Agressão na infância: as causas da agressão em crianças

A agressão na infância é um fenômeno complexo que pode ter diversas causas e impactos significativos no desenvolvimento emocional, social e cognitivo das crianças. A compreensão das raízes da agressão em crianças é fundamental para lidar de forma eficaz com esse comportamento e promover um ambiente saudável e seguro para o seu crescimento. Neste contexto, este texto abordará algumas das principais causas da agressão em crianças, destacando a importância de identificar e intervir precocemente nesse tipo de comportamento.

Os possíveis efeitos da agressão infantil: danos emocionais, psicológicos e sociais a longo prazo.

A agressão na infância é um problema sério que pode ter efeitos devastadores no desenvolvimento das crianças. Os possíveis danos emocionais, psicológicos e sociais a longo prazo são variados e podem afetar a vida da criança de maneira significativa.

Em primeiro lugar, os danos emocionais causados pela agressão infantil podem incluir traumas, medo e ansiedade. Crianças que são vítimas de agressão tendem a desenvolver problemas de autoestima e confiança, o que pode afetar seu relacionamento com os outros e sua capacidade de lidar com situações estressantes no futuro.

Além disso, os danos psicológicos podem se manifestar de diversas formas, como transtornos de comportamento, depressão e problemas de aprendizagem. Crianças que sofrem agressão têm maior probabilidade de apresentar dificuldades escolares e de se envolver em comportamentos de risco, o que pode impactar seu desenvolvimento cognitivo e social.

Por fim, os danos sociais a longo prazo da agressão infantil podem incluir isolamento social, problemas de relacionamento e comportamento agressivo. Crianças que são agressivas tendem a ter dificuldade em fazer amizades e em manter relacionamentos saudáveis, o que pode afetar sua vida social e profissional no futuro.

Em suma, a agressão na infância pode ter efeitos profundos e duradouros no desenvolvimento das crianças, causando danos emocionais, psicológicos e sociais a longo prazo. É fundamental que sejam tomadas medidas para prevenir e combater a agressão infantil, a fim de proteger o bem-estar e o futuro das crianças.

Origens do crescente índice de violência infantil no Brasil: quais são os motivos?

A violência infantil no Brasil tem se tornado um problema cada vez mais grave, com um crescente índice de casos de agressão contra crianças. Mas quais são as causas por trás desse fenômeno preocupante?

Um dos principais motivos para o aumento da violência infantil no Brasil é a falta de políticas públicas eficazes voltadas para a proteção das crianças. Muitas famílias vivem em situações de extrema vulnerabilidade social, o que acaba favorecendo o surgimento de casos de agressão.

Além disso, a desigualdade social e a falta de acesso a serviços básicos, como saúde e educação de qualidade, também contribuem para a perpetuação da violência infantil. Crianças que crescem em ambientes desfavoráveis têm mais chances de se tornarem vítimas de agressão.

Outro fator que não pode ser ignorado é a questão da violência doméstica, que muitas vezes acaba sendo reproduzida no ambiente familiar e afetando diretamente as crianças. Pais ou responsáveis que sofrem de problemas como alcoolismo ou violência conjugal tendem a descontar sua frustração e raiva nos filhos.

Portanto, é fundamental que haja um esforço conjunto da sociedade e do poder público para combater as causas da agressão infantil. Investir em políticas sociais, promover a educação e a conscientização sobre os direitos das crianças, e oferecer apoio às famílias em situação de vulnerabilidade são medidas essenciais para reverter esse quadro preocupante.

Reflexões importantes sobre a violência contra crianças: o que é fundamental discutir.

A violência contra crianças é um problema grave e que merece nossa atenção e reflexão. É fundamental discutir as causas e consequências da agressão na infância para que possamos tomar medidas eficazes para prevenir e combater esse tipo de violência.

Um dos pontos importantes a serem considerados é o ambiente familiar em que a criança está inserida. Muitas vezes, a agressão na infância está relacionada a situações de violência doméstica, abuso físico ou emocional por parte dos pais ou cuidadores. É fundamental que haja um acompanhamento psicológico e social das famílias em situação de vulnerabilidade para prevenir a violência contra crianças.

Relacionado:  Software educacional: tipos, características e usos

Além disso, a exposição à violência na mídia e nas redes sociais também pode influenciar o comportamento agressivo das crianças. É importante que os pais e educadores estejam atentos ao conteúdo que as crianças consomem e que promovam o diálogo e a conscientização sobre os impactos da violência no desenvolvimento infantil.

Outro fator a ser considerado é a falta de políticas públicas eficazes para prevenir a violência contra crianças. É fundamental que haja investimento em programas de educação e conscientização, além de medidas de proteção e acolhimento às vítimas de agressão na infância.

As consequências para a criança que sofre violência física em seu desenvolvimento.

As consequências para a criança que sofre violência física em seu desenvolvimento podem ser devastadoras e duradouras. A agressão na infância pode levar a uma série de problemas emocionais, comportamentais e cognitivos ao longo da vida da criança.

Em primeiro lugar, a violência física pode causar danos físicos imediatos, como lesões, fraturas e cicatrizes. No entanto, os efeitos mais graves são os danos psicológicos que a criança pode sofrer. A violência pode levar a problemas de saúde mental como ansiedade, depressão, transtorno de estresse pós-traumático e até mesmo pensamentos suicidas.

Além disso, a agressão na infância pode influenciar no desenvolvimento emocional da criança, levando-a a ter dificuldade em estabelecer relacionamentos saudáveis e duradouros. A criança que sofre violência física pode desenvolver comportamentos agressivos, impulsivos e desafiadores, o que pode afetar seu desempenho acadêmico e social.

Por fim, a violência física pode afetar o desenvolvimento cognitivo da criança, prejudicando suas habilidades de aprendizagem, memória e concentração. A criança que é vítima de agressão pode ter dificuldade em se concentrar na escola, o que pode levar a um baixo rendimento acadêmico e a problemas de comportamento.

É fundamental que sejam tomadas medidas para prevenir a violência física e proteger as crianças de danos emocionais e físicos.

Agressão na infância: as causas da agressão em crianças

Agressão na infância: as causas da agressão em crianças 1

A agressão é um comportamento realizado com a intenção de prejudicar um ser humano que você quer para evitar este tratamento. A intenção do ator define o “ato agressivo”, não as consequências.

Desenvolvimento de Agressão na Infância

Os atos agressivos são classificados em duas categorias:

  • Agressão hostil: quando o alvo do agressor é o dano ou ferimento da vítima.
  • Agressão instrumental : quando o objetivo principal do agressor é obter acesso a objetos, espaço ou privilégios.

Origens da agressão infantil

Bebês com menos de 1 ano de idade podem ficar irritados, mesmo que não agredam (não há intenção). Em um ano, as crianças demonstram rivalidade por brinquedos e, aos 2 anos, têm maior probabilidade de resolver disputas por meio de negociação e participação. Esse processo pode ser adaptável, pois ensina as crianças a atingir seus objetivos sem violência.

Tendências no desenvolvimento da agressão

Com a idade, a agressão das crianças muda drasticamente:

  • Entre 2 e 3 anos, a agressão física é fundamental, uma vez que as crianças se concentram em brinquedos, doces, etc.
  • Entre 3 e 5 anos , torna-se verbal, e não físico.
  • Entre 4 e 7 anos , a agressividade começa a ser hostil. A aquisição de habilidades para considerar o ponto de vista dos outros (inferir se a intenção é prejudicial) traz vingança. É da escola primária quando as crianças são vingativas.

Diferenças sexuais no desenvolvimento da agressão

O fator genético explica parte do fato de as crianças terem maior propensão a comportamentos agressivos devido à produção de testosterona. Apesar disso, o fator social desempenha um papel muito importante na determinação da agressividade masculina e feminina. A partir do ano e meio, a classificação de gênero, que é um construto socialmente aceito, marca as diferenças entre os indivíduos e a maneira de expressar comportamentos hostis.

Os pais também influenciam o desenvolvimento da agressividade, porque aqueles que jogam de maneira mais grosseira e agressiva, aqueles que recompensam suas ações anti-sociais, ou mesmo lhes dão presentes, incentivam seu comportamento desfavorável.

A base biológica do comportamento agressivo

Pode-se supor que o comportamento agressivo seja adaptativo em ambientes nos quais a competitividade é um fator determinante na alocação de recursos limitados. Tanto a agressão hostil quanto a instrumental podem ser o resultado de (e levar a) relações de poder nas quais há um dominado e um dominador, ambos entrando em uma dinâmica na qual a seleção natural se torna evidente. No entanto, deve-se notar que, no caso dos seres humanos, o comportamento é modulado por uma moralidade que não ocorre em outras espécies. Essa moralidade, como as expressões de genes que podem interferir no desencadeamento de comportamentos agressivos, possui um substrato biológico que é modificado pela interação com o ambiente e com outros seres.

A mudança de uma ética centrada no próprio ego para um foco na responsabilidade social é um processo profundamente complexo e dinâmico do ponto de vista da biologia, mas existe um certo consenso de que o córtex pré-frontal, localizado na área central, desempenha um papel decisivo. na parte anterior do cérebro. Essa região cerebral desempenha um papel importante na tomada de decisões e no início de atividades planejadas com um objetivo projetado temporariamente no futuro. Graças ao córtex pré-frontal, o ser humano é capaz de estabelecer objetivos além da gratificação imediata e tomar decisões com base nos conceitos mais abstratos.

Portanto, também desempenha um papel importante na socialização, pois viver em sociedade significa, entre outras coisas, adiar certas recompensas pelo benefício de um benefício temporariamente projetado que afeta a comunidade. Segundo Fuster (2014), por exemplo, parte do comportamento não social de crianças e jovens é explicada por um córtex pré-frontal que ainda não amadureceu o suficiente e não está suficientemente conectadocom os grupos neurais do cérebro potencial que mediam na criação de emoções e no comportamento orientado para a satisfação das necessidades (essa conexão é estabelecida mais tarde no ritmo do relógio biológico e alcançará seu clímax durante a terceira década de vida, entre 25 e 30 anos). Além disso, grupos neuronais cuja ativação evoca princípios éticos gerais e conceitos abstratos consideram o córtex pré-frontal um mediador que lhes permitirá desempenhar um papel na tomada de decisões. Deste ponto de vista, um bom desenvolvimento do lobo pré-frontal geralmente leva a uma expressão reduzida de comportamento agressivo.

Da agressão ao comportamento anti-social

Durante a adolescência, é mostrado um pico no comportamento anti-social e depois reduzido. As meninas usam agressão relacional (humilhação, exclusão, boatos para prejudicar a auto-estima etc.), enquanto os meninos escolhem roubar, perder aulas e mau comportamento sexual.

A agressividade é um atributo estável?

De fato: a agressividade é um atributo estável. As crianças que são relativamente agressivas em tenra idade tendem a ser mais velhas. Claramente, a capacidade de aprendizado e a plasticidade cerebral (capacidade de mudar de acordo com as interações com o ambiente) tornam isso nem sempre o caso. O fator epigenético também deve ser levado em consideração .

Diferenças individuais no comportamento agressivo

Somente uma pequena minoria pode ser considerada um agressor crônico (envolvido na maioria dos conflitos). A pesquisa indica 2 tipos de crianças muito agressivas:

  • Agressores pró-ativos : crianças que acham fácil realizar atos agressivos e que confiam na agressão como um meio de resolver problemas sociais ou alcançar objetivos pessoais.
  • Agressores reativos : crianças que exibem altos níveis de agressão vingativa hostil porque atribuem intenções hostis excessivas a outras pessoas e não conseguem controlar sua raiva o suficiente para procurar soluções que não sejam agressivas a problemas sociais.

Cada um desses grupos processa informações sobre suas percepções e comportamentos próprios de maneira diferente, o que faz com que seu estilo de tomada de decisão também tenha um estilo diferenciado.

Relacionado:  A teoria de Noam Chomsky sobre o desenvolvimento da linguagem

Teoria do processamento de informações sociais da agressão de Dodge

Dada a ambiguidade de um conflito, crianças agressivas usam um viés de atribuição.

  • As crianças reativas empregam um viés de atribuição hostil ao pensar que outras pessoas são hostis a elas. Isso faz com que sejam rejeitados pelos professores e colegas de classe, o que acentua seu viés.
  • Crianças pró-ativas são mais inclinadas a formular meticulosamente um objetivo instrumental (por exemplo: “Ensinarei colegas descuidados a serem mais cuidadosos comigo”).

Perpetradores e vítimas de agressão de colegas

Os assediadores comuns são pessoas que não sofreram seus próprios abusos, mas em casa eles testemunharam. Eles acham que poderão obter muitos benefícios de suas vítimas sem quase nenhum esforço.

As vítimas são de 2 tipos:

  • Vítimas passivas : pessoas fracas que dificilmente resistem.
  • Vítimas provocativas: pessoas inquietas, oponentes que irritam seus assediadores. Eles tendem a ter viés de atribuição hostil e sofreram abuso em casa.

As vítimas correm um sério risco de adaptação social.

Influências culturais e subculturais na agressão

Algumas culturas e subculturas são mais agressivas que outras.

A Espanha, seguida pelos EUA e Canadá, são os países industrializados mais agressivos.

As classes sociais também influenciam, onde a classe social mais baixa é mais agressiva. Várias causas podem ser:

  • Eles usam punição freqüentemente
  • Aprovação de soluções agressivas em conflitos
  • Os pais que levam vidas estressantes controlam menos os filhos

As diferenças individuais também afetam o desenvolvimento da agressividade.

Ambientes familiares coercitivos: criadouros de agressão e crime

As crianças agressivas geralmente vivem em ambientes coercitivos, onde a maioria das interações entre os membros da família é uma tentativa de impedir o outro de irritá-los. As interações coercitivas são mantidas graças ao reforço negativo (qualquer estímulo cuja eliminação ou término como conseqüência do ato aumenta a probabilidade de repetição).

Com o tempo, as crianças problemáticas tornam-se resistentes ao castigo e chamam a atenção dos pais que não demonstram afeição.

É difícil quebrar esse círculo devido à sua influência multidimensional (afeta todos os membros da família).

Ambientes coercitivos como contribuintes para o crime crônico

Um ambiente coercitivo contribui para um viés de atribuição hostil e uma cadeia de autolimitação que causa a rejeição de outras crianças. Consequentemente, elas geralmente acabam isoladas das outras crianças da escola e de outras da mesma condição. A interação entre eles geralmente termina na formação de grupos com maus hábitos.

Uma vez na adolescência, é mais difícil corrigir essas pessoas, a prevenção é a melhor aposta para controlá-la.

Métodos para controlar a agressão e o comportamento anti-social

Criação de ambientes não agressivos

Uma abordagem simples é criar playgrounds que minimizem a probabilidade de conflito, como a remoção de brinquedos como armas ou tanques, oferecendo amplo espaço para brincadeiras vigorosas etc.

Eliminação de recompensas por agressão

Pais ou professores podem reduzir a frequência da agressão, identificando e eliminando suas conseqüências reforçadoras e estimulando meios alternativos para alcançar objetivos pessoais. Eles poderiam usar dois métodos:

  • Técnica de resposta incompatível: um método não punitivo de modificação de comportamento, pelo qual os adultos ignoram comportamentos indesejáveis, reforçando o leito que é incompatível com essas respostas.
  • Técnica de tempo limite: método no qual as crianças que se comportam agressivamente são forçadas a deixar o palco até que sejam consideradas preparadas para agir adequadamente.

Intervenções sociais cognitivas

Essas técnicas os ajudam a:

  • Regule sua raiva .
  • Aumente sua capacidade de sentir empatia para evitar o viés de atribuição.

Qualquer técnica pode ser ineficaz se ambientes familiares coercitivos posteriores ou amizades hostis os prejudicarem.

Referências bibliográficas:

  • Fuster, JM (2014). “Brain and Freedom”, Barcelona, ​​Editorial Planeta.
  • Serrano, I. (2006). “Agressão infantil”, 1ª ed., Pyramid Ed., Madrid.
  • Shaffer, D. (2000). “Psicologia do desenvolvimento, infância e adolescência”, 5ª ed., Ed. Thomson, México.

Deixe um comentário