Articulação glenoumeral: funções, anatomia, planos e eixos

A articulação glenoumeral é composta pelos ossos do úmero, braço e omoplata ou escápula, correspondendo à inserção da cabeça do primeiro na cavidade glenóide do segundo. A relação entre essas superfícies se assemelha a uma bola dentro de uma boca larga, esferoidal e multiaxial; É por isso que tem grande mobilidade.

Também é conhecida como articulação escápulo-umeral. Ele integra o complexo da articulação do ombro, chamado cintura escapular, onde também estão as articulações esternoclavicuar e acromioclavicular. A estabilidade da articulação escápulo-umeral envolve estruturas cartilaginosas, ligamentos e cápsula articular e outros elementos musculares.

Articulação glenoumeral: funções, anatomia, planos e eixos 1

A integração desses quatro componentes é necessária para manter a articulação unida e funcional. A articulação glenoumeral é a principal articulação do ombro, cuja amplitude de movimentos oferece inúmeras vantagens ao ser humano. Sua principal função é dar mobilidade a todo o membro superior.

O estudo dessa articulação é de interesse em medicina, fisiatria e saúde ocupacional. É o conjunto de maior mobilidade e utilidade para o homem, mas, apesar de estável, pode sofrer deslocamentos com relativa facilidade.

As lesões nas articulações do ombro podem envolver incapacidade, limitando as atividades físicas e de trabalho em um grau variável.

Funções

Uma das articulações com maior variedade de movimentos é a articulação glenoumeral. Isso permitiu ao homem realizar inúmeras atividades graças ao uso dos membros superiores. A mão, o membro do membro superior, é direcionada pelo movimento das articulações do ombro.

A função da articulação glenoumeral – e, consequentemente, do ombro – é definida pelos sete movimentos que realiza:

– Flex.

– Extensão

– Adução, quando o membro leva à linha média.

– Abdução, quando o membro da linha média é separado.

– Rotação externa, que ocorre com o cotovelo a 90 ° e direciona o braço para fora no eixo principal do úmero.

– Rotação interna, movimento contrário à rotação externa.

– Circundução, movimento irregular que combina flexão, extensão, adução e abdução; Por isso, favorece um movimento circular, cujo centro é a articulação do ombro.

Esses movimentos permitem ao ser humano escrever, dirigir carros, operar máquinas ou praticar esportes como tênis, escalada e natação.

Anatomia

A articulação glenoumeral não é constituída apenas pela escápula e pelo úmero. Em sua arquitetura, existem vários elementos que tornam possível o funcionamento conjunto e conjunto.

Relacionado:  Músculos romboides menores e maiores: características, funções

Articulação glenoumeral: funções, anatomia, planos e eixos 2

Tipo de junta

É uma articulação diartródica; isto é, duas superfícies ósseas unidas, com uma ampla gama de movimento e estabilidade. As articulações artrodiais consistem em membrana sinovial, ligamentos e cápsula articular, que permitem sua mobilidade.

A membrana sinovial, que reveste as superfícies ósseas em contato, produz líquido sinovial que atua como lubrificante.

A articulação glenoumeral é geralmente conhecida como junta de encaixe ou encaixe, devido à associação de suas superfícies de junção. Dentro das diartrodias, a articulação glenoumeral corresponde a um enartrodia, devido aos sete movimentos que pode realizar.

Ossos

Especificamente, a articulação glenoumeral é formada por dois ossos:

Escápula ou omoplata

Achatada e de forma triangular, está localizada em cada lado da parte superior das costas. Forma a parte posterior da cintura escapular, articulando-se com a clavícula, úmero e tórax.

A escápula tem três ângulos, a saber: inferior, interno e externo. É no ângulo externo onde o processo coracóide e a cavidade glenóide se encontram, onde o úmero é articulado.

Úmero

Osso longo localizado no braço. Possui estruturas ósseas que permitem sua articulação e fixação à escápula: uma cabeça hemisférica, um pescoço e os tubérculos maior (troquiter) e menor (troquin), onde estão inseridos os músculos escapulares.

O colo anatômico é chamado de junção do corpo e da cabeça do úmero, e as fraturas são mais frequentes lá. Apenas um quarto da cabeça do úmero tem contato com a fossa glenóide, por isso requer estruturas de suporte quando articuladas.

Ligamentos

Quatro ligamentos são responsáveis ​​por estabilizar a articulação e protegê-la dos movimentos que realiza: os ligamentos glenoumeral superior (LGHS), médio (LGHM) e inferior (LGHI), além do ligamento coracohumeral. Devido à sua natureza, esses ligamentos são elementos passivos da articulação.

Ligamentos glenoumerais

O LGHS vai da escápula ao tubérculo menor, o LGHM nasce no impulsor glenóide para ser inserido no lado interno do tubérculo menor e o LGHI passa do impulsor da fossa e glenóide para o colo cirúrgico do úmero.

Portanto, os ligamentos glenoumerais suportam os movimentos de translação inferior ao realizar adução, rotação externa e translação ântero-posterior da cabeça do úmero, respectivamente.

Ligamento Coracohumeral

Ele parte da borda externa e da base do processo coracóide da escápula para ser inserido no tubérculo maior. Determina a sujeição da cabeça do úmero à articulação, atuando como um freio ântero-posterior. Outras funções são desconhecidas.

Relacionado:  Quais são os segmentos pulmonares?

Rolo glenóide ou labial

É uma estrutura cartilaginosa localizada na borda da cavidade glenóide; Possui formato de anel e sua função é aumentar a superfície de contato da cabeça do úmero, além de proporcionar estabilidade articular.

Cápsula articular

A cápsula é uma estrutura de tecido conjuntivo que envolve as superfícies ósseas da articulação glenoumeral. É dividido em duas partes: uma externa ou fibrosa e outra interna, ou membrana sinovial, que ajuda na lubrificação das articulações.

Esta cápsula também possui estruturas esponjosas em sua superfície: as bursas. Estes amortecem os efeitos da mobilização articular. A bolsa subacromial é a que fornece maior suporte devido à sua extensão.

A porção externa da cápsula é inserida no colo anatômico do úmero, enquanto internamente sua inserção está no labrum e na cavidade glenóide. A cápsula da articulação glenoumeral, por mais que cubra a articulação, é a estrutura que proporciona menor estabilidade.

Músculos

A musculatura relacionada à articulação glenoumeral tem dupla função: estabilidade e mobilidade articular.

Uma estrutura muscular importante é o manguito rotador, formado pelos músculos supraespinhal, infraespinal, redondo e subescapular menor; Sua ação articular mantém a cabeça do úmero dentro da articulação.

Supraspinatus

É inserido da fossa articular supraespinhal até a faceta superior do troquiter umeral. Participa da rotação e abdução do braço, em conjunto com o músculo deltóide.

Infraspinatus

Ele se origina na fossa escapular do infra-espinal, a ser inserida na faceta do meio do troquiter umeral. Sua ação é girar o braço externamente.

Rodada menor

Vai da porção superior da borda externa da escápula até a faceta inferior do troquiter. Participe das ações do manguito rotador e na rotação externa do braço.

Subescapular

Vai da fossa subescapular ao troquino umeral. Contribui para a adução e rotação interna do braço.

Além do manguito rotador, outros músculos relacionados ao movimento articular são:

Deltóide

Une a tuberosidade deltóide do úmero à coluna escapular, acrômio e terço externo da clavícula, apresentando três porções: anterior, média e posterior.

Relacionado:  História da ergonomia: desde o início até hoje

Promove os movimentos de flexão e rotação interna do braço com sua porção anterior, abdução do braço com sua porção média e rotação e extensão externas com sua porção posterior.

Rodada maior (teres maior)

Vai do aspecto posterior do ângulo inferior da escápula ao sulco intertubercular do úmero. Aduz e gira o braço internamente.

Planos e eixos

Articulação glenoumeral: funções, anatomia, planos e eixos 3

A articulação glenoumeral é uma diartrodia com uma ampla gama de movimentos, realizando-os nos três planos e nos três eixos corporais. As diferentes ações ou movimentos articulares são estudados pela biomecânica e determinam amplamente a mobilidade do ombro.

Os planos que correspondem aos movimentos da articulação são três: plano frontal, plano sagital e plano transversal.

Os eixos de movimento também são três: craniocaudal, lateral e anteroposterior. A partir daqui, as diferentes ações do braço no ombro seguem:

– Flexo – extensão, tanto no plano frontal quanto no plano sagital. Quando ocorre no plano frontal, é realizado no eixo lateral; no plano sagital, o eixo correspondente é o ântero-posterior.

– Abdução e adução, no plano lateral e no eixo anteroposterior.

– Rotação externa e interna, no plano transversal e no eixo craniocaudal do úmero.

– Circundução que, sendo uma combinação de movimentos, envolve os três planos e eixos.

A articulação do ombro – especialmente a glenoumeral – permite ao homem realizar muitas atividades, seu desenvolvimento físico e independência.

Referências

  1. Kischner, S. (2017). Shouder Joint Anatomy. Recuperado de emedicine.medscape.com
  2. Lippitt S, Matsen F (1993). Mecanismos de estabilidade da articulação glenoumeral. Recuperado do europepmc.org
  3. Hughes, M. Romeo A. (sf) Anatomia da articulação glenoumeral, estabilizador e biomecânica. Recuperado de orthobullets.com
  4. Ariza, J (2015). Articulações – Articulação de Diartrodia. Recuperado de articulationssmith.blogspot.com
  5. Revista educacional Partsdel.com, equipe profissional de redação. (2017). Partes da escápula. Recuperado de partsdel.com
  6. Revista educacional Partsdel.com, equipe profissional de redação. (2017). Partes do úmero. Recuperado de partsdel.com
  7. Dicionário médico (sf). Articulação diartrodial. Recuperado de medical-dictionary.thefreedictionary.com
  8. Shultz, T. (sf). Articulação glenoumeral. Recuperado de physio-pedia.com
  9. Departamento de radiologia da Universidade de Washington (sf). Atlas Muscular. Recuperado de rad.washington.edu
  10. Ávila, A, Tapia, C, Tirado, J (2011). Biomecânica do membro superior – planos e eixos de movimento. Recuperado de upperlimbbiomechanics.blogspot.com

Deixe um comentário