Trietilamina: estrutura, propriedades, usos e riscos

A trietilamina é um composto químico orgânico que possui a fórmula molecular (C2H5)3N. Sua estrutura consiste em três grupos etila ligados a um átomo de nitrogênio, formando uma molécula triédrica. É um líquido incolor com odor característico de amônia, altamente volátil e inflamável.

Suas propriedades incluem ser solúvel em água, álcoois e éteres, e reagir violentamente com ácidos fortes. A trietilamina é amplamente utilizada na indústria química como catalisador, agente tamponante e intermediário na síntese de compostos orgânicos.

No entanto, deve-se ter cuidado ao manusear a trietilamina devido aos seus riscos à saúde, como irritação na pele, olhos e vias respiratórias. Além disso, é importante tomar precauções devido à sua inflamabilidade e reatividade com outros produtos químicos. Em resumo, a trietilamina é um composto versátil, mas que requer cuidados especiais no seu uso e manipulação.

Propriedades químicas da trietanolamina: o que você precisa saber sobre essa substância.

A trietanolamina é um composto químico com fórmula C6H15NO3, que consiste em um álcool tri-hidroxilado e uma amina terciária. Possui propriedades químicas que a tornam útil em várias aplicações industriais e comerciais.

Uma das principais propriedades da trietanolamina é a sua capacidade de atuar como agente tamponante, regulando o pH de soluções aquosas. Além disso, ela pode ser utilizada como emulsificante em cosméticos e produtos de cuidados pessoais, devido à sua capacidade de misturar substâncias insolúveis em água.

Outra propriedade importante da trietanolamina é a sua capacidade de reagir com ácidos para formar sais. Isso a torna um componente essencial em formulações de produtos de limpeza, devido à sua capacidade de neutralizar ácidos e agir como agente surfactante.

No entanto, é importante ressaltar que a trietanolamina pode apresentar riscos à saúde e ao meio ambiente. O seu uso excessivo ou inadequado pode causar irritação na pele e nos olhos, além de contribuir para a poluição da água e do solo.

Em resumo, a trietanolamina é uma substância química com diversas propriedades úteis, sendo amplamente utilizada em diferentes setores industriais. No entanto, é essencial tomar precauções ao manuseá-la e garantir que seja utilizada de forma segura e responsável.

Finalidade da trietilamina na indústria química e farmacêutica: descubra sua importância e aplicações.

A trietilamina é um composto químico de fórmula (C2H5)3N, também conhecido como N,N-Dietiletanamina. Possui uma estrutura molecular simples, consistindo em três grupos etila ligados a um átomo de nitrogênio. É um líquido incolor com um forte odor característico de amônia.

Na indústria química, a trietilamina é amplamente utilizada como catalisador em diversas reações de alquilação e acetilação. Sua presença acelera esses processos, aumentando a eficiência da produção de compostos orgânicos. Além disso, é empregada na síntese de produtos farmacêuticos, corantes, resinas e agentes de cura de polímeros.

Na indústria farmacêutica, a trietilamina desempenha um papel crucial na fabricação de medicamentos. É utilizada na síntese de diversos princípios ativos, auxiliando na formação de ligações químicas essenciais para a eficácia dos fármacos. Além disso, sua capacidade de neutralizar ácidos a torna um componente importante em formulações farmacêuticas.

Apesar de sua importância na indústria química e farmacêutica, é importante ressaltar que a trietilamina apresenta alguns riscos. Seu manuseio inadequado pode causar irritação na pele, olhos e vias respiratórias. Portanto, é fundamental adotar medidas de segurança ao trabalhar com esse composto, como a utilização de EPIs e a manipulação em ambientes bem ventilados.

Relacionado:  Química na Pré-História e Antiguidade

Em resumo, a trietilamina desempenha um papel fundamental na indústria química e farmacêutica, sendo essencial para a síntese de diversos compostos orgânicos e medicamentos. Sua capacidade catalítica e propriedades químicas a tornam um componente valioso em processos de produção e pesquisa. No entanto, é necessário ter cuidado ao lidar com esse composto, a fim de evitar possíveis riscos à saúde.

Descubra o pH da trietanolamina em um simples teste de laboratório.

A trietilamina é um composto químico comumente utilizado em laboratórios e na indústria devido às suas propriedades básicas e capacidade de neutralizar ácidos. Para descobrir o pH da trietanolamina em um simples teste de laboratório, basta seguir alguns passos simples.

Primeiro, adicione uma pequena quantidade de trietilamina a uma solução aquosa. Em seguida, utilize papel indicador de pH para testar a acidez ou basicidade da solução. O papel indicador mudará de cor, indicando o pH da solução.

É importante ressaltar que a trietanolamina é uma base fraca, portanto, a solução provavelmente terá um pH alcalino. Para obter um resultado mais preciso, é recomendável utilizar um medidor de pH digital.

A trietanolamina é comumente utilizada na fabricação de produtos cosméticos, como cremes e loções, devido às suas propriedades emolientes e neutralizantes. No entanto, é importante manusear esse composto com cuidado, pois pode causar irritações na pele e nos olhos.

Em resumo, descobrir o pH da trietanolamina em um simples teste de laboratório é fácil e pode ser feito com papel indicador de pH ou um medidor digital. É importante lembrar que a trietanolamina é uma base fraca e deve ser manipulada com cuidado devido aos seus potenciais riscos à saúde.

Trietilamina: estrutura, propriedades, usos e riscos

A trietilamina é um composto orgânico, mais especificamente, uma amina alifática, cuja fórmula química é N (CH 2 CH 3 ) 3 ou NEt 3 . Como outras aminas líquidas, possui um odor semelhante ao da amônia misturada com o peixe; seus vapores tornam tedioso e perigoso manusear essa substância sem um exaustor ou roupas apropriadas.

Além de suas respectivas fórmulas, esse composto é frequentemente abreviado como ASD; no entanto, isso pode causar confusão com outras aminas, como trietanolamina, N (EtOH) 3 ou tetraetilamônio, uma amina quaternária, NEt 4 + .

Trietilamina: estrutura, propriedades, usos e riscos 1

Esqueleto de trietilamina. Fonte: Misturas [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

Pelo esqueleto (imagem superior), pode-se dizer que a trietilamina se parece bastante com amônia; enquanto a segunda tem três hidrogénios, NH 3 , a primeira tem três grupos etilo, N (CH 2 CH 3 ) 3 . Sua síntese parte do tratamento da amônia líquida com etanol, ocorrendo uma alquilação.

NEt 3 pode formar um sal higroscópico com HCl: cloridrato de trietilamina, NEt 3 · HCl. Além disso, participa como catalisador homogêneo na síntese de ésteres e amidas, tornando-o um solvente necessário em laboratórios orgânicos.

Além disso, juntamente com outros reagentes, permite a oxidação de álcoois primários e secundários em aldeídos e cetonas, respectivamente. Como a amônia, é uma base e, portanto, pode formar sais orgânicos por reações de neutralização.

Estrutura de trietilamina

Trietilamina: estrutura, propriedades, usos e riscos 2

Estrutura de trietilamina. Fonte: Benjah-bmm27 [Domínio público].

Na imagem acima, a estrutura da trietilamina é mostrada com um modelo de esferas e barras. No centro da molécula está o átomo de nitrogênio, representado por uma esfera azulada; e ligados a ele, os três grupos etil, como pequenos galhos de esferas preto e branco.

Embora não seja visível a olho nu, há um par de elétrons não compartilhados no átomo de nitrogênio. Esses dois elétrons e os três grupos -CH 2 CH 3 sofrem repulsões eletrônicas; mas, por outro lado, contribuem para definir o momento dipolar da molécula.

No entanto, esse momento dipolar é menor que, por exemplo, dietilamina, NHEt 2 ; e da mesma forma, não há possibilidade de formar pontes de hidrogênio.

Isso ocorre porque não há ligação NH na trietilamina e, consequentemente, menores pontos de fusão e ebulição são observados em comparação com outras aminas que interagem dessa maneira.

Embora exista um leve momento dipolar, as forças de dispersão entre os grupos etil das moléculas NEt 3 vizinhas não podem ser descartadas . Adicionando esse efeito, justifica-se por que, embora a trietilamina seja volátil, ela ferve a cerca de 89 ° C, graças à sua massa molecular relativamente grande.

Propriedades

Aparência física

Líquido incolor com um cheiro desagradável de amônia e peixe.

Massa molar

101,193 g / mol.

Ponto de ebulição

89 ° C.

Ponto de fusão

-115 ° C. Observe quão fracas são as forças intermoleculares que ligam as moléculas de trietilamina em seus sólidos.

Densidade

0,7255 g / mL.

Solubilidade

É relativamente solúvel em água, 5,5 g / 100g a 20 ° C. Abaixo de 18,7 ° C, segundo Pubchem, é até miscível com ele.

Além de “se dar bem” com a água, também é solúvel em acetona, benzeno, etanol, éter e parafina.

Densidade de vapor

3,49 em relação ao ar.

Pressão de vapor

57,07 mmHg a 25 ° C.

Constante de Henry

66 μmol / Pa · Kg.

Ponto de inflamação

-15 ° C.

Temperatura de auto-ignição

312 ° C.

Capacidade de calor

216,43 kJ / mol.

Calor de combustão

10.248 cal / g.

Calor de vaporização

34,84 kJ / mol.

Tensão superficial

20,22 N / m a 25 ° C.

Índice de refração

1.400 a 20 ° C.

Viscosidade

0,347 mPa · sa 25 ° C.

Constante de basicidade

A trietilamina tem um pKb igual a 3,25.

Basicity

A basicidade para esta amina pode ser expressa pela seguinte equação química:

NEt 3 + HA <=> NHEt 3 + + A

Onde o HA é uma espécie ácida fraca. O par NHEt 3 + A forma o que se torna um sal terciário de amônio.

O ácido conjugado NHEt 3 + é mais estável que o amônio, NH 4 + , porque os três grupos etil doam parte de sua densidade eletrônica para reduzir a carga positiva no átomo de nitrogênio; portanto, a trietilamina é mais básica que a amônia (mas menos básica que a OH ).

Relacionado:  Alcinos: propriedades, estrutura, usos e exemplos

Usos

Trietilamina: estrutura, propriedades, usos e riscos 3

Reações catalisadas por trietilamina. Fonte: Tachymètre [domínio público].

A basicidade, neste caso, a nucleofilicidade da trietilamina é usada para catalisar a síntese de ésteres e amidas a partir de um substrato em comum: um cloreto de acila, RCOCl (imagem superior).

Aqui o par de elétrons livres de nitrogênio ataca o grupo carbonil, formando um intermediário; que, consecutivamente, é atacado por um álcool ou uma amina para formar um éster ou amida, respectivamente.

Na primeira linha da imagem, o mecanismo que segue a reação para produzir o éster é visualizado, enquanto a segunda linha corresponde à amida. Observe que ambas as reações produzem cloridrato de trietilamina, NEt 3 · HCl, a partir do qual o catalisador é recuperado para iniciar outro ciclo.

Polímeros

A nucleofilicidade da trietilamina também é usada para ser adicionada a certos polímeros, curando-os e dando-lhes massas maiores. Por exemplo, faz parte da síntese de resinas policarbonadas, espumas de poliuretano e resinas epóxi.

Cromatografia

Sua anfifilicidade e volatilidade remotas permitem que seus sais derivados sejam utilizados como reagentes na cromatografia de troca iônica. Outra utilização implícita de trietilamina é que ele pode ser obtido mais sais de aminas terciárias, tais como bicarbonato de trietilamina, NHEt 3 HCO 3 (ou TEAB).

Produtos comerciais

Tem sido utilizado como aditivo na formulação de cigarros e tabaco, conservantes alimentares, produtos de limpeza de pisos, aromas, pesticidas, corantes, etc.

Riscos

Os vapores de trietilamina não são apenas desagradáveis, mas perigosos, pois podem irritar o nariz, a garganta e os pulmões, causando edema pulmonar ou bronquite. Além disso, sendo mais densos e pesados ​​que o ar, eles permanecem no nível do solo, movendo-se para possíveis fontes de calor para explodir posteriormente.

Os recipientes deste líquido devem estar tão longe do fogo quanto representam um perigo iminente de explosão.

Além disso, deve-se evitar o contato com espécies ou reagentes, tais como: metais alcalinos, ácido tricloroacético, nitratos, ácido nítrico (como formar nitrosoaminas, compostos cancerígenos), ácidos fortes, peróxidos e permanganatos.

Você não deve tocar em alumínio, cobre, zinco ou suas ligas, pois ele pode corroer.

Em relação ao contato físico, pode causar alergia e erupções cutâneas se a exposição for aguda. Além dos pulmões, pode afetar o fígado e os rins. E em relação ao contato visual, causa irritação, que pode até danificar os olhos se não forem tratados ou limpos a tempo.

Referências

  1. Morrison, RT e Boyd, R., N. (1987). Quimica Organica. 5ª Edição. Editorial Addison-Wesley Interamerican.
  2. Carey F. (2008). Quimica Organica. (Sexta edição). Mc Graw Hill
  3. Graham Solomons TW, Craig B. Fryhle. (2011). Química Orgânica Aminas (10ª edição). Wiley Plus
  4. Wikipedia (2019). Trietilamina Recuperado de: en.wikipedia.org
  5. Merck. (2019). Trietilamina Recuperado de: sigmaaldrich.com
  6. Centro Nacional de Informação Biotecnológica. (2019). Trietilamina Banco de Dados PubChem. CID = 8471. Recuperado de: pubchem.ncbi.nlm.nih.gov
  7. Rede de dados de toxicologia. (sf). Trietilamina Recuperado de: toxnet.nlm.nih.gov
  8. Departamento de Saúde de Nova Jersey. (2010). Trietilamina Recuperado de: nj.gov

Deixe um comentário