Tumores cerebrais: tipos, sintomas, causas e tratamentos

Os tumores cerebrais são uma condição grave que afeta o sistema nervoso central e pode ter diversas origens. Existem diferentes tipos de tumores cerebrais, classificados de acordo com a sua localização e composição celular. Os sintomas podem variar de acordo com o tamanho e a localização do tumor, e incluem dores de cabeça persistentes, alterações na visão, convulsões, perda de equilíbrio e dificuldade de concentração. As causas dos tumores cerebrais ainda não são totalmente compreendidas, mas fatores genéticos, ambientais e histórico de radiação podem estar relacionados ao seu desenvolvimento. O tratamento dos tumores cerebrais pode envolver cirurgia, radioterapia, quimioterapia e terapia-alvo, dependendo do tipo e estágio do tumor. É fundamental buscar acompanhamento médico especializado para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Conheça os diferentes tipos de tumores que podem se desenvolver no cérebro humano.

Existem diversos tipos de tumores que podem se desenvolver no cérebro humano, cada um com características específicas e comportamentos distintos. Os tumores cerebrais podem ser classificados em primários, que se originam no próprio cérebro, e secundários, que se originam em outras partes do corpo e se espalham para o cérebro.

Os tumores primários são os mais comuns e podem ser divididos em dois grupos principais: os tumores benignos e os tumores malignos. Os tumores benignos crescem de forma lenta e não se espalham para outras partes do cérebro. Já os tumores malignos, também conhecidos como câncer cerebral, são mais agressivos e podem se espalhar para outras regiões do cérebro.

Entre os tumores primários mais comuns estão os gliomas, que se desenvolvem a partir das células gliais do cérebro. Os gliomas incluem subtipos como glioblastoma, astrocitoma e oligodendroglioma. Outros tipos de tumores primários incluem meningiomas, neuromas e meduloblastomas.

Os tumores secundários, por sua vez, são mais raros e resultam da metástase de cânceres originados em outras partes do corpo, como pulmão, mama, próstata e pele. Esses tumores são tratados de forma diferente dos tumores primários, levando em consideração o tipo de câncer original.

Os sintomas de um tumor cerebral podem variar de acordo com a sua localização e tamanho, mas alguns sinais comuns incluem dores de cabeça persistentes, alterações na visão, convulsões, dificuldade de fala e movimento, e alterações de humor. É importante procurar ajuda médica caso apresente algum desses sintomas, para que seja feito o diagnóstico correto e iniciado o tratamento adequado.

Os tratamentos para tumores cerebrais podem incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia e terapias-alvo, dependendo do tipo e estágio do tumor. O objetivo do tratamento é reduzir o tamanho do tumor, aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Em resumo, os tumores cerebrais podem ser de diversos tipos, cada um com suas características específicas e necessidades de tratamento. É fundamental estar atento aos sintomas e buscar ajuda médica para um diagnóstico precoce e um tratamento eficaz.

Sinais iniciais de tumor cerebral: o que observar e quando procurar ajuda médica especializada.

Os tumores cerebrais podem ser silenciosos em seus estágios iniciais, mas há alguns sinais que podem indicar a presença de um tumor no cérebro. É importante estar atento a esses sinais e procurar ajuda médica especializada se necessário.

Alguns dos sinais iniciais de um tumor cerebral incluem dor de cabeça persistente e intensa, alterações na visão, perda de equilíbrio, convulsões e alterações na fala ou na memória. Se você perceber algum desses sintomas, é essencial procurar um médico neurologista para uma avaliação detalhada.

É importante ressaltar que esses sintomas podem ser causados por diversas condições e nem sempre indicam a presença de um tumor cerebral. No entanto, é fundamental realizar exames específicos para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Em casos de suspeita de tumor cerebral, o médico pode solicitar exames como ressonância magnética e tomografia computadorizada para avaliar a presença do tumor e sua localização no cérebro. O tratamento pode envolver cirurgia, radioterapia e quimioterapia, dependendo do tipo e estágio do tumor.

Portanto, fique atento aos sinais iniciais de um possível tumor cerebral e não hesite em buscar ajuda médica especializada se necessário. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais para aumentar as chances de sucesso no combate a essa condição.

Descubra as possíveis origens do câncer cerebral em uma lista detalhada.

Existem várias possíveis origens do câncer cerebral, que podem incluir:

1. Mutação genética: Alterações genéticas podem levar ao desenvolvimento de tumores no cérebro. Essas mutações podem ser hereditárias ou adquiridas ao longo da vida.

2. Exposição a radiações: A exposição a radiações ionizantes, como a radiação emitida por alguns tratamentos médicos ou por acidentes nucleares, pode aumentar o risco de desenvolver câncer cerebral.

Relacionado:  Lóbulos cerebrais: funções e características

3. Histórico familiar: Pessoas com histórico familiar de tumores cerebrais têm maior probabilidade de desenvolver a doença, sugerindo a influência de fatores genéticos.

4. Idade avançada: O risco de câncer cerebral aumenta com a idade, sendo mais comum em pessoas acima de 50 anos.

5. Exposição a certas substâncias químicas: A exposição a produtos químicos tóxicos, como pesticidas e solventes industriais, pode estar relacionada ao desenvolvimento de tumores cerebrais.

É importante ressaltar que cada caso de câncer cerebral pode ter origens diferentes e que o diagnóstico preciso é fundamental para o tratamento adequado da doença.

Qual é o tumor cerebral de maior gravidade?

Os tumores cerebrais são crescimentos anormais de células no cérebro que podem ser benignos ou malignos. Entre os diferentes tipos de tumores cerebrais, o tumor de maior gravidade é o glioblastoma multiforme. Este tipo de tumor é considerado o mais agressivo e letal, sendo classificado como um glioma de grau IV.

O glioblastoma multiforme é um tumor de células gliais que se desenvolve rapidamente no cérebro, causando sintomas como dores de cabeça persistentes, alterações na visão, convulsões e dificuldade de coordenação. As causas desse tipo de tumor ainda não são totalmente compreendidas, mas sabe-se que fatores genéticos, ambientais e exposição à radiação podem desempenhar um papel no seu desenvolvimento.

O tratamento para o glioblastoma multiforme geralmente envolve uma combinação de cirurgia para remover o tumor, radioterapia e quimioterapia. No entanto, devido à sua agressividade e alta taxa de recorrência, o prognóstico para os pacientes com esse tipo de tumor costuma ser reservado, com uma média de sobrevida de aproximadamente 15 meses após o diagnóstico.

Portanto, é fundamental que os pacientes com sintomas de tumores cerebrais, como dores de cabeça persistentes e alterações na visão, procurem atendimento médico o mais rápido possível para um diagnóstico e tratamento adequado. O glioblastoma multiforme é um tumor cerebral de extrema gravidade, e o acompanhamento médico especializado é essencial para enfrentar essa condição de forma eficaz.

Tumores cerebrais: tipos, sintomas, causas e tratamentos

Os tumores cerebrais são um tipo de doença caracterizada pela formação de tecido anormal em ambos o cérebro e a medula espinal (Instituto Nacional de Cancro, 2015). É um acúmulo anormal de células que formam uma massa (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Embora o conjunto de conhecimentos sobre esse tipo de neoplasia tenha progredido consideravelmente nas últimas décadas e, portanto, a sobrevida dos pacientes tenha aumentado, o prognóstico não mudou significativamente.Portanto, as abordagens tradicionais ainda são utilizadas em seu tratamento: cirurgia, radioterapia, quimioterapia e introdução de novos medicamentos (Lafuente-Sánchez, 2002).

Tumores cerebrais: tipos, sintomas, causas e tratamentos 1

As células são as unidades estruturais e funcionais básicas para os seres humanos. Quando nosso corpo funciona de maneira coordenada e normalizada, o caminho normal de desenvolvimento é a formação de novas células que substituem as velhas ou danificadas. No entanto, as células também podem começar a crescer de forma anormal, formando um tumor (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Esse desenvolvimento celular descontrolado é devido a uma mutação ou lesão dos genes responsáveis ​​pela regulação do crescimento e morte celular (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Quando os mecanismos reguladores genéticos não funcionam da melhor maneira, as células podem começar a crescer e se dividir de maneira descontrolada e, portanto, formar tumores em qualquer área do corpo (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Essas massas ou tumores causarão danos no nível neurológico, devido à pressão que podem exercer sobre outras estruturas cerebrais e da coluna vertebral e à disseminação disso por diferentes áreas (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Todos os tumores cerebrais e espinhais causarão danos neurológicos?

Em geral, todos os tumores, independentemente de onde estão localizados, podem ser classificados como benignos ou malignos (Johns Hopkins Medicine, 2016):

Tumor benigno

É uma massa celular não cancerosa que cresce lentamente e localizada, não se expande para outras áreas. As células que formam esse tumor são semelhantes às não patológicas e geralmente são removidas cirurgicamente sem reaparecer.

Pode danificar e comprimir áreas do cérebro; quando estão localizados em áreas vitais, podem causar risco de vida (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Tumor maligno

É uma massa composta por células cancerígenas, que geralmente crescem mais rápido e globalmente e se expandem para outras áreas. Além do uso da cirurgia, quimioterapia e radioterapia são frequentes para o tratamento. Em geral, os tumores malignos ameaçam seriamente a vida da pessoa que sofre dele (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Relacionado:  17 Doenças da coluna vertebral, sintomas e causas

Independentemente de ser um tumor benigno ou maligno, todas as massas que crescem ou invadem o tecido cerebral são potencialmente capazes de danificar as diferentes funções neurológicas.

Embora alguns dos tumores cerebrais possam se espalhar para outras áreas do corpo, a maioria deles precisa se espalhar entre os tecidos neurais, tanto os malignos quanto os benignos (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Consequências nos níveis cerebral e espinhal

Dependendo do tipo, os tumores podem causar diferentes eventos no cérebro e na coluna vertebral (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016):

  • Danifique ou destrua células saudáveis.
  • Danificar ou interromper a função das células saudáveis.
  • Você pode mover ou pressionar o tecido circundante.
  • Eles podem bloquear o fluxo sanguíneo causando inflamação, obstrução, hipóxia, entre outros.
  • Ele pode bloquear o fluxo de informações neurais, prejudicando as rotas de entrada ou saída estimuladas.

Embora o mais frequente seja o surgimento de uma ampla sintomatologia, também foram documentados casos em que a presença de um tumor cerebral ou espinhal é assintomática.

Tipos de tumores cerebrais e da coluna vertebral

Relatórios clínicos e experimentais identificaram mais de 120 tipos de tumores cerebrais e da coluna vertebral. Todos esses tipos podem ser classificados pelo local de origem e expressão, pelo tipo de célula que os originou e / ou pelo local específico em que estão localizados (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

-Dependendo da origem e expansão

Normalmente, na literatura científica, dependendo da origem e expansão desse tipo de tumor, falamos sobre tumores primários ou metastáticos:

Tumor primário

As células começam a crescer localmente no sistema nervoso central . Eles podem ser benignos ou malignos e ocorrem preferencialmente em adultos (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016). Os mais prevalentes são meningiomas e gliomas (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Tumor metastático

O tumor primário cancerígeno ou maligno é gerado em outra parte do corpo e se expande para regiões do sistema nervoso central (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Aproximadamente 50% dos tumores metastáticos do cérebro e da coluna vertebral são um produto do câncer de pulmão, embora também possam resultar em melanomas, câncer de mama, câncer de rim e câncer nasofaríngeo (National Institute of Cancer, 2015).

-Dependendo do tipo de célula original

Dependendo do tipo de célula nativa ou da parte do cérebro ou medula em que está localizada, alguns dos tipos mais prevalentes em crianças e adultos são (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos, 2016):

Gliomas

Os tumores são derivados de células da glia (células que suportam diferentes funções neuronais). Eles geralmente ocorrem nos hemisférios cerebrais e em outras áreas como o nervo óptico, o tronco encefálico ou o cerebelo . Podemos classificar gliomas com base em que tipo de célula glial é afetada:

  • Atrocitomas : desenvolvem-se a partir de astrócitos. Eles são a causa de aproximadamente 50% dos tumores do sistema nervoso central. As formas mais comuns são: astrocitoma anaplásico, astrocitopo policitico, glioblastoma multiforme.
  • Ependimomas : desenvolvem-se a partir das células que revestem os aquedutos e cavidades cerebrais e o canal medular, onde o líquido cefalorraquidiano é produzido e armazenado . Geralmente é benigno.

-Outros

Outros tumores que podem aparecer incluem:

Chordomas

Ela se desenvolve na coluna vertebral, geralmente é congênita e pode invadir o canal espinhal e o cérebro.

Papilomas do plexo coróide

Afetam essencialmente a produção de líquido cefalorraquidiano, aumentando sua produção ou bloqueando o fluxo normal.

Carniofaringiomas

Eles geralmente crescem na base do cérebro, em regiões próximas à glândula pituitária, nervo óptico e tecido circundante. Eles são geralmente congênitos.

Tumores neuroepiteliais dembroplásmicos

Eles geralmente se desenvolvem na metade superior do cérebro. Embora sejam geralmente beningos, causam um número significativo de convulsões.

Tumores de células germinativas

Eles se desenvolvem a partir de células que não migram durante o desenvolvimento do sistema nervoso central para se diferenciarem em um órgão específico. Eles geralmente se formam dentro do cérebro, perto da glândula pineal e podem se expandir para outras áreas do cérebro e da coluna vertebral. Dependendo do tipo de célula germinativa, podemos encontrar teratomas, carcinomas embrionários e germinomas.

Meningiomas

Eles se desenvolvem nas membranas que protegem o cérebro e a medula espinhal, as meninges. Eles geralmente são benignos e geralmente não invadem os tecidos adjacentes.

Tumores neuroectodérmicos primitivos

Eles geralmente se desenvolvem a partir de células primitivas ou imaturas que estão presentes durante o desenvolvimento do sistema nervoso. Pode se espalhar pelo cérebro e medula espinhal de maneira irregular. Existem dois tipos muito comuns:

  • Méduloblastomas : ocorrem em mais de 25% dos tumores cerebrais da infância. Eles geralmente são gerados no cérebro e podem se espalhar por toda a medula espinhal.
  • Neuroblastomas : geralmente se desenvolvem acima das glândulas supra-renais, mas podem estar localizados em outras áreas do cérebro e da coluna vertebral.
Relacionado:  Síndrome de Patau: sintomas, causas, tratamento

Tumores vasculares

Eles se desenvolvem nos vasos sanguíneos que suprem o cérebro e a medula espinhal.

Sintomas

Como vimos, há uma grande variedade de tumores; portanto, os sintomas variam dependendo da localização do tumor. Além disso, o tamanho e a taxa de crescimento também determinarão o curso clínico da sintomatologia (Johns Hopkins Medicine, 2016).

Alguns dos sintomas mais comuns que podem aparecer são (Johns Hopkins Medicine, 2016):

  • Dores de cabeça ou dor de cabeça.
  • Episódios de convulsões.
  • Dificuldade em se concentrar ou falar.
  • Mudanças de personalidade
  • Mudanças comportamentais
  • Fraqueza ou paralisia de uma parte específica do corpo ou de um lado completo.
  • Perda auditiva
  • Perda de visão
  • Confusão e desorientação.
  • Esquecido e perda de memória.

