Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas

Visceromegalia é uma condição caracterizada pelo crescimento excessivo de um ou mais órgãos internos do corpo. O diagnóstico da visceromegalia é feito através de exames de imagem, como ultrassonografia, ressonância magnética ou tomografia computadorizada. As causas desse aumento de tamanho dos órgãos podem estar relacionadas a diversas condições, como doenças crônicas, infecções, tumores, distúrbios genéticos, entre outros. O tratamento da visceromegalia depende da causa subjacente e pode envolver medicamentos, procedimentos cirúrgicos ou outras terapias específicas. É importante procurar assistência médica caso haja suspeita de visceromegalia, para que seja feito um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado seja estabelecido.

Consequências do aumento do fígado: sintomas, diagnóstico e tratamento para hepatomegalia.

Quando o fígado aumenta de tamanho, caracterizando a hepatomegalia, isso pode trazer diversas consequências para a saúde do indivíduo. Alguns dos sintomas mais comuns incluem dor abdominal, desconforto na região do fígado, icterícia, fadiga, perda de apetite e sensação de saciedade após pequenas refeições.

O diagnóstico da hepatomegalia geralmente é feito por meio de exames de imagem, como ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Além disso, exames de sangue também podem ser solicitados para avaliar a função hepática e identificar possíveis causas do aumento do fígado.

O tratamento para hepatomegalia depende da causa subjacente do problema. Em alguns casos, pode ser necessário realizar procedimentos cirúrgicos para tratar a condição. Em outros casos, o tratamento pode envolver o uso de medicamentos para controlar doenças hepáticas, como hepatite ou cirrose.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas.

A visceromegalia é uma condição em que órgãos internos, como fígado, baço e rins, aumentam de tamanho de forma anormal. Isso pode ser causado por diversas condições, como doenças hepáticas, infecções, distúrbios metabólicos e câncer.

O diagnóstico da visceromegalia geralmente é feito por meio de exames de imagem, como ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Além disso, exames de sangue também podem ser solicitados para avaliar a função dos órgãos afetados e identificar possíveis causas do crescimento excessivo.

O tratamento para visceromegalia varia de acordo com a causa subjacente da condição. Em alguns casos, pode ser necessário realizar cirurgias para reduzir o tamanho dos órgãos afetados. Em outros casos, o tratamento pode envolver o uso de medicamentos para controlar doenças específicas que estão causando o crescimento excessivo dos órgãos.

Causas possíveis de hepatomegalia: o que pode estar por trás do aumento do fígado.

Quando se fala em hepatomegalia, é importante entender as possíveis causas por trás do aumento do fígado. Existem diversos fatores que podem levar a esse quadro, sendo importante identificar a causa para um tratamento adequado.

Uma das principais causas de hepatomegalia é a esteatose hepática, popularmente conhecida como “fígado gorduroso”. Essa condição ocorre devido ao acúmulo de gordura no fígado, podendo estar relacionada à obesidade, diabetes ou consumo excessivo de álcool.

Outra causa comum de hepatomegalia é a hepatite, que pode ser causada por vírus, toxinas ou medicamentos. A inflamação no fígado pode levar ao seu aumento de tamanho, sendo importante identificar o agente causador para um tratamento adequado.

Além disso, outras condições como cirrose, doenças genéticas, infecções e tumores também podem estar por trás do aumento do fígado. Por isso, é fundamental realizar exames e avaliações médicas para identificar a causa da hepatomegalia e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível.

Por isso, é importante estar atento aos sintomas e buscar ajuda médica para um diagnóstico preciso e um tratamento eficaz.

Qual a causa principal do aumento do baço conhecido como esplenomegalia?

O aumento do baço, conhecido como esplenomegalia, pode ser causado por diversas condições médicas. A causa principal desse crescimento excessivo do baço geralmente está relacionada a problemas no sistema imunológico, como infecções virais, bacterianas ou parasitárias. Além disso, doenças como a leucemia, linfoma e doença de Gaucher também podem provocar a esplenomegalia.

