Urotélio: características, histologia e funções

O urotélio, também conhecido como epitélio de transição, é um tipo de epitélio especializado encontrado nas vias urinárias, como a bexiga, ureteres e uretra. Este tipo de tecido possui características únicas que o tornam adequado para suportar as condições extremas do trato urinário, como a exposição a substâncias químicas e a capacidade de se distender e contrair. A histologia do urotélio é marcada pela presença de células poliédricas com várias camadas, além de apresentar um revestimento de glicocálix que protege as células. Suas principais funções incluem a proteção contra agentes irritantes e toxinas presentes na urina, além de permitir a distensão e contração das estruturas urinárias durante o armazenamento e eliminação da urina.

Funções principais do tecido epitelial: conheça as principais atribuições desse tecido fundamental.

O tecido epitelial é um dos tipos de tecido fundamental do corpo humano, desempenhando diversas funções essenciais para o funcionamento adequado dos órgãos e sistemas. Entre as principais atribuições desse tecido estão a proteção, absorção, secreção e excreção.

Uma das especializações do tecido epitelial é o urotélio, que reveste a superfície interna do trato urinário. O urotélio é um epitélio estratificado especializado que apresenta características únicas para suportar a constante exposição a substâncias tóxicas presentes na urina.

Do ponto de vista histológico, o urotélio é composto por células que apresentam várias camadas, sendo a camada mais superficial formada por células achatadas e impermeáveis. Essas células possuem uma alta capacidade de estiramento, permitindo que o órgão se expanda e se contraia conforme a quantidade de urina armazenada.

Além disso, o urotélio possui a função de proteger o trato urinário contra a ação de agentes irritantes e microrganismos patogênicos. As células do urotélio possuem mecanismos de defesa que impedem a penetração desses agentes, contribuindo para a manutenção da saúde do sistema urinário.

Em resumo, o urotélio é um tipo especializado de tecido epitelial que reveste o trato urinário, desempenhando funções essenciais para a proteção e o funcionamento adequado desse sistema. Sua estrutura histológica e suas características únicas permitem que ele cumpra sua principal atribuição de garantir a saúde e o bom funcionamento do trato urinário.

Principais características do tecido epitelial de revestimento: O que você precisa saber.

O urotélio é um tipo de tecido epitelial de revestimento que reveste a bexiga, uretra e parte dos ureteres. Suas principais características incluem a capacidade de se adaptar a distensões e contrações, além de formar uma barreira impermeável que impede a passagem de substâncias tóxicas para os tecidos subjacentes.

Na histologia, o urotélio é composto por várias camadas de células, sendo as mais superficiais alongadas e planas, enquanto as mais profundas são cúbicas ou columnares. Essa organização em camadas permite uma maior resistência mecânica e proteção contra danos.

As principais funções do urotélio incluem a proteção dos tecidos subjacentes contra substâncias tóxicas presentes na urina, a regulação do equilíbrio de água e eletrólitos, e a capacidade de esticar e contrair conforme a bexiga se enche e esvazia.

Em resumo, o urotélio é um tecido epitelial de revestimento com características únicas que o tornam essencial para o funcionamento adequado do sistema urinário. Sua capacidade de se adaptar a diferentes situações e proteger os tecidos subjacentes o torna fundamental para a saúde e o bem-estar do organismo.

Identificação de características histológicas distintas entre bexiga cheia e bexiga vazia.

O urotélio é um tipo de tecido epitelial que reveste a bexiga, sendo essencial para a sua função de armazenamento de urina. Quando a bexiga está cheia, o urotélio é esticado e apresenta características histológicas distintas em relação à bexiga vazia.

Relacionado:  Blastômeros: formação, desenvolvimento embrionário

Em um exame histológico, é possível observar que o urotélio da bexiga cheia apresenta células mais achatadas e esticadas, devido à distensão causada pela quantidade de urina armazenada. Por outro lado, na bexiga vazia, as células do urotélio são mais arredondadas e enrugadas, devido à falta de distensão.

Além disso, a camada de urotélio na bexiga cheia é mais espessa, proporcionando maior proteção contra substâncias tóxicas presentes na urina. Já na bexiga vazia, a camada de urotélio é mais fina, refletindo a menor necessidade de proteção nesse estado.

Portanto, a identificação dessas características histológicas distintas entre bexiga cheia e bexiga vazia é importante para compreender a fisiologia do urotélio e sua relação com a função de armazenamento de urina.

Componentes e funções do tecido epitelial: conheça os constituintes e suas principais características.

O tecido epitelial é um dos quatro tipos básicos de tecidos presentes no corpo humano, sendo responsável por revestir as superfícies externas e internas do organismo. Ele é formado por células justapostas, ou seja, que ficam muito próximas umas das outras, e apresenta diversas funções essenciais para o bom funcionamento do corpo.

Os principais componentes do tecido epitelial são as células epiteliais, que podem ser classificadas de acordo com sua forma (pavimentosas, cúbicas ou prismáticas) e com o número de camadas (simples ou estratificadas). Além das células, o tecido epitelial também pode conter células secretoras e células sensoriais.

As principais características do tecido epitelial incluem a capacidade de regeneração rápida, a presença de uma membrana basal que separa o tecido do tecido conjuntivo subjacente, e a presença de especializações celulares, como microvilosidades e cílios, que auxiliam nas funções do tecido.

Urotélio é o nome dado ao tecido epitelial que reveste as vias urinárias, como a bexiga, os ureteres e a uretra. O urotélio é formado por células de transição, que possuem a capacidade de se esticar e contrair conforme a bexiga se enche e esvazia, respectivamente.

Na histologia, o urotélio apresenta células com núcleos achatados e citoplasma rico em glicogênio, o que ajuda na impermeabilização das vias urinárias. Além disso, o urotélio forma uma barreira física que impede a passagem de substâncias tóxicas da urina para o sangue.

As principais funções do urotélio incluem a proteção das vias urinárias contra infecções, a regulação da permeabilidade da bexiga e a capacidade de se distender para armazenar a urina. Portanto, o urotélio desempenha um papel fundamental na manutenção da homeostase do organismo.

Urotélio: características, histologia e funções

O urotélio é o epitélio que cobre o trato urinário da pelve renal à uretra, incluindo os ureteres e a bexiga urinária.A pelve renal é uma expansão do ureter em sua conexão renal, localizada em uma área chamada hilo renal, que fica na parte média do rim.

O trato urinário começa na pelve renal de cada rim, dando origem a um ureter direito e esquerdo, um para cada rim. Os ureteres fluem para a bexiga urinária que é um reservatório de urina e a bexiga se conecta à uretra, que é o ducto que permite esvaziar o conteúdo da bexiga para fora.

Urotélio: características, histologia e funções 1

Fotografia de células uroteliais da bexiga urinária (Fonte: Usuário: Polarlys [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)] via Wikimedia Commons)
Relacionado:  Pistilo: características, partes e funções

Todo o urotélio é formado por epitélio de transição, com algumas diferenças e características de cada segmento do trato urinário.

A função do trato urinário é o transporte, coleta e descarte de urina. O urotélio fornece uma superfície adequada e impermeável para desempenhar essas funções.

Caracteristicas

O urotélio constitui uma barreira contra a urina que impede sua filtração em estratos profundos, gerando uma barreira impermeável que impede a passagem de líquidos e outras substâncias pela parede celular ou espaços intercelulares.

Uma característica da composição da parede do trato urinário é a presença de várias camadas musculares que, no ureter, geram ondas semelhantes aos movimentos peristálticos do trato digestivo.

Esses movimentos da parede transportam a urina do rim para a bexiga, não pela simples gravidade, mas pela ação ativa da musculatura ureteral.

O urotélio também pode retrair e expandir seguindo as funções da bexiga em si. Na uretra, que normalmente diminuiu a luz, o urotélio se expande e, assim, abre a uretra durante a micção (contração das paredes da bexiga).

Histologia

A mucosa do trato urinário é composta por um epitélio de transição, com uma média de 3 a 8 camadas de células especializadas conectadas a uma membrana basal.

A camada basal do epitélio é formada por células cilíndricas baixas ou cubóides. Na camada basal existem várias camadas de células de aparência poliédrica.

As células do urotélio são conectadas e unidas por junções cada vez mais estreitas de uroplachin, uma proteína que ajuda a impermeabilizar o urotélio.

Histologia dos ureteres

Cada ureter é um tubo oco que tem um comprimento de 25 a 30 cm e um diâmetro de 3 a 4 mm e une a bexiga urinária perfurando a área basal ou superior dela.

Sua parede é composta por uma mucosa que cobre a luz, uma camada muscular e uma cobertura de tecido conjuntivo fibroso.

A mucosa do ureter é o urotélio formado por um epitélio de transição com 3 a 5 camadas de células. Quando o ureter está vazio, o urotélio se dobra na luz e essas dobras desaparecem quando o ureter é preenchido.

O urotélio nessa área do trato urinário cobre uma camada de tecido conjuntivo denso irregular fibroelástico chamado lâmina própria, e uma lâmina basal separa a lâmina própria do epitélio.

Onde os ureteres perfuram a base da bexiga, o urotélio fica suspenso pelos dois orifícios, formando uma aba mucosa que funciona como uma válvula que impede o fluxo retrógrado de urina quando a bexiga está cheia.

Histologia da bexiga urinária

A bexiga urinária é um órgão de armazenamento de urina. Seu urotélio é formado por um epitélio de transição mais espesso do que o de outros componentes do trato urinário.

Na bexiga vazia, o epitélio forma dobras ou invaginações que desaparecem quando distendidas.

Na bexiga vazia, as células mais superficiais desse epitélio são grandes e abauladas, com a parte superior abaulada projetando-se para a luz. Quando a bexiga está distendida, essas células achatam e o epitélio se torna mais fino.

Essas células superficiais são frequentemente multinucleadas (2-5 núcleos). Cada célula de superfície cobre duas ou mais células basais. Por esse motivo, eles são chamados de células guarda-chuva.

As células do urotélio da bexiga têm regiões mais espessas chamadas regiões da placa, que unem as células e são impermeáveis ​​à água e aos sais.

O urotélio da região trígono da bexiga é sempre suave e nunca se dobra, mesmo quando a bexiga está vazia.

Relacionado:  Psilocibo mexicano: características, habitat, cultivo e efeitos

A lâmina própria tem duas camadas: um tecido conjuntivo denso irregular de colagenose superficial e um laxante mais profundo com colágeno e elastina.

A camada muscular possui três camadas de músculo liso, que no colo vesical são formadas por duas finas camadas longitudinais, uma interna e outra externa, e uma camada circular de espessura média que constitui o esfíncter interno que circunda o orifício uretral.

Histologia da uretra

A uretra é um tubo único que permite a contração das paredes da bexiga ou micção, e no homem também serve para expulsar o sêmen durante a ejaculação.

A uretra feminina tem um comprimento de 4 a 5 cm e um diâmetro de 5 a 6 mm. Em vez disso, a uretra masculina tem 15 a 20 cm de comprimento.

A uretra feminina, próxima à bexiga, possui um epitélio de transição, mas no restante do caminho até a boca apresenta um epitélio escamoso estratificado não queratinizado. Misturados neste epitélio existem placas de epitélio pseudoestratificado cilíndrico.

Possui lâmina própria fibrolástica e pregas mucosas alongadas. Ao longo de sua extensão, existem várias glândulas Littre que a mantêm lubrificadas com sua secreção mucosa. A camada muscular é continuada com a da bexiga, mas sem a camada longitudinal externa.

Onde a uretra perfura o períneo, é adicionada uma camada de músculo esquelético circular que forma o esfíncter voluntário para a micção.

O caso do u retro masculino

A uretra do homem tem três partes: a uretra prostática, a uretra membranosa e a uretra peniana ou esponjosa.

A uretra prostática (3-4 cm) é onde os ductos prostáticos e os dois ejaculatórios terminam. Esta área é coberta com epitélio de transição.

A uretra membranosa (1-2 cm) é a que atravessa a membrana perineal e possui epitélio cilíndrico estratificado, entremeado por placas de epitélio pseudoestratificado cilíndrico.

A uretra peniana ou esponjosa (15 cm) segue todo o comprimento do pênis e termina na glande. Este urotélio é de epitélio cilíndrico estratificado, com placas interpostas de epitélio pseudoestratificado cilíndrico e escamoso cilíndrico não queratinizado.

A lâmina própria é comum nas três regiões e é composta de tecido conjuntivo fibroelástico frouxo, com vascularização abundante. Existem também as glândulas Littre que lubrificam o epitélio uretral.

Funções

A principal função do urotélio é ser uma barreira protetora contra substâncias dissolvidas na urina.

As células mais superficiais desse urotélio secretam uma substância protéica chamada uroplaquina que ajuda as superfícies impermeáveis ​​que entrarão em contato com a urina.

Além dessa função, os componentes do urotélio fornecem uma superfície lisa adequada para o fluxo de urina e um tanque de armazenamento ideal.

Estímulos que estressam o urotélio, como alterações na pressão durante o enchimento da bexiga, são capazes de desencadear a micção (desejo de urinar).

Referências

  1. Birder, L., Kanai, A., Cruz, F., Moore, K., & Fry, C. (2010). O urotélio é inteligente? Neurourology and Urodynamics , 29 , 598-602.
  2. Dudek, RW (1950). Histologia de Alto Rendimento (2ª ed.). Filadélfia, Pensilvânia: Lippincott Williams & Wilkins.
  3. Gartner, L., & Hiatt, J. (2002). Atlas Text of Histology (2ª ed.). Cidade do México: McGraw-Hill Interamerican Editors.
  4. Johnson, K. (1991). Histologia e Biologia Celular (2ª ed.). Baltimore, Maryland: A série médica nacional para estudo independente.
  5. Ross, M. & Pawlina, W. (2006). Histologia A Text and Atlas com correlação celular e biologia molecular (5ª ed.). Lippincott Williams e Wilkins.

Deixe um comentário