Anorexia nervosa: características, causas, tipos, consequências

A anorexia nervosa é um transtorno alimentar caracterizado por uma preocupação excessiva com o peso e a forma do corpo, levando a uma restrição extrema da ingestão de alimentos. As pessoas que sofrem de anorexia nervosa geralmente têm uma distorção da imagem corporal, se percebendo como acima do peso mesmo estando abaixo do peso saudável.

As causas da anorexia nervosa podem ser diversas, incluindo fatores genéticos, biológicos, psicológicos e sociais. Pressões da sociedade, problemas familiares, traumas emocionais e baixa autoestima também podem contribuir para o desenvolvimento desse transtorno.

Existem dois tipos principais de anorexia nervosa: o restritivo, no qual a pessoa restringe a quantidade de alimentos consumidos; e o purgativo, no qual a pessoa utiliza métodos como vômitos ou uso de laxantes para evitar o ganho de peso.

As consequências da anorexia nervosa podem ser graves e incluem desnutrição, problemas cardíacos, comprometimento do funcionamento do sistema digestivo, comprometimento da densidade óssea, entre outros. O tratamento da anorexia nervosa envolve uma abordagem multidisciplinar, incluindo acompanhamento médico, psicológico, nutricional e familiar.

Características da anorexia nervosa: o que é importante saber sobre esse transtorno alimentar.

A anorexia nervosa é um transtorno alimentar caracterizado por uma preocupação excessiva com o peso corporal, levando a uma restrição extrema da ingestão de alimentos. Indivíduos com anorexia nervosa têm uma distorção da imagem corporal, o que os leva a acreditar que estão acima do peso, mesmo quando estão extremamente magros.

Além disso, pessoas com anorexia nervosa tendem a evitar comer em público, a fazer exercícios em excesso e a ter rituais alimentares rígidos. Elas também costumam apresentar sintomas físicos como perda de peso significativa, desidratação, fraqueza muscular e problemas gastrointestinais.

É importante saber que a anorexia nervosa pode ter graves consequências para a saúde, como danos ao coração, aos rins e aos ossos. Além disso, o transtorno pode levar à morte se não for tratado adequadamente.

As causas da anorexia nervosa são multifatoriais, envolvendo aspectos genéticos, psicológicos e sociais. Predisposição genética, pressão social por padrões de beleza irreais e traumas emocionais podem contribuir para o desenvolvimento do transtorno.

Existem dois tipos principais de anorexia nervosa: restritivo, no qual a pessoa restringe a quantidade de alimentos consumidos, e purgativo, no qual a pessoa utiliza métodos como vômitos ou uso de laxantes para evitar o ganho de peso.

Em suma, a anorexia nervosa é um transtorno alimentar grave que requer atenção e tratamento especializado. É fundamental buscar ajuda de profissionais de saúde qualificados para lidar com esse problema e evitar complicações sérias para a saúde física e mental.

Principais fatores que desencadeiam a anorexia nervosa: conheça as causas mais comuns.

Anorexia nervosa é um distúrbio alimentar caracterizado pela busca implacável pela magreza extrema, resultando em restrição severa da ingestão de alimentos. Existem vários fatores que podem desencadear o desenvolvimento da anorexia nervosa, sendo importante conhecer as causas mais comuns para identificar e prevenir essa condição.

Um dos principais fatores que desencadeiam a anorexia nervosa é a pressão da sociedade e dos padrões de beleza irrealistas. A mídia, as redes sociais e a cultura da magreza promovem constantemente a imagem do corpo perfeito, levando muitas pessoas a desenvolverem uma obsessão pela magreza e pela aparência física.

Além disso, questões emocionais e psicológicas desempenham um papel significativo no desenvolvimento da anorexia nervosa. Traumas, baixa autoestima, depressão, ansiedade e problemas de relacionamento podem levar uma pessoa a buscar no controle da alimentação uma forma de lidar com suas emoções e sentimentos negativos.

Outro fator importante é a genética, uma vez que a anorexia nervosa pode ter uma predisposição familiar. Estudos mostram que pessoas com histórico familiar de distúrbios alimentares têm maior probabilidade de desenvolver a condição, sugerindo uma influência genética no seu surgimento.

Além disso, o perfeccionismo e a busca incessante pela excelência também podem contribuir para o desenvolvimento da anorexia nervosa. Pessoas que têm padrões de exigência muito elevados consigo mesmas podem acabar transferindo essa cobrança para a sua alimentação e peso, resultando em comportamentos alimentares prejudiciais.

Em suma, a anorexia nervosa é um distúrbio complexo que envolve uma combinação de fatores genéticos, psicológicos, sociais e culturais. É fundamental estar atento aos sinais de alerta e buscar ajuda profissional caso suspeite de que você ou alguém próximo esteja sofrendo com esse transtorno alimentar.

Qual a distinção entre anorexia nervosa e anorexia? Entenda as diferenças entre os transtornos.

Anorexia nervosa e anorexia são termos frequentemente confundidos, mas é importante ressaltar que são transtornos distintos. A anorexia, de forma geral, refere-se à perda de apetite ou falta de desejo de comer. Já a anorexia nervosa é um transtorno alimentar grave, caracterizado por uma preocupação excessiva com o peso, uma imagem distorcida do corpo e uma restrição extrema da alimentação.

A anorexia nervosa pode ser dividida em dois tipos principais: o restritivo, onde a pessoa limita severamente a quantidade de alimentos consumidos, e o purgativo, onde a pessoa utiliza métodos como vômitos ou uso de laxantes para evitar o ganho de peso. Ambos os tipos podem levar a graves consequências para a saúde física e mental.

As causas da anorexia nervosa são complexas e multifatoriais, envolvendo aspectos genéticos, psicológicos, sociais e culturais. Fatores como pressão social por um corpo magro, traumas emocionais, baixa autoestima e perfeccionismo podem contribuir para o desenvolvimento do transtorno.

As consequências da anorexia nervosa podem ser devastadoras, incluindo desnutrição, problemas cardíacos, comprometimento do funcionamento dos órgãos, osteoporose, distúrbios hormonais, entre outros. Além disso, a anorexia nervosa também está associada a altos índices de mortalidade, principalmente devido ao risco de suicídio e complicações físicas.

Em resumo, enquanto a anorexia refere-se à perda de apetite, a anorexia nervosa é um transtorno alimentar grave que requer intervenção médica e psicológica especializada. É fundamental buscar ajuda profissional ao identificar sinais de anorexia nervosa, a fim de evitar complicações e garantir a recuperação da pessoa afetada.

Relacionado:  Megarexia (Fatorexia): sintomas, causas, tratamentos e efeitos

Principais características da bulimia nervosa: Sintomas, comportamentos e complicações associadas à doença alimentar.

A bulimia nervosa é um transtorno alimentar caracterizado por episódios de compulsão alimentar seguidos por comportamentos compensatórios, como vômitos autoinduzidos, uso abusivo de laxantes ou exercícios físicos excessivos. Os principais sintomas da bulimia incluem a ingestão descontrolada de alimentos em um curto período de tempo, seguida por sentimentos de culpa e vergonha. Os indivíduos com bulimia tendem a manter o peso corporal dentro de uma faixa considerada normal, ao contrário dos pacientes com anorexia nervosa.

Os comportamentos associados à bulimia incluem a preocupação excessiva com o peso e a imagem corporal, o medo de ganhar peso, a prática de dietas restritivas e a tendência a se isolar socialmente. Além disso, os pacientes com bulimia podem apresentar oscilações de humor, baixa autoestima e dificuldade em lidar com as emoções. Esses comportamentos podem ter um impacto significativo na qualidade de vida e no bem-estar emocional dos indivíduos afetados.

As complicações associadas à bulimia nervosa incluem desequilíbrios eletrolíticos, problemas gastrointestinais, desidratação, danos no esmalte dos dentes, problemas cardíacos e distúrbios metabólicos. A longo prazo, a bulimia pode levar a complicações graves, como insuficiência renal, arritmias cardíacas e até mesmo risco de morte. Por isso, é fundamental buscar ajuda médica e psicológica especializada para o tratamento adequado dessa doença alimentar.

Anorexia nervosa: características, causas, tipos, consequências

A anorexia nervosa é um transtorno alimentar que faz com que um número muito perigoso para a saúde daqueles que sofrem sintomas. O mais importante é a percepção distorcida da imagem corporal. Os afetados por esta doença têm sobrepeso ou obesidade, mesmo quando são muito magros.

Esse sintoma é a principal causa de todos os outros, entre os quais geralmente há uma perda de peso exagerada, ansiedade sobre a aparência e uma preocupação excessiva em não ganhar peso. Geralmente, esses sintomas levam a pessoa a restringir severamente o que come.

Anorexia nervosa: características, causas, tipos, consequências 1

As consequências da anorexia nervosa podem ser muito graves. Em muitos casos, os afetados pularão as refeições, comerão apenas pequenas quantidades de comida e se exercitarão excessivamente. Se não tratada, a perda de peso resultante pode levar a problemas de saúde ou até a morte.

A anorexia é, infelizmente, um distúrbio cada vez mais comum nas sociedades desenvolvidas. Portanto, neste artigo, dizemos tudo o que se sabe até agora sobre suas causas, sintomas e tratamentos. Como na maioria dos problemas psicológicos, a informação é a melhor arma para combatê-la.

Caracteristicas

Pessoas com anorexia nervosa têm uma percepção equivocada da própria imagem corporal. Independentemente do seu peso ou porcentagem de gordura, você tende a estar acima do peso.

Isso lhes causa um grande desconforto psicológico e os leva a adotar todos os tipos de comportamentos que acabam levando aos sintomas que veremos a seguir.

Esses sintomas geralmente se enquadram em três tipos: comportamental, emocional e saúde. Nesta seção, veremos as duas primeiras, enquanto mais tarde estudaremos as conseqüências que a anorexia nervosa pode ter sobre a saúde daqueles que sofrem com ela.

Sintomas comportamentais

Os sintomas que veremos nesta categoria têm a ver com os comportamentos que as pessoas com anorexia adotam para combater o excesso de peso que percebem.

Embora muitas vezes estejam presentes, isso não é necessário para diagnosticar esse distúrbio; Cada paciente irá desenvolvê-lo de uma maneira diferente.

Restrição da ingestão de alimentos

O sintoma comportamental mais comum entre as pessoas com anorexia nervosa é comer menos do que o necessário para estar bem. Esse comportamento pode aparecer de várias maneiras diferentes, mas estará presente na maioria dos casos em que essa doença ocorre.

Por exemplo, alguns pacientes com anorexia podem simplesmente tentar fazer dieta para restringir as calorias que consomem. Outros evitarão alguns tipos de comida que consideram “ruins”; por exemplo, aqueles que são ricos em gordura, carboidratos ou simplesmente muito calóricos.

Certos pacientes com versões mais extremas de anorexia podem começar a pular refeições ou reduzir exageradamente as quantidades ingeridas. Por exemplo, eles não podiam fazer nada além de uma refeição por dia, beber nada além de frutas ou até realizar períodos prolongados de jejum.

Excesso de exercício

Ao restringir as calorias que consomem, muitas pessoas com anorexia nervosa tentam reduzir ainda mais o peso praticando exercícios físicos. Esse sintoma pode ocorrer de diferentes maneiras, dependendo das preferências pessoais das pessoas afetadas.

Por exemplo, o exercício excessivo inclui atividades como treinar em uma academia várias vezes ao dia, correr muitos quilômetros diariamente ou participar de qualquer outra atividade que a pessoa considere ajudar a perder peso.

Compulsão alimentar seguida de vômito

Um sintoma normalmente associado à bulimia, mas que também pode aparecer na anorexia nervosa, é a auto-provocação do vômito para evitar engordar após uma farra. Ocasionalmente, a pessoa come excessivamente porque não pode se controlar; e então ele se sente culpado e tenta ejetar a comida.

Esse sintoma também pode ocorrer com diferentes variações. Por exemplo, algumas pessoas colocam os dedos na garganta para produzir vômitos. Outros, por outro lado, usarão medicamentos que o induzem. Mesmo, às vezes, eles usam outros produtos, como enemas ou laxantes, para obter um efeito semelhante.

Qual é a diferença, então, entre anorexia e bulimia? Embora os dois distúrbios possam incluir compulsão alimentar seguida de vômito, o restante de suas características não é o mesmo.

Relacionado:  Os 2 tipos de bulimia e suas características

A maior diferença é que as pessoas com anorexia sempre têm um peso abaixo do normal, enquanto isso não precisa ser assim na bulimia.

No entanto, às vezes o diagnóstico diferencial entre as duas doenças pode ser muito complicado.

Mentir sobre certos comportamentos alimentares

Para impedir que as pessoas ao seu redor se preocupem com eles ou tentem mudar seu comportamento, as pessoas com anorexia nervosa tendem a mentir sobre como se comportam com a comida. Esse sintoma pode se tornar muito perigoso, pois dificulta a detecção do problema e, portanto, impede seu tratamento.

Para que esse comportamento se traduz? Pessoas com anorexia podem, por exemplo, esconder que estão comendo menos que o normal. Quando perguntados sobre isso, eles podem mentir dizendo que não sentem fome ou que estão fazendo algumas refeições fora de casa.

Em casos mais extremos, eles podem evitar completamente comer com outras pessoas para não receber perguntas. Quanto mais grave o caso de anorexia, mais graves as mentiras também tendem a ser.

Reclamações sobre a aparência

Outro dos sintomas mais frequentes entre as pessoas com anorexia nervosa é o aparecimento de queixas constantes sobre o corpo. De fato, a base dessa doença está em uma visão distorcida da própria imagem; embora nem todos os pacientes o mencionem em voz alta.

Aqueles que o fazem podem ter comportamentos como olhar constantemente no espelho e reclamar do que veem, lamentar outras pessoas por sua aparência ou olhar fotografias de modelos ou celebridades expressando seu desejo de ser como eles.

Em casos extremos, a pessoa com anorexia pode tentar cobrir seu corpo para impedir que outras pessoas vejam o que consideram imperfeições. Isso pode ser feito, por exemplo, vestindo muitas camadas de roupas ou roupas largas e largas que não revelam sua figura.

Retirada social

Por fim, como esse distúrbio afeta a auto – estima daqueles que sofrem, muitos dos pacientes com anorexia acabam se sentindo desconfortáveis ​​na companhia de outras pessoas. Por causa disso, muitos acabam se isolando de parentes, amigos e entes queridos e prejudicando todas as suas relações sociais.

Sintomas emocionais

Nem todos os sintomas envolvem agir de maneira não saudável ou incomum. As pessoas com anorexia também costumam desenvolver certos padrões emocionais e cognitivos responsáveis ​​por grande parte do sofrimento que sofrem. Nesta seção, veremos alguns dos mais comuns.

Preocupação excessiva com alimentos

As pessoas que sofrem de anorexia geralmente são obcecadas com o que comem e se é “saudável” ou não. Se eles ingerem algo que não consideram adequado, geralmente sentem grande desconforto e se preocupam por horas ou até dias inteiros.

Essa é uma das principais razões pelas quais os anoréxicos evitam comer em situações sociais. Quando são forçados a tomar algo inapropriado, podem acabar desenvolvendo até ataques de ansiedade ou sintomas depressivos por um período mais ou menos longo.

Medo de ganhar peso

Outro dos medos mais comuns entre as pessoas com esse distúrbio é ganhar peso além dos limites que consideram aceitáveis. Essa preocupação é constante e pode resultar em comportamentos como pesagem frequente, medição da gordura corporal ou simplesmente olhar no espelho.

Em um nível emocional, esse sintoma também pode causar problemas como ansiedade, tristeza, retraimento social e mal-estar generalizado.

Anhedonia

Devido à preocupação constante que têm com o peso, as pessoas com anorexia geralmente não têm espaço em mente para nenhuma outra emoção. Portanto, é comum dizer que seus sentimentos se tornam “planos” ; isto é, qualquer coisa que não seja o medo deles perde intensidade.

Assim, por exemplo, é comum que um indivíduo com esse distúrbio perca o interesse em seus hobbies, metas ou objetivos. Em geral, você não sentirá vontade de fazer nada que exija esforço e passará algum tempo realizando atividades simples, como assistir TV ou navegar na Internet.

Por outro lado, como as únicas emoções que sentem são preocupação e ansiedade, essas pessoas tendem a ser muito mais irritáveis ​​que o normal.

Causas

Como na maioria dos distúrbios psicológicos, hoje não se sabe exatamente o que causa a anorexia nervosa. No entanto, existem vários fatores conhecidos que podem influenciar sua aparência. Normalmente, eles são divididos em três grupos: genético, psicológico e social.

Fatores genéticos

Várias investigações sobre o assunto sugerem que existem vários fatores biológicos que podem predispor uma pessoa a desenvolver anorexia nervosa ao longo de sua vida.

Por exemplo, sabe-se que o perfeccionismo tem um forte componente genético, como é o caso da perseverança ou da tendência a ter ansiedade.

Todos esses fatores demonstraram estar mais ou menos relacionados à anorexia. Portanto, poderíamos dizer que há pessoas com maior probabilidade de sofrer desse distúrbio desde que nascem. No entanto, isso não significa que eles tenham que desenvolvê-lo sim ou sim ao longo de sua vida.

Fatores psicológicos

Assim como os fatores genéticos, existem várias características psicológicas que podem tornar a anorexia nervosa mais provável.

Por exemplo, algumas pessoas têm uma personalidade muito perfeccionista ou uma tendência a obsessões. Isso, quando combinado com outros fatores, pode acabar causando o distúrbio.

Fatores sociais

O último tipo de fatores tem a ver teoricamente com a pressão que a sociedade exerce sobre os cidadãos para manter um tipo de imagem corporal.

Essa teoria afirma que, devido às mensagens que recebemos constantemente da mídia, como televisão ou filmes, teríamos uma visão distorcida de como deveria ser o nosso corpo.

Relacionado:  Alexitimia: características, causas, consequências, tratamentos

Esse fator por si só normalmente não é capaz de causar anorexia nervosa; mas quando combinado com alguns dos descritos acima, parece influenciar o início da doença.

Tipos

Existem principalmente dois tipos de anorexia , que se distinguem de acordo com a maneira como a pessoa restringe as calorias que ingere.

A anorexia purgativa é aquela em que os pacientes dependem dos alimentos e depois os vomitam ou expulsam de alguma outra maneira. Sua principal diferença com a bulimia é que, nos últimos, os afetados geralmente apresentam excesso de peso, enquanto na anorexia são geralmente muito mais magros do que o habitual.

Por outro lado, anorexia restritiva é aquela em que os pacientes limitam diretamente a quantidade de alimentos que ingerem. Isso, como já vimos, pode ser feito de várias maneiras: através de dietas, jejuns ou ingestão de alimentos de baixa caloria, pouca gordura ou “dietéticos”.

Em adolescentes

Os adolescentes são um dos grupos mais afetados pela anorexia nervosa e outros distúrbios alimentares semelhantes. Nesta fase da vida, a pressão social e a necessidade de se relacionar com os outros podem fazer com que os jovens obcecem com a imagem corporal a ponto de desenvolver esse problema.

Ao mesmo tempo, os adolescentes ainda não desenvolveram as habilidades necessárias para resistir a essa pressão social. Isso torna muito mais provável que eles acabem sofrendo de anorexia. De acordo com vários estudos, até 36% dos jovens adolescentes apresentariam sintomas dessa síndrome em algum momento.

Embora 90% das pessoas afetadas por distúrbios alimentares sejam mulheres, os meninos adolescentes também podem desenvolver problemas semelhantes. De fato, cada vez mais jovens apresentam princípios de obsessão com o próprio corpo.

Em adultos

Muitas pessoas associam anorexia e distúrbios alimentares a jovens. No entanto, muitos adultos têm sintomas relacionados a esses tipos de problemas. Nas últimas décadas, um grande aumento foi observado entre as pessoas com mais de 30 anos de idade que as desenvolvem.

As causas para essa situação incomum podem ser muitas; mas normalmente acredita-se que tenha a ver com a intensa pressão social que existe para nos manter magros ao longo de nossas vidas.

Isso, juntamente com o estresse que a vida moderna implica para a maioria das pessoas, pode ser suficiente para explicar o que acontece.

Consequências

Não importa se aparece na adolescência ou na vida adulta; A anorexia nervosa, se não for tratada a tempo, pode ter consequências devastadoras para a saúde física e mental das pessoas afetadas.

O resultado mais sério possível é a morte. Uma das possíveis causas é, obviamente, a desnutrição; Mas não é o único. A qualquer momento durante o desenvolvimento da doença, o paciente pode morrer devido a uma arritmia ou uma incompatibilidade dos níveis de eletrólitos.

Outras consequências não tão graves, mas igualmente preocupantes são falhas em alguns órgãos, como coração ou rins, perda de massa muscular e densidade óssea, anemia, perda de menstruação em mulheres e diminuição da testosterona em homens, ou até o aparecimento de danos cerebrais irreversíveis .

Em um nível psicológico, a anorexia nervosa também pode ter consequências muito graves. Por exemplo, os pacientes podem acabar desenvolvendo distúrbios como depressão maior , transtorno obsessivo-compulsivo ou ansiedade generalizada , o que complicaria ainda mais a situação em que eles se encontram.

Tratamentos

Não existe um tratamento único que tenha se mostrado eficaz em todos os casos de anorexia nervosa. No entanto, sabe-se que a intervenção de alguma forma o mais rápido possível é essencial para garantir a recuperação dos pacientes e evitar recaídas futuras.

Independentemente do tipo de tratamento usado para lidar com a doença, normalmente será necessário focar em três objetivos: devolver a pessoa a um peso adequado, tratar os problemas psicológicos relacionados à anorexia e reduzir ou eliminar os pensamentos e comportamentos que a Eles fizeram aparecer.

Uma das maiores dificuldades no tratamento de pessoas com anorexia é que elas geralmente não reconhecem que têm um problema. Devido à natureza do distúrbio em si, eles continuam acreditando que precisam perder peso, mesmo quando estão em um estado de extrema magreza.

Portanto, o primeiro passo para qualquer tratamento será convencer os pacientes de que eles realmente precisam de ajuda. Caso não consiga alcançá-lo, a solução mais comum é colocá-los em um centro especializado onde possam controlar seu comportamento até conseguirem cuidar de sua saúde.

Além de focar no aumento da ingestão calórica aos poucos, os tratamentos para anorexia sempre incluem algum tipo de psicoterapia para resolver o problema raiz.

Às vezes, também é possível usar certos medicamentos psicoativos para aliviar alguns dos problemas psicológicos mais graves que levaram ao desenvolvimento do distúrbio em primeiro lugar.

Referências

  1. “Anorexia nervosa” em: Clínica Mayo. Retirado em: 09 de novembro de 2018 da Clínica Mayo: mayoclinic.org.
  2. “Anorexia Nervosa: causas, sintomas, sinais e tratamento ajudam” em: Transtorno Alimentar Esperança. Retirado em: 09 de novembro de 2018 de Eating Disorder Hope: eatingdisorderhope.com.
  3. “Anorexia nervosa: o que você precisa saber” em: Medical News Today. Retirado em: 09 de novembro de 2018 da Medical News Today: medicalnewstoday.com.
  4. “Anorexia nervosa: o que é e por que ocorre” in: In Family.
    Retirado em: 09 de novembro de 2018 de En Familia: enfamilia.aeped.es.
  5. “Anorexia nervosa” em: Wikipedia. Retirado em: 09 de novembro de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário