As 8 lendas mais populares de Oaxaca

As 8 lendas mais populares de Oaxaca

As principais lendas de Oaxaca  são várias narrações que narram eventos paranormais que ocorreram neste estado mexicano. Entre os mais importantes estão a Callejón del Muerto, o Cerro da Cidade de Oaxaca e a Princesa Donají, entre muitos outros.

Essas histórias fazem parte das tradições do povo de Oaxaca e lhe deram uma atração turística específica, pois chamam a atenção dos visitantes para o enigma que os caracteriza.

Como são transmitidas através de narrativas orais, de geração em geração, não existe uma única versão de cada lenda, mas há muitas versões carregadas de vários detalhes que lhes dão aquele toque de realismo mágico tão característico da América Latina.

As lendas de Oaxaca vestem suas cidades com uma auréola de enigma, porque são explicações fantásticas de certos fenômenos da natureza ou mistérios não revelados. Cada uma dessas histórias contém pistas sobre a idiossincrasia dessa província e, inclusive, sobre o espírito do México.

Lista das lendas mais curiosas de Oaxaca

A tradição de mitos e lendas desta província mexicana é muito prolífica tanto em histórias quanto em diferentes versões delas. Abaixo, descrevemos as principais lendas deste estado, localizadas no sudoeste do México.

-Lenda da antiga colina de Oaxaca

Muitos anos atrás, o município de San Pedro Mixtepec era um lugar onde os homens costumavam caçar, muito antes de ser um centro povoado como é hoje.

Diz a lenda que um grupo de caçadores parou em frente a uma grande rocha localizada em uma colina, na qual foi vista a silhueta de um belo índio exuberante, com um par de tranças negras. Ao lado da pedra, os homens notaram uma quantidade impressionante de chumbo.

Os caçadores correram para compartilhar a liderança, enquanto continuavam a olhar para a bela mulher desenhada na rocha.

A voz fugiu e mais e mais homens vieram à colina para encontrar o metal para suas balas e tentar encontrar a bela indiana. Muitos retornaram desapontados por não haver vestígios da mulher deslumbrante.

No entanto, uma situação começou a alertar os caçadores. De cada três grupos de homens que subiram a colina, apenas dois retornaram que disseram não ter visto a dama.

Os habitantes do município dizem que costumavam ouvir gritos terríveis de homens que eram perseguidos pela mulher de pedra, uma vez que uma vez que ela se mostrasse a eles, ela se destacava da rocha para persegui-los até que se perdessem para sempre.

-A lenda do beco do morto

Outra das lendas famosas da província de Oaxaca é a que se refere ao beco morto, para um evento misterioso e assustador que ocorreu em uma parte da conhecida rua chamada 2 de abril.

Nos dias em que a luz elétrica não existia, as ruas de paralelepípedos eram guardadas por homens chamados serenos. Durante o escuro, eles guardavam as ruas iluminando com lanternas.

Numa noite escura, um grito emocionante quebrou o silêncio. O homem sereno correu para a igreja para procurar o padre. Vendo o padre, ele informou que havia um homem esfaqueado na rua que estava morrendo e só estava pedindo para ser ouvido em confissão.

Relacionado:  Organizadores gráficos: características, tipos e para que servem

O padre saiu com o homem sereno ao beco; lá estava o moribundo. Durante algum tempo, o clérigo ouviu uma confissão dolorosa até ser absolvido.

O homem ferido caiu morto. Quando o padre procurou no escuro seu companheiro sereno, ele apenas encontrou sua lanterna.

Por curiosidade, ele aproximou a lâmpada do rosto do morto: era o mesmo homem sereno que estava deitado. Diz a lenda que o padre correu aterrorizado até a igreja para se refugiar. A partir desse momento, o clérigo ficou surdo do ouvido, onde ouviu a confissão do moribundo.

-Lenda dos Matlazihua

Diz a lenda que uma mulher de vestido branco vagueia pelas ruas de Miahuatlán de Porfirio Díaz em Oaxaca, quase flutuando no meio da solidão da noite.

Embora ninguém que a tenha visto se lembre do seu rosto em detalhes, eles conseguem dizer que ela é linda e que tem um ar sedutor verdadeiramente irresistível. É conhecido pelo nome de Matlazihua e geralmente aparece para aqueles homens que andam pela rua depois de horas. Ele os seduz e os leva à perdição.

Diz a lenda que um militar famoso de Miahuatlán estava festejando com seus amigos quando de repente uma mulher bonita apareceu do nada.

O terno branco limpo e os longos cabelos negros atraíam o soldado, que saiu com ela, perdendo-se durante a noite. Seus companheiros de festa o viram se afastar impotente. No dia seguinte, o militar apareceu deitado em um barranco feito uma bagunça, talvez o produto de uma surra.

Nos tempos coloniais, dizia-se que todos os homens deveriam se abrigar em casa antes que o sereno começasse a acender as lanternas, porque quem estava tarde da noite foi levado pelo Matlazihua para causar-lhe algum mal.

-Lenda da princesa Donají

A linda princesa Donají era filha dos reis do povo zapoteca, que viviam em guerra constante com seus vizinhos, os mixtecas. Nesse ambiente de violência e morte, a beleza de Donají floresceu.

Na lenda da princesa dos zapotecas, existem várias versões. Um deles conta que, no meio do conflito, em uma sangrenta batalha, Nucano, o jovem príncipe dos Mixtec , foi ferido .

Em um ato de compaixão, Donají o resgatou e o escondeu em seu quarto para curá-lo. Durante o tempo em que esteve escondido, o amor brotou entre os dois jovens.

A guerra continuou até que os Mixtecos venceram. Como um ato de rendição, exigiram que a princesa de Donají fosse oferecida como refém da paz ao jovem príncipe Nucano.

Apesar de amar o jovem príncipe, Donají pediu ao pai que a resgatasse, porque ela temia por seu destino e, principalmente, pelo seu povo. O resgate foi frustrado, mas ainda tirou a vida de muitos Mixtecs, então, como vingança, eles assassinaram a bela Donají sem o consentimento de seu amor, Nucano.

Relacionado:  10 pratos típicos da região andina da Colômbia

Tempo depois

Depois de um tempo, um jovem pastor teve seu rebanho perto do rio Atoyac quando viu um belo lírio ou lírio selvagem. Atordoado por sua beleza, ele decidiu arrancá-lo em vez de cortá-lo.

Cavando, ele percebeu que o broto vinha de uma orelha, que pertencia a uma bela cabeça que estava completamente em boa forma, quase como se estivesse viva. Era o chefe da princesa Donají.

Mais tarde, o corpo e a cabeça foram enterrados no templo de Cuilapan, como forma de atrair novos devotos fiéis à religião católica. Durante o enterro, a jovem princesa zapoteca foi batizada Juana Cortés.

-Lenda do carro da morte

Os moradores de Miahuatlán dizem que na rua Basilio Rojas, no centro da cidade, à noite você ouve o barulho de uma carroça e a passagem rítmica de alguns cavalos, acompanhados de assobios ou risadas.

Embora ninguém o tenha visto, o som é alto e claro, o suficiente para fazer com que as avós e as mães proíbam que as crianças saiam para brincar à noite, porque certamente encontrariam o horror da carroça. morte.

Embora a possível origem desse ruído perturbador seja desconhecida, os moradores garantem que ele remonta ao tempo em que Miahuatlán era o lar de comerciantes muleta, que viviam transportando alimentos, mezcal e outras mercadorias para a costa.

-A lenda da Isla del Gallo

No meio da lagoa San José Manialtepec, localizada na costa de Oaxaca, está localizada a Isla del Gallo, um pequeno pedaço de terra com poucas árvores e flora aquática abundante.

A lagoa é uma área de mangue, onde você pode pescar espécimes grandes, capturar camarões e caranguejos e outros animais. À medida que um corredor de água se forma, enormes répteis como crocodilos costumam vagar.

Diz a lenda que há muitos anos, nesta ilhota, vivia um caçador de crocodilos especialista que andava pelos manguezais da região. O caçador tinha um galo que o adorava. Antes de ir caçar, o galo se despediu dele com sua música e, quando voltou, despediu-se dele com um barulho escandaloso.

Um dia ruim, na véspera de Natal, o caçador perdeu a batalha contra um feroz crocodilo que o devorou. O galo estava sempre esperando o retorno de seu mestre por anos, até morrer na ilhota sozinho e com fome.

Os pescadores garantem que toda véspera de Natal, às 12 horas da noite, o galo é ouvido cantando de maneira desolada para chamar seu mestre, que nunca voltou daquele doloroso encontro com o crocodilo que tirou sua vida. Esta lenda é a razão pela qual este ilhéu recebe o nome da Ilha do Gallo.

-A lenda da árvore Tule

Diz a lenda que um casal de idosos Mixe encontrou dois ovos no meio da natureza. De um dos ovos nasceu uma cobra, enquanto do outro uma criança.

Relacionado:  5 Alfândegas Muisca Muito Interessantes

O menino cresceu saudável e forte, logo se tornando o protetor da terra dos Mixes, defendendo-os de todos os tipos de perigos, especialmente de invasores de outras terras. Isso rendeu-lhe o respeito do povo e ele foi nomeado rei.

Além de estar sempre alerta aos seus, o rei viajou para descobrir mundos. Durante uma de suas rotas, ele descobriu Tule, um lugar que lhe parecia maravilhoso, e decidiu enfiar a bengala no chão e deitar-se ao lado dele.

Essa bengala se tornou uma árvore majestosa, onde o rei descansa e de onde continua a proteger o povo Mixe. Diz a lenda que no dia em que a árvore seca, será sabido que o rei deixará de existir.

-A lenda do burro

Essa lenda é de origem zapoteca e conta a origem do nome do burro e uma de suas características mais particulares: seus enormes ouvidos.

Dizem que quando Deus causou o dilúvio universal, seu súdito Noé resgatou em sua arca um par de cada espécie na Terra. Girafas, leões, insetos, pingüins ou elefantes reuniram-se na arca e subiu aos céus ao lado do Todo-Poderoso.

Enquanto o dilúvio aconteceu e depois a Terra secou, ​​Deus entreteve o ser humano e os animais com histórias e lendas para entretê-los. Entre a história e a história, ele enviou um animal para a Terra, para poder ver se as águas haviam caído o suficiente. Enquanto isso, o resto dos animais gostou da história.

Em uma ocasião, enquanto Deus contava uma história muito interessante, ele ordenou que o burro inspecionasse a terra como estava seca para viver. O burro, totalmente distante, continuou prestando atenção à história, por isso não desceu à Terra.

Deus notou e novamente ordenou que o burro descesse à Terra para ver se as águas haviam caído e a vida na Terra era possível. Mais uma vez, o burro parecia não ouvir essas palavras e continuou a se concentrar na história.

No terceiro, um Deus furioso com o quão grosseiro o burro foi gritado: Vá embora, burro! fazendo as orelhas do animal crescerem até que as medidas atuais sejam tomadas. Com isso, Deus garantiu que o animal distraído descobrisse definitivamente seu pedido.

Referências

  1. “Legends of Oaxaca: encontre as lendas mais emblemáticas” na Mystery Library. Recuperado em 10 de junho de 2019 em Misterioteca: misterioteca.com
  2. “Legends of Oaxaca” em Explorando Oaxaca. Recuperado em 10 de junho de 2019 em Explorando Oaxaca: exploringoaxaca.com
  3. «Lenda de Oaxaca« Donají »» em Así es mi México. Recuperado em 10 de junho de 2019 em Asi es mi Mexico: asiesmimexico.mx
  4. Maarten Jansen (junho de 1987) “Dzavuindanda, Ita Andehui e Iukano, história e lenda da Mixtec” no Boletim de Estudos da América Latina e do Caribe. Recuperado em 10 de junho de 2019 em JSTOR: jstor.org
  5. “Mitos e lendas de Oaxaca” (23 de julho de 2018) no Pará todo México. Recuperado em 10 de junho de 2019 em Para todo o México: paratodomexico.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies