5 diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho

A memória de curto prazo e a memória de trabalho são dois componentes essenciais do processo de armazenamento e recuperação de informações em nosso cérebro. Embora muitas vezes sejam confundidas, esses dois tipos de memória possuem características distintas que os diferenciam. Neste artigo, vamos explorar cinco diferenças entre a memória de curto prazo e a memória de trabalho, incluindo capacidade de armazenamento, duração, função, processamento e envolvimento em tarefas cognitivas complexas. Vamos mergulhar nesse fascinante mundo da memória e entender melhor como nosso cérebro organiza e utiliza informações no dia a dia.

Qual a distinção entre memória de curto prazo e memória operacional?

A memória de curto prazo e a memória operacional são dois tipos diferentes de memória que desempenham papéis essenciais em nosso funcionamento cognitivo. Embora ambos estejam relacionados à retenção temporária de informações, existem algumas diferenças importantes entre eles.

1. Duração: A memória de curto prazo geralmente retém informações por um curto período de tempo, enquanto a memória operacional é responsável por manter e manipular informações em tempo real.

2. Capacidade: A memória de curto prazo tem uma capacidade limitada de reter informações, geralmente cerca de sete itens, enquanto a memória operacional pode lidar com informações mais complexas e em maior quantidade.

3. Função: A memória de curto prazo é mais passiva e envolve simplesmente armazenar informações temporariamente, enquanto a memória operacional está ativamente envolvida no processamento e manipulação de informações para a realização de tarefas cognitivas.

4. Interação com outras funções cognitivas: A memória de curto prazo geralmente funciona de forma isolada, enquanto a memória operacional trabalha em conjunto com outras funções cognitivas, como atenção e raciocínio.

5. Vulnerabilidade: A memória de curto prazo é mais suscetível a interferências e distrações, enquanto a memória operacional é mais resiliente e capaz de manter o foco mesmo em ambientes desafiadores.

Em suma, enquanto a memória de curto prazo é responsável por reter informações temporariamente, a memória operacional vai além, envolvendo o processamento ativo e a manipulação dessas informações para a realização de tarefas cognitivas mais complexas.

Conheça os 5 tipos de memória mais comuns e suas funcionalidades específicas.

A memória é uma função cognitiva essencial para o nosso dia a dia, permitindo-nos armazenar e recuperar informações. Existem diferentes tipos de memória, cada um com funcionalidades específicas. Conheça os 5 tipos de memória mais comuns:

1. Memória Sensorial: Responsável por processar informações sensoriais breves, como o som e a visão. É a primeira etapa do processo de memória e tem uma capacidade limitada de retenção.

2. Memória de Curto Prazo: Armazena informações temporariamente, com uma capacidade limitada de retenção, geralmente até 20-30 segundos. É importante para a realização de tarefas do dia a dia, como lembrar um número de telefone temporariamente.

3. Memória de Longo Prazo: Armazena informações por um longo período de tempo, podendo ser acessada quando necessário. Tem uma capacidade quase ilimitada de retenção e é crucial para a aprendizagem e a formação de memórias autobiográficas.

4. Memória Explícita: Refere-se à capacidade de recordar informações de forma consciente, como fatos e eventos específicos. É dividida em memória episódica (memória de eventos pessoais) e memória semântica (conhecimento geral).

5. Memória Implícita: Refere-se à capacidade de recordar informações de forma inconsciente, como habilidades motoras e condicionamento. É essencial para a execução de tarefas automatizadas.

Agora, vamos explorar as diferenças entre a memória de curto prazo e a memória de trabalho:

1. Duração: Enquanto a memória de curto prazo tem uma duração limitada, a memória de trabalho pode manter informações por um período mais longo, desde que estejam sendo utilizadas ativamente.

2. Capacidade: A memória de trabalho tem uma capacidade maior de retenção do que a memória de curto prazo, permitindo a manipulação ativa de informações para a realização de tarefas complexas.

Relacionado:  Teste de Inteligência WAIS-IV (Escala de Wechsler em Adultos)

3. Funcionalidade: A memória de trabalho está diretamente envolvida na execução de tarefas cognitivas, como resolução de problemas e tomada de decisões, enquanto a memória de curto prazo atua mais como uma etapa transitória no processamento de informações.

4. Interatividade: A memória de trabalho interage com outras funções cognitivas, como atenção e raciocínio, para realizar tarefas complexas, enquanto a memória de curto prazo tem uma função mais isolada.

5. Importância: A memória de trabalho é crucial para a realização de atividades diárias que exigem o processamento ativo de informações, enquanto a memória de curto prazo é mais relevante para tarefas simples e temporárias.

Significado e importância da memória de trabalho para o funcionamento cognitivo humano.

A memória de trabalho desempenha um papel fundamental no funcionamento cognitivo humano, sendo responsável por armazenar e manipular informações temporariamente durante a realização de tarefas cognitivas. Ela permite que possamos realizar múltiplas tarefas simultaneamente, resolver problemas complexos, tomar decisões e aprender novos conceitos.

Existem cinco diferenças importantes entre a memória de curto prazo e a memória de trabalho. A primeira diferença está relacionada à função: enquanto a memória de curto prazo é responsável apenas pelo armazenamento temporário de informações, a memória de trabalho vai além, envolvendo também a manipulação dessas informações para a realização de tarefas cognitivas.

Outra diferença significativa está na capacidade de armazenamento. Enquanto a memória de curto prazo tem uma capacidade limitada de armazenar cerca de 7 ± 2 itens, a memória de trabalho é capaz de armazenar e processar informações de forma mais eficiente, graças a mecanismos de controle atencional e execução.

Além disso, a memória de trabalho está mais relacionada com a atenção seletiva e a capacidade de inibir informações irrelevantes, enquanto a memória de curto prazo é mais passiva, apenas retendo as informações por um curto período de tempo.

Por fim, a memória de trabalho é crucial para a aprendizagem e a resolução de problemas, pois permite a integração de novas informações com o conhecimento prévio, facilitando a compreensão e a aplicação de conceitos. Portanto, a memória de trabalho desempenha um papel essencial no funcionamento cognitivo humano, possibilitando a realização de tarefas complexas e a adaptação a novas situações.

Significado da memória de curto prazo: entenda como funciona esse tipo de memória.

A memória de curto prazo é um tipo de memória temporária que armazena informações por um curto período de tempo, geralmente de alguns segundos a alguns minutos. É responsável por reter informações que estão sendo utilizadas no momento presente, antes de serem transferidas para a memória de longo prazo.

5 diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho:

1. Capacidade de armazenamento: A memória de curto prazo tem uma capacidade limitada, geralmente podendo armazenar cerca de 7 +/- 2 itens, enquanto a memória de trabalho tem uma capacidade maior e pode manipular informações de forma mais complexa.

2. Duração da retenção: A memória de curto prazo retém informações por um curto período de tempo, enquanto a memória de trabalho mantém informações por um período um pouco mais longo, permitindo a manipulação e processamento ativo das informações.

3. Funcionalidade: A memória de curto prazo está mais relacionada à retenção passiva de informações, enquanto a memória de trabalho está envolvida em processos mentais mais complexos, como resolução de problemas e tomada de decisões.

4. Envolvimento do cérebro: A memória de curto prazo é mais associada a áreas como o córtex pré-frontal, enquanto a memória de trabalho envolve não apenas o córtex pré-frontal, mas também outras áreas do cérebro, como o córtex parietal e o córtex temporal.

5. Ativação cerebral: Estudos neurocientíficos mostram que a memória de trabalho está associada a uma maior ativação cerebral em comparação com a memória de curto prazo, indicando um maior envolvimento cognitivo e processamento de informações.

Relacionado:  Teste de Matrizes Progressivas Raven

5 diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho

5 diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho 1

A memória é um processo mental e capacidade cognitiva que usamos diariamente e praticamente desde que somos crianças. É um processo fundamental que permite o aprendizado. Existem diferentes tipos de memória de acordo com sua utilidade, temporalidade, características …

Neste artigo, vamos nos referir a dois deles, e falaremos sobre as diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho . Estes são apenas alguns deles, aqueles considerados mais relevantes. Anteriormente, porém, falaremos sobre o que é memória e a origem das definições de memória de curto prazo e memória de trabalho.

O que é memória?

Memória refere-se a um processo cognitivo, o que implica a capacidade de registrar e evocar memórias . Ou seja, permite o registro de informações externas (e internas) para armazenar posteriormente essas informações, evocando-as em outro momento. No entanto, existem muitos tipos de lembranças, de acordo com os critérios que usamos para classificá-las.

A parte da psicologia responsável pelo estudo da memória é a psicologia básica, que também estuda outros processos psicológicos e cognitivos, como aprendizado, percepção, sensação, motivação e raciocínio.

Origem da memória de curto prazo e da memória de trabalho

Em nível histórico, a primeira classificação feita de memória foi a que dividiu essa capacidade mental em: memória de curto prazo e memória de longo prazo. Enquanto o primeiro se referia à memória dos eventos que ocorreram há alguns segundos atrás (ou seja, a capacidade de armazenar e evocar esses fatos na mente), o segundo se refere à capacidade de lembrar a longo prazo, ou seja, , eventos que ocorreram por um longo tempo.

Essa primeira classificação de memória foi proposta por Atkinson e Shiffrin em 1968. Nessa primeira classificação, a memória de curto prazo era entendida como um processo bastante “estático”, ou seja, referia-se simplesmente ao fato de lembrar ou não de informações recentes ( que registramos alguns segundos antes).

Mais tarde, porém, outro autor propõe uma definição ligeiramente diferente de memória de curto prazo. Esse autor foi Alan Baddeley e propôs o conceito de memória operacional ou memória operacional dentro do modelo do executivo central. Segundo ele, a memória de curto prazo é um tipo de memória operacional, entendida como um tipo de memória “ativa”, “dinâmica”, que não se limita apenas a evocar informações, mas a transforma ativamente para ser usada em tarefas requerido

Por exemplo, a memória operacional é o que usamos quando estamos adicionando, subtraindo, multiplicando ou dividindo números altos, e isso nos permite manipular e “memorizar” os números que estamos usando para alcançar um resultado final. Ou seja, o que A. Baddeley fez foi adicionar uma operação executiva à memória de curto prazo.

Diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho

Outros autores, exceto A. Baddeley, consideram que a memória de curto prazo e a memória operacional consistem em dois conceitos totalmente diferentes e independentes. Sabendo tudo isso, resumiremos as diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho:

1. Definição e características gerais

A primeira das diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho refere-se à definição de cada um desses conceitos. Assim, em linhas gerais, podemos dizer que a memória de curto prazo se refere a um tipo de memória que segue um critério temporal e que consiste na capacidade de armazenar e lembrar de eventos recentes (que aconteceram há alguns segundos atrás).

Especificamente, a memória de curto prazo tem a capacidade de manter as informações em mente ativas por 30 a 40 segundos.

Por outro lado, a memória de trabalho, embora possa ser considerada um tipo de memória de curto prazo (de acordo com A. Baddeley), refere-se a um tipo de memória que segue um critério mais funcional ; isto é, fala de um tipo de memória que nos permite manter temporariamente certas informações na mente e manipulá-las (normalmente são informações que acabamos de gravar) para usá-las em nosso aprendizado ou na tarefa que estamos desenvolvendo.

Relacionado:  Inteligência interpessoal: definição e dicas para melhorá-la

2. Função

Seguindo a seção anterior, podemos extrair que a memória de trabalho nos permite obter resultados, resolver um problema etc., enquanto a memória de curto prazo é mais “limitadora” nesse aspecto e o que ela nos permite obter ou evocar Uma informação que acabamos de gravar.

Assim, outra das diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho refere-se à sua função. Dessa maneira, embora os dois tipos de memória tenham a característica comum de que seu armazenamento de informações é de curta duração (ambos os tipos de memória permitem manter as informações ativamente em mente), para a memória de trabalho a “ mais “que manipula e transforma essas informações .

3. Destaques

Dessa forma, descobrimos que a memória de curto prazo se concentra no tempo de armazenamento de uma informação e em sua subsequente evocação, e que a memória de trabalho se concentra em uma idéia de memória como um sistema de controle e manipulação de informações. .

Ou seja, seguindo as diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho, vemos como a memória de curto prazo destaca o tempo de armazenamento e a memória de trabalho destaca o processamento de informações.

4. Intervenção em outros processos

A seguir, as diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho são encontradas na maneira como cada uma dessas memórias intervém em outros processos cognitivos. Assim, enquanto a memória de curto prazo não interfere muito em outros processos cognitivos, a memória operacional faz; especificamente, ele intervém em processos cognitivos complexos, como leitura, raciocínio ou entendimento da linguagem.

Isso ocorre porque a memória de trabalho nos permite usar e gerenciar informações de diferentes fontes para evocá-las posteriormente e usá-las em outros processos cognitivos, como os mencionados. Por isso, é uma memória cada vez mais importante e reconhecida academicamente, pois possibilita e facilita os diferentes processos de aprendizagem.

  • Você pode estar interessado: ” Os 13 tipos de aprendizado: o que são? “

5. Relacionamento com outros tipos de memória

Podemos relacionar essas duas memórias com outros tipos de memória? No caso da memória de curto prazo, vimos como o seu “oposto” é a memória de longo prazo , no sentido de que ambos aludem a um critério temporário de retenção de memória. No entanto, o relacionamento deles termina aí.

Por outro lado, seguindo as diferenças entre memória de curto prazo e memória de trabalho, vemos como a memória de trabalho mantém um relacionamento ativo com outros tipos de memória; Nesse caso, com memória de longo prazo.

Especificamente, o que a memória de trabalho faz é criar associações e relacionamentos com os dados que manipulamos , para acabar integrando-os a outras informações armazenadas na memória de longo prazo. Isso pode estar relacionado à seção anterior, pois esse relacionamento com a memória de longo prazo possibilita outros processos cognitivos relevantes para a aprendizagem.

Referências bibliográficas:

  • De Vega, M. (1999). Introdução à Psicologia Cognitiva. Aliança de Psicologia. Madrid
  • Tirapu-Ustárroz, J. e Grandi, F. (2016). Sobre memória de trabalho e memória declarativa: proposta de um esclarecimento conceitual. Panamerican Journal of Neuropsychology, 10 (3): 13-31.
  • Tirapu-Ustárroz, J. e Muñoz-Céspedes, JM (2005). Memória e funções executivas. Journal of Neurology, 41 (8): 475-484.

Deixe um comentário