Tricomoníase: sintomas, causas e tratamento desta DST

A tricomoníase é uma doença sexualmente transmissível causada pelo parasita Trichomonas vaginalis. Esta infecção afeta principalmente o trato genital, tanto em homens quanto em mulheres, e pode causar uma série de sintomas desconfortáveis, como corrimento vaginal ou uretral, coceira, dor durante a relação sexual e irritação na região genital.

A tricomoníase é transmitida através de relações sexuais desprotegidas com uma pessoa infectada. O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de laboratório, como exames de urina e swabs genitais. O tratamento é feito com antibióticos prescritos por um médico, como o metronidazol, que pode eliminar a infecção e aliviar os sintomas.

É importante ressaltar a importância do uso de preservativos em todas as relações sexuais para prevenir a transmissão de DSTs, incluindo a tricomoníase. Além disso, é fundamental que tanto o parceiro quanto a parceira sejam tratados para evitar a reinfecção. Em caso de suspeita de tricomoníase, é essencial procurar orientação médica para um diagnóstico correto e um tratamento adequado.

Quais são os motivos que levam à doença tricomoníase?

A tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Esta doença afeta principalmente o trato genital, tanto de homens quanto de mulheres, e pode causar uma série de sintomas desconfortáveis. Mas quais são os motivos que levam à tricomoníase?

Os principais motivos que levam à tricomoníase são a prática de relações sexuais desprotegidas com um parceiro infectado e o compartilhamento de objetos contaminados, como toalhas ou roupas íntimas. O protozoário responsável pela infecção é transmitido através do contato sexual, podendo se instalar na vagina, uretra, colo do útero ou na glande do pênis.

Além disso, alguns fatores de risco podem aumentar a probabilidade de contrair tricomoníase, como ter múltiplos parceiros sexuais, histórico de outras doenças sexualmente transmissíveis, uso de contraceptivos não barreira e sistema imunológico enfraquecido. É importante ressaltar que a tricomoníase pode ser assintomática em alguns casos, o que torna ainda mais importante realizar exames de rotina para detectar a presença do protozoário.

No geral, a prevenção da tricomoníase envolve o uso correto de preservativos durante as relações sexuais, a realização de exames regulares e a comunicação aberta com o parceiro sobre a saúde sexual de ambos. Em caso de diagnóstico positivo, o tratamento da tricomoníase geralmente envolve o uso de medicamentos antiparasitários prescritos por um profissional de saúde.

Portanto, estar ciente dos motivos que levam à tricomoníase e adotar medidas preventivas adequadas são essenciais para proteger a saúde sexual e evitar complicações decorrentes desta infecção.

Por que a tricomoníase é classificada como uma doença sexualmente transmissível?

A tricomoníase é classificada como uma doença sexualmente transmissível (DST) porque é transmitida principalmente através do contato sexual. A infecção é causada pelo parasita Trichomonas vaginalis e afeta principalmente a região genital, incluindo a uretra, vagina e colo do útero.

Quando uma pessoa infectada tem relações sexuais desprotegidas com um parceiro saudável, o parasita pode ser transmitido, resultando em uma nova infecção. Portanto, a tricomoníase é considerada uma DST devido à sua forma de transmissão.

Relacionado:  Doença de Devic: sintomas, causas e tratamento

É importante ressaltar que a tricomoníase pode ser assintomática em muitos casos, o que torna a detecção e o tratamento ainda mais essenciais para prevenir a propagação da infecção.

Portanto, é fundamental praticar o sexo seguro, fazer exames regulares e buscar tratamento adequado se houver suspeita de infecção por tricomoníase. Dessa forma, é possível prevenir a disseminação da doença e proteger a saúde sexual e reprodutiva.

Como ocorre a transmissão da tricomoníase, uma infecção sexualmente transmissível.

A tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível causada pelo parasita Trichomonas vaginalis. A transmissão da tricomoníase ocorre principalmente através do contato sexual desprotegido com uma pessoa infectada. Isso pode incluir sexo vaginal, anal ou oral com um parceiro infectado. O uso de preservativos pode reduzir o risco de transmissão, mas não elimina completamente a possibilidade de contrair a infecção.

É importante ressaltar que a tricomoníase não é transmitida por objetos compartilhados, como roupas íntimas, banheiros ou piscinas. A infecção se espalha apenas através do contato direto com os fluidos corporais de uma pessoa infectada.

Os sintomas da tricomoníase podem variar, mas geralmente incluem corrimento vaginal ou uretral com odor desagradável, coceira, irritação e dor durante o sexo ou ao urinar. Em alguns casos, a infecção pode ser assintomática, o que torna importante fazer exames regulares para detectar a presença do parasita.

O tratamento da tricomoníase geralmente envolve o uso de antibióticos prescritos por um médico. É essencial que o tratamento seja seguido corretamente e que o parceiro sexual também seja tratado para evitar a reinfecção. Além disso, é importante abster-se de atividade sexual durante o tratamento para evitar a propagação da infecção.

É essencial praticar sexo seguro e fazer exames regulares para detectar e tratar a infecção precocemente.

A transmissão da tricomoníase é responsabilidade do homem?

A tricomoníase é uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Ela afeta principalmente o trato urogenital, tanto de homens quanto de mulheres. Os sintomas mais comuns da tricomoníase incluem dor ao urinar, corrimento vaginal ou uretral anormal, coceira e irritação na região genital.

Em relação à transmissão da tricomoníase, tanto homens quanto mulheres podem transmitir a doença para seus parceiros sexuais. No entanto, em alguns casos, a transmissão da tricomoníase é associada principalmente ao homem. Isso ocorre porque, em geral, os homens não apresentam sintomas visíveis da doença, o que pode dificultar o diagnóstico e tratamento precoce.

Quando um homem é portador do Trichomonas vaginalis, ele pode transmitir o protozoário para sua parceira durante a relação sexual desprotegida. Mesmo que não apresente sintomas, o homem ainda pode ser um portador da tricomoníase e infectar sua parceira sem saber. Portanto, é fundamental que ambos os parceiros realizem exames regulares para detectar a presença da doença e iniciar o tratamento adequado.

O tratamento da tricomoníase geralmente envolve a administração de medicamentos antiparasitários, que podem ser prescritos por um médico após o diagnóstico da doença. Além disso, é importante adotar medidas preventivas, como o uso correto de preservativos durante a relação sexual, para reduzir o risco de transmissão da tricomoníase e outras DSTs.

Tricomoníase: sintomas, causas e tratamento desta DST

Tricomoníase: sintomas, causas e tratamento desta DST 1

Apesar de hoje existirem muitas informações sobre doenças e infecções sexualmente transmissíveis, esses tipos de alterações ainda são espetacularmente frequentes na população mundial.

Alguns, como o HIV-AIDS, continuam sendo uma epidemia que acaba ou altera muito a vida de milhões de pessoas e não possui tratamento curativo. Felizmente, outros podem ser curados, embora sejam frequentemente subvalorizados socialmente. Uma delas é a tricomoníase , que mencionaremos ao longo deste artigo.

Uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns: tricomoníase

A tricomoníase é uma das doenças sexualmente transmissíveis (ou DSTs) mais frequentes , apesar de não ser a mais conhecida socialmente.

Esta doença é causada por um protozoário parasitário que é transmitido através do sexo vaginal e que infecta o trato geniturinário. A tricomoníase pode ou não apresentar sintomas óbvios e pode passar despercebida para a pessoa em questão. De fato, é isso que acontece em cerca de sete em cada dez casos.

Entre a infecção ou contágio e o aparecimento de possíveis sintomas, há um período de incubação entre cinco e vinte e oito dias. Pode aparecer em homens e mulheres, embora no primeiro seja geralmente assintomático. Geralmente, os sintomas são tão leves que os confundem com outros problemas, e podem aparecer e desaparecer intermitentemente.

Quando os sintomas ocorrem, deve-se levar em consideração que, em primeiro lugar, uma das possíveis alterações geradas por essa doença é o aparecimento de inflamações como vulvite, vaginite ou uretrite , e também é comum o aparecimento de secreções anômalas.

Nas mulheres, é comum a tricomoníase gerar desconforto, queimação e dor nos órgãos genitais ao urinar ou fazer sexo, juntamente com possíveis secreções geralmente de coloração esverdeada ou amarelada e odor desagradável. Há também disúria ou dificuldade em urinar, sangrar e máculas na superfície da vagina.

No caso dos homens, nos poucos casos em que os sintomas ocorrem, dor e queimação aparecem ao urinar ou ejacular, dificuldade em urinar ou disúria e a necessidade de urinar várias vezes durante a manhã. Secreções purulentas também podem aparecer através do pênis. Ocasionalmente, pode gerar inflamação da próstata .

  • Você pode estar interessado: ” Fobia sexual (erotofobia): causas, sintomas e tratamento “

Possíveis complicações

Em qualquer caso, e especialmente no caso das mulheres, a tricomoníase pode ter implicações relevantes para a saúde.

Nas mulheres grávidas, observou-se que pode causar prematuridade e baixo peso no recém-nascido, e a doença pode até ser transmitida ao feto.

Da mesma forma e em ambos os sexos, facilita o aparecimento de feridas e a transmissão ou transmissão de outras doenças venéreas, incluindo o HIV. De fato, não é incomum que essa infecção apareça junto com outras pessoas, como a gonorréia.

Relacionado:  Um estudo conclui que dormir 6 horas é tão ruim quanto não dormir

Causas e transmissão desta doença

A tricomoníase é uma doença causada pela infestação de um protozoário parasitário chamado Trichomonas vaginalis e é contraída através da manutenção de relações sexuais desprotegidas.

Geralmente o parasita é transmitido através da penetração vaginal. Não se limita apenas ao sexo entre pessoas heterossexuais, e também pode ser transmitido durante relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo (podendo também passar de vulva para vulva sem penetração). Também pode ser transmitido compartilhando brinquedos sexuais ou manipulando os órgãos genitais de alguém ou de outras pessoas após tocar em fluidos infectados.

No entanto, é menos frequente que a infecção seja transmitida através do sexo anal ou oral, geralmente não afetando a boca ou o ânus. O contato casual, sentado na mesma pia, comendo ou bebendo no mundo do vidro ou o contato com a saliva através de beijos ou espirros também não são um meio de transmissão dessa doença.

Além de tudo isso, lembre-se de que é muito simples e usual para uma pessoa com esta doença infectar seu parceiro e que, mesmo sendo tratados, podem ser reinfectados por ela. Nesse sentido, é essencial que, quando a tricomoníase for detectada, a pessoa e seus parceiros sexuais sejam tratados.

Tratamento

Felizmente, a tricomoníase é uma doença que possui tratamento eficaz, sendo facilmente curável. Especificamente, esse tratamento é baseado na prescrição e ingestão de antibióticos .

Um dos mais comuns é o tinidazol, que elimina e impede a multiplicação do protozoário causador da doença (também utilizado em outras áreas venéreas). O outro é o metronidazol, que pode ser prescrito em creme ou comprimidos. Existem versões em que uma dose do medicamento é suficiente, embora possam ser necessárias doses diárias. Em geral, a doença remete cerca de uma semana após o início da aplicação do tratamento, embora a melhora sintomática possa ser vista logo no segundo dia.

Como indicamos anteriormente, é essencial que o tratamento seja realizado por ambos os membros do casal ao mesmo tempo. O contato sexual deve ser evitado até que o desaparecimento do microrganismo causador seja observado . Também o consumo de álcool e outras substâncias, uma vez que interferem no funcionamento da droga.

De qualquer forma, a maneira mais fácil de evitar possíveis doenças como essa é a prevenção, usando a profilaxia como preservativos ou outros métodos de barreira.

Referências bibliográficas

  • Centro de Controle e Prevenção de Doenças (sd). Tricomoníase: ficha técnica do CDC. [Online] Disponível em: https://www.cdc.gov/std/spanish/tricomoniasis/stdfact-trichomoniasis-s.ht.
  • Hobbs, M., Signal, CE, Swygard H. e Schwebke, J. (2008) Trichomonas vaginalis e tricomoníase. Em: KK Holmes, PF Sparling, WE Stamm, P Piot, JN Wasserheit, L Corey, MS Cohen, DH Watts (editores). Doenças Sexualmente Transmissíveis, 4ª edição. Nova York: McGraw-Hill, 771-793.

Deixe um comentário