Verme de coco (Spodoptera frugiperda): características, ciclo de vida

O verme de coco, também conhecido cientificamente como Spodoptera frugiperda, é uma praga de grande importância econômica para a agricultura, principalmente em culturas de milho, arroz, algodão e sorgo. Este inseto é capaz de causar danos significativos nas plantações, alimentando-se das partes vegetativas das plantas.

O ciclo de vida do verme de coco inclui quatro fases: ovo, lagarta, pupa e adulto. Após a eclosão dos ovos, as lagartas se alimentam vorazmente das folhas e brotos das plantas hospedeiras, causando danos severos. Em seguida, as lagartas entram na fase de pupa, onde ocorre a metamorfose para o estágio adulto, que é uma mariposa de hábitos noturnos.

É fundamental o controle eficiente do verme de coco para evitar prejuízos nas plantações, sendo necessário adotar medidas preventivas como o monitoramento constante das lavouras e o uso de práticas de manejo integrado de pragas.

Qual é o estágio mais preocupante da lagarta-do-cartucho no cultivo de milho?

O estágio mais preocupante da lagarta-do-cartucho no cultivo de milho é a fase larval, quando a praga se alimenta vorazmente das folhas e espigas da planta. A lagarta-do-cartucho, também conhecida como verme de coco (Spodoptera frugiperda), é uma das principais pragas que afetam a produção de milho em diversas regiões do mundo.

Este inseto passa por um ciclo de vida que inclui quatro estágios: ovo, larva, pupa e adulto. Quando está na fase larval, a lagarta-do-cartucho causa danos significativos às plantações de milho, reduzindo a produtividade e a qualidade dos grãos.

As larvas da lagarta-do-cartucho são conhecidas por se alimentarem de várias partes da planta de milho, incluindo as folhas, a espiga e os grãos em desenvolvimento. Isso pode resultar em perdas econômicas para os agricultores, além de prejudicar a segurança alimentar em algumas regiões.

Portanto, é essencial adotar medidas de controle eficazes para evitar danos causados por essa praga durante o estágio larval no cultivo de milho. Isso inclui o monitoramento constante da lavoura, o uso de inseticidas específicos e o manejo integrado de pragas para garantir uma produção saudável e sustentável de milho.

Maneiras eficazes de controlar a praga Spodoptera e proteger suas plantações de danos devastadores.

O verme de coco, também conhecido como Spodoptera frugiperda, é uma praga devastadora que pode causar danos significativos às plantações. Compreender suas características e ciclo de vida é fundamental para implementar estratégias eficazes de controle.

Esta praga possui um ciclo de vida que inclui os estágios de ovo, larva, pupa e adulto. As larvas são as responsáveis pelos danos mais significativos, alimentando-se vorazmente das plantas hospedeiras. Para proteger suas plantações, é essencial adotar medidas de controle adequadas.

Uma maneira eficaz de controlar a Spodoptera é através da utilização de inimigos naturais, como predadores e parasitoides que se alimentam das larvas. A introdução destes inimigos naturais no ambiente pode ajudar a reduzir a população da praga de forma sustentável.

Além disso, a aplicação de produtos biológicos à base de Bacillus thuringiensis pode ser uma opção eficaz para o controle da Spodoptera. Esses produtos agem de forma seletiva, atacando especificamente as larvas da praga e minimizando os danos às culturas.

Outra estratégia importante é a implementação de medidas culturais, como rotação de culturas, manejo adequado da irrigação e eliminação de plantas daninhas que podem servir como hospedeiras para a praga. Essas medidas ajudam a reduzir a disponibilidade de alimento e a reprodução da Spodoptera.

Relacionado:  Catadores: características e exemplos

Ao combinar diferentes estratégias, é possível reduzir a população da praga e minimizar os prejuízos nas lavouras.

Verme de coco (Spodoptera frugiperda): características, ciclo de vida

O verme cogollero ( Spodoptera frugiperda) é um inseto da ordem Lepidoptera (borboletas e mariposas), conhecido como uma das principais pragas do milho. É nativo do continente americano, com distribuição tropical e subtropical. Esta espécie estendeu sua faixa natural de distribuição para outros continentes.

Possui um ciclo de vida complexo, composto por quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. Durante a fase larval é quando causa danos significativos às plantações. Durante a mesma fase, você pode se alimentar de uma grande variedade de plantas e até larvas de sua própria espécie.

Verme de coco (Spodoptera frugiperda): características, ciclo de vida 1

Spodoptera frugiperda macho. Retirado e editado de: consulte a página para o autor [Domínio público]

Para o manejo e controle de Spodoptera frugiperda, vários mecanismos têm sido utilizados, variando desde o uso, por exemplo, de inimigos naturais, detecção precoce de populações, inseticidas e culturas fora de época desses insetos.

Caracteristicas

Por ser uma espécie conhecida por causar danos a plantações ou culturas, as características dessa espécie de inseto foram bem estudadas em todas as fases de sua vida. Estas são as características de acordo com o estágio da vida:

Ovo

Tem uma forma hemisférica (tipo cúpula), de cor acinzentada e mede cerca de 0,4 milímetros de diâmetro e cerca de 0,3 milímetros de altura. Quando a fêmea deposita os ovos, ela coloca uma substância em cima dela que dá uma aparência à massa ovígera de mofado e setosa (semelhante ao peludo).

Larva

As larvas passam por seis instantes ou estágios. Em cada uma delas, o organismo é morfologicamente diferente. Nestes seis estágios, a largura da cápsula da cabeça, bem como o comprimento do corpo, aumentam à medida que passam de um impulso para outro.

As larvas maduras atingem um tamanho entre 38 e 51 milímetros de comprimento. Na testa, eles carregam uma sutura invertida característica em forma de Y.

Nos primeiros dias da fase larval, são esverdeados com a cabeça preta; quando passam para o segundo estágio, mantêm a cor verde, mas a cabeça muda para laranja. No final do segundo estágio e no início do terceiro estágio, as larvas têm uma coloração marrom no corpo e formam-se faixas ou linhas laterais brancas.

Nos últimos estágios (4-6), a cabeça fica marrom-avermelhada, com manchas brancas ou esbranquiçadas, enquanto o corpo possui uma cor acastanhada com faixas laterais e sub-laterais brancas, possui manchas dorsais escuras e espinhos.

Pupa

Normalmente, a pupa passa a vida no chão, no subsolo. Isso constrói um casulo oval com cerca de 20 a 30 milímetros de comprimento com materiais encontrados no chão. A pupa pode medir entre 14 e 18 milímetros de comprimento e geralmente cerca de 4,5 milímetros de largura e é de cor marrom avermelhada.

Adultos

O inseto adulto de Spodoptera frugiperda é noturno. Ele mede entre 32 a 40 milímetros de envergadura (distância que existe entre as duas extremidades das asas, quando estão totalmente estendidas), enquanto o comprimento do corpo é de 20 a 30 milímetros. Os adultos têm dimorfismo sexual.

Masculino

Com asas anteriores cinzas e marrons, com manchas triangulares brancas nas pontas e na região central delas. As asas traseiras são brancas e iridescentes, com uma flange estreita e escura (característica compartilhada por ambos os sexos).

Mulheres

Eles têm asas anteriores menos marcadas, com uma coloração cinza e marrom mais uniforme. Por outro lado, as manchas brancas nas pontas das asas e no centro delas (muito conspícuas nos machos) não estão presentes ou não são perceptíveis.

Taxonomia

A mariposa Spodoptera frugiperda é uma espécie pertencente ao filo Arthopoda, ao subfilo Unirramia e à classe Insecta (insetos). Como o resto das mariposas e borboletas, está taxonomicamente localizado na ordem Lepidoptera.

O gênero Spodoptera é composto por pelo menos 15 espécies. De acordo com as evidências morfológicas desse grupo, a identificação taxonômica é bastante complicada, portanto são consideradas espécies enigmáticas, ou seja, são espécies muito morfologicamente semelhantes, mas que atendem à definição de espécie e são isoladas reprodutivamente. A separação dessas espécies é geralmente feita por análise genética molecular.

A espécie S. frugiperda é muito semelhante morfologicamente às espécies S. ornithogalli e S. albula . Além disso, eles podem ocupar a mesma região geográfica, explorar recursos semelhantes e até o mesmo nicho ecológico.

Uma investigação realizada em 2010 forneceu informações sobre a presença de subespécies nas espécies de S. frugiperda .

Os cientistas acreditam que uma divergência em duas espécies está ocorrendo e o que sustenta esse achado é, em parte, diferenciação genética, preferência por alimentos (um prefere culturas de arroz e outro milho) e comportamento reprodutivo.

Ciclo de vida

A duração do seu ciclo de vida, em dias, varia consideravelmente com a estação do ano. Durante o inverno, essas espécies podem viver cerca de 90 dias, mas na primavera e no outono têm ciclos de vida de 60 dias. Por outro lado, em áreas quentes ou no verão, a espécie encontra seu ciclo em aproximadamente 30 dias.

A espécie Spodoptera frugiperda, como outros lepidópteros, é holometábola; isto é, apresentam metamorfose completa, que, como já mencionado nas características, apresenta estágios de ovo, larva, pupa e adulto.

Ovo

Durante o período de postura, a fêmea geralmente deposita de 100 a 200 ovos, mas em toda a sua vida consegue no máximo 2000 ovos. O período ou fase do ovo pode levar 2 ou 3 dias no verão, mas, dependendo da temperatura ou da época do ano, pode demorar mais dias.

De preferência, as fêmeas colocam seus ovos sob as folhas, mas quando as populações são muito altas e os espaços são escassos, eles podem depositá-los em quase qualquer lugar do ambiente.

Larva

A larva passa por 6 estágios. A duração de cada estádio varia de acordo com a temperatura ou a estação do ano. Um estudo realizado em 1983 determinou que a 25 ° C os tempos entre cada fase eram de 3,3; 1,7; 1,5; 1,5; 2,0 e 3,7 dias, respectivamente, entre os estágios 1 a 6.

Por outro lado, todo o ciclo larval pode durar entre 14 e 30 dias e essas flutuações de tempo também dependem da temperatura e da estação do ano.

Verme de coco (Spodoptera frugiperda): características, ciclo de vida 2

Larva de Spodoptera frugiperda. Retirado e editado de: consulte a página do autor [Domínio público] (http://www.cbif.gc.ca).

Pupa

Esta fase da vida ocorre cerca de 2 a 8 cm abaixo da terra. O tempo necessário para esta fase é de 7 a mais de 30 dias, dependendo das condições ambientais de temperatura ou estação do ano. Nos períodos ou temperaturas mais baixas, os estágios da pupa podem ser mais prolongados.

Adulto

Uma vez que os adultos emergem do chão, eles estão quase prontos para acasalar, a fêmea passa por um período anterior para colocar seus ovos (pré-posição) de cerca de 3 ou 4 dias.

Relacionado:  Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas

O acasalamento ocorre à noite, quando as fêmeas liberam um feromônio para atrair os machos. Cada fêmea é capaz de acasalar apenas uma vez por noite.

A maioria dos ovos é depositada nos primeiros 4 ou 5 dias, mas às vezes a oviposição pode durar até 20 dias. Todo o ciclo adulto pode durar entre 10 e 21 dias.

Controle biológico

O nível de compreensão dos danos causados ​​pelos inseticidas ao meio ambiente e aos organismos que vivem lá tem aumentado por vários anos, produzindo intoxicações em animais domésticos, humanos e morte, não apenas nas espécies para as quais veneno, mas outros por acaso.

Há cada vez mais relatos que indicam que as pragas se tornam resistentes a essas substâncias tóxicas, e isso implica no uso de maiores quantidades de inseticidas ou na concentração de mais doses, o que na maioria dos casos duplica ou aumenta mais os danos.

O exposto acima, destaca a necessidade de usar controles biológicos nas culturas. Esses controles não apenas buscam reduzir os custos operacionais, mas também eliminar possíveis danos ecológicos e ambientais causados ​​por inseticidas.

Para as espécies de Spodoptera frugiperda, vários controles biológicos foram propostos como:

Nematóides

Foram realizados ensaios com o nematóide Neoaplectana carpocapsae para reduzir populações de S. frugiperda em campos de milho, constatando que a infestação de nematóides nas larvas da mariposa, em condições de laboratório, controlava-as em um período de 48 a 72 horas .

Durante os testes de campo, os resultados foram animadores, mas não impressionantes.

Cogumelos

O fungo Beauveria bassiana demonstrou, em condições de laboratório, causar mortalidade de até 49,33% nas larvas de S. frugiperda em um período de 72 horas ou 3 dias. Este organismo parece ser ainda mais eficaz contra outros insetos, por isso não é amplamente utilizado no controle de larvas de S. frugiperda .

Bactérias

Vários estudos envolvendo bactérias Bacillus thuringiensis em controles biológicos de larvas de S. frugiperda mostram alta mortalidade de insetos (70% ou mais). Isso significa que, até o momento, o uso desse microrganismo é o mais eficaz contra essa praga.

Para maior eficiência, os pesquisadores recomendam obter a cepa comercialmente modificada e espalhá-la na folhagem das plantas, antes que apareçam as primeiras larvas de S. frugiperda .

Referências

  1. Botão de minhoca de milho. FAO. Recuperado de fao.org.
  2. JL Capinera (1999). Spodoptera frugiperda (JE Smith) (Insecta: Lepidoptera: Noctuidae). Universidade da Flórida Recuperado de entnemdept.ufl.edu.
  3. AT Groot, M. Marr, DG Heckel, G. Schöfl (2010). Os papéis e as interações dos mecanismos de isolamento reprodutivo em linhagens hospedeiras de lagarta do exército (Lepidoptera: Noctuidae). Entomologia Ecológica.
  4. Queda da lagarta do exército. Recuperado de en.wikipedia.org.
  5. Spodoptera . Relatório ITIS. Recuperado de itis.gov.
  6. CI Saldamando e EJ Marquez (2012). Abordagem da filogenia de Spodoptera (Lepidoptera: Noctuidae) com o uso de um fragmento do gene da citocromo oxidase I (IOC) Journal of tropical biology.
  7. J. Landazabal, F. Fernanndez, Adalberto Figueroa (1973) Controle biológico de Spodoptera frugiperda (JE Smith), com o nematoide Neoaplectana carpocapsae no milho (Zea mays). Lei Agronômica
  8. MB González-Maldonado, JN Gurrola-Reyes, I. Chaírez-Hernández (2015). Produtos biológicos para o controle de Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae). Revista Colombiana de Entomologia.

Deixe um comentário