Tartaruga cabeçuda: características, habitat e comportamento

A tartaruga cabeçuda ( Caretta caretta ) é um animal oceânico que pertence à família Cheloniidae. Esta espécie é uma das maiores tartarugas marinhas, pesando até 200 kg. Tem uma cabeça enorme e uma mandíbula muito forte e poderosa.

Sua concha é formada por placas não sobrepostas, onde a blindagem nucal é conectada à primeira placa dorsal. A parte superior e a cabeça da tartaruga cabeçuda são amarelo alaranjado ou marrom avermelhado, enquanto a parte ventral é amarela clara.

Tartaruga cabeçuda: características, habitat e comportamento 1

Tartaruga cabeçuda Fonte: Mike Gonzalez (TheCoffee) [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Um aspecto que o diferencia de outras espécies de seu gênero são as duas garras que possui em cada barbatana. Eles são usados ​​para levar comida, rasgar a carne e ajudar a quebrar o exoesqueleto duro de algumas presas, como caranguejos e bivalves.

Caretta caretta é amplamente distribuída no mar Mediterrâneo e nos oceanos Pacífico, Índico e Atlântico. Embora a tartaruga cabeçuda possa se mover rapidamente nas águas marinhas, na terra seu movimento é lento.

Os machos raramente saem da água, enquanto as fêmeas o fazem exclusivamente para nidificar e pôr ovos.

Caracteristicas

Tartaruga cabeçuda: características, habitat e comportamento 2

Strobilomyces [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

– Adaptações

Sistema respiratório

O sistema respiratório da boba está adaptado para mergulhar em águas profundas. Este animal tem pulmões, por isso exige que saia da água para receber oxigênio, no entanto, não precisa emergir com frequência.

Esta espécie possui modificações orgânicas muito particulares, que não existem em outras tartarugas marinhas. Por exemplo, eles têm a capacidade de ajustar a frequência com que respiram.

Isso permite que você se recupere mais rapidamente após o mergulho, além de tornar o suprimento de oxigênio mais eficiente. Ele também tem a capacidade de armazenar mais oxigênio, porque há um número maior de glóbulos vermelhos no corpo.

Processamento de sal

A Caretta caretta pode beber água salgada, sem tornar-se desidratado ou que causa algum tipo de alteração orgânica. O motivo é que eles podem processar a água do mar, secretando o excesso pelas glândulas salgadas, localizadas atrás dos olhos.

As glândulas lacrimais contribuem para a manutenção do equilíbrio osmótico quando elimina o excesso de sal, produto da ingestão de água do mar. Quando essa substância é liberada através dos ductos oculares, parece que a tartaruga cabeçuda estava chorando.

Natação e mergulho

Uma das adaptações que mais se destacam na tartaruga cabeçuda é a modificação nas extremidades frontais. Estes, evolutivamente, tornaram-se barbatanas, o que lhe permite nadar.

Por outro lado, o pescoço e as pernas não são retráteis. Esta é uma grande vantagem para nadar rápido. Da mesma forma, esta espécie é um mergulhador de profundidade e pode fazê-lo por até 20 minutos. Além disso, quando descansam, podem passar horas sem respirar.

Isso é possível graças à rápida troca gasosa que ocorre nos pulmões. Além disso, o sangue é redirecionado daquelas áreas onde a necessidade de oxigênio é baixa para órgãos vitais, como cérebro, coração e sistema nervoso central.

Apesar da pressão sofrida pelo animal durante o mergulho, o oxigênio é fornecido com eficiência a todos os tecidos do corpo. Outro fator que ajuda a tartaruga cabeçuda a permanecer submersa por um longo tempo é sua baixa taxa metabólica.

– Tamanho

Esta espécie é a segunda maior do mundo, depois da tartaruga de couro. Geralmente, a fêmea é maior que o macho, mas tem uma cauda mais longa, que pode medir até 30 centímetros.

Na fase adulta, o peso da tartaruga cabeçuda pode variar de 80 a 200 kg, medindo entre 70 e 115 centímetros. O peso máximo que foi registrado é de 545 kg, com um comprimento de 213 centímetros.

– Shell

A concha serve como proteção externa contra predadores, embora esses animais não possam retrair as pernas ou a cabeça. A concha é dividida em duas partes, a parte traseira e o plastrão, que constitui a parte inferior. É composto por escudos ou placas grandes, que não se sobrepõem.

A blindagem nucal está em contato com a primeira caixa torácica. A região posterior é delimitada por 11 ou 12 pares de placas. Na linha média das costas existem 5 escudos vertebrais, delimitados por 5 pares de placas de costela.

Quanto ao escudo no pescoço, está na base da cabeça. A conexão entre a concha e o plastrão ocorre graças a 3 pares de escudos infra-marginais. Em relação à parte inferior, emparelha os escudos umeral, peitoral, abdominal, anal, gular e femoral.

O macho geralmente tem uma concha mais larga que a fêmea, além de ter uma garra curva em cada uma das pernas dianteiras. Essa estrutura geralmente possui uma grande quantidade de epibiot anexada, contando mais de 50 espécies de invertebrados.

– Coloração

Os lados do corpo e do pescoço são marrons na área superior e amarelos nas laterais e na parte inferior.

Freqüentemente, o macho é geralmente mais marrom e mais amarelo na cabeça do que as fêmeas. O jovem é marrom avermelhado a marrom escuro na concha, com o plastrão em um tom creme a marrom.

– Dimorfismo sexual

Existem diferenças notáveis ​​entre o homem e a mulher, que são evidentes na fase adulta. O macho tem garras, cauda e cabeça mais longas que a fêmea. Quanto à concha, o macho é menos abaulado e o plastrão é mais curto, provavelmente para colocar sua cauda longa.

Definição de sexo

Como outras tartarugas, em Caretta caretta, a determinação do sexo depende da temperatura. Assim, a temperatura na qual o ovo se desenvolve durante o terço médio do período de incubação influenciará se a prole será do sexo feminino ou masculino.

A temperatura de incubação é aquela em que uma proporção equitativa entre machos e fêmeas pode ocorrer.

Isso pode variar dependendo da localização geográfica, embora esteja geralmente entre 28 e 30 ° C. Por exemplo, na África do Sul, a temperatura central é de 29,7 ºC, enquanto na Austrália é de 28,2 ºC.

Os especialistas indicam que a temperatura entre 24 e 26 ° C geralmente produz machos e que aquela que está entre 32 e 34 ° C tende a produzir as fêmeas. Fora desses limites, os ovos não são viáveis.

Predadores

A predação é uma das causas mais comuns de morte dos embriões da boba. Estes podem ser atacados por pássaros, canídeos, caranguejos ou insetos.

Na Turquia, o besouro escuro ( Pimelia sp .) Ataca 36% dos ninhos, enquanto em Chipre, 15% é predado pelo díptero Sarcotachina aegyptiaca . No entanto, nas primeiras 24 horas de vida, os filhotes são consumidos em 90% por peixes, pássaros, crustáceos e mamíferos.

Jovens e adultos são predados por baleias assassinas, grandes tubarões e cachalotes. Assim, no mar Mediterrâneo, o jaquetón ( Carcharodon carcharias ) é um tubarão que ataca ferozmente a Caretta caretta . Além disso, as focas-monge ( Monachus monachus ) atacam a tartaruga cabeçuda nas áreas próximas às praias de nidificação do Mediterrâneo.

Estratégias de defesa

Os pesquisadores não descreveram nenhuma estratégia de defesa dessa espécie, exceto a dureza da casca. No entanto, em neonatos, destaca-se o comportamento de associação com vegetação ou planta flutuante, onde eles tendem a se esconder da ameaça de predadores.

Esse comportamento de defesa se deve, entre outras coisas, ao fato de o grau de ossificação da concha da prole não estar completo. Portanto, é fácil para eles serem atacados ou ingeridos por um predador.

Outra estratégia para evitar ameaças é realizada pela fêmea, que leva mais de uma hora para cobrir o ninho onde ela colocou seus ovos.

Para realizar essa camuflagem, remova a areia com suas barbatanas frontais, criando uma grande área de vários metros quadrados ao redor do ninho. Dessa forma, provavelmente é difícil identificar visualmente e olfativamente o local exato onde estão seus ovos.

Habitat e distribuição

Tartaruga cabeçuda: características, habitat e comportamento 3

Esta espécie passa a maior parte de sua vida em águas costeiras rasas e em mar aberto. Raramente chegam às margens, exceto quando a fêmea precisa construir seu ninho e pôr ovos.

As águas onde ele mora têm temperaturas de superfície variando de 13,3 ° C a 28 ° C no momento da não nidificação. Quando a fêmea está construindo seu ninho, a temperatura apropriada fica entre 27 e 28 ° C.

No Oceano Atlântico, a idade da tartaruga cabeçuda é um fator importante que influencia a preferência do habitat. Assim, os jovens estão freqüentemente localizados em estuários rasos, com acesso restrito ao oceano. Pelo contrário, os adultos não se aninham nessa área.

No habitat desta tartaruga marinha, as algas Sargassum desempenham um papel muito importante, pois abrigam até 100 espécies diferentes de animais que alimentam Caretta caretta . Entre as presas estão larvas de caranguejo, colônias de hidrozoários e ovas de peixe.

A tartaruga cabeçuda habita os oceanos indiano, atlântico, pacífico e o mar Mediterrâneo. Dessa maneira, nidifica em uma ampla faixa geográfica, mais extensa do que qualquer outra tartaruga marinha.

Oceano Atlântico

No Oceano Atlântico, está altamente concentrado no Golfo do México e na costa sudeste da América do Norte. Nas costas africana e européia, a população de Caretta caretta é bastante baixa. As tartarugas cabeçudas que habitam esse oceano geralmente se alimentam do Brasil para o Canadá.

A área de nidificação se estende do norte para a Virgínia e ao sul chega ao Brasil, além das Ilhas Cabo Verde, a leste. No entanto, a Flórida é considerada um lugar favorito para nidificar, com um total de mais de 67.000 ninhos por ano.

Oceano Índico

Em relação ao Oceano Índico, para caçar suas presas, a tartaruga cabeçuda percorre toda a costa africana, o Mar da Arábia e a península arábica.

Na África, essa espécie nidifica do arquipélago de Bazaruto (Moçambique) até o estuário de Santa Lúcia (África do Sul). Omã, localizado na Península Arábica, é o maior local de nidificação no Oceano Índico.

Oceano Pacífico

A tartaruga cabeçuda do Pacífico vive em áreas tropicais e temperadas. Alimenta-se no sudoeste do Pacífico, no mar da China Oriental e na península de Baja California. As regiões mais frequentadas para construir seus ninhos são o Japão, a parte oriental da Austrália e a Grande Barreira de Corais.

No entanto, o principal local para nidificar é a Ilha Yakushima, que coleta até 40% das visitas de tartarugas cabeçudas. As populações que vivem no leste do Pacífico estão agrupadas na costa da Baja California, sendo uma área muito favorável para alimentação.

Mar Mediterrâneo

No mar Mediterrâneo, há quase 45% da população jovem que migrou do Atlântico. O adulto geralmente visita essas águas nos meses de verão e primavera. Para encontrar sua comida, Caretta caretta segue para o Mar Adriático e o Mar Alboran.

Quanto aos locais de nidificação, os mais comuns são a Turquia, as costas de Chipre e a Grécia, que, com mais de 3.000 ninhos por ano, é o local mais visitado por esta tartaruga marinha.

Perigo de extinção

A população da tartaruga cabeçuda está diminuindo, o que fez com que a IUCN a classificasse como uma espécie vulnerável de extinção.

Nos Estados Unidos, o Serviço Nacional de Pesca Marinha e o Serviço de Pesca e Vida Selvagem classificam a tartaruga cabeçuda como um animal ameaçado, levando em consideração a Lei de Espécies Ameaçadas.

– Ameaças

Capturas acessórias

As espécies juvenis formam grupos na costa da Baja California Sur, no México. Nessas áreas, as atividades de pesca costeira aumentam o risco de morte.

Os pescadores da área frequentemente relatam a captura acidental dessa espécie, com palangres, armadilhas, dragas e redes de emalhar. Nestes, o animal fica preso e morre afogado.

Caça

Anteriormente, essa espécie era caçada por ovos e carne. No entanto, devido às regulamentações estabelecidas por lei, seu consumo diminuiu significativamente. Apesar disso, no México, os ovos da tartaruga cabeçuda são um prato comum, sendo atribuídos efeitos afrodisíacos.

Degradação do habitat

O desenvolvimento da região costeira é um fator que afeta diretamente o habitat natural de Caretta caretta . Assim, a construção de dragas, infra-estruturas turísticas, docas, marinas ou urbanizações modifica o meio ambiente, trazendo sérias conseqüências com o ninho e a postura de ovos.

Assim, a construção de edifícios altos reduz a quantidade de raios solares que afetam a areia. Isso diminui a temperatura média do local dos ovos de tartaruga cabeçuda, resultando em variações nas relações sexuais dos filhotes por nascer.

Por outro lado, a iluminação artificial usada nas diferentes infra-estruturas interfere no assentamento e na capacidade dos jovens de alcançar a beira da água. Como eles nascem à noite, o processo natural é que a luz refletida no mar os guie para a água.

Nesse caso, eles são direcionados, confusos e desorientados pela luz artificial, para outras áreas além do mar, como áreas povoadas. Dessa maneira, os filhotes são expostos à desidratação, causando sua morte.

Poluição

Todos os anos, toneladas de plástico são jogadas no oceano, fazendo com que as tartarugas cabeçudas ingeram alguns desses produtos, como bolsas e sedãs. Isso tem sérias conseqüências para o animal, que pode morrer por asfixia ou por problemas orgânicos.

Da mesma forma, derramamentos de óleo e resíduos químicos poluem a água, causando a fragmentação do habitat e a morte desta tartaruga.

Mudança climática

Variações nas temperaturas climáticas podem afetar a proporção sexual, uma vez que esse fator determina se o óvulo fertilizado será do sexo feminino ou masculino. Assim, segundo estudos, em alguns locais de nidificação, a exposição a altas temperaturas produziu entre 87 e 99% das fêmeas.

– Ações para sua proteção

Caretta caretta está incluída no apêndice I da CITES, portanto sua comercialização é restrita. Da mesma forma, muitos países e as diferentes organizações protecionistas trabalham pela proteção da tartaruga cabeçuda.

Por exemplo, a Associação de Tartarugas Marinhas no Japão ajuda na conservação de tartarugas marinhas. Da mesma forma, a Marine Research Foundation trabalha para a conservação desta espécie em Omã.

Como resultado de acordos nacionais e internacionais, algumas das ameaças foram reduzidas. Entre estes está a redução na coleta de ovos e adultos em várias áreas de nidificação localizadas em todo o mundo.

Taxonomia e subespécie

Reino animal.

Subreino: Bilateria.

Filum: Cordado.

Subfiltro: Vertebrado.

Superclasse: Tetrapoda.

Classe: Reptilia

Ordem: Testudines.

Subordem: Cryptodira.

Superfamília: Chelonioidea.

Família: Cheloniidae.

Subfamília: Carettinae.

Gênero: Caretta.

Espécie: Caretta caretta.

Reprodução

As tartarugas cabeçudas são sexualmente maduras quando adultos e suas conchas medem mais de 90 centímetros de comprimento. Isso ocorre aproximadamente entre 17 e 33 anos.

O namoro inclui vários comportamentos, incluindo carícias, mordidas e movimentos das barbatanas e da cabeça. Os especialistas indicam que a fêmea produz feromônios que informam ao homem que está pronto para acasalar.

Antes de copular, o macho se aproxima da fêmea, tentando montá-la. Inicialmente, poderia resistir, mas então eles começaram a se cercar. No caso de vários machos tentando acasalar, a fêmea se afasta e permite que briguem entre si.

O vencedor copula com a fêmea levando-a com suas garras curvas, causando danos à concha do casal. Freqüentemente, os outros machos que não conseguiram copular, geralmente mordem o macho que está com a fêmea, geralmente machucando a cauda e as barbatanas.

Na maioria das tartarugas marinhas, namoro e acasalamento ocorrem perto da costa do ninho. Pelo contrário, a tartaruga cabeçuda acontece ao longo da rota de migração, entre as áreas reprodutiva e de alimentação.

Acasalamento e aninhamento

Os especialistas indicam que a ovulação é induzida pelo acasalamento. Além disso, a fêmea pode armazenar o esperma de vários machos nos ovidutos, até o momento da ovulação. Por esse motivo, uma ninhada pode ter até sete pais diferentes.

O processo de aninhamento dura entre uma e duas horas. Geralmente ocorre em áreas de areia aberta ou perto de gramíneas de dunas, que podem ser usadas para camuflar o ninho. Para pôr os ovos, a fêmea sai da água, sobe à praia e escava a areia da superfície, com a intenção de formar um poço.

Nos membros posteriores, a fêmea cava uma câmara, onde deposita entre 115 e 125 ovos. Depois de cobri-los com areia, a mãe volta ao mar. Em muitas ocasiões, a fêmea retorna à mesma praia onde havia aninhado anteriormente.

A incubação dura entre 55 e 65 dias, período após o qual a prole surge. Estes podem ser do marrom claro ao preto, sem os tons vermelho e amarelo típicos do adulto. Eles pesam cerca de 20 gramas e medem 4,6 centímetros.

Alimento

Na maior parte da vida, a tartaruga cabeçuda é carnívora. Embora seu comportamento alimentar seja geral, à medida que crescem, sua dieta varia.

Os jovens costumam comer esponjas, algas sargassum, água-viva e crustáceos. Na fase juvenil e adulta, alimentam-se de amêijoas, caracóis, caranguejos-ferradura, ouriços-do-mar e outros crustáceos. Ocasionalmente eu podia comer carniça.

Durante a migração para o mar aberto, costuma caçar moluscos flutuantes, água-viva, pterópodes, peixes voadores, ovos e lulas flutuantes.

Sua dieta é mais extensa do que a de outras tartarugas marinhas. Assim, consomem corais, esponjas, vermes poliquetas, penas do mar, estrelas do mar, anêmonas e filhotes de tartarugas, inclusive os da mesma espécie.

Além disso, Caretta caretta pode comer algas, como as pertencentes ao gênero Ulothrix , Ascophyllum e Sargassum . Além disso, eles se alimentam de algumas plantas vasculares do clado Cymodocea , Thalassia e Zostera .

Método alimentar

Suas mandíbulas poderosas permitem esmagar os exoesqueletos duros de caranguejos, bivalves e caracóis. Nas pernas dianteiras, há pseudogarras que permitem manipular alimentos e rasgar carne.

Uma vez que o alimento é ingerido, as papilas cobertas de muco encontradas na parte frontal do esôfago ajudam a filtrar qualquer corpo estranho que tenha sido introduzido.

Comportamento

Migrações

Como a grande maioria das tartarugas marinhas, as tartarugas cabeçudas são migratórias. Durante sua vida, eles usam uma grande variedade de habitats amplamente distanciados um do outro. Quando os jovens deixam as praias de nidificação, iniciam uma fase oceânica.

Depois de permanecerem nos oceanos entre 4 e 19 anos, eles se mudam para áreas ricas em barragens epilégicas e bentônicas, onde se alimentam e crescem até atingir a maturidade (aproximadamente entre 10 e 39 anos).

Ao atingir a maturidade sexual, Caretta caretta inicia uma migração reprodutiva entre as regiões de forrageamento e nidificação. O intervalo entre migrações varia entre 2,5 e 3 anos.

Comunicação

Nesta espécie, a percepção é altamente desenvolvida. No momento em que os jovens emergem, eles têm a capacidade de analisar seu ambiente. Dessa forma, eles podem determinar a direção que devem tomar para ir ao oceano. Para isso, baseiam-se na luz vinda da lua que atinge o oceano.

Quando estão na água, eles usam sinais magnéticos e químicos para se orientar e navegar em direção às correntes, onde viverão os próximos anos de sua vida.

Referências

  1. Duermit, L. (2007). Caretta caretta. Diversidade Animal Recuperado de animaldiversity.org.
  2. Wikipedia (2019). A boba é tartaruga. Recuperado de en.wikipedia.org.
  3. Casale, P., Tucker, AD (2017). Caretta caretta (versão alterada da avaliação de 2015). A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas de 2017. Recuperado em iucnredlist.org
  4. Marinebio (2019). Tartarugas marinhas de cabeçuda, Caretta caretta. Recuperado de marinebio.org.
  5. Lindsay Partymiller (2019). Tartaruga marinha (Caretta caretta). Recuperado de srelherp.uga.edu.
  6. Lutcavage ME, Lutz PL, Baier H. (1989). Mecânica respiratória da tartaruga cabeçuda Caretta caretta. Recuperado de ncbi.nlm.nih.gov.
  7. ITIS (2019). Caretta caretta. Recuperado de itis.gov.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies