Ácido alendrônico: fórmula, estrutura, propriedades e usos

O ácido alendrônico é um medicamento utilizado no tratamento da osteoporose e outras doenças ósseas. Sua fórmula química é C4H13NO7P2 e sua estrutura molecular é composta por um grupo fosfonato. Suas propriedades incluem a capacidade de inibir a reabsorção óssea, aumentando assim a densidade mineral dos ossos. Além disso, o ácido alendrônico é amplamente utilizado na prevenção de fraturas ósseas em pacientes com osteoporose pós-menopausa. É importante ressaltar que este medicamento deve ser utilizado sob prescrição médica e acompanhamento profissional, devido aos possíveis efeitos colaterais e contraindicações.

Alendronato: sua função e indicações no tratamento de doenças ósseas.

O ácido alendrônico, também conhecido como alendronato, é um medicamento da classe dos bifosfonatos utilizado no tratamento de doenças ósseas, tais como a osteoporose e a doença de Paget. Sua principal função é inibir a reabsorção óssea, ajudando a fortalecer os ossos e prevenir fraturas.

O alendronato atua inibindo a atividade dos osteoclastos, células responsáveis pela quebra do tecido ósseo. Isso ajuda a aumentar a densidade óssea e reduzir o risco de fraturas em pacientes com osteoporose ou outras condições que enfraquecem os ossos.

Este medicamento é geralmente prescrito para indivíduos com baixa densidade mineral óssea ou com histórico de fraturas, especialmente mulheres na pós-menopausa. O alendronato é administrado por via oral, geralmente uma vez por semana, e deve ser tomado com o estômago vazio, com um copo cheio de água, para garantir sua absorção adequada.

É importante ressaltar que o alendronato pode causar efeitos colaterais, como irritação gastrointestinal e ulceração esofágica, por isso é fundamental seguir as orientações do médico e manter um acompanhamento regular durante o tratamento. Em casos de dúvidas ou sintomas adversos, é importante buscar orientação médica.

Os motivos pelos quais não é aconselhável deitar após tomar alendronato.

O ácido alendrônico, também conhecido como alendronato, é um medicamento utilizado no tratamento da osteoporose e outras condições que enfraquecem os ossos. Sua fórmula química é C4H13NO7P2 e sua estrutura molecular é responsável por sua ação inibidora da reabsorção óssea.

Uma das principais orientações para quem faz uso de alendronato é não deitar logo após tomar o medicamento. Isso ocorre porque o alendronato pode causar irritação no esôfago, podendo levar a problemas como esofagite e ulcerações. Ao deitar imediatamente após a ingestão do medicamento, aumenta-se o risco de refluxo do medicamento para o esôfago.

Por isso, é recomendado aguardar pelo menos 30 minutos após tomar o alendronato antes de deitar. Além disso, é importante ingerir o medicamento com um copo cheio de água e não se deitar novamente após o período de espera. Essas medidas ajudam a reduzir os possíveis efeitos colaterais do medicamento no sistema digestivo.

Em resumo, é fundamental seguir corretamente as orientações de uso do alendronato para garantir a eficácia do tratamento e evitar complicações. Não deitar após tomar o medicamento é uma precaução importante para minimizar os riscos de irritação no esôfago e garantir a segurança do paciente.

Qual a distinção entre risedronato e alendronato: conheça as diferenças entre esses medicamentos.

O ácido alendrônico e o risedronato são ambos medicamentos pertencentes à classe dos bisfosfonatos, utilizados no tratamento da osteoporose. Apesar de possuírem mecanismos de ação semelhantes, existem algumas diferenças entre eles.

Relacionado:  Acetato de etila: estrutura, propriedades, síntese, usos

O risedronato é um medicamento mais recente do que o ácido alendrônico, e sua formulação permite uma administração menos frequente, geralmente uma vez por semana. Já o ácido alendrônico é mais utilizado e possui diferentes formas de administração, como comprimidos diários ou semanais e injeções intravenosas.

Em relação às propriedades, o risedronato pode apresentar uma menor incidência de efeitos colaterais gastrointestinais em comparação com o ácido alendrônico. No entanto, ambos os medicamentos podem causar irritação esofágica se não forem tomados corretamente, com um copo cheio de água e em posição ereta.

No que diz respeito aos usos, tanto o risedronato quanto o ácido alendrônico são indicados para prevenir a perda óssea e reduzir o risco de fraturas em pacientes com osteoporose. Eles também podem ser utilizados no tratamento da osteopenia e em outras condições que enfraquecem os ossos.

Em resumo, apesar de suas semelhanças, o risedronato e o ácido alendrônico possuem diferenças importantes em relação à frequência de administração, incidência de efeitos colaterais e formas de uso. É importante consultar um profissional de saúde para determinar qual a melhor opção para cada caso específico.

Alendronato de sódio pode ser consumido por quem tem problemas de pressão arterial?

O ácido alendrônico é um medicamento utilizado no tratamento da osteoporose, que é uma doença que enfraquece os ossos e aumenta o risco de fraturas. Sua fórmula química é C4H13NO7P2 e sua estrutura molecular é composta por diversos grupos funcionais que lhe conferem propriedades únicas.

O alendronato de sódio é a forma mais comum do ácido alendrônico disponível no mercado. Ele atua inibindo a atividade dos osteoclastos, células responsáveis pela reabsorção óssea, o que ajuda a fortalecer os ossos e prevenir fraturas.

Em relação aos problemas de pressão arterial, não há contraindicações específicas para o consumo de alendronato de sódio. No entanto, é importante que pacientes com hipertensão arterial consultem um médico antes de iniciar o tratamento, para avaliar se o medicamento é seguro para o seu caso específico.

É fundamental seguir as orientações do profissional de saúde e não interromper o uso do medicamento sem autorização, pois isso pode comprometer os resultados do tratamento da osteoporose.

Em resumo, o alendronato de sódio pode ser consumido por pessoas com problemas de pressão arterial, desde que haja acompanhamento médico adequado e a prescrição seja feita de forma consciente.

Ácido alendrônico: fórmula, estrutura, propriedades e usos

O ácido alendrónico é um composto orgânico que pertencem à classificação de bisfosfonatos, especificamente para a segunda geração; Estes são aqueles que contêm átomos de nitrogênio. Este composto, assim como o restante dos bisfosfonatos, possui uma alta analogia estrutural com o pirofosfato inorgânico (PPi).

O pirofosfato inorgânico é o produto de muitas reações sintéticas no organismo. É armazenado em muitos tecidos do corpo e verificou-se que sua incorporação nos ossos regula sua calcificação e mineralização. O ácido alendrônico, como PPi e bifosfonatos, mostra uma alta afinidade pelos cristais de hidroxiapatita dos ossos.

Ácido alendrônico: fórmula, estrutura, propriedades e usos 1

Por esse motivo, pretende ser um medicamento para o tratamento de suas doenças, entre elas a osteoporose. No mercado farmacêutico é conseguido com o nome comercial Fosamax, na sua forma iónica (tri-hidrato de alendronato de sódio), por si só ou combinada com a vitamina D .

As formas de dosagem predominantes são comprimidos e comprimidos revestidos. É sintetizado por aquecimento de GABA (ácido 4-amino butírico) com ácido ortofosforado (H 3 PO 3 ) sob uma atmosfera inerte de nitrogênio. Em seguida, tricloreto de fósforo (PCl adicionado 3 ).

Após as etapas de agregação de água, descoloração da solução com carvão e diluição em metanol, é obtido o ácido alendrônico sólido. Finalmente, o ácido é neutralizado com NaOH para obter alendronato de sódio.

Formula

fórmula molecular condensado de alendronato é C 4 H 13 NO 7 P 2 . No entanto, a única informação que pode ser extraída disso é o peso molecular do composto e o número de insaturações.

Estrutura molecular obrigatória é necessária para discernir suas propriedades físicas e químicas.

Estrutura

Ácido alendrônico: fórmula, estrutura, propriedades e usos 2

A estrutura molecular do alendronato é representada na imagem superior. As esferas vermelhas correspondem a átomos de oxigênio, mostardas a átomos de fósforo, cinza a carbono, branco a hidrogênio e azul a nitrogênio.

A estrutura pode ser assimilada a uma letra T em zigue-zague, sendo seu teto a chave para o motivo pelo qual o composto é considerado um bifosfonato. PPi (O 3 P O PO 3 ) é análogo ao teto molecular de T (O 3 P C (OH) PO 3 ), com a única diferença de que o átomo central que une os grupos fosfato a bisfosfonatos é um carbono bisfosfônico.

Por sua vez, esse carbono está ligado a um grupo hidroxila (–OH). Este carbono emerge uma cadeia alquilo de três unidades metileno (-CH2- ), que termina com um grupo amino ( NH 2 ).

É o grupo amino, ou qualquer substituinte que possua um átomo de nitrogênio, que é responsável por esse bisfosfonato pertencente à segunda geração ou terceira geração.

No alendronato, todos os hidrogênios ácidos (H + ) foram administrados ao meio. Cada grupo fosfato libera dois H + e, como existem dois grupos, há um total de quatro H + que podem liberar o ácido; É por esse motivo que possui quatro constantes de ácido (pka 1 , pka 2 , pka 3 e pka 4 ).

Dinamismo molecular

A cadeia alquil é capaz de girar suas ligações simples, dando flexibilidade e dinamismo à molécula. O grupo amino pode fazer o mesmo em menor grau. No entanto, os grupos fosfato só podem girar a ligação P C (como duas pirâmides rotativas).

Por outro lado, essas “pirâmides rotativas” são aceitadoras de pontes de hidrogênio e, quando interagem com outra espécie ou superfície molecular que fornece esses hidrogênios, diminuem a velocidade e fazem com que o ácido alendrônico se torne teimosamente ancorado. As interações eletrostáticas (causadas, por exemplo, por íons Ca 2+ ) também têm esse efeito.

Enquanto isso, o resto do T continua se movendo. O grupo amino, ainda livre, interage com o ambiente circundante.

Propriedades

O ácido alendrônico é um sólido branco que derrete a 234 ° C e depois se decompõe a 235 ° C.

É muito pouco solúvel em água (1mg / L) e tem um peso molecular de aproximadamente 149 g / mol. Essa solubilidade aumenta se estiver em sua forma iônica, alendronato.

É um composto com um ótimo caráter hidrofílico, por isso é insolúvel em solventes orgânicos.

Usos

Possui aplicações na indústria farmacêutica. No mercado, é obtido com os nomes Binosto (70 mg, comprimidos efervescentes) e Fosamax (comprimidos de 10 mg e comprimidos de 70 mg administrados uma vez por semana).

Relacionado:  O que é notação espectral?

Como um medicamento não hormonal, ajuda a combater a osteoporose em mulheres na menopausa. Nos homens, atua na doença de Paget, hipocalcemia, câncer de mama, câncer de próstata e outras doenças associadas aos ossos. Isso reduz o risco de possíveis fraturas, principalmente dos quadris, pulsos e coluna vertebral.

Sua alta seletividade para os ossos permite reduzir o consumo de suas doses. Por esse motivo, os pacientes dificilmente veem a necessidade de consumir um comprimido semanalmente.

Mecanismo de ação

O ácido alendrônico é ancorado à superfície dos cristais de hidroxiapatita que compõem os ossos. O grupo OH do carbono bifosfônico favorece as interações entre ácido e cálcio. Isso ocorre preferencialmente nas condições de remodelação óssea.

Como os ossos não são estruturas inertes e estáticas, mas dinâmicos, essa âncora exerce um efeito sobre as células dos osteoclastos. Essas células desempenham reabsorção óssea, enquanto os osteoblastos são responsáveis ​​pela sua construção.

Após a ancoragem do ácido na hidroxiapatita, a parte superior de sua estrutura – especificamente o grupo – NH2 inibe a atividade da enzima farnesil pirofosfato sintetase.

Essa enzima regula a via sintética do ácido mevalônico e, portanto, afeta diretamente a biossíntese de colesterol, outros esteróis e lipídios isoprenóides.

Quando a biossíntese dos lipídios é alterada, a precursora de proteínas também é inibida; portanto, sem a produção das proteínas lipídicas essenciais para a renovação das funções dos osteoclastos, elas acabam morrendo (apoptose dos osteoclastos).

Como conseqüência do exposto, a atividade osteoclástica diminui e os osteoblastos podem trabalhar na construção do osso, fortalecendo-o e aumentando sua densidade.

Derivados do ácido alendrônico

Para obter um derivado, é essencial modificar a estrutura molecular do composto através de uma série de reações químicas. No caso de alendronato, as únicas modificações possíveis são os grupos -NH 2 e -OH (carbono bisfosfónico).

Quais modificações? Tudo depende das condições de síntese, da disponibilidade dos reagentes, da escala, dos rendimentos e de muitas outras variáveis.

Por exemplo, um dos hidrogênios pode ser substituído por um grupo R C = O, criando novas propriedades estruturais, químicas e físicas nos derivados.

No entanto, o objetivo desses derivados não é outro senão obter um composto com melhor atividade farmacêutica e, além disso, manifestar sequelas menores ou efeitos colaterais indesejáveis ​​para quem consome o medicamento.

Referências

  1. Drake, MT; Clarke, BL; Khosla, S. (2008). Bisfosfonatos: Mecanismo de Ação e Papel na Prática Clínica.Procedimentos da Clínica Mayo. Clínica Mayo , 83 (9), 1032-1045.
  2. Turhanen, PA e Vepsäläinen, JJ (2006). Síntese de novos derivados do ácido (1-alcanoiloxi-4-alcanoilaminobutilideno) -1,1-bisfosfónico.Jornal de Química Orgânica de Beilstein , 2 , 2. doi.org
  3. Drugbank. (13 de junho de 2005). Drugbank . Retirado em 31 de março de 2018, de: drugbank.ca.
  4. Marshall, H. (31 de maio de 2017). Ácido alendrônico Recuperado em 31 de março de 2018, de: netdoctor .com
  5. PubChem (2018). Ácido Alendrônico . Recuperado em 31 de março de 2018, de: pubchem.ncbi.nlm.nih.gov.
  6. Wikipedia (28 de março de 2018). Ácido alendrônico Recuperado em 31 de março de 2018, em: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário