Alexia e agrafia: alterações da linguagem escrita devido a lesão cerebral

Alexia e agrafia são condições que afetam a linguagem escrita e podem surgir como consequência de lesões cerebrais adquiridas, como acidentes vasculares cerebrais ou traumatismos cranianos. A alexia refere-se à dificuldade ou incapacidade de compreender a escrita, enquanto a agrafia é a dificuldade em produzir a escrita de forma eficiente. Essas alterações podem variar em gravidade e impactar significativamente a qualidade de vida do indivíduo afetado. O diagnóstico e tratamento precoces são essenciais para minimizar o impacto dessas condições na vida diária do paciente.

Alexia com agrafia: entendendo a condição de dificuldade em ler e escrever.

Alexia com agrafia é uma condição neurológica que afeta a capacidade de uma pessoa ler e escrever após sofrer uma lesão cerebral. Pessoas com essa condição podem ter dificuldade em reconhecer palavras, compreender o significado do que leem e escrever de forma legível.

A alexia refere-se à dificuldade em ler, enquanto a agrafia é a dificuldade em escrever. Combinadas, essas condições podem causar sérios desafios na comunicação e no dia a dia da pessoa afetada.

As causas da alexia com agrafia geralmente estão relacionadas a lesões cerebrais, como acidentes vasculares cerebrais, traumatismos cranianos ou doenças neurodegenerativas. Essas lesões afetam as áreas do cérebro responsáveis pela linguagem escrita, resultando em dificuldades para ler e escrever.

É importante ressaltar que a alexia com agrafia não está relacionada à falta de inteligência da pessoa afetada, mas sim a uma disfunção neurológica específica. O tratamento para essa condição pode envolver terapias de reabilitação da linguagem, adaptações no ambiente e no uso de tecnologias assistivas.

Compreender essa condição é essencial para oferecer o suporte adequado e melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Entenda o que é uma Alexia cerebral e suas causas e sintomas principais.

Uma Alexia cerebral é um distúrbio da linguagem escrita que ocorre devido a uma lesão cerebral. Esta condição está diretamente relacionada à incapacidade de entender palavras escritas, mesmo que a pessoa tenha uma compreensão adequada da linguagem falada. A Alexia pode estar associada a uma outra condição chamada agrafia, que é a dificuldade em escrever.

As causas da Alexia cerebral podem variar, mas geralmente estão relacionadas a lesões cerebrais causadas por acidentes vasculares cerebrais, traumas cranianos, tumores cerebrais ou doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. Essas lesões afetam as áreas do cérebro responsáveis pelo processamento da linguagem escrita, levando a dificuldades na leitura e na escrita.

Os sintomas principais da Alexia cerebral incluem dificuldade em reconhecer palavras escritas, confusão com letras ou palavras semelhantes, lentidão na leitura e incapacidade de compreender o significado do texto. Além disso, pessoas com Alexia podem apresentar dificuldades em escrever corretamente, mesmo que tenham uma boa compreensão da linguagem falada.

Relacionado:  Disforia pós-coito: sintomas, causas e tratamento

É importante ressaltar que a Alexia cerebral pode ter um impacto significativo na vida diária do indivíduo, dificultando a comunicação e a realização de tarefas que envolvam a leitura e a escrita. O tratamento para a Alexia cerebral geralmente envolve terapia da fala e reabilitação cognitiva, com o objetivo de melhorar a compreensão e a produção de linguagem escrita.

Qual região cerebral influencia o processo de fala e linguagem?

A região cerebral responsável pelo processo de fala e linguagem é conhecida como área de Broca. Localizada no hemisfério esquerdo do cérebro, mais especificamente no lobo frontal, a área de Broca desempenha um papel crucial na produção da fala. Lesões nessa região podem resultar em dificuldades na articulação das palavras, fluência verbal e na capacidade de formar frases de forma coerente.

Alexia e agrafia são distúrbios que afetam a habilidade de ler e escrever, respectivamente, devido a lesões cerebrais. Alexia é a incapacidade de compreender o significado das palavras escritas, mesmo que a capacidade de ler letras e palavras isoladas permaneça intacta. Já a agrafia é a dificuldade em produzir a escrita de forma coerente e legível, apesar da capacidade de compreender a linguagem escrita.

Essas alterações na linguagem escrita podem estar associadas a lesões na área de Broca, bem como em outras regiões do cérebro envolvidas no processamento da linguagem. A reabilitação da linguagem escrita em indivíduos com alexia e agrafia pode envolver terapias específicas para melhorar a compreensão e produção da escrita, além do uso de estratégias de compensação e adaptação.

Em suma, a região cerebral que influencia o processo de fala e linguagem é a área de Broca, localizada no lobo frontal do hemisfério esquerdo. Lesões nessa região podem resultar em distúrbios como alexia e agrafia, afetando a capacidade de ler e escrever de forma eficaz.

Quais são os sinais característicos da Alexia em seus portadores?

A Alexia é um distúrbio adquirido da leitura que pode ocorrer após uma lesão cerebral. Os portadores de Alexia apresentam dificuldades para compreender e reconhecer palavras escritas, mesmo que sejam capazes de compreender a linguagem oral e falar normalmente.

Os sinais característicos da Alexia incluem leitura lenta e laboriosa, dificuldade em reconhecer palavras familiares, erros na leitura de palavras simples e incapacidade de ler em voz alta. Além disso, os portadores de Alexia podem ter dificuldade em compreender o significado do que estão lendo e em fazer associações entre palavras escritas e objetos ou conceitos.

É importante ressaltar que a Alexia pode estar associada a outros distúrbios da linguagem, como a agrafia, que é a incapacidade de escrever devido a uma lesão cerebral. Os portadores de Alexia e agrafia podem apresentar dificuldades semelhantes na produção e compreensão da linguagem escrita.

Esses sintomas podem variar de acordo com a gravidade da lesão cerebral e a extensão do comprometimento das áreas responsáveis pela linguagem escrita.

Relacionado:  4 princípios básicos para fornecer apoio psicológico em emergências

Alexia e agrafia: alterações da linguagem escrita devido a lesão cerebral

Alexia e agrafia: alterações da linguagem escrita devido a lesão cerebral 1

O uso da linguagem é uma das principais capacidades do ser humano . Dominar isso influencia mais ou menos a maneira como interagimos com outras pessoas, como nos vemos e até como pensamos.

Talvez seja por isso que existe um lado da neuropsicologia muito interessado em distúrbios de linguagem, entre os quais os mais conhecidos são dislexia e afasia . No entanto, existem também outros, como alexia e agrafia .

O que é alexia?

Em suma, alexia é uma perda da capacidade de ler corretamente devido a uma lesão cerebral . Portanto, o termo alexia refere-se a uma variedade de distúrbios de leitura cuja causa é dano cerebral.

A Alexia se distingue da dislexia, pois, no segundo, os problemas de leitura aparecem sem ter sido capaz de identificar marcas de feridas no tecido neuronal das regiões do cérebro associadas à linguagem. Se na alexia o distúrbio aparece por causa dos danos adquiridos, na dislexia a explicação tem mais a ver com a maneira como o cérebro se desenvolve durante a infância, com um componente genético e com uma dinâmica de aprendizado que fornece problemas Isso explica que a alexia também é conhecida como dislexia adquirida.

Além disso, como em todos os distúrbios de linguagem, a alexia pode ocorrer de formas mais leves e graves, nas quais a pessoa é totalmente incapaz de ler.

O que é agrafia?

Agrafia é a incapacidade de escrever corretamente, cuja causa também é uma lesão cerebral .

Normalmente, a agrafia aparece em conjunto com outros distúrbios de linguagem (especialmente com afasias e alexias). Portanto, casos de agrafia pura são muito raros, nos quais a única dificuldade relacionada à linguagem afeta a escrita e nenhuma outra habilidade.

Os tipos de alexia

Como o conceito de alexia é muito amplo, muitas subcategorias são usadas em neuropsicologia e psicolinguística para diferenciar as maneiras pelas quais esse distúrbio pode ocorrer e facilitar a intervenção caso a caso (além de permitir investigações onde você pode ver como lesões diferentes produzem efeitos diferentes).

1. Alexia sem agrafia, ou alexia pura

Como o nome indica, alexia pura serve para identificar casos em que há apenas uma incapacidade de ler, mas não de escrever . As pessoas que a experimentam veem as letras como se fossem desenhos simples e não conseguem traduzir essas pistas visuais em fonemas. Portanto, e embora pareça estranho, nos casos em que a alexia é diagnosticada sem agrafia, a pessoa afetada é incapaz de entender o que ela mesma escreveu.

Este é o tipo menos comum de alexia, pois para que isso ocorra, as lesões devem afetar os dois lobos do cérebro e fazer com que as informações visuais coletadas dos dois olhos não possam passar para o lado esquerdo do cérebro. processados ​​pelas áreas da linguagem, enquanto os envolvidos na produção da linguagem escrita permanecem intactos e conectados entre si.

Relacionado:  As diferenças entre esquizofrenia, bipolaridade e personalidade dissociativa

2. Alexia com agrafia, ou central

Pessoas que experimentam alexia com agrafia têm sérios problemas de leitura e escrita .

Esse tipo de alexia também é conhecido como alexia angular , pois afeta uma área do cérebro chamada giro angular. No giro angular, localizado na parte inferior do lobo parietal (normalmente, no lado esquerdo do cérebro), é responsável, entre outras coisas, pela conversão de letras em sons e vice-versa, e, portanto, é muito provável que uma lesão que destrói essa área ou a isola do resto do córtex produz alexia com agrafia.

3. Alexia anterior ou frontal

Diferentemente do que acontece nos outros dois tipos de alexia, nos quais a lesão ocorre em áreas do cérebro próximas ao pescoço, a alexia anterior é causada por uma lesão que afeta principalmente o lobo frontal, na área próxima O templo esquerdo. Esta é uma alexia associada à afasia de Broca , embora, quando se fala em alexia frontal, os problemas de leitura tendam a ser mais graves do que aqueles relacionados a outras funções da linguagem.

Nos pacientes em que esse tipo de alexia produz sintomas mais leves, as principais dificuldades têm a ver com problemas no entendimento das relações sintáticas entre as palavras lidas. Quando alexia é mais grave, eles não conseguem identificar as palavras que estão escritas nem nomear as letras de uma frase curta. No entanto, algo que distingue a alexia frontal das outras duas categorias é que há uma maior facilidade na leitura de palavras que são familiares.

Como a alexia pode ser tratada?

As alexias são sempre produzidas por lesões no cérebro e, portanto, qualquer iniciativa de tratamento deve ser supervisionada por especialistas cujo campo esteja relacionado à neurologia e que possa fornecer um serviço personalizado.

Referências bibliográficas

  • Junqué, C. e Barroso, J. (Coords.) (2009). Manual de Neuropsicologia. Madri: Síntese.
  • Moore, MM, Brendel, PC, Fiez, JA (2014). Lendo faces: Investigando o uso de uma nova ortografia baseada em face na alexia adquirida. Brain and Language, 129, pp. 7-13.
  • Pflugshaupt, T., Gutbrod, K., Wurtz, P., Von Wartburg, R., Nyffeler, T., De Haan, B., Karnath, H., Mueri, RM (2009). Sobre o papel dos defeitos do campo visual na Alexia pura. Cérebro, 132 (7), pp. 1907-1917.

Deixe um comentário