10 Consequências da Violência Doméstica

As consequências da violência doméstica estão, a priori, intimamente ligadas à convivência em casa.A violência é conhecida como coerção física ou psicológica exercida sobre uma pessoa para viciar sua vontade e forçá-la a realizar um ato específico.

A violência é quase sempre exercida para subjugar intencionalmente outra pessoa. Quem ataca tenta impor seu ponto de vista ao outro.Dessa forma, a vítima de violência, por sua vez, é amplamente anulada dentro de sua personalidade.

10 Consequências da Violência Doméstica 1

A violência não inclui apenas insulto. Inclui outras maneiras de diminuir o outro através de: controle, vigilância, mudanças de humor, desaprovação constante, humilhação intensa e contínua, ameaças, chantagem emocional, etc.

Um dos casos de violência praticada na família ou no lar é a violência contra as mulheres, agora conhecida como violência de gênero.Esse tipo de violência é uma forma de discriminação contra as mulheres, como o nome indica, devido ao sexo ou gênero.

Outro dos casos de violência é o dos filhos da casa, que pode causar sérios problemas no correto desenvolvimento posterior dos menores.

A violência familiar abrange qualquer ato ou ação que possa representar um risco para a saúde, física ou psicológica, de um membro da família. Em geral, o termo geralmente é usado para evitar o risco dos menores, uma vez que eles são os mais vulneráveis.

É importante entender que a violência familiar é um fato social, pois crianças, homens e mulheres que são maltratados podem mover essa violência para outros espaços ao seu redor no futuro.

É por isso que esse tipo de violência não compreende raça, sexo ou classe social, pois sua ameaça pode afetar qualquer área da sociedade. Para evitar que seu risco se espalhe para outras áreas, principalmente através das crianças, é necessário entender as consequências que isso pode acarretar.

Consequências da violência doméstica

1- Normalização da violência

10 Consequências da Violência Doméstica 2

Uma das primeiras causas de violência em crianças é que elas são testemunhas imediatas.

Ou seja, assistir constantemente a episódios de violência continuada em casa significa que eles podem entender a violência como uma atitude normal em suas vidas. Acreditando, portanto, que este é um padrão de relacionamento lógico.

No entanto, as crianças nem sempre estão conscientes desse tipo de violência. Isso é observável quando os pais mantêm um relacionamento frio entre eles e sem amor. A falta de afeto pode gerar um vazio inconsciente que destrói o relacionamento que as crianças mantêm com seus parceiros ou amigos.

2- Estresse e dor de estômago

Tanto crianças quanto mulheres que sofrem algum tipo de violência doméstica podem desencadear episódios de estresse, ansiedade ou até depressão.

Curiosamente, viver em ambientes familiares com risco de ameaça faz com que as crianças também somem essa violência em dores de cabeça, dores de estômago ou mal-estar em geral, sem qualquer explicação aparente.

Relacionado:  Pensamento divergente: características, desenvolvê-lo, exercícios

3- Medo da solidão

10 Consequências da Violência Doméstica 3

Como consequência dos episódios de violência vivenciados, as crianças também geram sentimentos ou emoções relacionadas ao medo de ficar sozinho ou até ao medo de morrer.

Raiva ou tensão também são conseqüências da violência experimentada continuamente. Viver constantemente em estado de alerta supõe uma alteração no sistema nervoso e, a longo prazo, problemas relacionados à saúde do coração.

4- Interiorização do machismo nas mulheres

Uma das sérias conseqüências da agressão à mulher é que ela assume os papéis sexistas que seu agressor tenta incutir nela.

Perigosamente, ser objeto de internalização do sexismo e machismo implica adotar uma atitude passiva em relação à violência.

Assim, como primeiro dano colateral, as crianças serão as primeiras a receber esses valores, que podem ser neutralizados pela educação, em outras áreas da sociedade, com base no respeito e na igualdade.

5- Falta de confiança

10 Consequências da Violência Doméstica 4

Um dos primeiros elementos que se tenta remediar no caso de mulheres vítimas de violência de gênero ou de crianças é a auto-estima.

A autoestima, entendida como a avaliação positiva que o sujeito possui de si mesmo, é essencial para poder sair de um caso de agressão constante, pois permite adotar confiança suficiente para fugir do agressor.

Nesse sentido, a primeira coisa é perceber que você é vítima de um caso de violência e, a partir daí, procurar ajuda.

Assim, a primeira premissa é trabalhar com a vontade das mulheres, livre de qualquer tipo de condicionamento.

O apoio psicológico não se concentrará apenas no fortalecimento da confiança e segurança da pessoa, mas também na educação dos valores da igualdade, na obtenção de autonomia e na modificação das relações maternas filiais distorcidas pela situação de violência.

6- Isolamento

10 Consequências da Violência Doméstica 5

Como resultado dessa violência, a mulher espancada passará gradualmente de seus círculos de amizades, seja por causa de um sentimento de culpa, que mencionaremos mais adiante, ou por medo ou receio de receber novas agressões.

No caso das crianças, elas podem mostrar alguma distância no relacionamento com os colegas de classe, o que as impede de pedir ajuda e causando um estado de auto-absorção.

7- Falsa culpa

Em algum momento da violência, a mulher pode sentir-se culpada por ter produzido em seu parceiro sentimental a situação de violência que vive em sua casa e, por si só, o comportamento do agressor.

Assim, a vítima pode pensar, depois de um processo de internalização de papéis sexistas e sexistas, que ela merece os palavrões de seu parceiro por tê-lo deixado em paz ou ter se afastado, por exemplo, para gozar um tempo.

8- Violência chama violência

As crianças que participam de violência na infância mostram padrões de comportamento agressivo em espaços como o pátio da escola ou nas salas de aula em geral.

Relacionado:  Iván Pávlov: biografia, experimentos, condicionamento clássico

Assim, as crianças que observaram como os padrões de comportamento violento foram reproduzidos em sua casa, ou em particular como seus pais agrediram suas mães, podem agir como agressores com seus parceiros.

9- A violência atravessa as fronteiras da casa

10 Consequências da Violência Doméstica 6

Uma vez que formas mais avançadas de abuso são praticadas contra os filhos e o casal, o agressor tenta controlar suas relações externas. Entre os quais estão incluídos telefonemas, por exemplo, com colegas de trabalho ou escola.

Um caso paradigmático é a sabotagem de encontros familiares em que a pessoa atacada é humilhada ou zombada.

Entre outros exemplos, essa violência pode ser detectada no próprio agressor, observando a irresponsabilidade que ele tem para cuidar de seus filhos.

10- Manutenção do patriarcado

Essa violência contra as mulheres não apenas apresenta riscos no nível local, mas também no nível global.

Não assumir padrões de igualdade no imaginário social, alimentados pelos clichês e estereótipos que alimentam a mídia, significa deixar o patriarcado ou o “governo parental” manter seu domínio e extorsão sobre a liberdade de homens, mulheres e Filhos do futuro

Violência contra as mulheres

A origem da violência contra as mulheres na família tem origem no patriarcado. Historicamente, a autoridade e o poder das organizações patriarcais são exercidos pelos homens sobre as crianças, as mulheres e a própria família.

No patriarcado, há uma tentativa de controlar o corpo da mulher e sua força produtiva é oprimida.

Nesse sentido, e para impedir que a violência avance, é importante que as mulheres detectem os estágios iniciais da violência por seu parceiro sentimental. O que começa com ameaças, objetos quebrados, ironia ou provocação, para continuar com empurrões e pancadas, tapas, estupros, fraturas e terminar em queimaduras, afogamentos ou até morte.

Nesse caso, a mulher que sofre violência de gênero possui um conjunto de características psicossociais, como:

  • Medo
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Incomunicação
  • Mudando a auto-estima
  • Incerteza
  • Desmotivação em geral
  • Distúrbios alimentares
  • Pouco poder na tomada de decisão
  • Padrões de violência na infância
  • Distúrbio do sono
  • Raiva frequente

Assim, a violência doméstica não costuma começar repentinamente. Nesse sentido, existem mecanismos para seu aumento progressivo.

Assim, as táticas de controle do agressor podem mudar de um para outro, e o progresso em direção à violência de gênero geralmente é muito lento, de modo que os sinais de identificação se confundem até tornar seu reconhecimento muito complicado.

No início do relacionamento, os controles não serão muito sérios e serão feitos de boas intenções. No entanto, essas diretrizes quase sempre tornam as mulheres vítimas de violência de gênero.

Pirâmide de violência de gênero

A violência aumenta em escala prolongada através de três estágios: escalada, escalada e descida. A primeira escalada ocorre com a “gestação de dependência e isolamento”.

Relacionado:  Aleksandr Lúriya: biografia, teoria e outras contribuições

Existe uma grande variedade de táticas coercitivas por parte do agressor, como assumir o controle do controle econômico, convencê-lo a deixar o emprego ou se distanciar de quem pode apoiá-lo. Um caso muito comum é que o agressor sugere à vítima que passa muito tempo com seus amigos e pouco com ele.

Como conseqüência, a mulher gera um falso sentimento de culpa por abandonar o homem.

Após essa primeira escalada na pirâmide de violência, a subida chega ao topo, ou na sua falta, da chamada “afirmação vigorosa de dominância”.

Essa fase consiste em criar uma intensa reação de medo na vítima por meio de uma ação de força muito estabelecida. Geralmente, geralmente é algum tipo de agressão física ou uso de ameaças graves ou danos a algum tipo de objeto de valor pessoal.

Imediatamente depois, o agressor entra na terceira e última fase da pirâmide chamada “arrependimento”. Nele, o agressor pede desculpas à vítima, dando-lhe presentes. Essa fase também é conhecida como “lua de mel”.

No entanto, a tensão começará a se tornar aparente com o tempo. Não é possível dizer claramente o tempo que decorre entre cada estágio, pois suas durações são muito variáveis ​​em cada pessoa e na relação de abuso.

A única certeza é que, nesse círculo de violência e abuso, os ataques acontecem sempre com um ritmo mais frequente, sendo mais perigosos para a vítima.

Mediação familiar

A mediação permite que os pais cheguem a um acordo em um clima de respeito, cooperação e solidariedade com seus filhos, os mais afetados por essa violência em casa.

Para fazer isso, os casais podem pedir a terceiros que intervenham de maneira neutra. Que recebe o nome de mediador da família e cujo objetivo é criar um espaço de diálogo e consenso entre ambas as partes.

No entanto, quando um membro não puder assumir suas responsabilidades, a mediação não será aconselhável e, em muitos casos, inviável.

Assim, em lugares como a Espanha, as leis estaduais impedem a mediação em casos de violência.

Especificamente, a Lei 1/2004, de 28 de dezembro, sobre Medidas de Proteção Integral à Violência de Gênero, em seu artigo 44.5 “proíbe a mediação familiar nos casos em que qualquer parte do processo civil é vítima de atos de violência de gênero (…) ”.

Referências

  1. “O que é violência de gênero?”, Psicogenero.com.
  2. Ángeles Álvarez: “Guia para mulheres em situação de violência de gênero”. Aconselhamento para a Igualdade e Bem-Estar Social. Junta de Andaluzia.
  3. Marta Fontenla: “O que é patriarcado?” Mulheres em rede. O jornal feminista, mujeresenred.net.
  4. “Ciclos e estágios de desenvolvimento da violência”. MuchaVidas Psicología, muchosvidas.com.
  5. “Relatórios: Efeitos e consequências da violência e abuso doméstico de mulheres”, Mulheres para a saúde, womenparalasalud.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies