Tomada da Bastilha: causas, desenvolvimento, consequências

A tomada da Bastilha, uma prisão famosa por abrigar adversários conhecidos da monarquia, foi o evento que marcou o início da Revolução Francesa. Em 14 de julho de 1789, um grande grupo de cidadãos parisienses assumiu o controle, depois de alguns dias de atividade política frenética.

Embora, por si só, a Bastilha não fosse um objetivo importante, ela possuía um componente simbólico importante. Assim, para muitos franceses, ele representava o rei e o absolutismo, o ataque mostrou descontentamento em relação a um sistema político que apenas favorecia a aristocracia, a nobreza e o clero.

Tomada da Bastilha: causas, desenvolvimento, consequências 1

Tomada da Bastilha – Fonte: Jean-Pierre Houël [Domínio público]

Antes do ataque à prisão, o Terceiro Estado, formado pela burguesia e pelo povo comum, começou a tomar as medidas necessárias para aumentar seu poder. Para isso, criaram uma Assembléia Nacional Constituinte, sem a participação das classes altas da sociedade.

O medo de que o rei enviasse o exército para reprimir o povo, que havia saído para protestar, causou várias explosões de violência, incluindo a tomada da Bastilha. A consequência mais imediata foi que o rei Luís XVI foi forçado a aceitar um governo constitucional.

Antecedentes

A crise financeira que atingiu a França durante o reinado de Luís XVI foi agravada pela participação do país em vários conflitos de guerra. Para isso, devemos acrescentar o desperdício da Corte Real, anos de más colheitas e um sistema tributário que apenas tributou o Terceiro Estado e não a nobreza.

O descontentamento popular aumentou e o rei, aconselhado por seu ministro das Finanças, Necker, decidiu convocar os Estados Gerais em maio de 1789. Era um organismo semelhante a um Parlamento, com representantes de cada estado. O monarca, para acalmar a situação, parecia disposto a aumentar a presença do Terceiro Estado.

Bloqueio de discussão

No entanto, a nobreza e o clero não aceitaram o plano do monarca e bloquearam os debates. A reação do Terceiro Estado, apoiada por uma parte do clero inferior, foi deixar os Estados Gerais e formar uma Assembléia Nacional, em 17 de junho de 1789.

Luís XVI teve que acabar reconhecendo a autoridade daquela Assembléia. Em 9 de junho, foi proclamada Assembléia Nacional Constituinte e começou a trabalhar para redigir uma constituição.

A própria Assembléia Nacional havia demonstrado suas intenções quando fez o chamado Juramento do Jogo de Bola e aprovou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão: acabar com o absolutismo e os privilégios da aristocracia.

Milícia popular

Os membros da Assembléia Nacional não confiavam no monarca. Por esse motivo, eles criaram uma milícia popular composta por 48.000 homens para se defenderem caso as autoridades enviassem o exército.

Naquela época, a situação em Paris era muito tensa. A população apoiou a Assembléia e suas decisões foram comentadas e debatidas na rua. Até parte do exército começou a mostrar simpatia pela causa popular.

Destino de Necker

Enquanto isso, o rei decidiu seguir o conselho dos nobres e começou a concentrar tropas nas imediações da cidade. Além disso, Jacques Necker, ministro das Finanças que tentou reformar o sistema tributário para evitar penalizar o Terceiro Estado, cessou.

Esta notícia chegou às ruas da capital francesa em 12 de julho. Para a maioria dos parisienses, a privação de Necker foi o anúncio de um futuro golpe pelos setores mais conservadores.

Os habitantes da cidade saíram, reunindo quase 10.000 pessoas perto do Palais Royal. Lá, Camille Desmoulins, pediu aos cidadãos que pegassem em armas para defender a Assembléia.

13 de julho de 1789

Durante a noite do dia 13, a violência se espalhou por Paris. Além do impeachment de Necker e da ameaça à Assembléia, os rebeldes exigiram que o preço do pão e do trigo fosse reduzido, alimentos básicos que haviam aumentado consideravelmente.

Horas depois, uma multidão se reuniu em torno da prefeitura, enquanto saques e ataques ocorreram em várias áreas.

A Guarda Nacional, um nome dado à milícia cidadã, tentou impedir a pilhagem, mas não tinha armas para isso. Para obtê-los, eles invadiram vários edifícios nos quais as armas estavam armazenadas. Um desses lugares era Invalides, mas o governador se recusou a entregar as armas que estavam lá.

Já naquela época, muitos dos insurgentes começaram a lançar slogans de assalto à Bastilha, onde havia um armazém cheio de pólvora.

Causas

As causas que levaram à tomada da Bastilha foram, em geral, as mesmas que causaram a Revolução Francesa.

Entre eles está a má situação econômica do país. A maioria da população, que não fazia parte da nobreza, do clero ou da família real, culpou o desperdício da Corte pelo aumento no preço das necessidades. Além disso, más colheitas causaram episódios de fome.

Para isso, devemos acrescentar o sistema absolutista e estatal que governava o país. Na cúspide estava o rei, com poder quase absoluto e, atrás dele, dois setores privilegiados, a aristocracia e o clero. O resto da população quase não tinha direitos políticos e, além disso, eles tiveram que pagar impostos.

A crescente importância econômica da burguesia não tinha correspondência com seu poder político nulo, que foi uma das causas para colocá-los na vanguarda da Revolução.

A Bastilha como um símbolo da monarquia

A Bastilha era uma fortaleza convertida em prisão na época do rei Luís XIV. Dessa maneira, tornou-se o destino de todos os oponentes da monarquia, tornando-se um símbolo do absolutismo.

O ideólogo da conversão da fortaleza em prisão estadual fora o cardeal Richelieu. Ele havia decidido prender os acusados ​​de crimes políticos, apenas uma ordem do rei para condená-los.

O edifício tinha uma forma retangular e era protegido por uma parede com uma extensão de 30 metros. Com oito torres circulares em seu perímetro, a fortaleza era cercada por um fosso e tinha apenas uma porta. Isso tornou uma meta realmente complicada para os revolucionários.

Estes, em princípio, chegaram à Bastilha para estocar armas e munições. No entanto, quando os responsáveis ​​pela prisão se recusaram a entregá-los, decidiram tomá-la à força.

Desenvolvimento e características

Uma das características mais importantes da captura da Bastilha, e de toda a Revolução Francesa, foi o fato de ser uma revolta popular. Os líderes eram majoritariamente burgueses, acompanhados nas ruas pelo resto do chamado Terceiro Estado.

Antes do assalto à prisão, um evento poderia ter mudado a história. A poucos metros dos Invalids havia um destacamento militar, pronto para agir contra a multidão que protestava.

Quando o Barão De Besenval, comandando essas tropas, perguntou aos chefes de cada corpo se os soldados estariam dispostos a atirar nas congregações, a resposta unânime foi não.

Cerco da Bastilha

A Bastilha tinha apenas 30 guardas e um pequeno grupo de veteranos para sua defesa. Naquela época, havia apenas sete prisioneiros, nenhum deles de importância especial.

Por sua parte, os agressores quase alcançaram os mil. No meio da manhã de 14 de julho, eles se reuniram do lado de fora. Seus pedidos eram de que os defensores entregassem a prisão e pudessem acessar as armas e pólvora que estavam armazenadas no interior.

A Assembléia dos eleitores de Paris enviou uma delegação para negociar com os defensores sua rendição. Após o primeiro contato, uma segunda delegação retomou as negociações. Nesse caso, os enviados foram Jacques Alexis Hamard Thuriot e Louis Ethis de Corny, que também não alcançaram seus objetivos.

A recusa fez com que os espíritos das congregações ficassem excitados. A primeira tentativa de ataque, bastante desorganizada, começou por volta das 13h30, quando parte dos presentes entrou no pátio externo.

Para favorecer a tomada do edifício, eles começaram a baixar a ponte levadiça, quebrando as correntes que o sustentavam. Eles foram respondidos com tiros, o que causou muitas vítimas.

Meia hora depois, uma nova delegação tentou novamente encerrar o cerco sem usar violência. Mais uma vez, sem resultados.

Assalto

A quarta tentativa de negociação ocorreu por volta das 15 horas, com outra recusa dos guardas. Foi quando o verdadeiro ataque começou. Não se sabe cem por cento quem começou a atirar, mas logo uma verdadeira batalha estourou. A estrutura da prisão tornou sua tomada muito complicada e a luta ficou mais intensa.

Após 30 minutos, os agressores receberam reforços, juntando-se a 61 guardas que haviam desertado das tropas regulares. À frente desses guardas estava Pierre-Augustin Hulin, que ocupara o cargo de sargento na Guarda Suíça.

Para seu treinamento militar, esses guardas juntaram armas que haviam pegado em The Invalids, além de entre 2 e 5 armas.

Capitulação

O ataque causou quase 100 vítimas entre os agressores até que, por volta das 17h, os defensores da Bastilha ordenaram que parassem de atirar. Apesar de sua vantagem estratégica, eles estavam cientes de que não poderiam resistir por muito mais tempo, então enviaram aos atacantes uma carta com os termos de sua rendição.

Entre as condições para entregar a Bastilha, eles exigiram que não houvesse represálias contra os defensores. Embora as demandas tenham sido rejeitadas, os sitiados finalmente entregaram a fortaleza. Por volta das 17h30, os parisienses entraram e assumiram o controle.

A guarnição que defendia a prisão foi transferida para a prefeitura. Embora a Guarda Nacional tenha tentado evitar incidentes, durante a transferência, a multidão linchou quatro policiais.

Alheio ao que aconteceu, Luís XVI ordenou que seu exército evacuasse a capital. O mandato chegou à prefeitura ao amanhecer.

Consequências

A tomada da Bastilha marcou o início da Revolução Francesa. Em todo o país houve revoltas contra as autoridades, que usaram as tropas estrangeiras presentes para tentar recuperar o controle.

A revolução começa

No dia seguinte ao ataque à Bastilha, por volta das 8 horas da manhã, o rei Luís XVI foi informado do que aconteceu pelo duque do duque de Liancourt. O monarca mostrou surpresa e, segundo os cronistas, ele só pôde dizer ao interlocutor: “mas, Liancourt, isso é uma revolta”. A resposta foi muito simples e precisa: “Não, senhor”, disse ele, “é uma revolução”.

Enquanto isso, em Paris, os cidadãos entrincheiraram-se, esperando a resposta das tropas reais. Em Versalhes, com a Assembléia reunida, um golpe de estado estava prestes a ocorrer por parte dos promonarquistas, sem que finalmente acontecesse.

Mudança de regime

Os temores dos rebeldes sobre uma resposta militar não foram confirmados. Na manhã do mesmo dia 15, o rei entendeu sua derrota e ordenou que as tropas recuassem.

O Marquês de La Fayette foi nomeado chefe da Guarda Nacional em Paris, enquanto o líder do Terceiro Estado, Jean-Sylvain Bailly, foi eleito prefeito da capital.

O monarca, como gesto de boa vontade, anunciou que Necker seria restaurado ao seu cargo, além de seu retorno de Versalhes a Paris. Em 27 de julho, já na capital, o monarca concordou em levar o símbolo da revolução: um cocar tricolor.

Os revolucionários logo começaram a implementar suas medidas políticas. A monarquia, por outro lado, não teve escolha senão aceitá-las para manter o trono.

Eliminação de privilégios estáticos

A conseqüência social mais importante dos eventos que se seguiram à tomada da Bastilha foi a eliminação dos privilégios da aristocracia e do clero. Dessa maneira, a Assembléia encerrou os fundamentos do sistema feudal.

Entre outras medidas, os representantes dos cidadãos decretaram um preço justo pela terra e eliminaram guildas e corporações.

Explosões revolucionárias também ocorreram em áreas rurais. Camponeses invadiram castelos e residências da nobreza, bem como escritórios de cobrança de impostos.

Por um tempo, uma monarquia constitucional permaneceu, embora o rei permanecesse prisioneiro nas Tulherias após ser descoberto tentando deixar a França. Em 1792, surgiram evidências de que ele estava tentando conspirar contra a Assembléia e as pessoas agrediram a prisão.

As funções do monarca foram abolidas e, em 20 de setembro, a França se tornou uma república.

Personagens principais envolvidos

Muitos foram os personagens que participaram da captura da Bastilha, tanto entre os defensores quanto entre os agressores.

Bernard-René Jordan de Launay

Launay foi o último governador da Bastilha, desde que ele estava destinado, praticamente, desde seu nascimento. Seu pai ocupava o mesmo cargo e Bernard-René nasceu na fortaleza convertida em prisão.

Durante o ataque, Launay não recebeu nenhuma ordem de seus superiores, então teve que tomar a iniciativa. Primeiro, ele se recusou a abrir as portas e entregar a pólvora e as armas que estavam armazenadas ali, mas, depois da batalha que se seguiu, ele não teve escolha a não ser ceder.

O governador foi preso e transferido para a prefeitura. No entanto, ele nunca chegou ao seu destino, pois foi linchado pela multidão ao longo do caminho.

Jean-Sylvain Bailly, Jacques Alexis Hamard Thuriot e Louis Ethis de Corny

Eles faziam parte das diferentes delegações que entraram na Bastilha para tentar defender os defensores. Dos três, quem alcançou o maior reconhecimento foi Bailly, pois era prefeito de Paris e foi quem deu ao rei Luís XIV o cocar tricolor, símbolo da revolução.

Como muitos outros revolucionários, ele acabou sendo julgado e condenado por seus próprios companheiros. Ele foi guilhotinado em 12 de novembro de 1791.

Pierre-Augustin Hulin

Membro da Guarda Suíça, órgão em que alcançou o posto de sargento, foi um dos líderes da Bastilha. Ele se tornou um comandante dos Voluntários da Bastilha, embora, mais tarde, acabasse na prisão por ser um membro da facção mais moderada.

Os historiadores afirmam que foi ele quem ordenou o disparo da fortaleza durante o ataque, o que desencadeou a resposta dos defensores.

Camille Desmoulins

Camille Desmoulins foi um dos ideólogos da Bastilha. Desde o início, ele foi a favor da implantação de uma república como o melhor método para acabar com o sistema absolutista francês.

Dias antes do ataque à Bastilha, Desmoulin convocou os parisienses para se manifestarem em frente ao Palácio Real, considerado o antecedente imediato da captura da prisão.

Já durante o período chamado de Terror, Desmoulins acabou em desacordo com Maximilien de Robespierre. Finalmente, ele foi preso e executado em 5 de abril de 1794.

Referências

  1. National Geographic 14 de julho de 1789, a tomada da Bastilha. Obtido em nationalgeographic.com
  2. Martí, Miriam. A tomada da Bastilha. Obtido em sobrefrancia.com
  3. Ecured Pegue a Bastilha. Obtido de ecured.cu
  4. Salem Media Por que a invasão da Bastilha foi importante? Obtido em historyonthenet.com
  5. Jennifer Llewellyn, Steve Thompson. A Queda da Bastilha. Obtido em alphahistory.com
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Bastille Obtido em britannica.com
  7. Bos, Carole. Revolução Francesa – Assolando a Bastilha. Obtido em awesomestories.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies