Bibliofobia: sintomas, causas e tratamento

O bibliofobia é a resposta exagerada e medo irracional de livros ou leitura de textos específicos.Esse tipo de fobia é causado por experiências negativas com livros ou leitura, que podem ser geradas pela falta de compreensão do texto, distúrbios neurológicos desenvolvidos na primeira infância, zombaria ou algum tipo de abuso físico e psicológico por não ser lido corretamente …

Essa fobia produz vários sintomas, como sudorese excessiva, ansiedade e tremores que causam desconforto e dificuldades significativas nos ambientes onde o indivíduo se desenvolve.

Bibliofobia: sintomas, causas e tratamento 1

Causas da bibliofobia

Causas históricas

O termo bibliofobia é conhecido desde os tempos antigos. É encontrado em textos desde o século XVIII, onde se acreditava que o medo irracional dos livros provinha de múltiplos fatores, tais como: restrições, ausência de leitura, superstições, prudência, aprendizes ciumentos, pedantaria e temores políticos.

Acreditava-se também que ele era causado pela ausência de experiências com livros durante a infância, embora eles descobrissem que havia casos de crianças que haviam sido expostas aos livros e também apresentavam bibliofobia. Ou seja, essas experiências não imunizaram essa fobia.

Além disso, acreditava-se que essa rejeição retumbante se originava da falta de liberdade de escolha de um livro, pois anteriormente eles não tinham permissão para ler todos os tipos de textos. Havia livros proibidos porque seu conteúdo era contrário às crenças de uma sociedade ou cultura. Da mesma forma, havia leituras obrigatórias que permitiam doutrinação.

Segundo Jackson (1932), essa fobia foi causada por superstições, pois havia pessoas sacrificadas por seu conhecimento, como Galileu durante a Inquisição. Também foi incentivado pelo pedantismo de certos escritores renomados, que preferiram encontrar os meios necessários para impedir o surgimento de novos conhecimentos que negam o que eles haviam proposto.

Além disso, isso também foi causado por temores políticos, de experimentar e observar como as bibliotecas queimavam, sugerindo que, se você decidisse optar por essas leituras, sua vida poderia estar em perigo.

Atualmente, onde as restrições são muito menores, os avanços científicos conseguiram demonstrar outras causas para gerar a bibliofobia.

Experiências traumáticas na infância

A bibliofobia está associada a experiências traumáticas na infância, como abuso ou más experiências com um gênero literário.

Essas experiências podem estar relacionadas a alguns abusos físicos ou psicológicos – bullying – que a criança exerce devido à sua dificuldade na leitura.

Relacionado:  Como eliminar pensamentos negativos e obsessivos: 9 dicas

Experiências negativas podem estar associadas a um gênero ou subgênero literário. Por exemplo, com algum suspense que produz ansiedade e medo na criança, gerando terror irracional ou rejeição iminente generalizada.

Analfabetismo

O analfabetismo secreto também pode ser um gatilho para a bibliofobia. Certas pessoas que não sabem ler corretamente preferem omití-lo por vergonha ou evitar uma suposta rejeição.

Interesses do indivíduo

Também dependerá dos interesses do indivíduo e da compreensão do texto. Se instigarmos a pessoa a ler livros que não estão no seu nível de conhecimento ou seu interesse neles for nulo, é provável que ela desenvolva aversão a esses textos, assim como a outros do mesmo gênero.

Uma das causas de maior incidência pode ser um diagnóstico incorreto ou um diagnóstico não realizado.

Ou seja, em certas crianças, a bibliofobia pode ocorrer devido à dificuldade que têm na leitura, que pode ser o produto de um distúrbio do neurodesenvolvimento, como: distúrbio específico de aprendizagem (dislexia), distúrbio de déficit de atenção com ou sem hiperatividade, distúrbio de comunicação e deficiência intelectual.

Além disso, podemos encontrar dificuldades de leitura em crianças com transtorno do desenvolvimento da linguagem:

  • Transtorno específico de aprendizagem : com dificuldade de leitura. Isso é qualificado como dislexia, um distúrbio neurobiológico e epigenético que afeta o aprendizado da leitura escrita, além do reconhecimento eficiente de palavras expressas através de um padrão visual.
  • Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade : desatenção acentuada e / ou hiperatividade e impulsividade que interferem no seu desenvolvimento e funcionamento diário.
  • Distúrbio de linguagem : dificuldades em adquirir e usar a linguagem, para expressá-la e entendê-la. As limitações incluem desempenho escolar ou profissional, comunicação eficaz, socialização e sua combinação.
  • Desordem fonológica : dificuldade que interfere na produção e inteligibilidade da fala.
  • Transtorno inicial da fluência na infância : alterações na fluência, ritmo e organização temporal da fala.
  • Deficiência intelectual : limitações do funcionamento intelectual e comportamento adaptativo. Limitando as atividades da vida diária. Pode ser leve, moderado, grave ou profundo.

Distúrbios com os quais se relaciona

A bibliofobia pode estar relacionada a distúrbios como: epilepsia, Alzheimer, esquizofrenia ou distúrbio bipolar.

Epilepsia

Segundo a Liga Internacional contra Epilepsia (2014), é uma doença cerebral definida por uma tendência patológica e duradoura de desenvolver convulsões recorrentes.

Doença de Alzheimer

Doença mental degenerativa que começa em idosos (acima de 50 anos). Seus sintomas correspondem a perda de memória, confusão, dificuldade em pensar e alterações na linguagem, comportamento e personalidade.

Relacionado:  Antophobia: sintomas, causas e consequências

Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos

Esse espectro é marcado por delírios, alucinações, pensamento desorganizado, comportamento motor muito desorganizado ou anormal e sintomas negativos menos proeminentes (expressão emocional reduzida e atividade reduzida por iniciativa própria).

Transtorno bipolar

Pessoas que experimentam episódios maníacos ou crises e episódios depressivos maiores ou episódios depressivos maiores e crises hipomaníacas.

Sintomas

Pessoas com bibliofobia sentem medo irracional ou odeiam livros ou leitura, como mencionamos anteriormente.Os sintomas mais comuns são:

  • Sudorese excessiva
  • Sentimento de medo
  • Sentimento de pânico: medo irracional e excessivo que pode causar fuga, paralisar o sujeito ou levar a um ataque de pânico
  • Sentimento de terror
  • Ansiedade: sensação de preocupação constante, que produz pensamentos recorrentes, medo, pânico, transpiração excessiva, tremor nos membros
  • Frequência cardíaca acelerada: palpitações aceleradas chamadas taquicardia
  • Hiperventilação: dificuldade em respirar, vista como uma respiração acelerada e curta
  • Tremores por todo o corpo ou membros
  • Pensamentos difusos ou confusos: sobre a situação ou o objeto que os produz.

Tratamentos

Na bibliofobia, vários tratamentos são usados ​​até hoje. Como tratamento primário, temos a medicação, no momento em que a pessoa sofre de um desconforto persistente e repetitivo.

É prescrito por um psiquiatra para reduzir e diminuir os sintomas que acusam o indivíduo. Deve-se ter em mente que os sinais desaparecem por um certo tempo, desde que a medicação apropriada seja tomada, embora o distúrbio da medicação não seja curado.

Outra opção de tratamento é a psicoterapia, correspondendo a algumas tendências. Os mais comumente usados ​​em fobias são terapia comportamental, terapia cognitivo-comportamental e programação neurolinguística (PNL). Existem também terapias alternativas, como hipnoterapia e psicologia energética.

Terapia comportamental comportamental e cognitiva

Terapeutas comportamentais tratam fobias com técnicas clássicas de condicionamento.

O trabalho cognitivo-comportamental “aqui e agora”, diretamente com a sintomatologia que a pessoa está apresentando. Nas fobias, o relaxamento, a reestruturação cognitiva e a exposição gradual são comumente usados.

Da mesma forma, dentro da corrente cognitivo-comportamental, a dessensibilização sistemática é aplicada com maior sucesso, onde o terapeuta expõe gradualmente a pessoa à sua fobia. Primeiro, é feito em um ambiente totalmente controlado, como o escritório, e depois o dever de casa é enviado.

PNL

A PNL é baseada em processos mentais e no uso e valor que damos à palavra, ou seja, a maneira de se expressar reflete as representações internas de nossos problemas.

Relacionado:  Como parar de roer as unhas em 10 etapas (rápido)

Neste trabalho atual, a reprogramação de crenças, comportamentos e pensamentos, conscientizando a pessoa de suas palavras, gestos e expressões faciais que causam e desencadeiam o medo irracional

Hipnoterapia

A hipnoterapia é um tratamento alternativo, baseado no relaxamento, na concentração intensa e na atenção focada em um ou vários tópicos que você deseja tentar modificar os pensamentos, emoções evocadas por uma situação ou objeto em particular, ou encontrar a causa psicológica. desordem

Um estado muito alto de consciência chamado transe deve ser alcançado. O terapeuta orientará a pessoa a focar seus pensamentos, emoções e lembranças dolorosas para explorá-las e encontrar o gatilho para os sintomas.

A hipnose é amplamente usada para recuperar pensamentos e memórias que estão no inconsciente. No entanto, pode haver o risco de criar memórias falsas sem nenhuma intenção terapêutica, por isso é vital não realizá-la em distúrbios psicóticos ou dissociativos.

Se pode ser realizado em distúrbios do sono, distúrbios alimentares, onicofagia, distúrbios de ansiedade, transtornos depressivos, fobias, em distúrbios relacionados a substâncias (tabaco, álcool, etc.) e em jogos de azar.

Psicologia energética

A psicologia energética é uma terapia baseada na conexão mente-corpo. Portanto, concentra-se na relação entre pensamentos, emoções, comportamentos e o sistema bioenergético do indivíduo.

Essa corrente é a integração da teoria da acupuntura meridiana, neurociências, mecânica quântica e física, biologia, medicina, quiropraxia e psicologia. Tem sido usado em distúrbios de ansiedade, depressão, fobias, dor, estresse …

Referências bibliográficas

  1. Associação Americana de Psiquiatria (2013). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5ª ed.). Washington, DC: Autor
  2. Psicologia Energética – Associação de Psicologia da Energia Compreensiva. (2016)
  3. Fisher, R., Acevedo, C., Arzimanoglou, A., et al. (2014). Relatório Oficial do ILAE: Uma Definição Clínica Prática de Epilepsia. Epilepsia, 55 (4): 475–482
  4. Frognall, T., (2010). Bibliofobia: comentários sobre o atual estado lânguido e deprimido da literatura e o comércio de livros. Em uma carta endereçada ao autor da Bibliomania, Nova York, Estados Unidos da América: Cambridge University Press
  5. Jackson, H. (1932). The Fear of Books, Chicago, Estados Unidos da América: University of Illinois Press.
  6. Bodenhamer, B., Hall, M., (2001). O Manual do Usuário para o Volume Cerebral I: O manual completo para certificação de profissionais de programação neuro-linguística. Carmarthen: Casa da Coroa
  7. Villalba, M. (2010). Conceito e base neuropsicológica da dislexia. Madrid

Deixe um comentário