Relacionado:  Entomologia médica: história, objeto de estudo, doenças

Quando o baço aumenta de tamanho, ele pode causar desconforto abdominal, sensação de plenitude e até mesmo anemia. O diagnóstico da esplenomegalia geralmente é feito por meio de exames físicos, como a palpação do abdômen, e exames de imagem, como ultrassonografia e tomografia computadorizada.

É importante ressaltar que a identificação da causa da esplenomegalia é essencial para o tratamento adequado da condição. Portanto, é fundamental consultar um médico especialista para avaliação e acompanhamento do problema. Em casos mais graves, pode ser necessário realizar uma biópsia do baço para confirmar o diagnóstico e definir o tratamento mais adequado.

Principais causas de hepatomegalia em bebês: o que você precisa saber.

Visceromegalia é o termo médico utilizado para descrever o crescimento excessivo de órgãos internos, como o fígado, baço e rins. A hepatomegalia em bebês, que é o aumento anormal do fígado, pode ser causada por diversas condições. É importante estar ciente das principais causas para poder identificar e tratar adequadamente esse problema.

Uma das principais causas de hepatomegalia em bebês é a hepatite viral, que pode ser transmitida de mãe para filho durante o parto. Outra causa comum é a doença hepática gordurosa não alcoólica, que está relacionada à obesidade e a dietas ricas em gordura e açúcar. Defeitos congênitos no fígado também podem levar ao aumento do órgão.

Além disso, infecções bacterianas, como a sepse, e doenças genéticas, como a fibrose cística, podem contribuir para o desenvolvimento de hepatomegalia em bebês. É fundamental que os pais estejam atentos aos sinais e sintomas, como dor abdominal, icterícia, vômitos e febre, e procurem ajuda médica para um diagnóstico preciso.

O diagnóstico de hepatomegalia em bebês geralmente envolve exames de imagem, como ultrassonografia e ressonância magnética, além de análises de sangue para avaliar a função hepática. O tratamento varia de acordo com a causa subjacente, podendo incluir medicamentos, mudanças na dieta e, em alguns casos, cirurgia.

É essencial estar ciente dos principais fatores de risco e sintomas para garantir um diagnóstico precoce e um tratamento adequado para essa condição.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas

O termo visceromegalia , ou organomegalia, refere-se ao crescimento contínuo e patológico de um ou vários órgãos do corpo. Alguns tipos de visceromegalia ocorrem devido a doenças ou infecções que fazem com que um órgão comece a crescer de maneira anormal. Em outros casos, o crescimento patológico ocorre devido a problemas genéticos e faz parte de síndromes complexas.

Em muitas ocasiões, quando um órgão cresce fora de controle, perde a capacidade de desempenhar adequadamente suas funções, o que tem sérias repercussões na saúde do paciente. Das condições que causam esse distúrbio, algumas têm cura e outras são controladas apenas pelo tratamento de seus sintomas.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas 1

De Hg6996 – Trabalho próprio, Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=8959194

As visceromegalias mais frequentes são a cardiomegalia, que é o crescimento do coração; esplenomegalia, crescimento do baço; e macroglossia, que é o aumento no tamanho da língua.

As chamadas síndromes de crescimento excessivo abrangem um conjunto de condições genéticas raras que têm em comum o crescimento anormal de um ou vários órgãos do corpo. É raro que essas síndromes causem crescimento excessivo de todo o corpo, mas casos desse tipo foram descritos.

Revise que as síndromes de crescimento excessivo aumentam significativamente o risco de desenvolver câncer.

Relacionado:  Tetraplegia: características, sintomas, tipos e tratamentos

Crescimento excessivo

O crescimento é um processo fisiológico que envolve fatores internos e externos. Entre os elementos internos que o promovem estão o fator genético ou hereditário e a intervenção de alguns hormônios, como o hormônio do crescimento humano , que aceleram ou inibem a capacidade das células se dividirem.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas 2

Por Ephert – Trabalho próprio, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=39752841

Quando há mutações genéticas ou problemas hormonais que alteram a fisiologia do crescimento, pode ocorrer um aumento descontrolado e acelerado no tamanho dos órgãos do corpo. Isso é conhecido como crescimento excessivo.

Os distúrbios do crescimento podem ser observados no feto e mantidos ao longo da vida. Um paciente é diagnosticado com crescimento excessivo ao medir suas características fisionômicas acima do normal para a idade.

O crescimento excessivo pode ser do corpo inteiro ou de um ou vários órgãos internos, essa condição é conhecida como visceromegalia.

Visceromegalia

Assim como o crescimento excessivo, a visceromegalia é diagnosticada a partir da medição do órgão envolvido. Dessa forma, é evidente que o tamanho do órgão está acima da média normal para a idade e o sexo do paciente.

A visceromegalia é uma manifestação clínica de síndromes complexas que envolvem alterações genéticas e hormonais. O crescimento anormal de uma víscera também pode ocorrer em resposta a uma infecção parasitária, como a doença de Chagas, que causa aumento do coração ou cardiomegalia.

Os órgãos mais freqüentemente afetados pelas doenças que ocorrem com a visceromegalia são: fígado, baço, coração e língua. Condições conhecidas como hepatomegalia, esplenomegalia, cardiomegalia e macroglossia, respectivamente.

– Diagnóstico

A abordagem diagnóstica começa com o interrogatório e o exame físico do paciente. Quando o médico pode palpar o fígado ou o baço no exame físico, a visceromegalia pode ser diagnosticada, pois em condições normais eles não são órgãos palpáveis.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas 3

Por James Heilman, MD – Trabalho próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=4646462

Para realizar uma medição precisa do órgão, são utilizados estudos de imagem, especialmente a tomografia axial computadorizada.

– doenças relacionadas

Ao longo dos anos, foi descrito um grande número de síndromes que ocorrem com crescimento excessivo e visceromegalia. Os mais comuns são a síndrome de Beckwith-Wiedemann (SBW) e a síndrome de Sotos.

Síndrome de Beckwith-Wiedemann

O SBW ocorre devido a uma alteração cromossômica e o crescimento acelerado pode ser observado nos controles pré-natais do feto. As características clínicas mais comuns são:

– Macroglossia, que é o aumento da língua.

– Hemihiperplasia, que se refere ao crescimento acelerado assimétrico. Um lado do corpo cresce mais rápido que o outro.

– Anormalidades renais e visceromegalia.

As visceromegalias nessa síndrome envolvem um ou mais órgãos intra-abdominais, como fígado, baço, rins, glândulas supra-renais e / ou pâncreas.

Um dos sintomas que faz parte dessa síndrome é a hipoglicemia e é a causa de muitas das complicações desse tipo de paciente, incluindo a morte prematura.

Síndrome de Sotos

A síndrome de Sotos é um distúrbio genético que impede a formação da proteína histona metiltransferase , essencial no processo normal de crescimento e desenvolvimento.

Apresenta crescimento anormal do corpo desde o nascimento, que continua na adolescência. Possui características como macrocefalia (circunferência da cabeça maior que o normal), hipertelorismo (separação anormal da distância entre os olhos), nefromegalia (aumento do tamanho do rim) e hepatomegalia (crescimento anormal do fígado).

Além dos sinais fisionômicos, essa síndrome é caracterizada por déficits cognitivos, dificuldades de aprendizado, autismo e síndrome obsessiva compulsiva, entre outros distúrbios psicológicos.

Visceromegalia e câncer

A visceromegalia genética ocorre devido a uma alteração no padrão cromossômico normal de uma pessoa. Isso causa um crescimento descontrolado dos órgãos que ocorre devido à divisão celular acelerada.

Relacionado:  Imunidade natural: tipos e suas características

Durante essa divisão celular, podem ocorrer mutações que formam células malignas no órgão envolvido.

Nas síndromes que apresentam visceromegalia, o risco de apresentar alguma forma de câncer é consideravelmente maior do que na população normal.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas 4

De Haymanj – Fotografia própria, Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3662694

Os tumores malignos mais frequentes devido ao crescimento anormal das vísceras são: tumor de Wilms e hepatoblastoma.

O tumor de Wilms ou nefroblastoma é um tipo de tumor renal maligno que ocorre em recém-nascidos devido a alterações genéticas que causam divisão anormal das células renais.

Por outro lado, o hepatoblastoma é o tumor hepático maligno mais comum na idade pediátrica. Está associado a anormalidades genéticas, principalmente a SBW.

Outras causas de visceromegalia

Além dos distúrbios genéticos que causam crescimento excessivo e visceromegalia, existem doenças adquiridas que causam o aumento de um órgão específico.

Doença de Chagas

A doença de Chagas ou a tripanossomíase americana é uma doença parasitária transmitida pelo Trypanosoma cruzi . A infecção pode ocorrer diretamente pela contaminação com depoimentos do inseto portador, o chipo, ou indiretamente pelo transplante de órgãos infectados, através de alimentos contaminados e da gestante ao feto.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas 5

De crédito fotográfico: Provedor (es) de conteúdo: CDC / Organização Mundial da Saúde – Esta mídia é proveniente da Biblioteca de Imagens de Saúde Pública (PHIL) dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, com o número de identificação # 2538. ; verifique o status dos direitos autorais e os autores de crédito e provedores de conteúdo., Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=198850

Em seu estágio crônico, o paciente infectado apresenta cardiomegalia, hepatomegalia, esplenomegalia, megacólon e megaesôfago. Essas visceromegalias são uma conseqüência da infiltração por tecido fibroso que causa o parasita no músculo e nas fibras neurológicas desses órgãos.

Visceromegalia: crescimento excessivo, diagnóstico, causas 6

Por Bobjgalindo – Trabalho próprio, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=11218404

O crescimento das cavidades cardíacas é a complicação mais perigosa da doença e faz com que o coração se torne ineficiente para bombear o sangue. Além disso, movimentos ineficazes, como fibrilação atrial e extra-sístoles, podem ser evidenciados.

Distúrbios circulatórios e anemias

Doenças como anemia hemolítica, congestão da veia porta, leucemia mielóide crônica e linfomas ocorrem com aumento do baço ou esplenomegalia.

Câncer metastático

O fígado é um dos principais órgãos receptores de metástases. Os tumores metastáticos e primários do fígado causam um aumento no tamanho deste órgão ou hepatomegalia.

Referências

  1. Kamien, B; Ronan, A; Poke, G; Sinnerbrink, eu; Baynam, G; Ward, M; Scott, RJ (2018). Uma revisão clínica de síndromes generalizadas de crescimento excessivo na era do sequenciamento massivamente paralelo. Sindromologia molecular. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  2. Lacerda, L; Alves, U. D; Zanier, J.F .; Machado, D. C; Camilo, G.B; Lopes, AJ (2014). Diagnósticos diferenciais das síndromes de crescimento excessivo: as manifestações clínicas e radiológicas mais importantes da doença. Pesquisa e prática em radiologia. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  3. Shuman, C; Beckwith, JB; Weksberg, R. (2016). Síndrome de Beckwith-Wiedemann. GeneReviews® Seattle (WA): Universidade de Washington, Seattle. Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  4. Sánchez, MJ; Tenório, J; García-Miñaur, S; Santos-Simarro, F; Lapunzina, P. (2016). Síndromes de crescimento excessivo e desenvolvimento de tumores embrionários: revisão de nossa casuística nos últimos 5 anos. Anais de pediatria. Retirado de: analesdepediatria.org
  5. Nguyen, T; Waseem, M. (2019). Doença de Chagas (Tripanossomíase americana). StatePearls Ilha do Tesouro (FL). Retirado de: ncbi.nlm.nih.gov
  6. Vargas Viveros, Pablo; Hurtado Monroy, Rafael; Villalobos Alva, José Ángel. (2013). Esplenomegalia Jornal da Faculdade de Medicina (México). Retirado de: scielo.org

Deixe um comentário