Transtorno de ansiedade generalizada: sintomas, causas

O Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) é uma condição caracterizada por um estado constante de preocupação e ansiedade excessiva em relação a diversas situações do dia a dia. Os sintomas incluem inquietação, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular, insônia e fadiga. As causas do TAG podem ser variadas, envolvendo fatores genéticos, ambientais, biológicos e psicológicos. O tratamento geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, medicação e técnicas de relaxamento. É importante buscar ajuda profissional para lidar com o transtorno e melhorar a qualidade de vida.

Fatores que podem desencadear o transtorno de ansiedade generalizada.

O transtorno de ansiedade generalizada é uma condição caracterizada por preocupação excessiva e persistente em relação a diversas situações da vida. Existem diversos fatores que podem desencadear esse transtorno, contribuindo para o seu desenvolvimento.

Um dos principais fatores que podem desencadear o transtorno de ansiedade generalizada é o estresse crônico. Pessoas que passam por situações de estresse intenso e prolongado, seja no trabalho, nos relacionamentos ou em outras áreas da vida, têm maior propensão a desenvolver o transtorno. O genética também desempenha um papel importante, já que indivíduos com histórico familiar de transtornos de ansiedade têm maior probabilidade de desenvolver a condição.

Além disso, experiências traumáticas, como abuso, violência ou perda de entes queridos, podem desencadear o transtorno de ansiedade generalizada. O uso excessivo de substâncias como álcool, drogas e medicamentos também pode contribuir para o desenvolvimento do transtorno.

Por fim, fatores ambientais, como pressão social, instabilidade financeira e eventos estressantes, podem desencadear o transtorno de ansiedade generalizada em algumas pessoas. É importante estar atento aos sinais e sintomas do transtorno, buscando ajuda profissional quando necessário para um diagnóstico e tratamento adequados.

Minha jornada de superação: venci a ansiedade generalizada e encontrei a cura.

O Transtorno de ansiedade generalizada é uma condição mental que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Os sintomas dessa doença incluem preocupação excessiva, nervosismo constante, dificuldade de concentração e insônia. As causas desse transtorno podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente estão relacionadas a fatores genéticos, ambientais e psicológicos.

Eu, pessoalmente, sofri por anos com a ansiedade generalizada. Sentia-me constantemente sobrecarregado, preocupado com o futuro e incapaz de relaxar. Isso afetou minha vida pessoal e profissional de maneira significativa. Decidi buscar ajuda profissional e comecei a fazer terapia e medicação para lidar com a minha condição.

A jornada de superação não foi fácil. Enfrentei muitos obstáculos e recaídas ao longo do caminho. No entanto, com o apoio da minha família, amigos e profissionais de saúde mental, consegui superar a ansiedade generalizada. Aprendi a enfrentar meus medos, a controlar meus pensamentos negativos e a encontrar a paz interior que tanto buscava.

Hoje, posso dizer com orgulho que venci a ansiedade generalizada e encontrei a cura. Aprendi a gerenciar meus sintomas, a praticar a autocuidado e a manter uma mente saudável. Espero que minha história possa inspirar outras pessoas que estão lutando contra a mesma condição a não desistir e a buscar ajuda. A superação é possível e a cura está ao alcance de todos.

Fatores que contribuem para o desenvolvimento da ansiedade em indivíduos vulneráveis.

Para entender melhor o Transtorno de ansiedade generalizada, é importante analisar os fatores que contribuem para o desenvolvimento da ansiedade em indivíduos vulneráveis. Existem diversos elementos que podem desencadear ou agravar a ansiedade em pessoas predispostas, tornando-as mais suscetíveis a desenvolver um quadro de ansiedade generalizada.

Um dos principais fatores que contribuem para o desenvolvimento da ansiedade em indivíduos vulneráveis é o estresse crônico. Quando uma pessoa é exposta a situações estressantes de forma constante e prolongada, o seu organismo pode reagir de forma desregulada, aumentando os níveis de cortisol no sangue e desencadeando sintomas de ansiedade.

Além disso, a genética também desempenha um papel importante no desenvolvimento da ansiedade. Indivíduos com histórico familiar de transtornos de ansiedade têm uma maior probabilidade de desenvolver o transtorno eles mesmos, devido à predisposição genética para a ansiedade.

Outro fator que contribui para o desenvolvimento da ansiedade em pessoas vulneráveis é a presença de eventos traumáticos na vida do indivíduo. Traumas emocionais, abusos físicos ou psicológicos, perdas significativas, entre outros eventos traumáticos, podem desencadear um quadro de ansiedade generalizada em pessoas predispostas.

Além disso, a personalidade do indivíduo também pode influenciar no desenvolvimento da ansiedade. Pessoas mais introvertidas, perfeccionistas e autocríticas tendem a apresentar um maior risco de desenvolver transtornos de ansiedade, devido à forma como lidam com as pressões e demandas do dia a dia.

Em suma, os fatores que contribuem para o desenvolvimento da ansiedade em indivíduos vulneráveis são diversos e complexos. O estresse crônico, a genética, os eventos traumáticos e a personalidade do indivíduo são apenas alguns dos elementos que podem desencadear ou agravar a ansiedade em pessoas predispostas, tornando importante a identificação precoce e o tratamento adequado do Transtorno de ansiedade generalizada.

Quando a ansiedade atinge níveis preocupantes: como identificar e lidar com isso?

Quando a ansiedade atinge níveis preocupantes, pode se tornar um transtorno de ansiedade generalizada, afetando significativamente a qualidade de vida da pessoa. Identificar os sintomas e lidar com essa condição é fundamental para buscar ajuda e tratamento adequado.

Alguns dos sintomas do transtorno de ansiedade generalizada incluem preocupação excessiva, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular e problemas de sono. Esses sintomas podem interferir nas atividades diárias e nas relações interpessoais.

Relacionado:  Cromoterapia: aplicação, cores, usos, contra-indicações

As causas do transtorno de ansiedade generalizada podem estar relacionadas a fatores genéticos, ambientais e psicológicos. Pessoas com histórico de ansiedade na família, eventos estressantes ou traumáticos e disfunções neuroquímicas podem estar mais propensas a desenvolver esse transtorno.

Para lidar com a ansiedade em níveis preocupantes, é importante buscar ajuda profissional. Um psicólogo ou psiquiatra pode realizar uma avaliação adequada e indicar o tratamento mais adequado, que pode incluir terapia cognitivo-comportamental, medicamentos e técnicas de relaxamento.

Além disso, algumas estratégias podem ser adotadas no dia a dia para lidar com a ansiedade, como praticar exercícios físicos regularmente, manter uma alimentação saudável, praticar técnicas de respiração e meditação, estabelecer uma rotina de sono adequada e buscar atividades que proporcionem prazer e relaxamento.

Com o tratamento adequado e a adoção de estratégias para reduzir a ansiedade, é possível melhorar a qualidade de vida e o bem-estar emocional.

Transtorno de ansiedade generalizada: sintomas, causas

O transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é caracterizada pela preocupação indiscriminada sobre qualquer coisa.A preocupação pode ser útil porque permite que você se prepare para desafios vitais (passe em um exame, faça um bom trabalho), embora nesse distúrbio essa preocupação seja improdutiva e indesejável.

Esse excesso de preocupação interfere no funcionamento da vida cotidiana, pois a pessoa antecipa o desastre em diferentes áreas: dinheiro, morte, família, amigos, relacionamentos, trabalho …

Transtorno de ansiedade generalizada: sintomas, causas 1

A cada ano, 6,8 milhões de americanos e 2% dos adultos europeus experimentam transtorno de ansiedade generalizada (doravante GAD).Ocorre duas vezes mais em mulheres do que em homens e é mais comum em pessoas com histórico de abuso de substâncias e com membros da família com histórico de transtornos de ansiedade.

Uma vez que o TAG se desenvolve, ele pode ser crônico, embora possa ser controlado com tratamento adequado.Nos Estados Unidos, é a principal causa de incapacidade no trabalho.

Diferença entre preocupação “normal” e transtorno de ansiedade generalizada

Preocupações, medos e dúvidas são uma parte normal da vida.É normal ficar preocupado com a nota do exame ou se preocupar com economia doméstica.

A diferença entre esses tipos de preocupações normais e as do TAG é que os do TAG são:

  • Excessivo
  • Intrusos
  • Persistente
  • Enfraquecimento

Por exemplo, depois de ver uma história sobre um ataque terrorista em outro país, a pessoa normal pode se sentir temporariamente preocupada.No entanto, uma pessoa com GAD pode ficar acordada a noite toda ou se preocupar por dias se pode haver um ataque próximo.

Preocupações normais:

  • A preocupação não interfere nas atividades e responsabilidades diárias
  • Há capacidade de controlar a preocupação
  • A preocupação é desagradável, embora não cause estresse significativo.
  • As preocupações são limitadas a um número pequeno e são realistas.
  • Preocupações ou dúvidas duram um pequeno período de tempo.

TAG:

  • Preocupações interferem na vida profissional, social ou pessoal
  • A preocupação é incontrolável
  • A preocupação é extremamente desagradável e estressante
  • A preocupação se estende a todos os tipos de problemas e o pior é esperado
  • A preocupação é dada diariamente por pelo menos seis meses.

Sintomas de ansiedade generalizada

O TAG pode incluir:

  • Preocupações ou obsessões persistentes desproporcionais ao evento
  • Incapacidade de deixar de lado uma preocupação
  • Incapacidade de relaxar
  • Dificuldade de concentração
  • Preocupe-se com preocupações excessivas
  • Estresse sobre a tomada de decisões erradas
  • Dificuldades em lidar com incertezas ou indecisões.

Pode haver os seguintes sinais físicos:

  • Fadiga
  • Irritabilidade
  • Tensão muscular
  • Tremores
  • Surpreenda-se facilmente
  • Suor
  • Náusea, diarréia ou síndrome do intestino irritável
  • Dores de cabeça.

Sintomas em crianças e adolescentes

Além dos sintomas acima, crianças e adolescentes com TAG podem ter preocupações excessivas com:

  • Desempenho escolar ou esportivo
  • Pontualidade
  • Terremotos, guerras, eventos catastróficos.

Eles também podem experimentar:

  • Ansiedade excessiva para se ajustar
  • Seja um perfeccionista
  • Refazer tarefas porque elas não são perfeitas na primeira vez
  • Gaste muito tempo fazendo lição de casa
  • Falta de auto-estima
  • Procurar aprovação

Sintomas de ativação autonômica

  • Palpitações, batimento cardíaco ou batimento cardíaco acelerado.
  • Sudorese
  • Tremores
  • Boca seca (não devido à desidratação ou medicação).

Sintomas relativos ao peito e abdômen

  • Falta de ar
  • Sensação de asfixia
  • Dor ou desconforto no peito
  • Náusea ou desconforto abdominal.

Sintomas relativos ao cérebro e à mente

  • Sentindo-se instável, tonto ou fraco
  • Sentimentos de que os objetos são irreais (desrealização) ou que um está distante ou não está realmente “aqui” (despersonalização)
  • Com medo de perder o controle enlouquecendo ou desmaiando
  • Com medo de morrer

Sintomas gerais

  • Ondas de calor ou calafrios
  • Sensações de homirgueo ou dormência.

Sintomas de tensão

  • Tensão ou dores musculares
  • Inquietação e incapacidade de relaxar
  • Sensação de excitação ou tensão mental
  • Sensação de nó na garganta ou dificuldade em engolir

Outros sintomas inespecíficos

  • Resposta exagerada e surpresas ou choques
  • Dificuldade de concentração ou mente vazia devido a preocupação ou ansiedade
  • Irritabilidade persistente
  • Problemas para dormir devido à preocupação.

Causas

Como em outras condições mentais, a causa exata do TAG não é conhecida, embora possa incluir fatores genéticos e outros fatores de risco.

Genetics

Um terço da variação do GAD é atribuído aos genes. Pessoas com predisposição genética para o TAG são mais propensas a desenvolvê-lo, especialmente em resposta a um estressor vital.

Relacionado:  Clinofilia: sintomas, causas e tratamentos

Uso de substâncias

O uso prolongado de benzodiazepínicos pode piorar a ansiedade, enquanto a redução de benzodiazepínicos pode diminuir seus sintomas.

Além disso, o consumo prolongado de álcool está associado a transtornos de ansiedade, com evidências de que a retirada prolongada pode resultar no desaparecimento dos sintomas.

A recuperação dos benzodiazepínicos tende a demorar muito mais que a do álcool, mas a saúde anterior pode ser recuperada.

O tabagismo também foi estabelecido como fator de risco para o desenvolvimento de transtornos de ansiedade, assim como o consumo de cafeína.

Mecanismo fisiológico

O TAG foi associado a uma interrupção do funcionamento da amígdala e ao processamento de medo e ansiedade.

A informação sensorial entra na amígdala através do núcleo basolateral complexo. O complexo basolateral processa memórias relacionadas ao medo e comunica a importância de ameaças a outros locais do cérebro, como o córtex pré – frontal medial e os córtices sensoriais.

Diagnóstico

Transtorno de ansiedade generalizada: sintomas, causas 2

Pessoas com TAG podem visitar um médico muitas vezes antes de descobrir seu distúrbio.

Eles perguntam aos médicos sobre dores de cabeça e problemas para dormir, embora sua verdadeira patologia nem sempre seja descoberta.

Antes de tudo, é aconselhável procurar um médico para garantir que não haja problemas físicos que estejam causando os sintomas. Em seguida, o médico pode encaminhar o paciente a um especialista em saúde mental.

Critérios de diagnóstico para transtorno de ansiedade generalizada – DSM V

Os critérios de diagnóstico para transtorno de ansiedade generalizada, definidos pelo DSM V, publicado pela Association of American Psychologists (APA) são:

A. Ansiedade e preocupação excessivas (expectativa apreensiva), que ocorrem na maioria dos dias durante um período de 6 meses em relação a várias atividades ou eventos.

B. O indivíduo acha difícil controlar a preocupação.

C. A ansiedade e a preocupação estão associadas a três ou mais dos seis sintomas a seguir (com pelo menos alguns dos sintomas presentes na maioria dos dias durante um período de 6 meses).

Nota: em crianças, apenas um item é suficiente):

  • Inquietação
  • Fadiga facilmente
  • Problema de concentração ou mente vazia
  • Irritabilidade
  • Tensão muscular
  • Distúrbio do sono

D. Ansiedade, preocupação ou sintomas físicos causam desconforto significativo ou áreas sociais, ocupacionais ou outras áreas importantes da vida.

E. O distúrbio não pode ser atribuído aos efeitos de uma substância (por exemplo, droga, medicamento) ou outra condição médica (por exemplo, hipertireoidismo).

F. O distúrbio não é melhor explicado por outro transtorno mental (por exemplo, ansiedade ou preocupação em ter ataques de pânico, avaliações negativas na fobia social, obsessões no transtorno obsessivo-compulsivo, separação de figuras de apego no transtorno de ansiedade de separação, lembranças de eventos traumáticos no estresse pós-traumático, aumento de peso na anorexia nervosa, queixas físicas em distúrbios somáticos, defeitos físicos no distúrbio dismórfico corporal ou crenças equivocadas na esquizofrenia ou distúrbio delirante).

Critérios de acordo com a CID-10

R. Um período de pelo menos 6 meses com tensão, preocupação e sentimentos de apreensão importantes sobre eventos e problemas diários.

B. Pelo menos quatro sintomas da lista de itens a seguir devem estar presentes, com pelo menos um dos itens de 1 a 4.

C. O distúrbio não atende aos critérios para transtorno do pânico, fobias, transtorno obsessivo-compulsivo ou hipocôndria.

D. Critérios de exclusão mais comumente usados: não são suportados por um distúrbio físico, como hipertireoidismo, um distúrbio mental orgânico ou um distúrbio de uso de substâncias.

Quando procurar ajuda de um profissional?

Como mencionado anteriormente, alguma ansiedade é normal, embora seja aconselhável consultar um profissional se:

  • Ele sente muita preocupação e interfere no trabalho, nos relacionamentos pessoais ou em outras áreas importantes da vida.
  • Sentimentos depressivos, problemas com álcool ou outras drogas
  • Outros problemas relacionados à ansiedade
  • Pensamentos ou comportamentos suicidas.

As preocupações geralmente não desaparecem sozinhas e, de fato, geralmente pioram.

Tratamento

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é mais eficaz a longo prazo do que os medicamentos (como os ISRS) e, embora ambos os tratamentos reduzam a ansiedade, a TCC é mais eficaz na redução da depressão.

A ansiedade generalizada é um distúrbio baseado em componentes psicológicos que inclui evasão cognitiva, preocupações, resolução ineficaz de problemas e processamento emocional, problemas interpessoais, intolerância à incerteza, ativação emocional, baixa compreensão das emoções …

Para combater aspectos cognitivos e emocionais anteriores, os psicólogos geralmente incluem alguns dos seguintes componentes no plano de intervenção: técnicas de relaxamento, reestruturação cognitiva, controle progressivo de estímulos, autocontrole, abordagem do momento presente (atenção plena), técnicas de resolução problemas, socialização, treinamento em habilidades emocionais, psicoeducação e exercícios de aceitação.

Terapia Comportamental Cognitiva (TCC)

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é um método que exige trabalhar com o paciente para entender como seus pensamentos e emoções influenciam seu comportamento.

O objetivo da terapia é mudar os padrões negativos de pensamento que levam à ansiedade, substituindo-os por pensamentos mais positivos e realistas.

Os elementos da terapia incluem estratégias de exposição para permitir que o paciente enfrente gradualmente sua ansiedade e se sinta mais confortável nas situações que a causam.

A TCC pode ser usada sozinha ou com medicamentos.

Os componentes da TCC para tratar o TAG incluem: psicoeducação, auto-observação, técnicas de controle de estímulos, técnicas de relaxamento, técnicas de autocontrole, reestruturação cognitiva, exposição a preocupações (dessensibilização sistemática) e solução de problemas.

  • O primeiro passo no tratamento é a psicoeducação, que requer fornecer ao paciente informações sobre o distúrbio e seu tratamento. O objetivo da educação é designar a doença, criar motivação para o tratamento e dar expectativas realistas sobre o tratamento.
  • A auto-observação requer monitoramento dos níveis de ansiedade e dos eventos que a causaram. Seu objetivo é identificar os sinais que causam ansiedade.
  • O controle de estímulos visa minimizar as condições estimulantes nas quais as preocupações ocorrem.
  • Técnicas de relaxamento reduzem o estresse.
  • A reestruturação cognitiva visa construir uma visão mais funcional e adaptativa do mundo, do futuro e do próprio paciente.
  • A solução de problemas se concentra na solução dos problemas atuais.
Relacionado:  Transtorno esquizofreniforme: sintomas, causas, tratamento

Terapia de aceitação e compromisso (CAT)

A TC é um tratamento comportamental projetado para atingir três objetivos: 1) reduzir estratégias para evitar pensamentos, memórias, sentimentos e sensações, 2) reduzir a resposta da pessoa a seus pensamentos e 3) aumentar a capacidade da pessoa de manter Seu compromisso de mudar seu comportamento.

Essa terapia ensina a prestar atenção ao objetivo, ao presente – de maneira não judiciosa (atenção plena) – e habilidades de aceitação para responder a eventos incontroláveis.

Funciona melhor em combinação com tratamentos medicamentosos.

Terapia de intolerância à incerteza

Esta terapia se concentra em ajudar os pacientes a desenvolver habilidades para tolerar e aceitar a incerteza na vida para reduzir a ansiedade.

Baseia-se nos componentes psicológicos da psicoeducação, conscientização da preocupação, treinamento em resolução de problemas, imaginação e exposição real e reconhecimento da incerteza.

Entrevista motivacional

Uma nova abordagem para melhorar as taxas de recuperação no GAD é combinar a TCC com a entrevista motivacional (MS).

Ele se concentra no aumento da motivação intrínseca do paciente e trabalha, entre outros recursos pessoais, empatia e autoeficácia.

É baseado em perguntas abertas e em ouvir para promover mudanças.

Medicação

Diferentes tipos de medicamentos são usados ​​para tratar o TAG e devem sempre ser prescritos e supervisionados por um psiquiatra.

Embora os antidepressivos possam ser seguros e eficazes para muitas pessoas, pode haver riscos para crianças, adolescentes e adultos jovens.

  • ISRSs (inibidores seletivos da recaptação de serotonina): estes são geralmente a primeira linha de tratamento. Seus efeitos colaterais podem ser diarréia, dores de cabeça, disfunções sexuais, aumento do risco de suicídio, síndrome da serotonina …
  • Benzodiazepínicos: eles também são prescritos e podem ser eficazes a curto prazo. Eles carregam alguns riscos, como dependência física e piscológica da droga. Eles também podem reduzir a atenção e foram associados a quedas em idosos. Eles são ótimos para consumo a curto prazo. Alguns benzodiazepínicos são alprazolam, clordiazepoxide, diazepam e lorazepam.
  • Outros medicamentos: antidepressivos serotoninérgicos atípicos (vilazodona, vortioxetina, agomelatina), antidepressivos tricíclicos (imipramina, clomipramina), inibidores da recaptação de serotonina-noradrenalina (SNRIs) (venlafaxina, duloxetina)…

Fatores de risco

Esses fatores podem aumentar o risco de desenvolver TAG:

  • Genética: é mais provável que você a desenvolva em uma família com histórico de transtornos de ansiedade.
  • Personalidade: um temperamento tímido, negativo ou esquivo pode ser mais provável de desenvolvê-lo.
  • Sexo: as mulheres são diagnosticadas com mais frequência.

Complicações

Ter o GAD pode influenciar:

  • Problemas em adormecer e manter o sono (insônia).
  • Problemas de concentração
  • Depressão
  • Abuso de substâncias
  • Problemas digestivos
  • Dores de cabeça.
  • Problemas de coração.

Comorbidade

Em uma pesquisa nos EUA em 2005, 58% das pessoas diagnosticadas com depressão maior também tiveram transtornos de ansiedade. Entre esses pacientes, a taxa de comorbidade com GAD foi de 17,2%.

Pacientes com depressão e ansiedade comórbidas tendem a ter maior gravidade e maior dificuldade de recuperação do que aqueles com apenas uma doença.

Por outro lado, as pessoas com TAG apresentam uma comorbidade com abuso de substâncias de 30 a 35% e abuso de drogas de 25 a 30%.

Finalmente, as pessoas com TAG também podem ter doenças associadas ao estresse, como síndrome do intestino irritável, insônia, dores de cabeça e problemas interpessoais.

Prevenção

A maioria das pessoas com TAG precisa de tratamento psicológico ou medicação, embora fazer mudanças no estilo de vida também possa ajudar muito.

  • Mantenha-se fisicamente ativo.
  • Evite tabaco e café.
  • Evite álcool e outras substâncias.
  • Durma o suficiente.
  • Aprenda técnicas de relaxamento.
  • Comer saudável

Referências

  1. Ashton, Heather (2005). «O diagnóstico e tratamento da dependência de benzodiazepínicos». Opinião atual em Psiquiatria 18 (3): 249–55. doi: 10.1097 / 01.y.00.00165594.60434.84. PMID 16639148.
  2. Moffitt, Terrie E.; Harrington, H; Caspi, A; Kim-Cohen, J; Goldberg, D; Gregory, AM; Poulton, R. (2007). “Depressão e transtorno de ansiedade generalizada”. Arquivos de Psiquiatria Geral 64 (6): 651–60. doi: 10.1001 / archpsyc.64.6.651. PMID 17548747.
  3. Bruce, MS; Lader, M. (2009). «Abstenção de cafeína no tratamento de transtornos de ansiedade». Medicina Psicológica 19 (1): 211–4. doi: 10.1017 / S003329170001117X. PMID 2727208.
  4. O que é Transtorno de Ansiedade Generalizada? », Instituto Nacional de Saúde Mental. Acessado em 28 de maio de 2008.
  5. Smout, M (2012). “Terapia de aceitação e compromisso – caminhos para médicos de clínica geral”. Médico de família australiano 41 (9): 672–6. PMID 22962641.
  6. “Na Clínica: Transtorno de Ansiedade Generalizada.” Annals Of Internal Medicine 159.11 (2013).

Deixe um comentário