez que o nível da água subisse, a entrada não seria mais visível.

A caverna era profunda e estável, então eles viram nela a oportunidade perfeita não apenas para se esconder, mas também para criar uma família.

A lenda: vida na caverna

Uma vez estabelecido na caverna, o casal levou seus crimes para o próximo nível. Eles começaram a roubar viajantes que emboscaram as estradas solitárias que ligavam as cidades da região.

Mas eles decidiram que, para manter o anonimato, não podiam deixar testemunhas. Então eles começaram a matar as vítimas e levar todo o corpo para a caverna, onde a desmembraram e a preservaram.

Como ninguém os conhecia na área, eles começaram a gastar o dinheiro de suas vítimas na cidade para comprar as provisões básicas. Mas eles fizeram questão de esconder na caverna quaisquer pertences que fossem rastreáveis ​​ou identificáveis. Foi assim que ele passou a vida por alguns anos: roubando e matando diferentes viajantes.

Crianças

A certa altura, o casal aterrorizante começou a ter filhos. No total, eles tiveram 14, oito homens e seis mulheres, que foram criados como parte desse estilo de vida canibal.

À medida que as crianças cresciam, elas foram incorporadas à rotina dos assassinatos. Dizem que às vezes caçavam todos juntos e outras vezes se separavam em pequenos grupos para cobrir mais terras e obter mais vítimas.

Além disso, o incesto tornou-se uma prática habitual na caverna. Aparentemente, Bean queria expandir ainda mais sua família, então encorajou seus filhos a terem um relacionamento um com o outro, a supostamente construir um exército. Assim, como resultado das relações entre irmãos, pai e filhas e mãe e filhos, nasceram outros filhos. O resultado foi 18 netos e 14 netas.

Sawney Bean e seu clã viveram na caverna com esse estilo de vida por mais de 25 anos. Embora eles pudessem escondê-lo por meio século, era quase impossível manter um massacre nessa escala para sempre escondido. Os rumores começaram e era então uma questão de tempo para que tudo aparecesse.

Rumores sobre desaparecimentos

Durante esse período de 25 anos, o número de pessoas desaparecidas na área se tornou mais de 1000. Muitos restos humanos começaram a ser encontrados ocasionalmente na costa. Isso porque o clã costumava jogar o que não consumia no mar.

Naquela época, todos os tipos de teorias começaram a ser estabelecidas. Primeiro, pensava-se que o terreno rochoso poderia ser habitado por lobisomens e até demônios. No entanto, essa hipótese foi descartada em breve, porque não apenas as pessoas que viajavam sozinhas, mas também grupos de cinco e seis pessoas desapareceram.

Relacionado:  Os 150 melhores filmes de aventura da história

A teoria a seguir era mais credível, mas também não estava correta. Eles começaram a acreditar que os proprietários locais eram culpados de roubar e matar pessoas. Esse boato se espalhou tanto que pessoas inocentes até apontaram. Tanto que ele supostamente torturou e executou vários réus.

A descoberta de seus crimes

O fim de Sawney Bean e seu clã chegou quando eles atacaram um casal andando a cavalo na área. Naquele dia, a família se separou em vários grupos para caçar. Um deles viu o casal passar e achou que eram alvos fáceis. Mas, para surpresa desses canibais, o homem não estava disposto a desistir sem lutar.

Assim começou uma batalha no meio da estrada. O homem não estava apenas armado com uma arma e uma espada, mas também era bem treinado. Infelizmente a esposa não teve tanta sorte. Ela foi arrastada do cavalo, morta e parcialmente devorada. Tudo aconteceu ao mesmo tempo em que o homem tentou se defender dos agressores.

Felizmente para a vítima, um grande grupo de pessoas que estava viajando pela estrada entrou em caos bem a tempo de salvar o homem da morte certa. O combate cessou, ouvindo o grupo de pessoas se aproximando do clã de assassinos dispersos, conseguiu se esconder e depois voltar para a caverna em que habitavam.

Rei James I da Escócia entra em cena

Após esse terrível episódio, essas pessoas retornaram à vila para informar as autoridades locais sobre o que aconteceu. As notícias chegaram rapidamente aos ouvidos do rei Jaime I da Escócia, que autorizou o envio de mais de 400 homens armados, inclusive ele próprio, juntamente com cães de caça para caçar Sawney Bean e todo o seu clã.

Graças aos cães que seguiram a trilha, eles puderam encontrar rapidamente a entrada da caverna do clã. Os soldados entraram no local seguindo uma passagem em zigue-zague até que finalmente encontraram toda a família.

O lugar estava cheio de corpos desmembrados: braços, pernas, cabeças e outras partes, além de jóias e todos os tipos de pertences. No total, 48 pessoas foram encontradas.

Sentença de morte em família

Para surpresa dos soldados, todos os membros do clã se renderam sem lutar. Eles colocaram correntes sobre eles e partiram para Edimburgo. O rei descreveu os membros da família como bestas selvagens que não mereciam julgamento. Por isso foram condenados à morte, embora alguns tenham sido torturados primeiro.

As mulheres e crianças foram penduradas em estacas e temporariamente deixadas vivas para ver como os homens do clã foram sacrificados. Eles foram desmembrados lentamente e deixaram sangrar até a morte. Os outros foram queimados vivos na fogueira e publicamente.

Relacionado:  Namaste: O que significa e qual é o seu símbolo?

Dizem que durante a execução nenhum dos membros da família Bean mostrou sinais de medo ou remorso pelo que haviam feito. Tudo o que eles fizeram foi insultar insultos e obscenidades em relação aos seus captores. De fato, de acordo com a história, o chefe do clã, Sawney Bean, repetiu continuamente até o final a frase: “Não acabou, nunca terminará”.

A controvérsia

A história de Sawney Bean e seu clã de canibais é uma das mais famosas da Escócia. No entanto, hoje muitos historiadores duvidam da verdade disso.

A primeira vez que houve uma referência escrita a essa lenda foi no The Newgate Calendar, também conhecido como “O Registro de Sangramento de Malfeitores”. Essa foi uma obra muito popular da literatura inglesa dos séculos XVIII e XIX, que compilou vários eventos criminais na prisão de Newgate, em Londres.

Mas essa é basicamente a única referência que existe. Nunca foi encontrado nada que confirmasse oficialmente a existência de Sawney e sua família. Obviamente, isso pode ser uma ocorrência bastante normal devido ao momento em que tudo aconteceu, mas não há registros das supostas execuções.

Mito

É por tudo isso que a história parece nada mais que um mito. De fato, há estudiosos que vão um pouco além e sugeriram que a família de Sawney Bean poderia ter sido uma invenção dos ingleses para desacreditar a Escócia pelo levante jacobita, uma guerra entre 1688 e 1746 cujo objetivo era retornar ao trono. para James II da Inglaterra.

De qualquer forma, verdadeira ou falsa, essa história faz parte das lendas mais importantes de Edimburgo e, sem dúvida, uma das principais referências turísticas da cidade.

“As colinas têm olhos”, um filme inspirado em Sawney Bean e seu clã

Sawney Bean e sua família canibal: biografia e assassinatos 2

As histórias de terror e canibalismo sempre tiveram seu lugar no mundo do cinema. Por isso, em 1977, a lenda da família Sawney Bean chegou às telonas. O filme foi dirigido por Wes Craven e foi intitulado “The Hills Have Eyes”.

O enredo foi baseado em uma família que estava viajando e ficou presa no deserto de Nevada. Enquanto estavam lá, começaram a ser atacados e perseguidos por um clã de canibais deformados que vinham das colinas próximas.

Em 2006, um remake deste filme foi lançado com o mesmo título. A fita foi dirigida por Alexandre Aja. Nesta história, a família está presa no deserto do Novo México. Os monstros também vêm das colinas, mas desta vez trata-se de mutantes sedentos de sangue que foram o produto de testes nucleares realizados no local.

E para 2007 foi lançada a sequência desta história, intitulada “The Hills Have Eyes 2”. O filme foi intitulado “O Retorno dos Malditos” em espanhol e, curiosamente, foi escrito por Wes Craven, diretor do filme original de 1977.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies