14 Características dos Liberais e Conservadores

14 Características dos Liberais e Conservadores

As características de liberais e conservadores não são mais tão adversas; Embora ainda existam pontos de divergência, como a concepção de religião ou a atitude em relação às mudanças, há outros aspectos em que elas convergem, como, por exemplo, a importância da propriedade privada.

A origem de ambas as doutrinas remonta aproximadamente ao século XVI. Esses pensamentos foram transformados graças à passagem do tempo e às interpretações de atores políticos de diferentes épocas.

As diferenças entre as duas doutrinas foram transformadas e as variações foram tantas que, atualmente, é possível falar em liberais conservadores, ou liberais conservadores.

Da mesma forma, as características de cada doutrina podem variar de acordo com o momento histórico e a região em que foram aplicadas: por exemplo, um liberalismo europeu não é o mesmo que um latino-americano.

No entanto, existem algumas características que podem ser consideradas essenciais em liberais e conservadores, independentemente de onde elas venham.

A seguir, especificaremos 5 características de cada uma dessas doutrinas.

Características dos liberais

1- Governo garante, não protetor

A ideologia liberal sustenta que o Estado deve garantir que todos os cidadãos tenham a possibilidade de emergir econômica e socialmente.

No entanto, os liberais são contra o estado protecionista. O pensamento liberal estipula que os indivíduos devem ter as mesmas oportunidades, mas esse progresso será alcançado através do esforço e da capacidade de cada indivíduo.

2- Mercado livre

Os liberais consideram que uma economia de livre comércio favorece o progresso de um país.

A doutrina liberal é adversa ao intervencionismo estatal e afirma que o livre comércio permite ao indivíduo alcançar progresso pessoal e, ao mesmo tempo, ajudar a desenvolver seus pares nas trocas econômicas.

Para os liberais, uma política de livre mercado evita o monopólio estatal. Consideram que deve haver regulamentos, ainda que mínimos, para garantir um mercado justo para todos os participantes, mas estabelecem que o Estado deve participar o mínimo possível.

3- Separação de poderes

Os liberais acreditam em instituições independentes entre si. A intenção dessa divisão de poderes em termos das funções que cada um desempenha responde ao interesse dos liberais em impedir a formação de um único Estado, com poder suficiente para agir arbitrariamente contra os cidadãos.

Relacionado:  Taxa marginal de substituição: como é calculada e exemplo

Pelo contrário, os liberais promovem a criação de um governo descentralizado, com poucos mecanismos de controle, longe das noções totalitárias.

4- Competitividade

Os liberais apreciam a competitividade como uma maneira de colocar em prática as qualidades dos indivíduos e gerar progresso.

A competição se reflete nas diferentes esferas da vida liberal, especialmente nos aspectos econômicos e políticos. O pensamento liberal coloca ênfase especial na competição como elemento essencial do sistema.

5- Individualismo

A doutrina liberal dá mais importância ao indivíduo do que ao grupo. Os liberais argumentam que, com base no reconhecimento das liberdades individuais, as nações serão capazes de progredir.

Os liberais são caracterizados pela defesa dos direitos individuais nas esferas política, econômica e social. Para os liberais, o direito ao livre pensamento e ao respeito pela individualidade em geral é muito importante.

O liberalismo afirma que a subordinação a uma instituição não faz parte da natureza dos indivíduos.

Os liberais se consideram donos, capazes de tomar decisões individuais que respondem às suas características e interesses.

6- Liberdade de culto

A doutrina liberal promove que cada indivíduo possa escolher livremente sua religião, escolher nenhuma ou simplesmente não acreditar e ser capaz de expressá-la sem medo de represálias. Por sua vez, o liberalismo defende um estado secular.

7- Despolitização do Estado

As correntes liberais não acreditam na administração pelo Estado de elementos como educação, justiça, serviços públicos ou saúde.

Características conservadoras

1- Adverso a mudanças radicais

O pensamento conservador despreza mudanças sociais repentinas e radicais. Os conservadores estabelecem que existe uma ordem social, que ela tem uma função e uma razão de ser, e que deve ser respeitada.

Isso não implica que os conservadores neguem mudanças na sociedade, mas estabelecem que deve haver um cenário equilibrado e que os processos de transformação social devem ser gerados de forma fluida e progressiva, evitando radicalismos que, segundo eles, não geram mudanças sustentadas ao longo do tempo .

Relacionado:  Balança de pagamentos: características, estrutura, exemplos

2- Eles defendem a propriedade privada

Os conservadores favorecem a propriedade privada. Consideram que é um direito básico e inalienável que todas as pessoas têm.

A propriedade privada dá aos cidadãos algum poder, lhes dá seus próprios espaços, o que se traduz em liberdade. Portanto, para os conservadores, a propriedade privada cumpre uma importante função social.

3- Tradicional

O pensamento conservador prioriza o status quo; isto é, ao que é predeterminado.

Portanto, os conservadores sentem-se identificados com a manutenção das instituições tradicionais.

Os conservadores argumentam que, mantendo as estruturas estatais tradicionais, os indivíduos serão capazes de controlar seus instintos e serem bons cidadãos, enquadrados pela legalidade.

O pensamento conservador mantém uma boa idéia do passado, considera que as instituições tradicionais são a base da sociedade e as prioriza em detrimento de novas idéias políticas.

4- Ligado à religião

Os conservadores tendem a se identificar com a religião. Eles acreditam em um Deus todo-poderoso e consideram a crença religiosa como um elemento que une os cidadãos e fornece a base moral para uma boa ação.

Para os conservadores, os homens têm uma necessidade urgente de viver a religião; por esse motivo, consideram uma parte fundamental da vida dos indivíduos.

Em alguns casos, foi visto que as leis de Deus são mais importantes que as leis dos homens, pois os conservadores podem acabar dando mais importância à religião do que à legalidade.

5- Nacionalistas

Os conservadores valorizam muito sua idiossincrasia. Eles são nacionalistas, o senso de pertencer ao país de origem é muito grande.

Eles atribuem grande importância à independência de sua nação e buscam o progresso como país, para que os benefícios e as qualidades de seus cidadãos possam ser destacados.

Relacionado:  Valor presente: o que é, como é calculado e exemplos

Essa característica nacionalista pode ter diferentes nuances: em casos como o de Adolf Hitler, o nacionalismo extremo produziu um dos crimes mais hediondos da história.

No entanto, um nacionalista também é considerado aquele que se identifica totalmente com seu país e quer participar orgulhosamente do progresso da nação, sem prejudicar o outro.

6- Valores familiares

Um de seus pilares fundamentais. Eles consideram a família tradicional como uma instituição para proteção contra novos modelos de família (família monoparental, família monoparental, etc.).

7- Direito à vida

Muito influenciado pelo vínculo religioso, o conservadorismo aprecia muito a vida e rejeita qualquer ferramenta que envolva o fim da existência de uma pessoa (aborto, eutanásia, suicídio etc.).

Referências

  1. “Liberalismo econômico” (24 de abril de 2009) na ABC Color. Recuperado em 4 de agosto de 2017 de ABC Color: abc.com.py
  2. Olarieta, J. “A separação de poderes no constitucionalismo burguês” (abril de 2011) na Universidade Complutense de Madri. Recuperado em 4 de agosto de 2017 da Universidade Complutense de Madri: ucm.es
  3. Leyva, K. “O que é individualismo liberal?” (16 de setembro de 2016) em Filosofia Pública. Retirado em 4 de agosto de 2017 de Public Philosophy: philosopiapublica.org
  4. Montenegro, S. “Um país muito conservador” (19 de junho de 2011) em El Espectador. Retirado em 4 de agosto de 2017 de El Espectador: elespectador.com
  5. Restrepo, G. “Pensamento conservador” no Banco da República da Colômbia. Recuperado em 4 de agosto de 2017 do Banco da República da Colômbia: banrepcultural.org
  6. Romero, E. “A mentalidade conservadora e a Igreja Católica: crítica e defesa através da imprensa satírica e tradicional de Santiago (1883-1886)” (27 de maio de 2010) em Scielo. Recuperado em 4 de agosto de 2017 de Scielo: scielo.org.mx
  7. Marco, J. “Conservadores, liberais e neoconservadores. Fundamentos morais de uma sociedade livre ”(2005) na Foundation for Analysis and Social Studies. Retirado em 4 de agosto de 2017 da Fundação para Análise e Estudos Sociais: fundacionfaes.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies