Treze colônias: antecedentes, origem e suas características

As Colônias T foram os primeiros bens coloniais britânicos na costa dos atuais Estados Unidos. Foi em 1607 quando o primeiro deles, Virginia, foi estabelecido, embora outro já existisse antes, mas seus habitantes, por razões desconhecidas hoje, desapareceram misteriosamente.

Depois que Colombo chegou à América, os europeus começaram a explorar o novo continente. Os espanhóis foram os primeiros a entrar no atual território americano, mas também ingleses, franceses e holandeses enviaram suas próprias expedições. Não seria até o século XVII quando as colônias começaram a se formar.

Treze colônias: antecedentes, origem e suas características 1

As Treze Colônias da América do Norte por volta de 1775 – Fonte: Map_Thirteen_Colonies_1775-fr.svg traduzido por Rowanwindwhistler

Havia duas origens principais das Treze Colônias. Por um lado, o econômico, já que muitos colonos chegaram às novas terras em busca de riqueza, algo que impulsionou a coroa inglesa. Um segundo grupo de colonos, que se estabeleceria na Nova Inglaterra, veio fugir de perseguições religiosas.

As Treze Colônias tinham características e histórias diferentes, embora os especialistas geralmente as agrupem por áreas geográficas. Com o tempo, eles começaram a se distanciar da metrópole, o que levaria à revolução que levou à criação dos Estados Unidos.

Antecedentes

Várias circunstâncias levaram os europeus a buscar uma nova rota para a Ásia. Era, sobretudo, uma questão comercial, já que os turcos haviam tornado a rota tradicional das especiarias muito perigosa.

Os portugueses haviam encontrado um caminho ao longo do continente africano, através do Cabo da Boa Esperança. Os espanhóis, por outro lado, tentaram chegar à Ásia através do Oceano Atlântico. Ao longo do caminho, no entanto, eles encontraram novas terras: a América. Foi Christopher Columbus , em 1492, quem pisou pela primeira vez em solo americano.

Primeiras explorações

Enquanto Hernán Cortés se dedicou à conquista do atual México, Ponce de León, no século XVI, entrou na Flórida nos atuais Estados Unidos. A partir daí, ele explorou o que são agora os estados da Geórgia, Tennessee e outros.

Não eram apenas os espanhóis que estavam interessados ​​nessas terras. Seus rivais na Europa, Inglaterra e França também enviaram explorações, embora essas não tenham, a princípio, resultados tangíveis.

A colônia perdida

O primeiro antecedente direto da criação das Treze Colônias ocorreu em 1580. Naquele ano, a rainha Elizabeth I da Inglaterra concedeu a Sir Humphrey Gilbert o direito de colonizar novos territórios em nome da Coroa. A morte disso fez com que o irmão de sua mãe, Sir Walter Raleigh, financiasse a primeira expedição.

O local escolhido para estabelecer um assentamento foi na Ilha Roanoke. A primeira expedição não alcançou seu objetivo, mas a segunda, em 1587, teve sucesso. Um grupo de famílias se estabeleceu na ilha, enquanto os navios retornavam à Inglaterra para denunciar.

Três anos se passaram antes que uma nova expedição retornasse a Roanoke. Para a surpresa de seus membros, o acordo estava vazio. Eles encontraram apenas uma palavra gravada no tronco de uma árvore: “Croatoan”, o nome de uma ilha próxima. Até hoje, o destino desses primeiros colonos é desconhecido.

Origem das Treze Colónicas

Não seria até o século XVII, quando os britânicos retornaram expedições importantes à América do Norte. Naquela época, a intenção já era colonizar e encontrar assentamentos firmes.

Gradualmente, colônias britânicas começaram a ser criadas na costa atlântica. Estes estavam se consolidando, tornando-se poderes comerciais.

O processo de colonização não foi planejado pela Coroa, mas foram os próprios colonos que tomaram a iniciativa. No entanto, os especialistas falam de dois tipos diferentes de colônias: aquelas dedicadas a grandes plantações de tabaco e / ou algodão; e aqueles formados pelos puritanos.

Colonizadores

Entre os primeiros colonos britânicos, dois grupos puderam ser distinguidos de acordo com suas motivações. Por um lado, os membros das classes privilegiadas procuravam tirar proveito das possibilidades econômicas dos novos territórios.

O segundo grupo foi formado por expulsos ou fugidos da Inglaterra por razões religiosas. Eles procuraram criar sociedades adaptadas às suas crenças e marcaram o caráter de muitas das colônias.

Empresas colonizadoras

A Coroa Britânica, buscando manter o controle da colonização, criou duas empresas comerciais focadas nos novos territórios: a London Company e a Bristol Company.

Primeira colônia

A primeira das Treze Colônias foi a Virgínia. O nome pode vir da primeira garota nascida lá, Virginia Dare, ou ter sido uma homenagem à rainha Elizabeth I, a virgem.

Foi em 1606 quando três navios ingleses, com 120 colonos a bordo, partiram para a América. A chegada ocorreu em 13 de maio de 1607, quando chegaram à baía de Chesapeake. O líder dos colonos era John Smith. Entre os membros deste grupo estavam arruinados nobres, artesãos e aventureiros.

Logo começaram os confrontos com os índios Creek, mas, apesar de sua inferioridade numérica, os colonos conseguiram fundar a primeira cidade inglesa no continente: Jamestown.

Este primeiro grupo pretendia levar o ouro da área. Não foi até mais tarde, quando eles também começaram a cultivar a terra. Em 1612, um dos eventos mais relevantes para a história futura das colônias ocorreu. Naquele ano, John Rolfe descobriu folhas de tabaco, embora Raleigh já as tivesse encontrado antes.

Com o tempo, o cultivo desse produto se tornou a principal fonte de riqueza na colônia.

Escravidão

A primeira colônia estava aumentando sua população. A riqueza produzida pelo cultivo do tabaco atraiu mais colonos. No entanto, a vida na Virgínia era bastante difícil, a terra era áspera e os mosquitos eram um pesadelo. Isso fez com que poucas mulheres chegassem e as necessidades dos trabalhadores não foram atendidas.

A solução que encontraram para o último foi recorrer à escravidão. Com o tempo, essa foi a origem das grandes propriedades e proprietários de terras que acabaram dominando a colônia.

Pais Peregrinos

Enquanto a área da Virgínia era povoada por colonos em busca de oportunidades econômicas, novas colônias apareceram no norte que levariam à região da Nova Inglaterra.

Ao contrário dos localizados ao sul, aqueles que chegaram a essa área o fizeram por razões religiosas e culturais. Sua intenção era criar assentamentos auto-suficientes, com uma estrutura social consistente com suas crenças.

Essa colonização foi realizada pelos chamados Padres Peregrinos. Suas razões para deixar a Inglaterra foram fugir de perseguições religiosas. Após a Reforma, a Grã-Bretanha havia criado sua própria Igreja, a Anglicana.

Os calvinistas que viviam no país, conhecidos como puritanos, não foram integrados à nova estrutura religiosa. Além disso, eles começaram a ser reprimidos e as perseguições eram frequentes. Muitos escolheram fugir para a Holanda e, mais tarde, embarcaram para a América.

O Mayflower

A onda colonizadora mais conhecida, estrelada por puritanos, foi a de Mayflower. Este navio deixou Plymouth para a América em 5 de agosto de 1620 com 102 pessoas.

Por engano, como pretendiam ir para Jamestown, em 11 de novembro os puritanos do Mayflower chegaram a uma baía deserta e desolada, que batizaram com o mesmo nome do porto de onde haviam partido: Plymouth. Através de uma votação, eles decidiram ficar lá e formar um sistema de governo da assembléia.

Esses colonos não estavam procurando ouro ou riqueza e começaram a trabalhar na terra assim que chegaram. Ao contrário de outros lugares, eles chegaram a um acordo amigável com os índios, um pacto que recebeu o nome de Ação de Graças, Ação de Graças.

Chegada em Massachusetts

Mais colonos desse tipo chegaram às margens da Baía de Massachusset em 1628, fundando a cidade de Salem.

Pouco depois, Boston foi criada, destinada a ser a capital da colônia. Tendo sido praticamente expulsos da Inglaterra, esses puritanos procuravam permanecer independentes da coroa e do parlamento daquele país. Eles formaram um sistema igualitário de governo, com acusações às quais qualquer um poderia se apresentar.

Nos anos seguintes, os Puritanos fugitivos se multiplicaram, surgindo novos assentamentos e colônias, como as de Maine, New Hampshire, Connecticut e Rhode Island.

William Penn

Em 1681, um quacre britânico, William Penn, obteve permissão da Coroa para colonizar novos territórios na América do Norte. O resultado seria a criação da colônia da Pensilvânia (a selva de Penn).

Penn selecionou cuidadosamente os colonos que ele queria levar, usando métodos científicos para escolhê-los. Cada voluntário receberia 50 acres de terra.

O termo Quaker começou a ser depreciativo. Ele nasceu em julgamentos na Inglaterra contra os membros dessa comunidade, mas tornou-se um nome comum. Suas crenças foram além do puritanismo, pois rejeitaram as leis e obedeceram aos senhores. Por esse motivo, eles sofreram perseguições na Inglaterra.

Penn chegou a um acordo com os índios iroqueses e, depois disso, fundou a cidade da Filadélfia.Centenas de colonos chegaram em poucos anos.

As Treze Colônias e suas características

Após a guerra civil inglesa, entre 1642 e 1660, o impulso colonizador foi fortalecido. Em 1773, eles já haviam formado as chamadas Treze Colônias. Estes eram New Hampshire, Massachusetts, Rhode Island, Connecticut, Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia, Delaware, Maryland, Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia

Entre as características comuns das colônias estava a heterogeneidade de sua população. Além de colonos ingleses, escoceses, irlandeses, alemães, flamengos e franceses também participaram. A isto devemos acrescentar que as pequenas colônias fundadas pela Suécia e Holanda em meados do século XVII acabaram sendo absorvidas.

As colônias, na esfera política, optaram por governos representativos. Muitos governadores foram nomeados pelo rei inglês, mas eles tiveram que dividir o poder com uma assembléia eleita. O sufrágio era restrito a proprietários de terras brancos.

1- Virginia (13 de maio de 1607)

Virgina foi a primeira colônia fundada pelos britânicos. Sua fundação remonta a 1607, quando o rei James I permitiu que um grupo de colonos se estabelecesse ali.

Os colonos tiveram que enfrentar os nativos da região, além de resistir às duras condições de vida. No entanto, eles conseguiram prosperar na colônia e, em apenas duas décadas, tornaram-se um importante exportador de tabaco para a Inglaterra.

Essa prosperidade trouxe novos colonos para a região, tanto membros da classe rica quanto outros grupos sociais, incluindo crianças que costumavam trabalhar em plantações de tabaco.

Precisamente, essas plantações eram a principal fonte de riqueza da colônia. Com o tempo, a safra de algodão também começou a ser implantada. A necessidade de trabalho causou a chegada de muitos escravos africanos.

Em 30 de julho de 1619, a primeira assembléia de plantadores da Virgínia se reuniu. Este se tornou o primeiro governo representativo da colônia.

Em 1624, a empresa que havia impulsionado a colonização, a Virginia Company, foi dissolvida. Isso significava que se tornaria uma colônia real.

2- Massachusetts (1620)

Esta colônia foi fundada por puritanos separatistas. Eles fugiram da Inglaterra para a Holanda e, posteriormente, buscaram refúgio na América.

Esses colonos chegaram à América do Norte a bordo do Mayflower. Então, eles chegaram a um acordo, que chamaram de Mayflower Compact, através do qual criaram um tipo de governo que deveria se submeter à maioria das decisões.

Como nas colônias do norte, a economia de Massachusetts era baseada na agricultura, embora não seguissem o modelo de grandes propriedades e, portanto, nenhum proprietário de terras apareceu ou a escravidão se tornou popular.

Apesar de terem fugido da intolerância religiosa, os peregrinos não permitiam a liberdade de culto no território.

3- Nova Hampshire (1623)

New Hampshire foi fundada por John Mason, que veio do condado de Hampshire, na Inglaterra. Sua intenção era formar uma colônia dedicada à pesca. Este objetivo explica a expansão dos primeiros colonos ao longo do rio Piscatagua e da Grande Baía.

No entanto, esses primeiros habitantes não foram capazes de criar nenhum tipo de sistema governamental. Por esse motivo, eles procuraram a proteção de seu vizinho do sul, Massachusett. Dessa maneira, em 1641, eles se tornaram governados por esse território, embora suas cidades mantivessem algum autogoverno.

Como indicado, a economia foi baseada na pesca, embora a indústria madeireira também tivesse um peso importante. O controle do comércio de madeira, de fato, tornou-se objeto de conflito com a Coroa, que procurava reservar as melhores árvores para seu uso exclusivo.

Apesar de passar vários anos sob o governo de Massachusetts, a diversidade religiosa de New Hampshire era muito maior. Em alguns casos, chegaram novos habitantes do estado vizinho que haviam sido perseguidos por suas crenças.

4- Maryland (1632)

Como o nome, Maryland, terra de Maria, indica, essa colônia foi concebida como um refúgio para os católicos perseguidos após a Reforma Protestante na Europa. Seu fundador foi Lord Baltimore, que não pôde impedir o surgimento de conflitos religiosos entre anglicanos, puritanos, católicos e quakers durante os primeiros anos.

Após a Revolução Gloriosa, um golpe de estado ocorreu na colônia. O protestante John Code derrubou Lord Baltimore e a coroa inglesa nomeou um governador.

Como aconteceu na Virgínia, a economia de Maryland foi sustentada pelo cultivo e comércio de tabaco. Da mesma forma, isso levou à chegada de escravos à colônia.

5- Connecticut (1635-1636)

Um grupo de colonos de Massachusetts, liderado por Thomas Hooker, decidiu se aventurar em novas terras em busca de mais liberdade e melhores condições de vida. Assim, eles fundaram Connecticut, originalmente chamado Colonia del Río em 1636, concebido como um refúgio para nobres puritanos.

Para controlar o território, eles tiveram que dizimar os índios da região, os Pequot, em uma guerra que durou 1 ano.

A base de sua economia era a agricultura, com grandes plantações de milho e trigo. Por outro lado, a pesca também teve grande importância.

Como em muitas outras colônias fundadas por puritanos, em Connecticut não havia liberdade religiosa, o restante das religiões sendo proibido.

6- Rhode Island (1636)

A fundação de Rhode Island estava relacionada à falta de liberdade religiosa que existia em Massachusetts. Lá, Roger Williams havia proposto uma reforma que separava a Igreja e o Estado, além de estabelecer a liberdade de culto. A resposta foi expulsão.

Williams, antes disso, começou a fundar uma nova colônia em 1936, Rhode Island e Providence Plantations (na época, o termo “plantações” era usado para se referir a um assentamento). Logo, outras pessoas retaliadas pelas leis de Massachusetts se juntaram a ele, como Anna Hutchison, que criou Portsmouth.

Rhode Island não manteve nenhum tipo de confronto com os índios locais e até tentou mediar alguns conflitos entre essas e outras colônias da Nova Inglaterra.

As bases da economia eram também a agricultura e a pesca. Da mesma forma, a indústria madeireira e os estaleiros se tornaram atividades econômicas muito importantes.

7- Delaware (1638)

Esta colônia foi estabelecida pela New Sweden Company of Sweden. Mais tarde, os novos holandeses de Amsterdã assumiram o controle, mantendo-o até passar para as mãos dos ingleses. Embora legalmente fosse uma colônia, Delaware foi considerada uma região da Pensilvânia por várias décadas.

Em Delaware, coexistiram diferentes sensibilidades religiosas, pois havia mais tolerância em relação a essas questões do que no restante das colônias. Assim, você poderia encontrar quakers, católicos, luteranos, judeus e outros.

A falta de trabalho causou, como em outras colônias, que um lucrativo comércio de escravos foi gerado.

8- Carolina do Norte (1653)

A Carolina do Norte foi criada por colonos que vieram da Virgínia em 1953. Dez anos depois, o rei Carlos II agradeceu os esforços de oito nobres que o apoiaram na manutenção do trono e deram a eles a província da Carolina.

Esses oito nobres receberam o nome de Lordes Proprietários da província, que na época ocupava as atuais Carolina do Norte e Carolina do Sul.

Precisamente, esse tamanho grande tornou incontrolável através de uma única montagem, surgindo conflitos internos importantes. Por esse motivo, em 1712, a colônia foi dividida em duas partes.

Na Carolina do Norte não havia religião oficial. A liberdade de culto permitiu a presença de batistas, anglicanos e outras confissões religiosas.

Quanto à economia, grandes plantações de tabaco, algodão, milho e frutas foram desenvolvidas nessa colônia.

9- Nova Jersey (1664)

Foram os holandeses quem primeiro construíram assentamentos nesta colônia, mas os ingleses o conquistaram em 1664.

Desde aquele ano até 1704, Nova Jersey foi dividida entre East Jersey e West Jersey, com diferentes constituições, embora a fronteira entre os dois setores nunca tenha sido oficialmente estabelecida.

Posteriormente, ambos os lados se tornaram uma única colônia real. O rei nomeou um governador, Edward Hyde, mas ele teve que deixar o cargo por corrupção. Em vez de substituí-lo, a colônia foi governada pelo governador de Nova York até 1738.

A colônia de Nova Jersey nunca foi controlada pelos puritanos, por isso foi caracterizada por sua tolerância religiosa e liberdade de culto.

Economicamente, a mineração era um setor muito importante na colônia, especialmente a exploração de depósitos de ferro. Por outro lado, Nova Jersey era conhecida como um dos celeiros das colônias, pois possuía grandes extensões de lavouras de trigo.

10- Nova York (1664)

Antes de se tornar a colônia de Nova York, esse território era controlado pelos holandeses sob o nome de Nova Amsterdã. Foi em 1664 que os britânicos tomaram a região e a renomearam com o nome de Duque de York.

Naquela época, a colônia era maior que o estado atual. Suas fronteiras se estenderam até os dias atuais de Nova Jersey, Delaware e Vermont, além de partes do Maine, Pensilvânia, Massachusetts e Connecticut.

A liberdade religiosa era bastante completa em Nova York. Essa liberdade de culto permitiu que católicos, judeus, luteranos, quakers e membros de outras confissões vivessem juntos.

Como foi o caso em Nova Jersey, essa colônia também foi caracterizada por suas colheitas de trigo. A farinha obtida deste cereal foi exportada para a Inglaterra.

11- Carolina do Sul (1670)

Em 1633, a colônia da Carolina foi fundada, incluindo as do norte e do sul. Os problemas causados ​​por sua grande extensão levaram a que, em 1712, se dividisse nessas duas partes. Mais tarde, em 1729, a Carolina do Sul se tornou uma colônia real.

Uma das características desta colônia foi o grande número de escravos que foram retirados da África. Os colonos originais eram grandes proprietários de terra, firmemente convencidos da necessidade de usar escravos em suas plantações.

As propriedades daquela colônia eram enormes. Os mais tradicionais incluíam a mansão principal, uma área para escravos, celeiros, ferreiros e lavanderia, além de terras agrícolas.

12- Pensilvânia (1681)

A colônia da Pensilvânia foi fundada por William Penn, que também lhe deu seu nome. Até sua chegada, esse território estava em disputa entre os holandeses, os suecos e os próprios ingleses.

Essa colônia foi dominada pelos quakers, que criaram uma sociedade de acordo com suas crenças. Apesar disso, eles estabeleceram que havia liberdade para seguir outros cultos.

A razão pela qual o território era controlado pelos quakers deve ser procurada no estabelecimento da própria colônia. Antes de viajar para a América, Penn havia garantido ao rei Carlos II que lhe desse o poder de criar uma colônia que serviria de refúgio para aqueles de seu culto, perseguidos na Inglaterra.

Além dos colonos ingleses, a Pensilvânia também recebeu imigrantes alemães, escoceses, irlandeses e afro-americanos que chegavam de outros territórios. Deve-se notar que, apesar disso, a escravidão era legal e que os afro-americanos livres estavam sujeitos a leis especiais.

Dado o caráter pacifista dos quakers, eles estavam entre os poucos grupos que mantinham boas relações com os índios da região. De fato, eles nunca ajudaram o povo da Nova Inglaterra quando lutaram contra os nativos.

13- Geórgia (1732)

A última das 13 colônias a ser fundada foi a Geórgia, quase 50 anos depois das demais. Seus primeiros colonos vieram de outras colônias e foram liderados por James Oglethorpe.

Os propósitos de estabelecer essa nova colônia eram dois diferentes. Para a coroa e o resto das colônias, era uma maneira de proteger a Carolina do Sul de uma possível invasão pelos franceses, que haviam ocupado a Louisiana ou os espanhóis, estabelecidos na Flórida.

O segundo motivo era religioso. James Oglethorpe queria que a Geórgia estivesse destinada a receber aqueles protestantes que sofreram perseguição em qualquer lugar do mundo. Além disso, pretendia acomodar os mais desfavorecidos da Europa. Os únicos que foram proibidos de se estabelecer lá foram os seguidores da Igreja Católica.

Oglethorpe, por outro lado, era totalmente contra a escravidão e a existência de grandes proprietários de terras. Enquanto ele estava na região, seus desejos foram respeitados, mas quando ele retornou à Inglaterra, a situação mudou completamente. De fato, era uma das colônias com a maior proporção de escravos e grandes plantações proliferadas.

Referências

  1. Hernández Laguna, M. As Treze Colônias Britânicas. Obtido em lhistoria.com
  2. História da arte. As treze colônias da América do Norte. Obtido em artehistoria.com
  3. EcuRed. Treze colônias Obtido de ecured.cu
  4. Softschools 13 fatos das colônias. Obtido de softschools.com
  5. Terra dos Bravos. As 13 colônias Obtido em landofthebrave.info
  6. Editores da History.com. As 13 colônias Obtido em history.com
  7. Longley, Robert. Os 13 estados americanos originais Recuperado de thoughtco.com
  8. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Colônias americanas Obtido em britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies