Tratado Salomão-Lozano: características e consequências

O Tratado Salomão-Lozano foi um acordo assinado em 24 de maio de 1922 entre o Brasil e o Peru, mediado pelos Estados Unidos, com o objetivo de encerrar um longo conflito territorial na região da Amazônia. O tratado estabeleceu os limites entre os dois países na região, definindo a soberania sobre a área e colocando fim às disputas fronteiriças. Apesar de ter sido um marco importante na diplomacia entre Brasil e Peru, o Tratado Salomão-Lozano também gerou controvérsias e descontentamento em alguns setores da sociedade, devido às concessões feitas por ambas as partes. No entanto, a assinatura do tratado foi fundamental para a manutenção da paz e estabilidade na região amazônica, contribuindo para o desenvolvimento de relações pacíficas e colaborativas entre os dois países.

Tensões territoriais nas fronteiras da América Latina: um panorama regional e suas implicações.

As tensões territoriais nas fronteiras da América Latina são um tema recorrente que impacta diretamente nas relações entre os países da região. O Tratado Salomão-Lozano é um exemplo de acordo que buscou solucionar esses conflitos e estabelecer limites claros entre as nações envolvidas.

O Tratado Salomão-Lozano foi assinado em 1922 entre o Peru e a Colômbia com o objetivo de definir as fronteiras entre os dois países. O acordo estabeleceu a demarcação de 1.626 quilômetros de fronteira, mas não foi capaz de resolver todos os conflitos territoriais existentes.

Uma das principais características do Tratado Salomão-Lozano foi a criação de uma comissão mista para resolver eventuais disputas territoriais que surgissem no futuro. No entanto, a falta de consenso e a interpretação divergente do acordo levaram a novos conflitos e tensões entre os dois países.

As consequências do Tratado Salomão-Lozano foram sentidas ao longo dos anos, com episódios de conflitos armados e incidentes diplomáticos entre o Peru e a Colômbia. A falta de resolução definitiva dos problemas territoriais resultou em um ambiente de instabilidade e desconfiança mútua.

Em suma, as tensões territoriais na América Latina são um reflexo da complexidade das relações entre os países da região. O Tratado Salomão-Lozano é um exemplo das tentativas de solucionar esses conflitos, mas também evidencia as dificuldades em alcançar uma paz duradoura e uma fronteira claramente definida.

Origem e delimitação das fronteiras dos países da América Latina: um processo histórico complexo.

As fronteiras dos países da América Latina foram estabelecidas ao longo de um processo histórico complexo, marcado por disputas territoriais e acordos diplomáticos. A origem dessas fronteiras remonta à colonização europeia, que dividiu o continente entre potências como Espanha e Portugal. Com a independência das colônias, novas nações surgiram e tiveram que definir seus limites territoriais.

Um dos tratados que contribuíram para a delimitação das fronteiras na América Latina foi o Tratado Salomão-Lozano, assinado entre a Colômbia e o Peru em 1922. Este acordo estabeleceu as fronteiras entre os dois países, pondo fim a anos de conflitos e disputas territoriais na região amazônica.

O Tratado Salomão-Lozano foi um marco na história diplomática da América Latina, pois demonstrou a capacidade dos países da região em resolver suas divergências de forma pacífica. Além disso, o acordo contribuiu para a estabilidade política e econômica na área, permitindo o desenvolvimento de relações bilaterais mais sólidas entre Colômbia e Peru.

As consequências do Tratado Salomão-Lozano foram positivas para ambos os países, que puderam explorar de forma conjunta os recursos naturais da região amazônica e promover o desenvolvimento sustentável. Além disso, o acordo fortaleceu a cooperação entre Colômbia e Peru em questões de segurança e defesa, contribuindo para a paz e a estabilidade na América Latina.

Principais motivos dos conflitos de terra no Brasil: análise e reflexão sobre as causas.

Os conflitos de terra no Brasil são uma realidade que afeta a sociedade de diversas formas, gerando tensões e disputas que muitas vezes resultam em violência e injustiças. Para compreender melhor as causas desses conflitos, é necessário analisar alguns dos principais motivos que contribuem para esse cenário.

Relacionado:  Mercantilismo: História, Características e Representantes

Um dos principais motivos dos conflitos de terra no Brasil é a concentração fundiária, onde grandes latifúndios são controlados por poucas pessoas, enquanto uma grande parcela da população não tem acesso à terra para produzir alimentos ou garantir sua subsistência. Essa desigualdade na distribuição de terras gera conflitos entre posseiros, pequenos agricultores e grandes proprietários.

Além disso, a falta de regularização fundiária e a ausência de políticas públicas eficazes para resolver esses problemas contribuem para a perpetuação dos conflitos de terra no país. Muitas vezes, as disputas pela posse da terra são resultado da ausência do Estado em garantir o direito à propriedade e resolver os conflitos de forma justa e pacífica.

Outro fator importante que alimenta os conflitos de terra no Brasil é a expansão descontrolada do agronegócio, que muitas vezes desrespeita os direitos das comunidades tradicionais e povos indígenas, causando impactos socioambientais graves. A busca pelo lucro a qualquer custo acaba gerando conflitos com as populações locais, que são expulsas de suas terras e perdem seu modo de vida tradicional.

Diante desse cenário complexo, é fundamental que o Estado e a sociedade civil busquem soluções para resolver os conflitos de terra de forma justa e sustentável, garantindo o direito à terra para todos e promovendo a inclusão social e o desenvolvimento sustentável. Somente assim será possível superar as injustiças e violências que marcam a realidade dos conflitos de terra no Brasil.

Fronteiras dos estados africanos: a complexa demarcação territorial no continente africano.

As fronteiras dos estados africanos são o resultado de um processo complexo de demarcação territorial que teve início durante o período colonial. Com a Conferência de Berlim em 1884-1885, as potências europeias dividiram o continente africano entre si, sem levar em consideração as fronteiras étnicas, culturais e históricas preexistentes. Isso resultou em fronteiras arbitrárias que dividiram povos, territórios e recursos naturais.

Um exemplo emblemático desse processo é o Tratado Salomão-Lozano, assinado em 1891 entre a França e o Reino Unido. Esse tratado estabeleceu a fronteira entre os territórios da Etiópia e da Somália, sem considerar as comunidades locais e suas relações históricas. Como consequência, surgiram conflitos e disputas territoriais que perduram até os dias atuais.

As fronteiras africanas são marcadas por uma série de desafios, incluindo a presença de grupos étnicos transfronteiriços, a disputa por recursos naturais e a falta de infraestrutura para garantir a segurança e a integridade territorial. Esses desafios têm contribuído para a instabilidade política e os conflitos armados em diversas regiões do continente.

Em suma, as fronteiras dos estados africanos refletem a complexidade e as consequências do processo de demarcação territorial durante o período colonial. Para promover a paz e a estabilidade na África, é fundamental considerar as questões históricas e culturais na revisão e na resolução de conflitos fronteiriços.

Tratado Salomão-Lozano: características e consequências

O Tratado de Salomão-Lozano foi um acordo assinado pela Colômbia e Peru para resolver os problemas de fronteira entre as duas nações. A assinatura ocorreu em 24 de março de 1922 e teve como objetivo resolver uma disputa sobre fronteiras territoriais que remontava aos tempos coloniais.

As tensões entre a Colômbia e o Peru eram constantes desde que os dois países declararam sua independência. Durante um século, ocorreram confrontos armados, especialmente entre Putumayo e Caquetá. Para complicar ainda mais o problema, havia um país terceiro envolvido em disputas pelos territórios: o Equador.

Tratado Salomão-Lozano: características e consequências 1

Fronteiras entre Colômbia e Peru – Fonte: Shadowxfox sob a licença Creative Commons Attribution / Share-Equal 3.0 Creative Commons

A Colômbia e o Peru já tentaram resolver a disputa em outras ocasiões. Ao longo dos anos, eles assinaram outros acordos, como Pardo-Tanco Argáez ou Porras-Tanco Argáez. No entanto, várias circunstâncias os impediram de serem definitivos. Assim, chegou a 1922, quando ambos os governos assinaram Salomón-Lozano.

Tal como os anteriores, este último Tratado também não conseguiu resolver a situação. Um incidente, aparentemente menor, ocorreu em Letícia, estava prestes a provocar uma guerra aberta entre os dois países. Somente a morte do presidente peruano evitou o conflito.

Relacionado:  Escudo do Peru: História e Significado

Antecedentes

O problema das fronteiras entre a Colômbia e o Peru remonta à mesma era colonial.

A princípio, os espanhóis abrangiam esses territórios sob o vice – reinado do Peru , mas depois decidiram separar uma parte e criar o vice – reinado de Nova Granada .

Dentro dos domínios do novo vice-reinado, o território de Maynas permaneceu na floresta amazônica. Essa área seria a que acabaria se tornando o motivo da disputa entre peruanos e colombianos.

Em 1802, os espanhóis decidiram que Maynas retornaria ao vice-reinado do Peru. No entanto, ninguém sabe ao certo a natureza dessa ordem ou, se for o caso, foi obedecida.

A chave para o conflito é encontrada no princípio Uti possidetis. De acordo com isso, as nascentes repúblicas independentes tiveram que preservar as fronteiras que tinham em 1810, quando a revolução da independência começou.

Durante o resto do século 19, os confrontos entre os dois países foram constantes. Às vezes, simplesmente através de canais diplomáticos. Outros, através de armas, como na Guerra Gran-Colombiana-Peruana de 1828.

Século XX

No início do século XX, a Colômbia tomou a iniciativa de negociar fronteiras estáveis ​​com o Peru e o Equador.

A primeira tentativa data de 6 de maio de 1904, quando peruanos e colombianos assinaram o Tratado Pardo-Tanco. Este acordo submeteu a questão da fronteira à arbitragem do rei da Espanha. No entanto, o governo colombiano recuou no último momento.

O Peru, no entanto, insistiu nas negociações. Ele enviou uma delegação à Colômbia e conseguiu assinar os Tratados Velarde-Calderón-Tanco, em 12 de setembro de 1905. Nessa ocasião, a arbitragem foi concedida ao Papa.

Enquanto aguardavam a aprovação final, adiada pelo Peru, os dois países assinaram um Modus Vivendis. Isso consistiu na retirada de todas as guarnições, alfândegas e autoridades civis da área de Putumayo.

Finalmente, no final de 1907, a Colômbia retirou-se do Modus Vivendis de 1906 e anunciou que iria retomar Putumayo novamente. O resultado foi uma série de confrontos armados entre tropas colombianas e peruanas.

Apesar de tudo isso, em 1909, os dois países assinaram novamente um novo tratado, o Porras-Tanco Argáez. Nisso, as duas nações concordaram em ir à arbitragem. O conflito de La Pedrera arruinou esta última tentativa.

Conflito de La Pedrera

Em 1911, a Colômbia implantou guarnições militares na margem direita do rio Caquetá. Para conseguir isso, ele enviou um destacamento para ocupar Puerto Córdova, também chamado La Pedrera.

Para impedir que um conflito aberto entre em erupção, foram realizadas conversações em Bogotá. Como resultado, Peru e Colômbia assinaram, em 19 de julho de 1911, o acordo Tezanos Pinto-Olaya Herrera. Sob o acordo, as guarnições deveriam ser provisórias, sem assumir nada em matéria de soberania.

Caracteristicas

Apesar do acordo sobre La Pedrera, o incidente causou um aumento da tensão entre os dois países. Houve incidentes violentos contra a embaixada do Peru em Bogotá e a imprensa criticou a atitude do governo.

Entre 1912 e 1918, os dois países insistiram em buscar um acordo que resolvesse o problema para sempre. A Colômbia propôs submeter-se à arbitragem do Papa, enquanto o Peru propôs como árbitro ao Tribunal de Haia.

O acordo

Finalmente, em 24 de março de 1922, os dois países conseguiram chegar a um acordo. O Tratado Salomão-Lozano foi assinado em Lima e, logo em seguida, ratificado pelos respectivos Congressos.

Os autores do Tratado, do qual recebeu seu nome, foram Fabio Lozano Torrijos, representando a Colômbia, e Alberto Salomón, enviado pelo Peru.

Embora não houvesse arbitragem, a pressão de um país terceiro era fundamental: os Estados Unidos. Sua pressão foi decisiva para o presidente peruano Augusto Leguía enviar o documento, muito impopular em seu país, ao parlamento em dezembro de 1927.

Relacionado:  Homo erectus: origem, características, dieta, crânio

Distribuição territorial

O Tratado estabeleceu as fronteiras que delimitariam os dois países, afetando também o Equador. Seu artigo 1 indica que:

«A linha de fronteira entre a República do Peru e a República da Colômbia é acordada, acordada e fixada nos termos que são expressos imediatamente: A partir do ponto em que o meridiano da foz do rio Cuhimbe em Putumayo corta para o rio San Miguel o Sucumbíos, suba o mesmo meridiano até a boca de Cuhimbe.

De lá, ao longo do rio Putumayo, até a confluência do rio Yaguas; Segue-se uma linha reta que a partir desta confluência vai para o rio Atacuari na Amazônia e de lá ao longo do rio Amazonas até o limite entre o Peru e o Brasil estabelecido no Tratado Peru-Brasileiro de 23 de outubro de 1851.

A Colômbia declara que os territórios entre a margem direita do rio Putumayo, a leste da foz de Cuhimbe pertencem ao Peru e a linha estabelecida e amojonada como fronteira entre a Colômbia e o Equador nos poços de Putumayo e Napo, em sob o Tratado de Limites celebrado entre as duas repúblicas, em 15 de julho de 1916 ”

Ratificações

O Congresso peruano ratificou o Tratado em 20 de dezembro de 1927 e o colombiano fez o mesmo em 17 de março de 1928. A entrega física dos territórios ocorreu em 17 de agosto de 1930.

Consequências

No Peru, o Tratado foi considerado por muitos setores como entregue em excesso. No entanto, alguns historiadores afirmam que Leguía, presidente da época, procurava um aliado para enfrentar os conflitos que o país teve com o Equador e o Chile.

Nesse sentido, o resultado da assinatura do Tratado foi positivo para o Peru, uma vez que a Colômbia o apoiou no litígio peruano-equatoriano.

Guerra Colômbia-Peruana

Um incidente, aparentemente menor, estava prestes a provocar uma guerra entre a Colômbia e o Peru. Em 1º de setembro de 1932, um grupo de cidadãos peruanos de Loreto invadiu Letícia (que havia sido deixada nas mãos da Colômbia), conquistou-a e reivindicou sua soberania para o Peru.

A Colômbia o definiu como um incidente doméstico, mas o Peru, sob a presidência de Luis Miguel Sánchez Cerro, acabou dando apoio aos cidadãos peruanos que haviam ocupado Letícia.

Dessa forma, a tensão começou a crescer, embora sem chegar a uma guerra aberta. Isso poderia acontecer quando a Colômbia rompeu relações com o Peru em 15 de fevereiro de 1933. Nas semanas seguintes, confrontos armados foram repetidos em várias outras áreas de fronteira.

O Peru mobilizou as tropas para enviá-las para a fronteira. No entanto, logo após Sánchez Cerro cumprimentar esse contingente antes de partir para seu destino, um militante da APRA o matou com vários tiros.

Seu sucessor, Óscar Benavides, interrompeu os preparativos para a guerra e se encontrou com o presidente colombiano, com quem mantinha boas relações. Em 25 de maio, na seda da Liga das Nações, os dois países assinaram um armistício, evitando a guerra total.

Protocolo do Rio de Janeiro

A comissão para resolver a disputa sobre Letícia se reuniu no Rio de Janeiro em outubro de 1933. O Peru também convidou o Equador a tentar negociar as fronteiras entre os dois países, mas recebeu uma recusa do Equador.

O resultado das conversas no Brasil resultou no chamado Protocolo do Rio de Janeiro, assinado em 24 de maio de 1934. Este acordo ratificou o Tratado de Salomão-Lozano, que hoje permanece em vigor.

Referências

  1. Wikisource Tratado Salomão-Lozano. Obtido em es.wikisource.org
  2. Museu Nacional. Paz na fronteira, 1934. Recuperado de museonacional.gov.co
  3. História do Peru Fronteira Peru-Colômbia. Obtido em historiaperuana.pe
  4. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Tratado de Salomão-Lozano (1922). Obtido em encyclopedia.com
  5. Revolvy Tratado Salomão – Lozano. Obtido em revolvy.com
  6. Omniatlas América do Sul 1922: Tratado Salomão – Lozano. Obtido de omniatlas.com
  7. São João, Robert Bruce. A disputa entre o Equador e o Peru: o caminho para a solução. Recuperado de books.google.es

Deixe um comentário