Muitas vezes, esses sintomas aparecem classificados, dependendo se a origem está em um cérebro ou tumor na coluna vertebral (National Institute of Cancer, 2015):

  • Sintomas de tumores cerebrais: dor de cabeça matinal aliviada pelo vômito; convulsões; problemas ou dificuldades de visão ou audição; perda de apetite; náusea e vômito recorrentes; mudanças na personalidade, humor, comportamento ou capacidade de concentração; perda de equilíbrio ou dificuldade para caminhar; Fraqueza e sonolência exageradas (Instituto Nacional de Câncer, 2015).
  • Sintomas de tumores da coluna vertebral : dor nas costas que se expande para as extremidades; mudança nos hábitos intestinais ou dificuldade em urinar; fraqueza e dormência das pernas e braços; dificuldade para caminhar (Instituto Nacional de Câncer, 2015).

Causas

A pesquisa clínica atual ainda não conhece as causas do desenvolvimento de tumores cerebrais e espinhais primários. Algumas das causas que estão sendo investigadas são: vírus, mutações genéticas, exposição a produtos químicos ou materiais perigosos e distúrbios do sistema imunológico (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Por outro lado, sabe-se que o consumo de álcool e tabaco ou diferentes hábitos alimentares não saudáveis ​​estão associados a alguns tipos de câncer, mas nenhum deles foi relacionado à presença de tumores primários no sistema nervoso central (Instituto Nacional de Neurologia) Distúrbios e AVC, 2016).

Há um pequeno número de pacientes nos quais algumas causas genéticas específicas foram identificadas: neurofibromatose e esclerose tuberosa (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Quem sofre de tumores cerebrais ou da coluna vertebral?

As estimativas estatísticas estimam que possa haver mais de 359.000 pessoas nos EUA que vivem com um diagnóstico de tumor no SNC. Além disso, mais de 195.000 novos casos são diagnosticados a cada ano (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016)

Em geral, os tumores cerebrais são mais comuns que os tumores da coluna vertebral. Eles podem ocorrer em qualquer idade; no entanto, eles são mais comuns em adultos de meia-idade e jovens (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016)

Apesar disso, aproximadamente mais de 3.200 tumores do sistema nervoso central em crianças são diagnosticados anualmente (Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, 2016).

Fatores de risco para tumores no sistema nervoso central

Alguns estudos demonstraram que existem algumas condições que podem aumentar o risco de sofrer esse tipo de tumor (Cancer Support Communnity, 2016):

  • Exposição ao cloreto de vinila.
  • Radiação
  • Infecção pelo vírus Epsein-Barr.
  • Seropositivo
  • Transplante de órgão
  • Linfoma primário do SNC.

Além disso, alguns fatores genéticos também foram identificados (Cancer Support Communnity, 2016):

  • Neurofibromatose tipo 1 ou 2.
  • Hippel-Lindau.
  • Esclerose tuberosa
  • Síndrome de Li-Fraumeni.
  • Síndrome de Turcot tipo 1 e tipo 2.
  • Síndrome de Klinefelter
  • Síndrome do carcinoma basocelular.

Tratamentos

O tratamento de tumores do sistema nervoso central dependerá de vários fatores: tamanho, localização, sintomas, preferências gerais de saúde e tratamento. Alguns dos tratamentos mais utilizados são:

  • Cirurgia
  • Terapia de radiação
  • Quimioterapia

Em alguns pacientes, o uso combinado dessas terapias é possível, enquanto em outros o uso exclusivo de uma delas é benéfico.

Referências

  1. ACS (2016). Tumores cerebrais e da medula espinhal em adultos . Obtido na American Cancer Society: cancer.org
  2. CSC (2016). Tumores cerebrais e da medula espinhal . Obtido da Comunidade de suporte ao câncer:
    cancersupportcommunity.org
  3. NHI. (2016). Tratamento de tumores do sistema nervoso central adulto . Obtido no National Cancer Institute: cancer.gov
  4. Universidade Jhons Hopkins. (2016). Sobre tumores cerebrais . Obtido em Jhons Hopkins Medicine: hopkinsmedicine.org

Deixe um comentário