Terapia emotiva racional (Albert Ellis) Como funciona?

A terapia racional emotiva (ERT) é uma pequena forma de psicoterapia que pode identificar pensamentos e emoções negativas, questionar a sua racionalidade e reamplazarlos crenças mais adaptáveis. Seu objetivo final é identificar problemas comportamentais e emocionais para levar uma vida com maior bem-estar e felicidade.

A terapia emotiva racional foi uma das primeiras terapias cognitivas implantadas no campo da psicoterapia. De fato, esse tratamento elaborado pelo famoso psicoterapeuta americano Albert Ellis começou a ser utilizado já em 1955.

Terapia emotiva racional (Albert Ellis) Como funciona? 1

Albert Ellis propõe um estilo diferente de psicoterapia comportamental e psicanalítica, indicando a importância dos pensamentos e estilos cognitivos diante dos problemas psicológicos.

No entanto, como todas as mudanças, a introdução da terapia emocional racional não foi fácil.De fato, Ellis tinha praticamente 10 anos (1955 a 1963) sendo o único psicoterapeuta que usou essa terapia em suas intervenções psicológicas.

Posteriormente, os psicólogos começaram a treinar em terapia emocional racional e seu uso se tornou massivo até se tornar uma das principais terapias cognitivas.

A base da terapia emocional racional

A terapia emotiva racional é baseada no trabalho de conceitos cognitivos quando surgem alterações psicológicas.O bem-estar mental não se limita mais ao “o que as pessoas fazem” e basicamente se concentra no “que as pessoas pensam”.

Nesse sentido, o funcionamento psicológico começa a ser entendido do ponto de vista tridimensional, onde comportamento, pensamento e emoções desempenham papéis importantes que se alimentam mutuamente.

Terapia emotiva racional (Albert Ellis) Como funciona? 2

Albert Ellis

Uma pessoa que sente ansiedade experimenta uma série de emoções de ansiedade, que produzem uma série de pensamentos nervosos que produzem certos comportamentos que aumentam as emoções de ansiedade e os pensamentos nervosos.

Dadas essas considerações, Ellis interpretou que o ponto fundamental da alteração é pensado, pois se uma pessoa com ansiedade consegue eliminar seus pensamentos de nervosismo, ela deixa de experimentar emoções de ansiedade e evita realizar comportamentos que podem aumentar a ansiedade.

Agora, como funcionam os pensamentos das pessoas? Como você pode intervir no estilo cognitivo?Bem, Ellis não apenas projetou a terapia cognitiva como terapia emocional racional, mas também conduziu um estudo abrangente dos pensamentos das pessoas.

Principais teorias cognitivas

A terapia racional emotiva é baseada em duas principais teorias cognitivas.

Teoria -ABC

Terapia emotiva racional (Albert Ellis) Como funciona? 3

Essa teoria, baseada na personalidade e na mudança de personalidade, defende a importância das emoções e do comportamento, mas coloca uma ênfase especial no papel dos pensamentos e das imagens mentais.

Relacionado:  Tanatofobia: sintomas, causas, consequências, tratamentos

A teoria é baseada em um feedback entre A, B e C, onde A se refere à ativação de eventos, B a crenças e pensamentos sobre esses eventos e C a conseqüências emocionais e comportamentais.

Argumenta-se que os pensamentos são importantes mediadores entre eventos e respostas emocionais e comportamentais, pois, dependendo do que você pensa, as situações serão interpretadas de uma maneira ou de outra.

Exemplo

Apresentaremos um exemplo brevemente para entender com mais precisão a operação dessa teoria.

Uma pessoa chega tarde em uma refeição em família e, ao entrar na sala de jantar, todos os parentes o observam.

Essa situação na qual uma pessoa está envolvida atua como um evento ativador (A), que pode provocar uma resposta emocional e comportamental específica (C).

No entanto, o C que causa essa situação diferirá acentuadamente, dependendo do que a pessoa pensa naquele momento, ou seja, de acordo com o conteúdo de B.

Assim, se a pessoa nessa situação (A) pensa que todo mundo está olhando para ele porque está atrasado e com raiva, a resposta emocional e comportamental (C) é mais provável de tristeza, raiva ou desconforto.

No entanto, se a pessoa pensa que todo mundo está olhando para ele porque queria chegar, não o vê há muito tempo e fica feliz por finalmente ter conseguido chegar, a resposta emocional e comportamental será bem diferente.

Nesse caso, as emoções que você sente são provavelmente positivas, você sente felicidade, alegria e satisfação, e seu comportamento subsequente é muito mais positivo.

Vemos que, na mesma situação, a resposta de uma pessoa pode ser muito diferente, dependendo dos pensamentos que aparecem naquele momento.

Crenças irracionais

Após a teoria do ABC, Ellis se concentrou em estudar os principais pensamentos que estão causando sofrimento psicológico e transtornos mentais.

O psicoterapeuta americano agrupou 11 idéias irracionais básicas que as pessoas com transtornos mentais costumam ter e que explicam amplamente seu sofrimento psicológico. Estes são:

  1. Extremo precisa ser amado e aprovado por pessoas importantes.
  2. Preciso ser muito competente, suficiente, eficaz e conseguir tudo o que proponho para me considerar uma pessoa válida.
  3. As pessoas que não agem como “deveriam” são más, infames e devem ser punidas por seus males.
  4. É terrível e catastrófico que as coisas não funcionem como se gostaria.
  5. O infortúnio e o desconforto humano são causados ​​por circunstâncias externas e as pessoas não têm capacidade de controlar suas emoções.
  6. Se algo é ou pode ser perigoso, devo me sentir terrivelmente inquieto com isso e pensar constantemente na possibilidade de isso acontecer.
  7. É mais fácil evitar as responsabilidades e dificuldades da vida do que enfrentá-las.
  8. Preciso aprender com os outros e preciso de alguém mais forte para confiar.
  9. O que aconteceu comigo no passado sempre me afetará
  10. Devo me sentir muito preocupado com os problemas e distúrbios dos outros
  11. Existe uma solução perfeita para todos os problemas e, se eu não encontrar, seria catastrófico.
Relacionado:  Vigorexia: sintomas, causas, conseqüências e tratamentos

Mais tarde, Ellis agrupou essas 11 idéias irracionais em três mais básicas: demandas absolutistas. Estes são:

  1. Auto-centrado
  2. Focado em outras pessoas.
  3. Focado na vida ou no mundo em geral.

Etapas

Ellis comenta que a terapia emocional racional é um tipo de psicoterapia de diretiva ativa, na qual o terapeuta leva o paciente a identificar a origem fisiológica de seus problemas psicológicos.

Da mesma forma, o psicoterapeuta depende de ajudar o paciente a lidar com seus pensamentos e demonstrar que suas atitudes irracionais perturbadoras podem ser modificadas.A terapia pode ser dividida em 3 etapas principais:

Estágio 1: psicoadiagnóstico

O primeiro estágio se concentra na avaliação do paciente e na descoberta de crenças ou idéias irracionais que podem produzir emoções ou comportamentos contraproducentes. D urante a primeira fase, o paciente é ensinado como para contribuir com os seus problemas e os princípios que discutimos na seção anterior são explicados.

Nesta primeira etapa, as seguintes tarefas são executadas:

  1. Os problemas do paciente são classificados como externos, internos ou mistos.
  2. Suas crenças irracionais são detectadas através do relato do paciente.
  3. “Problemas sobre problemas” são detectados, ou seja, as idéias irracionais que aparecem sobre os principais problemas.
  4. Estabeleça metas flexíveis, como trabalhar contraproducente C ou modificar o A, ao qual o paciente está exposto e causando desconforto.
  5. Explique a base da ERT definindo os próprios problemas do paciente como exemplo.
  6. Inicie auto-registros como o seguinte.

Terapia emotiva racional (Albert Ellis) Como funciona? 4

Estágio 2: Informações intelectuais

Na segunda etapa, os seguintes aspectos são esclarecidos para o paciente:

  1. As crenças irracionais atuais são o principal determinante dos problemas emocionais e comportamentais
  2. Embora tenham sido adquiridos na infância, permanecem porque continuam sendo re-doutrinados neles.
  3. Entenda o que as crenças irracionais causam os problemas
  4. Fique ciente de que não há evidências para apoiar idéias irracionais.
  5. Auto-aceitação, mesmo que eles tenham criado e continuem mantendo seus problemas
  6. Entenda que, se eles querem se livrar de suas crenças irracionais, precisam trabalhar duro e intensamente.
Relacionado:  Síndrome de Tourette: sintomas, causas e tratamentos

Esses aspectos são expostos pelo terapeuta de tal maneira que é o próprio paciente quem acaba identificando seu funcionamento por esses princípios e aumenta sua motivação para a mudança e seu envolvimento na terapia.

Estágio 3: Mudança de atitudes

Uma vez que os aspectos do estágio 3 estejam bem consolidados, a reestruturação cognitiva e a mudança de atitudes, crenças, emoções e comportamentos podem começar.

A eficácia dessa terapia baseia-se na forte crença de que a crença irracional é prejudicial e deve ser modificada por uma alternativa, pois esse fato aumenta a motivação e garante que o paciente se esforce para realizá-la.

Dessa maneira, terapeuta e paciente trabalham juntos para minar as atitudes irracionais do paciente e fortalecer as racionais.

Nesta etapa, os autorregistos são de grande valia, pois fornecem amplo material sobre as características das idéias irracionais do paciente.

Da mesma forma, nessa fase, o terapeuta atua de maneira muito didática, ensinando o paciente a raciocinar e utilizando os diálogos socráticos com o objetivo de obter:

  1. Considere suas idéias como uma hipótese para verificar.
  2. Valorize novas idéias racionais e benéficas.
  3. Trabalhe duro para abandonar velhas crenças irracionais.

Referências

  1. Beck, AT (1976). Terapia Cognitiva e Distúrbios Emocionais. Nova York: Universidades Internacionais.
  2. Burgess, PM (1990). Em direção à resolução de questões conceituais na avaliação de sistemas de crenças no Rational Emotive
  3. Horse, Vicente et al. (comp ..) “Manual de técnicas de terapia e modificação de comportamento”. Editorial Século XXI, Espanha. 1998
  4. Ellis, A. (1957). Resultado do emprego de três técnicas de psicoterapia. Journal of Clinical Psychology 13, 344-350.
  5. Lega, L., Caballo, VE e Ellis, A. (2002). Teoria e prática da terapia racional emocional-comportamental. (2ª ed.). Madri: século XXI.
  6. Sutton-Simon, K. (1981). Avaliando sistemas de crenças: Concepções e estratégias. Em PC Kendall e SD Hollon (Dir.), Estratégias de Avaliação para Intervenções Cognitivas Comportamentais. Nova York: Acadêmico.
  7. Fonte da imagem.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies