Tecidos vegetais: características, classificação e funções

Os tecidos vegetais são estruturas complexas que compõem os organismos das plantas, desempenhando funções vitais para o seu crescimento, desenvolvimento e sobrevivência. Eles são compostos por células especializadas que se organizam de forma a realizar diversas funções, como sustentação, transporte de nutrientes, armazenamento de substâncias, entre outras. Neste contexto, os tecidos vegetais são classificados em diferentes tipos, como tecidos de revestimento, tecidos de sustentação, tecidos de condução e tecidos de preenchimento, cada um com características específicas e funções distintas. Neste artigo, iremos explorar mais a fundo as características, classificação e funções dos tecidos vegetais, de forma a compreender melhor a complexidade e importância dessas estruturas para as plantas.

Classificação dos tecidos vegetais: entenda como os diferentes tipos são organizados e identificados.

Os tecidos vegetais são agrupados em diferentes categorias com base em suas características e funções. A classificação dos tecidos vegetais é fundamental para entender a estrutura e o funcionamento das plantas. Existem quatro principais tipos de tecidos vegetais: tecidos de revestimento, tecidos de sustentação, tecidos de condução e tecidos de preenchimento.

Os tecidos de revestimento são responsáveis por proteger a planta contra agentes externos, como bactérias, fungos e insetos. Eles também ajudam na regulação da perda de água por transpiração. Os tecidos de sustentação fornecem suporte estrutural à planta, ajudando-a a manter sua forma e resistir à gravidade. Já os tecidos de condução são responsáveis pelo transporte de água, nutrientes e outras substâncias essenciais pela planta. Por fim, os tecidos de preenchimento são responsáveis pelo armazenamento de reservas de nutrientes e água.

A identificação dos diferentes tipos de tecidos vegetais pode ser feita por meio de técnicas de microscopia e coloração. Cada tipo de tecido possui características únicas que permitem sua distinção. Por exemplo, os tecidos de revestimento geralmente são finos e transparentes, enquanto os tecidos de sustentação são mais espessos e fibrosos. Os tecidos de condução, por sua vez, apresentam células alongadas e com paredes reforçadas.

Em resumo, a classificação dos tecidos vegetais é essencial para compreender a estrutura e as funções das plantas. Os tecidos de revestimento, sustentação, condução e preenchimento desempenham papéis fundamentais no crescimento, desenvolvimento e sobrevivência das plantas. Ao estudar os diferentes tipos de tecidos vegetais, é possível obter insights valiosos sobre a complexidade e a diversidade do mundo vegetal.

Identificação e função dos tecidos vegetais, como o xilema, floema e epiderme.

Os tecidos vegetais são estruturas complexas que desempenham funções vitais para as plantas. Entre os principais tecidos vegetais, destacam-se o xilema, o floema e a epiderme.

O xilema é responsável pelo transporte de água e nutrientes minerais das raízes para outras partes da planta. Ele é composto por células mortas, como os elementos de vaso e fibras, que formam condutos por onde a seiva bruta circula. Além disso, o xilema também confere sustentação à planta.

O floema, por sua vez, é responsável pelo transporte de substâncias orgânicas produzidas nas folhas, como a glicose, para outras partes da planta. Ele é composto por células vivas, como os elementos crivados e as células companheiras, que formam os tubos por onde a seiva elaborada circula.

A epiderme é o tecido que reveste a superfície das folhas, caules e raízes das plantas. Ela é formada por células vivas que protegem a planta contra a perda de água, a entrada de patógenos e a radiação ultravioleta. Além disso, a epiderme pode conter estômatos, que são responsáveis pela troca gasosa da planta.

Relacionado:  Desequilíbrio ecológico: causas, consequências e prevenção

Em resumo, os tecidos vegetais desempenham funções essenciais para o crescimento, desenvolvimento e sobrevivência das plantas. O xilema e o floema são responsáveis pelo transporte de substâncias, enquanto a epiderme atua na proteção e regulação da planta.

Os três sistemas de tecidos presentes no corpo dos vegetais: conheça cada um deles!

Os tecidos vegetais são responsáveis por garantir a estrutura e o funcionamento adequado das plantas. Existem três sistemas de tecidos presentes no corpo dos vegetais: o sistema de tecidos de revestimento, o sistema de tecidos de sustentação e o sistema de tecidos de condução.

O sistema de tecidos de revestimento é responsável por proteger a planta contra agressões externas, como a perda de água e a entrada de microrganismos. Este sistema é formado por tecidos como a epiderme e a periderme, que protegem a planta e controlam a troca de gases com o ambiente externo.

O sistema de tecidos de sustentação, como o próprio nome sugere, é responsável por garantir a sustentação da planta. Este sistema é composto por tecidos como o colênquima e o esclerênquima, que conferem rigidez e suporte às estruturas vegetais.

O sistema de tecidos de condução é responsável por transportar água, nutrientes e substâncias orgânicas pela planta. Este sistema é formado pelos tecidos vasculares, como o xilema e o floema, que realizam o transporte de seiva bruta e seiva elaborada, respectivamente.

Em resumo, os três sistemas de tecidos presentes no corpo dos vegetais desempenham funções vitais para o funcionamento e desenvolvimento das plantas. O sistema de tecidos de revestimento protege a planta, o sistema de tecidos de sustentação garante sua rigidez e suporte, e o sistema de tecidos de condução realiza o transporte de substâncias essenciais. Juntos, esses sistemas garantem a sobrevivência e o crescimento saudável das plantas.

Classificação dos tecidos meristemáticos: entenda como ocorre o processo de diferenciação celular.

Os tecidos meristemáticos são responsáveis pela divisão celular e pela diferenciação dos tecidos vegetais. Eles são classificados em dois tipos: meristemas primários e meristemas secundários. Os meristemas primários são responsáveis pelo crescimento em comprimento das plantas, enquanto os meristemas secundários são responsáveis pelo crescimento em espessura.

Os meristemas primários estão localizados nas pontas das raízes e dos caules, e são responsáveis pelo alongamento das plantas. Eles são compostos por células indiferenciadas que se dividem rapidamente, dando origem a novas células que se diferenciam em diferentes tipos de tecidos, como tecido condutor, tecido de revestimento e tecido de sustentação.

Já os meristemas secundários estão localizados no interior dos caules e raízes das plantas mais antigas. Eles são responsáveis pelo crescimento em espessura das plantas, aumentando o diâmetro dos caules e das raízes. Esses meristemas também são compostos por células indiferenciadas, que se dividem e se diferenciam em tecidos como o floema e o xilema.

O processo de diferenciação celular nos tecidos meristemáticos ocorre através de uma série de etapas, que envolvem a divisão das células indiferenciadas e sua diferenciação em diferentes tipos de tecidos. Esse processo é fundamental para o crescimento e desenvolvimento das plantas, garantindo a formação de novos tecidos e a manutenção da estrutura da planta.

Tecidos vegetais: características, classificação e funções

Os tecidos das plantas são grupos de células especializadas que formam os diversos órgãos da planta. Os principais tecidos vegetais são meristemas ou tecidos de crescimento, tecidos fundamentais, sistemas vasculares e epidérmicos.

Quando o embrião está crescendo, novas células são formadas, agrupadas em tecidos e, por sua vez, formam os órgãos. À medida que a planta a desenvolve, essa característica de crescimento indefinido ou de tecidos permanentemente “jovens” fica restrita a meristemas.

Tecidos vegetais: características, classificação e funções 1

Fonte: By (biofotos) (Flickr: Cucurbita maxima) [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

O tecido fundamental é dividido em parênquima, colênquima e esclerênquima. Essas estruturas têm funções de suporte e estão envolvidas no processo fotossintético e respiratório.Os sistemas vasculares incluem tecidos responsáveis ​​pela condução de água, sais, nutrientes e seiva, chamados xilema e floema .

Finalmente, os tecidos epidérmicos têm funções protetoras e estão localizados nas partes mais externas da planta. A epiderme pode ser substituída no crescimento secundário.

Os tecidos também podem ser classificados de acordo com o tipo de célula que os compõe. O parênquima é considerado um tecido simples porque é formado por um tipo exclusivo de células. Por outro lado, o restante dos tecidos é complexo porque é formado por diferentes tipos de células.

Caracteristicas

Os conglomerados de células vegetais que formam os diferentes tecidos das plantas são caracterizados principalmente pela presença de uma parede celular sólida que protege a célula do estresse osmótico. Além disso, possuem organelas especiais – cloroplastos – onde são realizados eventos fotossintéticos .

No entanto, cada tipo de tecido vegetal tem suas características únicas. Na próxima seção, descreveremos cada tecido em detalhes.

Classificação e funções

Os botânicos sempre reconheceram a existência de uma organização em unidades notórias no corpo dos vegetais . Estes sistemas de tecidos estão presentes tanto na raiz, como nas folhas e caules.

Nas três estruturas mencionadas, os tecidos mostram uma similaridade básica que permite a continuidade do corpo da planta.

Existem três sistemas principais de tecidos: o sistema fundamental, o sistema vascular e a epiderme. Cada sistema de tecidos se origina no desenvolvimento do embrião com meristemas.

O sistema fundamental é composto por três tipos de tecidos: o parênquima – que é o mais predominante – o colênquima e o esclerênquima.

O sistema vascular é composto por estruturas condutoras chamadas xilema e floema. Finalmente, o sistema de tecidos é composto pela epiderme (que é substituída pela periderme no crescimento secundário).

Meristems

Os meristemas são essencialmente caracterizados por sua capacidade permanente de se dividir. Os meristemas apicais e laterais são classificados.

Os meristemas apicais são responsáveis ​​pela extensão do corpo da planta (chamada crescimento primário) e estão localizados nas porções terminais das hastes e raízes.

Por outro lado, os meristemas laterais estão associados à produção de tecidos secundários. Consiste no câmbio vascular e no câmbio subergênico. O vascular é responsável por produzir tecidos vasculares que são o xilema e o floema e o subergen produz o suber ou a cortiça.

No entanto, existem outros tecidos que também experimentam divisões celulares, como a protoderme, o procâmbio e o tecido fundamental.

Sistema fundamental

O parênquima, o colênquima e o esclerênquima são tecidos simples porque são compostos por apenas um tipo de célula.

Relacionado:  Tubarão submarino: história, realidade ou ficção?

Tecido parenquimatoso

O parênquima é o precursor de todos os tecidos restantes. É caracterizada pela formação de massas em diferentes estruturas vegetais, incluindo frutas.

Essas células parenquimatosas são agrupadas em elementos chamados raios. As células parenquimatosas são poliédricas, vivas e capazes de se dividir. Graças a essa habilidade, eles participam dos processos de regeneração.

As funções do parênquima são armazenamento e cura. Além disso, participa de processos metabólicos, como fotossíntese e respiração.

Tecido colenquimatoso

O colénquima também é formado por células vivas na maturidade. As células são alongadas, com paredes grossas e brilhantes. Eles estão formando cordões na epiderme, pecíolos e veias dicotiledôneas. Sua principal função é o suporte.

Tecido esclerenquimatoso

Finalmente, o tecido esclerenquimatoso é caracterizado por sua firmeza, graças à lignificação de suas paredes celulares espessas e irregulares.

Eles são divididos em dois tipos de células: as fibras são alongadas e finas, algumas delas têm importância econômica, como o cânhamo de Manila; e esclereides, principalmente ramificados. Cuida do suporte, graças à sua textura espessa.

Sistema vascular

O sistema vascular é um conjunto de tubos cuja função principal é o transporte de substâncias. Nas plantas, é constituído por dois elementos condutores: o floema e o xilema. O movimento de substâncias através deste sistema é chamado translocação.

Nas plantas vasculares (licopodia, samambaias, coníferas e angiospermas), o floema é responsável pelo transporte de nutrientes. Sua origem pode ser primária e é chamada protofloem ou origem secundária. As células que fazem parte de sua estrutura são os elementos da peneira, um termo que se refere à presença de poros.

Por outro lado, o xilema é responsável pela condução de água, sais e minerais do solo para as regiões aéreas da planta. Além de dirigir, o xilema também participa do suporte da fábrica, já que – em alguns casos – suas paredes contêm lignina.

As forças que permitem o movimento de substâncias variam nos dois tecidos. O xilema usa transpiração e pressão radical, enquanto o floema usa mecanismos de transporte ativos.

Sistema de tecidos

A epiderme forma o tecido e geralmente é agrupada em uma única camada de células. É a camada mais externa da planta e é encontrada nas folhas, nos elementos das flores, nos frutos, nas sementes e nas raízes. As células epidêmicas variam amplamente em termos de morfologia e função.

As células podem ter um revestimento especial que diminui ou impede completamente a perda de água. A referida cobertura protetora pode ser formada por ceras, suberina, entre outros.

Algumas células epidérmicas podem ter estômatos, algum tipo de apêndice ou tricoma. Os estômatos são responsáveis ​​por mediar a troca de gases entre a planta e seu ambiente.

Referências

  1. Beck, CB (2010). Uma introdução à estrutura e desenvolvimento da planta: anatomia vegetal do século XXI . Cambridge University Press.
  2. Campbell, NA (2001). Biologia: Conceitos e relações . Pearson Education.
  3. Curtis, H. & Schnek, A. (2006). Convite para Biologia . Pan-American Medical Ed.
  4. Raven, PH, Evert, RF e Eichhorn, SE (1992). Biologia vegetal (Vol. 2). Eu inverti
  5. Sadava, D., & Purves, WH (2009). Vida: A ciência da biologia. Pan-American Medical Ed.
  6. Thorpe, STE (2009). O Manual de Estudos Gerais da Pearson 2009, 1 / e . Pearson Education India.

Deixe um comentário