Strongyloides stercolaris: características, ciclo de vida, sintomas

Strongyloides stercolaris é um parasita intestinal que pode infectar seres humanos. Ele possui um ciclo de vida complexo, com estágios de larvas que podem se desenvolver no solo ou no intestino delgado do hospedeiro. Os sintomas da infecção por Strongyloides stercolaris podem variar de leves, como coceira e erupções cutâneas, a mais graves, como diarreia persistente, perda de peso e anemia. O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de fezes e o tratamento inclui medicamentos antiparasitários. É importante procurar assistência médica caso haja suspeita de infecção por Strongyloides stercolaris, pois o tratamento precoce pode prevenir complicações graves.

Sintomas da Strongyloides: conheça os principais sinais dessa infecção parasitária intestina.

A Strongyloides stercolaris é um parasita que causa a strongiloidíase, uma infecção intestinal comum em regiões tropicais e subtropicais. Este parasita apresenta um ciclo de vida complexo, passando por diferentes estágios no solo e no corpo humano.

Os sintomas da infecção por Strongyloides podem variar de leves a graves, dependendo do estado imunológico do hospedeiro. Alguns dos principais sinais dessa infecção parasitária incluem diarreia crônica, dor abdominal, perda de peso, anemia e fadiga. Além disso, em casos mais graves, a strongiloidíase pode levar a complicações como pneumonia, meningite e sepse.

É importante estar atento aos sintomas da Strongyloides, especialmente se você viajou recentemente para áreas endêmicas da doença. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais para evitar complicações graves e garantir a recuperação completa do paciente.

Características principais da Estrongiloidíase: conheça os sintomas, diagnóstico e tratamento desta doença parasitária.

A estrongiloidíase é uma doença parasitária causada pelo parasita Strongyloides stercoralis. Este parasita é um nematódeo que infecta os seres humanos através do contato direto com o solo contaminado. A infecção pode ser assintomática em muitos casos, mas em alguns pacientes pode causar sintomas graves e até mesmo complicações.

Os sintomas mais comuns da estrongiloidíase incluem diarreia crônica, dor abdominal, perda de peso, fadiga e erupções cutâneas. Em casos mais graves, a infecção pode se disseminar para outros órgãos do corpo, levando a complicações como pneumonia e meningite.

O diagnóstico da estrongiloidíase é feito através de exames laboratoriais que detectam a presença de larvas do Strongyloides stercoralis nas fezes do paciente. O tratamento geralmente envolve o uso de medicamentos antiparasitários, como a ivermectina, que são eficazes na eliminação do parasita.

O ciclo de vida do Strongyloides stercoralis é complexo e envolve estágios de vida livre no solo e estágios parasitários no hospedeiro humano. Os ovos do parasita são eliminados nas fezes do hospedeiro e se desenvolvem em larvas que podem penetrar na pele do hospedeiro ou ser ingeridas, levando à infecção.

O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais e o tratamento envolve o uso de medicamentos antiparasitários. É importante tomar medidas de higiene adequadas para evitar a infecção por este parasita.

Sintomas causados por vermes parasitas: quais são e como identificá-los?

Os vermes parasitas podem causar uma série de sintomas no corpo humano, que variam de acordo com a espécie do parasita. Alguns dos sintomas mais comuns incluem dor abdominal, diarreia, perda de peso, fadiga e anemia. É importante estar atento a esses sinais para identificar a presença de vermes parasitas no organismo.

Um exemplo de verme parasita é o Strongyloides stercolaris, um nematódeo que pode infectar seres humanos. Este parasita possui um ciclo de vida complexo, que inclui a infecção através da pele, migração pelos pulmões e intestinos, e reprodução no intestino delgado.

Os sintomas causados por Strongyloides stercolaris incluem dor abdominal, diarreia crônica, perda de peso inexplicável, tosse, febre e erupções cutâneas. Devido à semelhança desses sintomas com outras condições médicas, o diagnóstico preciso pode ser desafiador.

Relacionado:  Luis Cordero Crespo: biografia, presidência e obras

Para identificar a presença de Strongyloides stercolaris, é necessário realizar exames laboratoriais específicos, como o exame de fezes ou o teste de ELISA. O tratamento para essa infecção geralmente envolve o uso de medicamentos antiparasitários, sob a supervisão de um profissional de saúde.

Identificação do Strongyloides stercoralis: métodos eficazes para diagnóstico preciso da infecção.

O Strongyloides stercoralis é um parasita que pode causar infecções em humanos. Para identificar a presença desse parasita no organismo, é importante utilizar métodos eficazes de diagnóstico.

Um dos métodos mais comuns para diagnosticar a infecção por Strongyloides stercoralis é o exame de fezes. Neste exame, o laboratório procura por larvas do parasita, que são eliminadas nas fezes do paciente infectado. Outro método eficaz para identificar a infecção é o exame de sangue, que pode detectar a presença de anticorpos específicos contra o parasita.

Além disso, a realização de exames de imagem, como a endoscopia e a colonoscopia, pode ser útil para identificar lesões causadas pelo Strongyloides stercoralis no trato gastrointestinal. É importante salientar que o diagnóstico preciso da infecção é essencial para garantir o tratamento adequado e prevenir complicações graves.

Essas estratégias são fundamentais para garantir um diagnóstico preciso e o tratamento adequado da infecção por esse parasita.

Strongyloides stercolaris: características, ciclo de vida, sintomas

Strongyloides stercolaris é um nematóide parasitário facultativo que, em humanos, produz uma doença chamada estrongiloidíase. Na sua forma de vida livre, o nematóide habita o solo, de modo que a doença é definida como uma geohelmintíase. A forma parasitária afeta o ser humano e também pode usar outros mamíferos como reservatório.

Como parasita, a fêmea de Strongyloides stercolaris se aloja na mucosa intestinal do homem, onde pode se reproduzir por meio de ovos férteis sem fertilização pelo macho; Esse processo é chamado partenogênese.

Strongyloides stercolaris: características, ciclo de vida, sintomas 1

Larva de Strongyloides stercolaris. Tirada e editada de: PD – DPDx Image Library; [Domínio público]

A estrongiloidíase é uma doença muito comum e amplamente distribuída, principalmente em áreas úmidas e quentes de áreas tropicais e subtropicais, sendo endêmica em algumas áreas. O diagnóstico da doença é difícil e o tratamento consiste principalmente em ivermectina.

Caracteristicas

Possui dois tipos de larvas, chamadas larvas rabditóides e larvas filariformes, uma fêmea parasitária, uma fêmea de vida livre e um macho de vida livre.

Larva rabditóide

Também chamado de L1. Esta larva é muito mais longa que a largura, medindo entre 180 e 380 µm e apenas 14 a 20 µm de largura. Entre suas características distintivas estão uma cápsula vestibular curta e um esôfago dividido em três seções, uma anterior cilíndrica, uma média estreita e uma posterior piriforme.

Também possui um primórdio genital característico, alongado e discoidal, com o centro mais largo que as extremidades. Sua cauda é alongada e filiforme.

Essa larva é liberada nas fezes por meio do fluido duodenal e, após várias alterações, pode dar origem a uma larva infecciosa, chamada filariforme, ou pelo contrário, amadurecer sexualmente, dando origem a um homem ou uma mulher de vida livre.

Larva filariforme

A larva filariforme ou L-3, apesar de ter aproximadamente o mesmo diâmetro (25 µm) que a larva rabditóide, é cerca de duas vezes maior (500-700 µm). Por causa de sua forma alongada e fina, lembra um cabelo, daí seu nome.

Entre as características diagnósticas dessa larva estão um esôfago muito longo, com cerca da metade do comprimento da larva e uma porção distal da cauda trifurcada.

Feminino

Nesta espécie, as fêmeas são apresentadas em duas variantes morfológicas, uma para as fêmeas parasitárias partenogenéticas e outra para as fêmeas de vida livre.

Vida livre feminina

Tem um comprimento mais curto e um corpo mais espesso (1,0 – 1,7 mm por 50 – 75 µm) que o da fêmea partenogenética. Outras características são um esôfago anterior ou rabitóide curto e um sistema reprodutivo formado, entre outros, por uma vulva média ventral, um receptáculo seminal e dois pares de gônadas.

Relacionado:  Arqueociatos: classificação, características, habitat, espécies

Parthenogenetic Female

O corpo da fêmea partenogenética é alongado e fino (2 mm por 30-40 µm). O esôfago anterior é muito mais longo que o da fêmea de vida livre, com um comprimento aproximadamente igual a um terço do comprimento do animal. A vulva é mais deslocada para trás, localizada próxima ao terço distal.

Como as fêmeas de vida livre, possui dois pares de gônadas, mas no caso da fêmea partenogenética, falta um receptáculo seminal, pois seus óvulos não precisam de fertilização.

Masculino

O macho é sempre de vida livre, seu tamanho é menor que o da fêmea (0,7-1,0 mm de comprimento por 40-50 µm de largura). A cauda é enrolada ventralmente em sua porção distal e possui um ápice agudo. Também é fornecida a cauda de um governador e dois pequenos espinhos copulatórios.

Ciclo biológico

A larva filariforme presente no solo pode penetrar na pele de pessoas descalças e iniciar o processo infeccioso. Uma vez cruzada a pele, a larva pode seguir dois caminhos diferentes, no primeiro atravessa os capilares sanguíneos e viaja para os pulmões.

Dos pulmões, ele continua sua jornada para a traquéia e de lá entra no sistema digestivo , até chegar ao seu destino final, localizado nas criptas de Lieberkühn, na mucosa entérica do intestino delgado.

Também é possível que as larvas, depois de atravessarem a pele, viajem através do tecido subcutâneo até atingir o duodeno.

As larvas sofrem duas muda e depois amadurecem sexualmente tornando-se fêmeas partenogenéticas. Essas fêmeas produzem ovos, que não precisam ser fertilizados e são caracterizadas por medir entre 40-70 µm de comprimento por 20-35 µm de largura e serem embrulhadas em uma casca fina e vítrea.

Desses ovos eclodem larvas rabditiformes que emergem no fluido duodenal e atingem as fezes. Se as fezes são depositadas em solos úmidos e quentes, mas sem exposição direta ao sol, as larvas rabditiformes podem sofrer duas mudas e se tornar larvas filariformes que podem reiniciar o ciclo infeccioso.

Outras larvas rabditiformes podem continuar no solo e, após quatro muda, amadurecem sexualmente em fêmeas e machos de vida livre que podem acasalar. A fêmea gravídica libera seus ovos diretamente para o meio ambiente, que eclode nas larvas L1.

As larvas L1 de fêmeas de vida livre, como as fêmeas partenogenéticas, podem sofrer duas muda e se tornarem infecciosas (ciclo homogônico). Ou, pelo contrário, eles podem continuar produzindo adultos de vida livre por várias gerações (ciclo heterogêneo).

Autoinfecção

Ao contrário da maioria dos helmintos parasitas, Strongyloides stercolaris pode reinfectar seu hospedeiro original.

Em alguns casos, as larvas radbitiformes que vão para o lúmen intestinal mudam quando o atingem, em vez de serem liberadas nas fezes. Nesses casos, essas larvas tornam-se larvas filariformes no mesmo hospedeiro. É o que é conhecido como auto-infecção endógena

Essas larvas filariformes atravessam a parede intestinal e, como aquelas que penetram na pele, vão para os pulmões. Então eles continuarão na traquéia, para serem ingeridos e atingirão o intestino delgado como vermes adultos.

Outra forma de auto-infecção ocorre quando as larvas rabditiformes liberadas nas fezes atingem o ânus e invadem a pele ao seu redor. Nesse caso, falamos sobre auto-infecção exógena.

Essas larvas, como as demais, irão para o intestino delgado, através dos pulmões, para completar o ciclo.

O fenômeno da auto-infecção é mais provável em organismos com o sistema imunológico deprimido ou pela ingestão de altas doses de corticosteróides. Esse fenômeno pode explicar a recorrência da doença em pacientes que já a sofreram.

Relacionado:  O que é embalagem de DNA?

Strongyloides stercolaris: características, ciclo de vida, sintomas 2

Strongyloides stercolaris corados com iodo. Extraído e editado de: Blueiridium [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)].

Sintomas de contágio

Aproximadamente metade das pessoas infectadas com Strongyloides stercolaris não apresentam sintomas da doença; isto é, são assintomáticos. A estrongiloidíase pode ser aguda ou crônica.

Quando as larvas penetram no hospedeiro, causam várias lesões antes de atingir o intestino. Entre essas lesões estão inflamações, úlceras e pápulas na pele. Urticária serpiginosa também pode ocorrer nas extremidades inferiores.

A presença de larva nos pulmões pode causar hemorragias, inflamações, irritação traqueal e tosse semelhante à bronquite.

O assentamento de Strongyloides stercolaris no duodeno geralmente causa cólicas, diarréia aquosa ou fezes gordurosas e gordurosas que são difíceis de limpar. Síndrome de má absorção também pode ocorrer.

Quando a estrongiloidíase é crônica e não assintomática, ocorrem frequentes movimentos intestinais, sintomas de dor epigástrica, urticária e, às vezes, artrite reativa. Outros sintomas frequentes são tosse, febre, úlceras nas nádegas, pés ou pulsos, disfonia, pancreatite, tontura, vômito, sangramento, perda de peso e eosinofilia.

A reação alérgica devido à presença do parasita nos pulmões pode causar a síndrome de Loeffler, uma doença caracterizada por um aumento na quantidade de eosinófilos nesses órgãos.

Diagnóstico

O diagnóstico de estrongiloidíase não é simples, os sintomas, se aparecerem, se assemelham aos de várias outras doenças, como bronquite ou câncer gástrico. Para que o diagnóstico seja confiável, são necessários testes especiais, que às vezes precisam ser realizados várias vezes.

O teste de fezes tradicional não é adequado para o diagnóstico da doença. Isso ocorre porque as larvas não aparecem regularmente, ou em grandes quantidades, nas fezes. Além disso, as larvas são muito frágeis para o manuseio.

Um dos métodos mais eficazes é a técnica de imunoensaio ELISA. Alguns estudos mostraram que a prevalência medida com esta técnica é sete vezes maior que a medida pelos testes de fezes.

No entanto, o teste ELISA pode causar uma superestimação da prevalência de estrongiloidíase, devido à reatividade cruzada que ocorre com outros parasitas do mesmo filo.

A técnica de imunofluorescência direta com anticorpos monoclonais IFAT é mais sensível e específica que o ELISA, mas essa técnica requer pessoal técnico muito especializado para seu uso e análise dos resultados.

O método de Baermann também é recomendado, enquanto outros estudos têm se mostrado menos úteis para alcançar o diagnóstico de estrongiloidíase.

Tratamento

Alguns medicamentos usados ​​contra diferentes parasitas são eficazes contra a estrongiloidíase, por exemplo, ivermectina, albendasol e tiabendasol. No entanto, os dois primeiros parecem ser mais eficazes.

O tratamento recomendado com o primeiro medicamento são doses de 200 mg / kg / dia por dois dias. Este tratamento deve ser repetido após 15 dias. Em pacientes com sistema imunológico comprometido, ele deve ser aumentado para três ciclos de tratamentos a cada duas semanas.

Alguns médicos também usaram pamoato de pirantel para tratar a doença.

Referências

  1. T. Carrada-Bravo (2008). Strongyloides stercoralis : Ciclo de vida, quadros clínicos, epidemiologia, patologia e terapia. Revista Mexicana de Patologia Clínica
  2. T. Mendes, K. Minori, M. Ueta, DC Miguel e SM Allegretti (2017). Status atual da estrongiloidíase, com ênfase no diagnóstico e na pesquisa de medicamentos. Journal of Parasitology Research.
  3. Os dados foram analisados ​​por meio de entrevistas semiestruturadas e entrevistas semiestruturadas. Estrongiloidíase – a mais negligenciada das doenças tropicais negligenciadas? Transações da Sociedade Real de Medicina Tropical e Higiene.
  4. Strongyloides stercoralis . Na wikipedia Recuperado de en.wikipedia.org.
  5. Estrongiloidíase.Na Wikipedia. Recuperado de en.wikipedia.org.
  6. U. Berrueta (2011). Estrongiloidose ou estrongiloidiose ou estrongiloidíase. Recuperado de facmed.unam.mx.

Deixe um comentário