Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento

A tarântula é um aracnídeo pertencente à família Theraphosidae. É o maior animal do grupo, com destaque para as pernas, que podem chegar a 30 centímetros no caso da tarântula de Golias. Seu corpo é composto por duas partes, o cefalotórax e o abdômen, nas quais inúmeras colmeias são encontradas.

Habita áreas subtropicais, tropicais e desérticas de quase todos os continentes, exceto na Antártica. Nessas regiões, é encontrado em savanas, pradarias e áreas montanhosas. Ele geralmente mora no chão, especificamente em tocas forradas com fios de seda.

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 1

Tarântula Fonte: pixabay.com

Freqüentemente, a tarântula pode sair à noite para caçar suas presas. Naquele momento, ele poderia entrar na cidade e entrar em contato com as pessoas.Em relação à sua dieta, é baseada em insetos e outros artrópodes, como a milípede. Essas tarântulas maiores caçam lagartos, cobras e ratos, entre outros.

Caracteristicas

– Corpo

Como todos os artrópodes, a tarântula possui um exoesqueleto que suporta seu sistema muscular. O corpo consiste em duas seções, o cefalotórax ou prosoma e o abdômen ou opistosoma.

Ambas as partes do corpo são conectadas por um somito ou pedículo pré-genital. Isso dá uma ampla gama de movimentos ao abdômen, em comparação com o cefalotórax.

– Tamanho

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 2

Grammostola cf. porteri. Viki [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

O tamanho pode variar consideravelmente, dependendo da espécie; no entanto, o comprimento do corpo pode estar entre 2,5 e 10 centímetros. Em relação às pernas, medem de 8 a 30 centímetros.

As tarântulas maiores podem pesar mais de 85 gramas. No entanto, a tarântula de Golias ( Theraphosa blondi ), que vive no Brasil e na Venezuela, tem um peso aproximado de 170 gramas e seus membros podem medir até 30 centímetros.

– Coloração

A maioria das tarântulas norte-americanas é marrom, no entanto, em outras regiões, eles têm tons diferentes. Por exemplo, Cyriopagopus lividus é azul cobalto, Aphonopelma seemanni é preto com faixas brancas e Eupalaestrus campestratus tem manchas amarelas nas pernas.

Outras espécies são caracterizadas por cores vibrantes e contrastantes, como Chromatopelma cyaneopubescens , cujas pernas são azuis metálicas, o abdômen é laranja e o prosoma é verde.

– Dimorfismo sexual

Algumas tarântulas exibem um dimorfismo sexual marcado. Os machos são geralmente menores que as fêmeas, especialmente na área do abdômen. Além disso, estes podem ter uma cor mais opaca, como no Haplopelma lividum .

Por outro lado, alguns machos têm ganchos tibiais nas pernas dianteiras, que eles usam para segurar as presas da fêmea enquanto copulam. Outra diferença está nas pernas, as fêmeas as têm mais curtas que os machos.

– Apêndices

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 3

Grammostola rosea. Wikimedia commons

A tarântula tem vários apêndices, como pernas, dois pedipalpos e dois queletores com suas presas. Todos estes estão ligados ao prosoma.

Quelíceros

As quelíceras estão localizadas sob os olhos, em frente à boca. No interior, eles contêm glândulas venenosas, que liberam o veneno através das presas.

Esses dentes, que são uma extensão oca do quelante, são articulados de tal maneira que podem se estender para fora e para baixo, para serem utilizados no caso de precisar morder outro animal.

Pedipalps

Em relação aos pedipalpos, eles são formados por 6 segmentos aderidos ao tórax, na área próxima à boca. Na grande maioria das espécies, os pedipalpos contêm placas serrilhadas e afiadas, usadas para esmagar e cortar alimentos.

Da mesma forma que outras aranhas, o terminal do pedipalpo funciona como parte do sistema reprodutivo.

Pernas

A tarântula tem 4 pares de pernas. Cada membro possui 7 segmentos que, do cefalotórax para o exterior, são: coxa, trocanter, fêmur, patela, tíbia, tarso – pretarsal e garra. Ao seu redor, possui um grupo de pêlos, chamado escápula. Isso ajuda o aracnídeo a subir em superfícies lisas, como vidro.

Para andar, o primeiro e o terceiro membro de um lado se movem em uníssono que a segunda e a quarta pernas do outro lado do corpo.

– Linhas

As linhas são estruturas flexíveis com a forma de um tubo, onde é exsudada seda. A tarântula possui duas a quatro fileiras, localizadas no final do opistossoma.

O final é coberto por até 100 tubos, através dos quais a seda se secreta. Enquanto isso é extraído, as forças de cisalhamento causam a cristalização das proteínas que o formam, transformando-o de um fio fino em um sólido.

– Anatomia interna

Sistema circulatório

O líquido que flui para o sistema circulatório da tarântula é a hemolinfa. Nisso, a hemocianina, que transporta dióxido de carbono e oxigênio, contém cobre. O referido elemento faz com que o fluido circulatório tenha uma cor azulada.

Quanto ao coração, é um tubo longo e fino, localizado em toda a área superior do abdômen. É um órgão neurogênico, portanto seus movimentos são governados por células nervosas.

O sistema circulatório carece de vasos sanguíneos. Em substituição a elas, o coração bombeia hemolinfa por todo o corpo através de ductos abertos.

Relacionado:  Ancylostoma caninum: características, morfologia, sintomas

Sistema nervoso

Na tarântula, o principal órgão do sistema nervoso, o cérebro, está localizado na parte inferior do cefalotórax. Para perceber o ambiente, ele o faz através dos órgãos sensoriais, conhecidos como cogumelos.

Essas estruturas são altamente sensíveis e capturam vibrações, produtos químicos, como feromônios, direção do vento e vibrações.

Os olhos estão localizados na parte superior das chelyces, em direção à área frontal do cefalotórax. Eles são pequenos e geralmente dispostos em duas fileiras de quatro. A grande maioria das tarântulas só pode distinguir luz, movimento e escuridão.

Embora esse aracnídeo tenha oito olhos, o toque é o mais desenvolvido. Para localizar suas presas, use as vibrações que elas produzem enquanto se deslocam.

Sistema respiratório

Tarântulas têm dois conjuntos de pulmões. O primeiro par está localizado dentro de uma cavidade localizada na área frontal inferior do opistossoma. Quanto ao segundo par de pulmões, está localizado mais atrás do abdômen.

Cada pulmão é formado por um tecido dobrado em 5 ou mais folhas finas, dispostas igualmente nas páginas de um livro. O ar entra no corpo através de um sulco localizado no abdômen, conhecido como abertura pulmonar, que dilata ou contrai de acordo com o requisito.

O oxigênio é incorporado na hemolinfa, onde é fixado por uma proteína chamada hemocianina. A troca gasosa ocorre durante o curso da hemolinfa em todo o corpo.

– A muda

Assim como outras aranhas, as tarântulas periodicamente removem seu exoesqueleto para crescer, um processo conhecido como muda. Isso começa quando o exoesqueleto assume uma cor mais escura. Além disso, o animal para de se alimentar e se torna letárgico.

Os jovens podem passar por esse processo várias vezes, enquanto na fase adulta ocorrem anualmente. O macho raramente muda quando é sexualmente maduro, enquanto a fêmea continua a mudar quando adulto.

– Colmeias

Além do pêlo que cobre o corpo, a tarântula desenvolveu pêlos de colmeias especializados, que são usados ​​para se defender de seus predadores. Eles estão localizados no opistosoma, de onde o aracnídeo os leva para lançá-los em seu atacante.

Além disso, ele poderia simplesmente esfregar seu corpo contra o inimigo e, assim, afastá-lo, devido às reações que esses pêlos irritantes causam em seu corpo. Em algumas espécies, pode causar lesões fatais, principalmente em pequenas, como roedores.

Quando as colmeias entram em contato com o corpo do ser humano, isso pode causar irritação no nariz, olhos e pele. Se inalados, afetam perigosamente as vias aéreas, principalmente os pulmões.

Este casaco, uma vez que a tarântula o remove do corpo, não renasce. Eles são substituídos novamente no momento da muda.

Esses cabelos são típicos das tarântulas do Novo Mundo, que habitam a América do Norte, América Central e América do Sul. Enquanto aqueles do Velho Mundo, que não têm esse tipo de cerda, geralmente atacam com suas presas quando se sentem ameaçados.

Tipos

Os pesquisadores propõem a existência de quatro tipos de colméias, indicando que uma tarântula pode ter vários tipos dessas porcas especializadas.

– Pêlos do tipo I. Estes penetram na pele com profundidade superficial, causando reações leves. Geralmente, eles são encontrados nas espécies que habitam os Estados Unidos.

– cabelos tipo II. A principal característica desse tipo de porca é que faz parte do forro de seda que cobre o abrigo, o tapete de seda usado pelo macho na reprodução e os sacos de ovos.

– Cabelos tipo III. Eles podem entrar na pele a uma profundidade de 2 milímetros, causando urticária e inflamação incessantes na área, que podem durar de duas a três semanas. Geralmente, estão presentes nas espécies do Caribe, México, América do Sul e América Central.

– Cabelos tipo IV. Quando inaladas, causam inflamação no trato respiratório de pequenos mamíferos, embora os especialistas não saibam se têm o mesmo efeito nos seres humanos.

– Mordidas

Os efeitos das picadas de tarântula podem variar, dependendo da espécie. Alguns deles podem causar apenas um leve desconforto, enquanto outros podem causar dor intensa e espasmos graves, que persistem por dias.

Além disso, eles poderiam produzir alucinações, como no veneno da tarântula africana Pelinobius muticus . Além disso, as presas desse aracnídeo geralmente causam feridas muito dolorosas, propensas a infecções bacterianas.

Antes de morder, a tarântula assume uma postura ameaçadora, elevando o cefalotórax e as patas dianteiras, estendendo as presas e o passo sibilante.

Além disso, poderia atingir o atacante com os membros anteriores. Se isso não dissuadir o intruso, ele pode virar o prosoma de repente e morder o animal.

Habitat e distribuição

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 4

Xenesthis immanis. Wikimedia commons

Distribuição

Em todo o mundo, existem cerca de 1000 espécies de tarântulas. Estes estão distribuídos na grande maioria dos continentes, com exceção da Antártica.

Relacionado:  O que é codominância? (Com exemplos)

Outras espécies podem ser encontradas na África, Austrália e grande parte do continente asiático, incluindo as Ilhas Ryukyu, ao sul do Japão. Na Europa, eles são encontrados em Chipre, Espanha, Turquia e sul da Itália.

Em relação aos Estados Unidos, eles moram em Utah, Califórnia, Arizona, Texas, Novo México e Oklahoma. O limite oriental está na Louisiana, Arkansas e Missouri. Além disso, algumas tarântulas foram introduzidas acidentalmente na Flórida.

Habitat

O habitat é muito diversificado, composto por savanas, desertos, florestas tropicais, pradarias, matagais, regiões montanhosas e florestas. Às vezes, podia ser encontrada em prédios e assentamentos, motivada pela invasão de seu espaço natural e pela escassez de alimentos.

Ele vive em áreas arborizadas sombreadas e em florestas decíduas secas, onde pode haver vegetação arbustiva espinhosa, com um dossel de árvores de folha caduca e palmeiras.

Quanto à toca, este aracnídeo geralmente modifica o encontrado vazio nas encostas dos pastos, embora também possa escavá-lo. Além disso, geralmente tira proveito de pequenas cavidades naturais, como as que existem nas raízes das árvores e nas grandes rochas.

Espécies representativas

Tarântula rosa chilena ( Grammostola rosea )

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 5

Ltshears [Domínio público]

É uma tarântula que mede aproximadamente 8 centímetros. O opistosoma e as pernas são de um tom marrom escuro, com alguns cabelos tingidos de rosa. No entanto, eles também podem ser avermelhados, cinza ou acobreados. No abdome superior, possui uma região prateada, com cerdas picadas.

Vive no Chile, Paraguai, Brasil, Uruguai, Argentina e México. Nessas regiões, ele vive em florestas de folha caduca e nos prados, onde geralmente toca. Para se defender do atacante, ele projeta suas cerdas contra ele.

Tarântula do azul de cobalto ( Haplopelma lividum )

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 6

Flamesbane [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Esta espécie habita o Vietnã, Camboja e Ásia. Quanto ao seu tamanho, na fase adulta, a fêmea pode medir 14 centímetros e o macho tem um comprimento aproximado de 12 centímetros. Em relação aos alimentos, coma tenebrios, baratas, grilos e pequenos répteis.

Sua cor varia com a incidência da luz, o que faz com que a cor preta de seu corpo pareça azul brilhante nessas condições. É um aracnídeo com comportamento agressivo, com movimentos muito rápidos que usa para atacar sua presa e inocular seu poderoso veneno.

Tarântula de pernas rosadas ( Avicularia avicularia )

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 7

Fonte: wikimedia commons

Esta pequena tarântula vive na América do Sul e no sul do Caribe. No nascimento, ele tem um corpo rosa e pernas escuras, mas à medida que progridem na idade, a cor muda. Quando adulto, o corpo fica escuro e os membros rosados.

Tarântula de Golias ( Theraphosa blondi )

Tarântula: características, habitat, espécies, comportamento 8

Ltshears [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

A tarântula gigante, como essa espécie também é conhecida, vive nas selvas da América do Sul, especificamente na Venezuela, Brasil, Guiana, Colômbia e Argentina. Sua dieta é baseada em animais invertebrados, como minhocas, embora também comam pequenos roedores, cobras ou lagartos.

Suas pernas medem aproximadamente 30 centímetros e podem pesar 170 gramas. Tem um corpo castanho e está coberto de colmeias, usadas para se defender dos agressores.

Estado de conservação

Um grande número de espécies da família Theraphosidae está ameaçado de extinção. É por isso que a IUCN, levando em consideração estudos sobre o declínio populacional de cada espécie, incluiu várias tarântulas em sua lista de animais em risco de extinção.

Dentro do grupo de espécies de menor preocupação estão Brachypelma fossorium lset e Brachypelma epicureanum lset. Outras tarântulas, como Poecilotheria striata e Grammostola vachoni , são vulneráveis ​​à extinção.

Por outro lado, as populações de Poecilotheria metallica e Poecilotheria hanumavilasumica diminuíram drasticamente e, portanto, estão criticamente ameaçadas de desaparecer como espécie.

Ameaças

Degradação e perda de habitat são os principais fatores que afetam esse aracnídeo. Assim, seu desenvolvimento é influenciado pelas atividades de pastoreio, agricultura e mineração.

O uso do meio ambiente para assentamentos humanos resulta em uma tarântula que vive ou se move em prédios e fazendas, podendo usar alguns espaços escuros e isolados como tocas. Por causa dessa invasão, os habitantes locais a capturam e matam para evitar serem mordidos.

Entre as alterações que o homem faz no meio ambiente está a construção de estradas. Nesse sentido, o homem vagueia pela área em busca de um parceiro. Durante as tentativas de se deslocar pela região, ele poderia atravessar os trilhos e ser atropelado, causando sua morte.

Nessas regiões turísticas, como as de Yucatán, no México, o desmatamento da área costeira e as atividades recreativas tiveram um impacto negativo em numerosas subpopulações de B. epicureanum .

Outros fatores

Uma ameaça adicional que a tarântula sofre é sua captura para ser comercializada como animal de estimação, tanto nacional quanto internacionalmente.

Além disso, recentemente algumas sub-populações foram prejudicadas por fenômenos naturais que ocorrem na área, como inundações e incêndios provocados pelo homem, como parte do tratamento que realizam nas terras agrícolas.

Relacionado:  Gladiola: características, habitat, cultivo, usos, espécies

Reprodução

O ritual de acasalamento é muito diferente do resto dos aracnídeos. Antes de procriar, o macho gira uma rede especial e a libera no chão, depois pulveriza-a com seu esperma. Em seguida, esfregue os pedipalpos no tecido de seda, carregando-os com o fluido seminal.

Em seguida, comece a procurar uma mulher, usando os feromônios emitidos por ela como um guia. A fêmea, se for receptiva, deixa a toca e, nesse momento, o macho começará a fazer várias exposições, para atraí-la.

Entre esses comportamentos, estão levantando o abdômen, abaixando o cefalotórax, movendo-se de um lado para o outro e sacudindo os pedipalpos.

Então ele copula com a fêmea, segurando suas presas com as pernas. O macho insere seus pedipalpos cheios de sêmen na abertura localizada no abdome inferior da fêmea, chamada opistosoma.

Ovos e filhotes

As fêmeas depositam entre 50 e 2.000 ovos, de acordo com as características de cada espécie. Eles fazem isso em um saco de seda, que protegem por seis ou oito semanas. Naquele momento, as mães permanecem muito próximas dos ovos, tornando-se um pouco agressivas com quem tenta se aproximar.

Um comportamento que a fêmea realiza nesse estágio é rotacionar regularmente o saco com os ovos, impedindo-os de se deformarem para manter a mesma posição por um longo tempo. Após o nascimento, os jovens permanecem no ninho por um tempo, onde se alimentam dos restos dos sacos de gema.

Alimento

Sistema digestivo

A boca da tarântula está localizada abaixo do chelycer, na frente e no fundo do prosoma. Esse órgão é uma abertura curta, que só tem capacidade de sugar, portanto sua comida deve estar na forma líquida.

No caso de a barragem ter grandes quantidades de partes sólidas, como nos roedores, a tarântula as esmaga.

Quanto ao estômago, é um tubo que atravessa todo o corpo. Na região abdominal, amplia e forma o estômago sugador. Quando os músculos deste órgão se contraem, ocorre um aumento na seção transversal, o que cria uma forte ação de sucção.

Graças a essa força, a tarântula pode aspirar a presa previamente liquefeita pela boca e direcionar a comida para o intestino. Nisso, as grandes partículas nutricionais se decompõem em partículas menores, para que possam atravessar as paredes desse órgão e formar parte da hemolinfa.

Hábitos

As tarântulas se alimentam principalmente de insetos e outros artrópodes, como aranhas, centopéias e centopéias. Os maiores podem caçar e consumir pequenos vertebrados, incluindo ratos, pássaros, lagartos, morcegos e pequenas cobras.

Ao contrário de outras espécies de aranhas, as tarântulas não usam redes para capturar suas presas. Para caçar, eles esperam que se aproxime para surpreendê-la inesperadamente. Então, eles o agarram com as pernas, inoculam o veneno e, quando está paralisado, o mata com as presas.

Quando o animal morre, eles injetam várias enzimas digestivas que contribuem para liquefazer o organismo, para poder sugá-lo com a boca, que tem a forma de um tubo. Alguns gêneros caçam em árvores, enquanto outros o fazem no chão ou em uma área próxima a isso.

Comportamento

Em geral, a tarântula é um animal pouco agressivo. No entanto, quando ela se sente ameaçada, usa as patas traseiras para esfregá-las nos pêlos do seu abdômen e depois as joga no ar na direção do agressor. Dessa maneira, esse comportamento funciona como um impedimento muito eficaz contra predadores.

Durante os meses de temperaturas mais altas, os machos maduros começam sexualmente sua busca para encontrar um parceiro reprodutivo. Assim, eles abandonam a segurança que têm na toca para passear o dia inteiro pela área em que vivem.

Se eles encontrarem uma escavadeira na turnê, eles baterão no chão com as pernas, anunciando sua presença no local. Uma vez que o casal copulou, o homem rapidamente escapa da fêmea, pois ele pode ser agressivo e atacá-lo, até mesmo comê-lo.

Para a fêmea, o macho pode representar uma boa fonte de nutrientes, necessária para a conclusão bem-sucedida do processo reprodutivo.

Referências

  1. Wikipedia (2019). Tarântula Recuperado de en.wikipedia.org.
  2. Jessie Szalay (2019). Tarantula Facts. Recuperado de livescience.com.
  3. Gary R. Mullen (2002). Aranhas (Araneae). Ciência direta Recuperado de sciencedirect.com.
  4. Ariane Dor, Yann Hénaut (2012). Uso de seda e comportamento de aranha na tarântula Brachypelma vagans (Araneae: Theraphosidae). Recuperado de scielo.org.mx.
  5. Ferretti, NE, Pompozzi, G. (2012). Grammostola vachoni. A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas 2012. Recuperada em iucnredlist.org.
  6. O caso foi registrado como homicídio culposo. Aranhas (Araneae). Ciência direta Recuperado de sciencedirect.com.
  7. Molur, S., Daniel, BA, Siliwal, M. (2008). Poecilotheria metallica. A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas 2008. Recuperado em iucnredlist.org.
  8. Debbie Hadley (2019). Tarântulas raramente mordem (e outros fatos sobre as aranhas amigáveis). Recuperado de thoughtco.com.

Deixe um comentário