Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios

O Teorema de Green é um importante resultado da matemática que relaciona o cálculo de integrais de linha com o cálculo de integrais duplas sobre uma região plana fechada. Ele estabelece uma relação entre a circulação de um campo vetorial ao longo de uma curva fechada e o fluxo desse campo através da região delimitada por essa curva. A prova do Teorema de Green é baseada no Teorema de Stokes e na fórmula de Green-Riemann, e é fundamental para o estudo da teoria de campos vetoriais.

O Teorema de Green tem diversas aplicações em diferentes áreas da matemática e da física, como na resolução de problemas de mecânica dos fluidos, eletromagnetismo, geometria diferencial, entre outros. Ele também é amplamente utilizado na computação gráfica, na análise de algoritmos e na solução de equações diferenciais parciais.

Para compreender melhor o Teorema de Green e suas aplicações, é importante realizar exercícios práticos que envolvam o cálculo de integrais de linha e de integrais duplas, bem como a aplicação do teorema em situações concretas. A prática de exercícios é essencial para consolidar o conhecimento teórico e desenvolver habilidades de resolução de problemas.

Aplicações do teorema de Green em diversas áreas da matemática e física.

O teorema de Green é uma ferramenta poderosa que tem aplicações em várias áreas da matemática e física. Este teorema estabelece uma relação entre a integral de linha de um campo vetorial sobre uma curva fechada e a integral dupla do rotacional deste campo sobre a região delimitada por esta curva.

Uma das aplicações mais comuns do teorema de Green é na resolução de problemas de fluxo de fluidos. Em física, o teorema de Green é frequentemente usado para calcular o trabalho realizado por um campo de forças em um movimento de partículas. Na matemática, o teorema de Green é fundamental para o estudo de equações diferenciais parciais.

Além disso, o teorema de Green também é utilizado em problemas de geometria computacional, na análise de sistemas dinâmicos e na teoria do potencial. Em mecânica dos fluidos, o teorema de Green é essencial para a análise de escoamentos complexos e para a determinação de propriedades como a vorticidade e a divergência.

Em resumo, o teorema de Green é uma ferramenta versátil e poderosa que tem uma ampla gama de aplicações em diversas áreas da matemática e física. Dominar este teorema é fundamental para avançar em estudos mais avançados nestas disciplinas.

Descoberta da autoria do teorema de Green: quem foi o responsável por sua criação?

A autoria do Teorema de Green foi atribuída ao matemático britânico George Green, que o formulou pela primeira vez em 1828. Green era autodidata e seu trabalho inicialmente passou despercebido pela comunidade matemática da época. Foi somente em 1846, quando o matemático Lord Kelvin redescobriu e popularizou o teorema, que Green recebeu o devido reconhecimento por sua contribuição.

Relacionado:  Polígonos regulares: propriedades, elementos, ângulos, exemplos

O Teorema de Green estabelece uma relação entre a integral de linha de um campo escalar sobre uma curva fechada e a integral dupla do rotacional desse campo sobre a região delimitada pela curva. Essa relação é fundamental para a análise de campos vetoriais e é amplamente utilizada em diversas áreas da matemática e física, como em problemas de fluxo de fluidos e eletromagnetismo.

Para aplicar o Teorema de Green, é necessário conhecer o rotacional do campo escalar em questão e parametrizar a curva sobre a qual se deseja calcular a integral de linha. A prova do teorema envolve o uso do teorema da divergência e da identidade de Green, e é uma ferramenta poderosa para simplificar cálculos complexos envolvendo integrais de linha e de superfície.

Para fixar o entendimento do Teorema de Green, é recomendável praticar com exercícios que envolvam a aplicação da teoria em diferentes contextos. Resolver problemas de cálculo de integrais de linha e integrais duplas ajudará a solidificar o conhecimento e a desenvolver habilidades de análise e resolução de problemas.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios

O verde de teorema é um método de cálculo utilizado para relacionar integrais de linha com integrais duplos ou área de superfície. As funções envolvidas devem ser indicadas como campos vetoriais e definidas no caminho C.

Por exemplo, uma expressão integral de linha pode ser muito complicada de resolver; no entanto, ao implementar o teorema de Green, as integrais duplas se tornam bastante básicas. É sempre importante respeitar a direção positiva da trajetória, isso se refere à direção no sentido anti-horário.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 1

O teorema de Green é um caso particular do teorema de Stokes, onde a projeção da função vetorial é realizada no plano xy.

Definição de

A expressão do teorema de Green é a seguinte:

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 2

No primeiro termo, observa-se a integral de linha definida pelo caminho “C”, do produto escalar entre a função vetorial “F” e a do vetor “r”.

C: É o caminho definido no qual a função vetorial será projetada desde que definida para esse plano.

F: Função vetorial, onde cada um de seus componentes é definido por uma função como tal (f, g).

r: é um vetor tangente à região R na qual a integral está definida. Nesse caso, operamos com um diferencial desse vetor.

No segundo termo, vemos o teorema de Green desenvolvido, onde a integral dupla definida na região R da diferença das derivadas parciais de gyf é observada, com respeito a axy, respectivamente. Para um diferencial de área que não é mais do que o produto dos dois diferenciais bidimensionais (dx.dy).

Relacionado:  Medição aproximada de figuras amorfas: exemplo e exercício

Este teorema é perfeitamente aplicável para integrais de espaço e superfície.

Demonstração

Para provar o teorema de Green de uma maneira simples, esta tarefa será dividida em 2 partes. Primeiro, vamos assumir que a função vetorial F só possui definição na versão i. Enquanto a função “g” correspondente à versão j será igual a zero.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 3

Autor

F = f (x, y) i + g (x, y) j = f (x, y) i + 0

r = x i + y j

dr = dx i + dy j

Primeiro, desenvolvemos a integral de linha sobre a trajetória C, para a qual a trajetória foi setorizada em duas seções que vão primeiro de a para be depois de b para a.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 4

A definição do teorema fundamental do cálculo para uma integral definida é aplicada.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 5

A expressão é reorganizada em uma única integral, um fator é comum ao negativo e a ordem dos fatores é revertida.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 6

Observando essa expressão em detalhes, fica claro que, ao aplicar os critérios da função primitiva, um está na presença da integral da expressão derivada de f em relação a y. Avaliada nos parâmetros

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 7

Agora basta assumir que a função vetorial F é definida apenas para g (x, y) j . Onde operar de maneira homóloga ao caso anterior, você obtém:

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 8

Finalmente, as 2 demonstrações são tomadas e unidas no caso em que a função vetorial assume valores para os dois versos. Desta forma, é mostrada como a integral da linha após ser definida e considerada como uma trajetória unidimensional, podendo ser totalmente desenvolvida para o plano e o espaço.

F = f (x, y) i + g (x, y) j

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 9

Dessa maneira, o teorema de Green é demonstrado.

Aplicações

As aplicações do teorema de Green são amplas nos ramos da física e da matemática. Elas se estendem a qualquer aplicativo ou uso que possa ser dado à integração de linhas.

O trabalho mecânico realizado por uma força F através de uma trajetória C pode ser desenvolvido por uma integral de linha que é expressa como integral dupla de uma área por meio do teorema de Green.

Os momentos de inércia de muitos corpos sujeitos a forças externas em diferentes pontos de aplicação também respondem a integrais de linhas desenvolvíveis com o teorema de Green.

Isso tem múltiplas funcionalidades nos estudos de resistência de materiais em uso. Onde valores externos podem ser quantificados e levados em consideração antes da elaboração de vários elementos.

Em geral, o teorema de Green facilita o entendimento e a definição de áreas onde as funções vetoriais são definidas em relação a uma região de acordo com uma trajetória.

Relacionado:  Qual é o maior fator comum de 4284 e 2520?

História

Foi publicado em 1828 no trabalho Análise matemática das teorias de eletricidade e magnetismo , escrito pelo matemático britânico George Green. Explora seções bastante decisivas na aplicação do cálculo na física, como o conceito de funções potenciais, as funções de Green e as aplicações de seu teorema auto-intitulado.

George Green formalizou sua carreira de estudante aos 40 anos, sendo até agora um matemático totalmente autodidata. Depois de estudar na Universidade de Cambridge, ele continuou sua pesquisa, fazendo contribuições no campo da acústica, óptica e hidrodinâmica que ainda são válidas hoje.

Relação com outros teoremas

O teorema de Green é um caso especial e surge de dois outros teoremas muito importantes no ramo do cálculo. Estes são o teorema de Kelvin-Stokes e a divergência ou o teorema de Gauss Ostrogradski.

A partir de um dos dois teoremas, o teorema de Green pode ser alcançado. Certas definições e proposições são necessárias para desenvolver tais demonstrações.

Exercícios

– O exercício a seguir mostra como transformar uma integral de linha em integral dupla em relação a uma região R.

A expressão original é a seguinte:

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 10

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 11Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 12

Onde as funções afyg correspondentes são tomadas

f (x, y) = x 3 g (x, y) = yx

df / dy = 0 dg / dx = y

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 13

Não existe uma maneira única de definir os limites da integração ao aplicar o teorema de Green. Mas há maneiras em que integrais após serem definidas podem ser mais simples. Para que a otimização dos limites de integração mereça atenção.

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 14

Onde resolver as integrais que obtemos:

Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 15Teorema de Green, prova, aplicações e exercícios 16

Este valor corresponde em unidades cúbicas à região abaixo da função vetorial e acima da região triangular definida por C.

No caso da integral de linha sem executar o método Green, seria necessário parametrizar as funções em cada seção da região. Ou seja, execute 3 integrais parametrizadas para resolução. Isso é evidência suficiente da eficácia que Robert Green contribuiu com seu teorema para o cálculo.

Referências

  1. Introdução à Mecânica do Contínuo. W Michael Lai, David H. Rubin, Erhard Krempl, David Rubin Butterworth-Heinemann, 23 de julho 2009
  2. Cálculo multivariável. James Stewart Cengage Learning, 22 de mar 2011
  3. Uma história informal do teorema de Green e idéias associadas. James Joseph Cross Departamento de Matemática, Universidade de Melbourne, 1975
  4. Condução de Calor Usando Funções Verdes. Kevin D. Cole, James V. Beck, A. Haji-Sheikh, Bahman Litkouhi. Taylor & Francis, 16 de jul 2010
  5. Aplicação do Teorema de Green à Extremização de Integrais Lineares. Centro de Informações Técnicas de Defesa, 1961

Deixe um comentário