Somatostatina: características, função e doenças

A somatostatina é um hormônio peptídico produzido pelo pâncreas, hipotálamo e trato gastrointestinal, entre outros órgãos. Ela desempenha um papel importante na regulação de diversos processos fisiológicos, como a digestão, o metabolismo e a função endócrina. Além disso, a somatostatina atua como um inibidor da liberação de outros hormônios, como a insulina e o glucagon.

No entanto, desequilíbrios na produção ou ação da somatostatina podem levar ao desenvolvimento de doenças como acromegalia, diabetes mellitus, doenças do trato gastrointestinal e tumores neuroendócrinos. O tratamento dessas condições muitas vezes envolve a administração de análogos sintéticos de somatostatina para controlar a produção de hormônios em excesso. Em resumo, a somatostatina desempenha um papel crucial na regulação do organismo e sua disfunção pode levar a uma variedade de condições patológicas.

Qual é o papel desempenhado pela somatostatina no organismo humano?

A somatostatina é um hormônio peptídico que desempenha um papel importante no organismo humano, atuando como um inibidor de diversos processos fisiológicos. Produzida principalmente no cérebro e no trato gastrointestinal, a somatostatina tem a função de regular a liberação de outros hormônios, como a insulina e o glucagon, controlando assim o metabolismo e a homeostase do organismo.

Além disso, a somatostatina atua como um inibidor do crescimento de tumores, principalmente os relacionados ao sistema endócrino. Ela regula a proliferação celular e a angiogênese, inibindo o desenvolvimento de tumores e contribuindo para a manutenção da saúde.

Em casos de doenças relacionadas à produção desregulada de somatostatina, podem ocorrer distúrbios metabólicos, como diabetes e desequilíbrios hormonais. Além disso, a falta ou o excesso de somatostatina pode levar a complicações no sistema endócrino e no crescimento celular, resultando em condições patológicas.

Portanto, a somatostatina desempenha um papel fundamental no organismo humano, atuando como reguladora de diversos processos fisiológicos e como protetora contra o desenvolvimento de tumores. É essencial para a manutenção da saúde e do equilíbrio hormonal no corpo humano.

Entenda o mecanismo de ação da somatostatina no organismo humano de forma simplificada.

A somatostatina é um hormônio produzido pelo hipotálamo e por outras partes do corpo, como o pâncreas e o trato gastrointestinal. Sua principal função é inibir a liberação de diversos hormônios, como o hormônio do crescimento, a insulina e o glucagon, controlando assim diversas funções metabólicas.

Em termos simples, a somatostatina age como um “freio” no organismo, regulando a quantidade de hormônios liberados e mantendo o equilíbrio do sistema endócrino. Ela atua ligando-se a receptores específicos nas células-alvo e inibindo a produção e a liberação de hormônios.

Quando a somatostatina é liberada em excesso, pode causar problemas como a inibição do crescimento, distúrbios no metabolismo e até mesmo doenças como o diabetes. Por outro lado, a falta desse hormônio pode levar a um aumento descontrolado na produção de hormônios, resultando em condições como acromegalia e hipoglicemia.

Em resumo, a somatostatina desempenha um papel fundamental na regulação do sistema endócrino, controlando a liberação de hormônios e mantendo o equilíbrio metabólico do organismo.

Quais são os fatores que estimulam a produção da somatostatina no organismo humano?

A somatostatina é um hormônio produzido pelo organismo humano que desempenha um papel importante na regulação de diversas funções do corpo. Existem vários fatores que podem estimular a produção da somatostatina, sendo eles o estresse, a alimentação e os níveis de glicose no sangue.

Relacionado:  Guanina: características, estrutura, treinamento e funções

O estresse é um dos principais fatores que estimulam a produção da somatostatina. Em situações de estresse, o organismo libera a somatostatina para ajudar a regular as respostas do corpo e manter o equilíbrio hormonal.

A alimentação também pode estimular a produção da somatostatina. Certos alimentos, como os ricos em proteínas, podem desencadear a liberação desse hormônio para regular a digestão e a absorção de nutrientes.

Além disso, os níveis de glicose no sangue podem influenciar na produção da somatostatina. Quando os níveis de glicose estão elevados, a somatostatina é liberada para ajudar a regular a produção de insulina e manter a glicose sob controle.

Em resumo, os fatores que estimulam a produção da somatostatina no organismo humano incluem o estresse, a alimentação e os níveis de glicose no sangue. Essa regulação hormonal desempenha um papel crucial na manutenção da homeostase e na saúde geral do corpo.

Em que momento o hormônio somatostatina é liberado no organismo humano?

A somatostatina é um hormônio que é liberado em diferentes momentos no organismo humano. Ela é produzida principalmente no hipotálamo e no pâncreas, sendo liberada em resposta a diversos estímulos.

No hipotálamo, a somatostatina é liberada para inibir a liberação do hormônio do crescimento, também conhecido como GH. Isso acontece principalmente durante a noite, quando o corpo está em repouso e ocorre a maior liberação de GH. A somatostatina atua como um “freio” para impedir a produção excessiva desse hormônio.

Já no pâncreas, a somatostatina é liberada em resposta à ingestão de alimentos, especialmente quando há um aumento nos níveis de glicose no sangue. Ela atua inibindo a liberação de insulina e glucagon, ajudando a regular os níveis de açúcar no sangue após as refeições.

Além disso, a somatostatina também é liberada em outras partes do corpo, como no trato gastrointestinal, onde atua inibindo a liberação de diversos hormônios digestivos. Isso ajuda a regular a digestão e a absorção de nutrientes.

Em resumo, a somatostatina é liberada em diferentes momentos no organismo humano, atuando como um importante regulador hormonal em diversos processos fisiológicos.

Somatostatina: características, função e doenças

A somatostatina é uma proteína, hormona que regula sistema endócrino. Sua origem pode ser pancreática, estomacal e intestinal. Intervém ou atua na neurotransmissão e proliferação celular, bem como na inibição de um número importante de hormônios secundários.

O hormônio inibidor do hormônio do crescimento (GHIH), como também é conhecido, desempenha um papel indireto no controle da concentração de açúcar no sangue.

Somatostatina: características, função e doenças 1

Estrutura da somatostatina. Tirada e editada a partir de Kdv2754 [Domínio público], do Wikimedia Commons.

O hormônio somatostatina possui duas formas ativas, uma com 28 e outra com 14 aminoácidos. A distribuição, abundância ou presença destes dependerá do tecido onde você está.

Por exemplo, o tecido pancreático ou o hipotálamo têm apenas, ou principalmente, 14 formas de aminoácidos. Enquanto isso, no tecido intestinal, sua composição é composta principalmente por 28 aminoácidos.

Outras nomenclaturas

Além da somatostatina, esse hormônio também é conhecido como hormônio inibidor do crescimento (GHIH) e fator inibidor da liberação de somatotropina (SRIF).

Outros sinônimos menos utilizados, mas também válidos quando se refere à somatostatina, são: hormônio liberador de somatotropina (ISRS) e hormônio inibidor do hormônio de crescimento (GHRIH).

Descoberta

A descoberta desse hormônio foi feita por Krulich e colaboradores em 1968. Enquanto investigavam o fator que liberava o hormônio do crescimento, esses pesquisadores determinaram que extratos do hipotálamo inibiam a secreção hipofisária.

O hipotálamo é uma região do diencéfalo que controla as funções e a atividade do sistema nervoso e da hipófise).

Posteriormente, Brazeau et al., Em 1973, o caracterizaram. Em 1977, Pellieter e colaboradores descobriram uma forma humana de somatostatina (SST) no hipotálamo.

Desde então, esse hormônio tem sido observado em quase todos os sistemas de tecidos e órgãos. Está presente não apenas em humanos, mas também em outros mamíferos e vertebrados.

Caracteristicas

A somatostatina é um hormônio protéico. É classificado e reconhecido como um hormônio inibitório, mas é mais conhecido como um neuropeptídeo inibidor do hormônio do crescimento.

Esse hormônio protéico consiste em duas formas biológicas ativas; o SST -14 e o SST-28. Ambos são formados a partir do mesmo pré-hormônio. Ambas as formas são muito comuns em todo o sistema nervoso e amplamente em órgãos e tecidos periféricos.

SST -14

Somatostatina composta por 14 aminoácidos. Possui uma ponte dissulfeto entre dois alfa-aminoácidos não essenciais (cisteína) nas posições 3 e 14, o que confere uma estrutura cíclica estável.

Somatostatina: características, função e doenças 2

Hormona protéica, somatostatina com 14 aminoácidos. Tirada e editada O usuário original foi Mr Hyde na Wikipedia Tcheca. [Domínio público], via Wikimedia Commons.

SST-28

Somatostatina com 28 aminoácidos. Ele contém uma estrutura completa da forma SST-14 na extremidade C-terminal e, adicionalmente, 14 aminoácidos na extremidade N-terminal.

Produção

A somatostatina é produzida em uma grande variedade de locais no corpo de humanos e outros vertebrados. A produção desse hormônio protéico no cérebro e no sistema digestivo tem sido extensivamente estudada .

No cérebro, são produzidos principalmente por neurônios do hipotálamo, dos quais o hormônio somatostatina é liberado das terminações nervosas do sistema hipotálamo-hipófise.

O tronco cerebral e o hipocampo também possuem atividade secretora de somatostatina no cérebro. Quanto ao sistema digestivo, sabe-se com certeza que é produzido no duodeno, nas ilhotas de Langerhans ou ilhotas pancreáticas e no antro pilórico.

Função

A somatostatina é um hormônio cuja principal função é inibir. No entanto, também pode atuar como um neurotransmissor ou como um fator parácrino. Suas ações se estendem a muitas partes do corpo, como:

-Hipotálamo : inibe a produção de hormônios pulsáteis antero-hipofisários.

Hipófise anterior : onde inibe a secreção do hormônio estimulador da tireóide e do crescimento, entre outros.

Pâncreas : somatostatina que atua no pâncreas, é produzida no sistema digestivo e inibe a liberação de insulina e glucagon. Também serve como um fator parácrino, regulando a liberação ou secreções no pâncreas.

Sistema nervoso central : possui uma função de neurotransmissor, onde inibe a atividade de outros neurônios.

Sistema gástrico-intestinal : nesta área complexa do corpo, a somatostatina inibe a secreção de hormônios gastrointestinais, diminui as contrações musculares (músculo liso) e o fluxo sanguíneo no intestino. Outra função é atuar como um regulador da atividade de liberação ou secreção em vários níveis do trato digestivo (fator parácrino).

Relacionado:  Espermatófitos ou fanerógamas: características, classificação, evolução

Doenças relacionadas à somatotastatina

Epilepsia

Uma das hipóteses sobre a origem das epilepsias indica que a perda seletiva de subpopulações de interneurônios, que dão origem a somatostatina e outras proteínas, são uma das causas de episódios epiléticos.

Parkinson

O Parkinson ‘s doença é um distúrbio motor que está relacionada com a insuficiência de substâncias, tais como dopamina , produzidos pelos neurónios.

Foi determinado que os pacientes de Parkinson que sofrem de demência não possuem neurônios com o hormônio somatostatina.

Importância médica

Além das funções inibidoras, neurotransmissoras e fator parácrino, a somatostatina possui múltiplas aplicações médicas, dentre as quais:

Antineoplastic

Agentes antineoplásicos são substâncias que impedem o crescimento ou desenvolvimento de células cancerígenas e / ou tumorais. Foram descobertas aplicações de somatostatina para o tratamento de diferentes tipos de câncer, como câncer de mama e pulmão, e tumores, como paragliomas e adenomas.

Diagnósticos médicos

A somatostatina é usada para diagnosticar vários tipos de doenças. Um dos testes mais comuns é a cintilografia do receptor de somatostatina.

Este teste é baseado no fato de que vários tipos de tumores têm uma grande afinidade pela somatostatina. Consiste em injetar no paciente uma molécula semelhante ao hormônio, marcada com um íon radioativo.

Este marcador atinge e se liga às células tumorais nos receptores de somatostatina. Uma detecção de radiação pode então mostrar a localização de tumores no corpo.

Essa técnica permite detectar, localizar e monitorar tumores carcinóides, neuroendócrinos e enteropancreáticos.

Tratamentos

Estudos médicos mostram avanços no uso de somatostatina no tratamento de tumores mamários e linfomas malignos. Esse hormônio também é usado para inibir hormônios gastrointestinais cujas concentrações estão em níveis muito altos na presença de tumores neuroendócrinos.

A acromegalia é uma doença causada por uma lesão da hipófise. Esta doença é expressa em um tumor celular funcional que libera ou secreta hormônio do crescimento.

Para o seu tratamento, os análogos da somatostatina foram utilizados para estabilizar os níveis de hormônio do crescimento e fator de crescimento para diminuir o desenvolvimento do tumor.

Referências

  1. Hormônio inibidor do hormônio do crescimento (GHIH). Recuperado de pubchem.ncbi.nlm.nih.gov.
  2. Somatostatina Recuperado de en.wikipedia.org.
  3. A. Lumbreras (2017) Somatostatina: bioquímica, fisiologia e uso farmacológico. Trabalho de Grado. Faculdade de farmácia. Universidade Complutense. 20 pp.
  4. M. Pombo, L. Audí, M. Bueno, R. Calzada, F. Cassorla, C. Dieguez, A. Ferrandez, JJ Heinrich, R. Lanes, M. Moya, R. Sandrini, R. Tojo (1997). Tratado de endocrinologia pediátrica. Segunda Edição Edições Diáz de Santos SA 1395 pp.
  5. Somatostatina Recuperado de neuromics.com.
  6. Somatostatina Recuperado de drugbank.ca.
  7. ME Garcia Garcia, I. Garcia Morales, J. Matías Guiu, (2010). Modelos experimentais em epilepsia. Neurology
  8. JA Lozano (2001). Parkinsonismo e seu tratamento. Offarm

Deixe um comentário