Biofeedback: para que serve e como funciona (técnicas)

O Biofeedback é uma terapia que é usado para controlar as funções do corpo através do sistema de feedback que tem o nosso corpo. P ould ser considerada como uma técnica de aprendizagem, amplamente utilizado na disciplina de psicologia.

Nosso corpo desempenha continuamente uma infinidade de funções automáticas (como respirar, piscar, circular sangue etc.) e voluntárias (caminhar, olhar, levantar braços …).

Biofeedback: para que serve e como funciona (técnicas) 1

Todas essas funções não passam despercebidas pelo cérebro , pois é a nossa mente que controla todas as nossas ações.Por um lado, nosso cérebro é responsável por “iniciar” todas as funções que nosso corpo executa.

Por outro lado, nosso cérebro recebe informações sobre o estado da função que está sendo desenvolvida.Ou seja, nosso cérebro é responsável por enviar as informações necessárias ao nosso corpo para desempenhar qualquer função e, por sua vez, envia ao nosso cérebro informações sobre o desenvolvimento dessas funções, para que ele saiba o que está acontecendo.

Bem, é este último ponto, a coleta de informações que o cérebro faz sobre o estado das funções que são executadas em nosso corpo, o que entendemos como feedback e sobre o que é baseada na técnica de biofeedback.

Definição de biofeedback

O biofeedback pode ser definido como uma técnica que se destina a controlar, voluntária e conscientemente, uma função que nosso corpo executa automaticamente. Esse controle voluntário sobre a função é feito através do sistema de feedback do nosso cérebro.

Até agora, apesar de não ter aprofundado o funcionamento dessa técnica, acho que o conceito de biofeedback é claro, que é o seguinte:

Use as informações de feedback que nossa mente tem sobre as funções do corpo, para estar ciente das mudanças fisiológicas em nosso corpo que normalmente passam despercebidas e adquirir uma maior capacidade de controlar determinadas funções.

Para que serve?

Com o treinamento de biofeedback, é possível adquirir um tipo de aprendizado com o qual é possível controlar conscientemente as funções fisiológicas consideradas incontroláveis ​​ou que estão além do controle voluntário.

Ao fazer esse aprendizado, você está realmente treinando para melhorar sua saúde, à medida que aprende a controlar processos como sudorese, tensão muscular ou pressão arterial.

O fato de ser capaz de controlar esses tipos de funções permite que você tenha uma maior facilidade para alcançar um estado de relaxamento quando estiver superexcitado ou estressado, além de regular as funções involuntárias do seu corpo quando sentir desconforto e, assim, diminuí-lo.

E qual é o melhor de todos?

Bem, toda mudança fisiológica é acompanhada por uma mudança no estado mental e emocional.Portanto, quando você está ansioso, tem uma série de pensamentos, uma emoção de superexcitação ou estresse e algumas alterações fisiológicas, como aumento da freqüência cardíaca, sudorese ou dilatação pupilar.

Relacionado:  Técnicas de relaxamento para estresse e ansiedade

Dessa maneira, quando você controla suas mudanças fisiológicas, também está controlando seu estado psicológico e emocional.Ou seja: você realiza uma terapia psicológica ao contrário!

Diferenças com a terapia psicoterapêutica

Biofeedback: para que serve e como funciona (técnicas) 2

Normalmente, a psicoterapia trabalha em seu estado mental, pensamentos, cognições, emoções e comportamentos, para eliminar a alteração e, assim, também eliminar os sintomas fisiológicos que ela produz em seu corpo.

Em vez disso, o treinamento em biofeedback permite que você aprenda a controlar os estados fisiológicos que ocorrem em seu corpo, de modo que, ao alterá-los, é o seu estado psicológico que se beneficia.

Portanto, não surpreende que o biofeedback seja uma técnica aplicada em áreas muito diversas da medicina e da psicologia.

No campo da psicologia, é eficaz tratar distúrbios como fobias, neurose, ansiedade , estresse , depressão , TDAH , distúrbios alimentares ou insônia , entre outros. Bem como no treinamento de atletas de elite para controlar sua ativação e relaxamento enquanto competem ou treinam.

No campo médico, é usado principalmente no tratamento da asma, efeitos colaterais da quimioterapia, dor crônica, hipertensão, constipação ou incontinência.

Como o biofeedback funciona?

Antes de tudo, deve-se notar que cada sessão de biofeedback será diferente, pois é uma terapia personalizada. O mesmo treinamento de biofeedback pode não ser útil para todos.

O treinamento será de uma maneira ou de outra, dependendo dos aspectos que o paciente deseja ser tratado e do estágio do treinamento em que eles estão.

Portanto, se você optar por procurar um especialista em treinamento de biofeedback, não deve surpreender que a terapia comece com uma entrevista inicial, na qual você deve explicar seu histórico médico e os problemas que deseja lidar com a terapia.

Da mesma forma, esta primeira entrevista também será útil para que o terapeuta possa explicar em detalhes o tipo de treinamento que você fará, em que consiste cada sessão, quanto tempo durará a intervenção e que situações delicadas poderemos encontrar.

Tendo esclarecido isso, agora podemos ver como é uma sessão típica de treinamento de biofeedback, que apesar de poder variar em cada caso, contém 6 estágios básicos. São as seguintes:

Detecção de sinal

A primeira fase começa com a detecção e medição dos sinais que nosso corpo produz.

Para medir os sinais do funcionamento do nosso corpo, os eletrodos são colocados através do corpo, que serão responsáveis ​​por detectá-los e transmiti-los ao dispositivo de biofeedback.

Biofeedback: para que serve e como funciona (técnicas) 3

Nesta primeira fase de detecção, podemos escolher entre dois tipos de técnicas:

  • O invasivo, no qual os eletrodos são inseridos no sujeito.
  • Não invasivo, no qual os eletrodos são colocados na superfície da pele.
Relacionado:  15 Consequências do estresse físico e psicológico

Mas que sinais estamos detectando?

Bem, depende do que queremos lidar.Nesta primeira fase do treinamento, podemos usar 3 dispositivos diferentes, dependendo das funções do nosso corpo que pretendemos medir.

  • Se o que queremos é obter informações sobre o sistema nervoso somático, o instrumento que usaremos será um eletromiograma.
  • Se o que queremos é registrar e medir as respostas do nosso sistema nervoso autônomo , usaremos o controle da pressão arterial.
  • E, finalmente, se coletamos as funções desempenhadas pelo sistema nervoso central, usaremos o eletroencefalograma .

Essa primeira fase do treinamento, que envolve apenas o uso de vários dispositivos para quantificar os registros de nossas funções corporais, permite obter todas as informações necessárias para definir o tipo de treinamento de biofeedback que será realizado.

Depois que o sinal é registrado, uma série de ações é realizada para converter o sinal produzido pelo organismo em um estímulo capaz de produzir a mesma ação que o sinal e que pode atuar como feedback durante o treinamento.

O primeiro de tudo é a amplificação do sinal, depois o processamento e o filtro e, finalmente, a conversão.

Amplificação de sinal

Os sinais fisiológicos que coletamos através dos diferentes instrumentos são processados ​​e analisados ​​pelo dispositivo de biofeedback. No entanto, para analisar os sinais coletados, é necessário amplificá-los.

Assim, a magnitude ou intensidade da resposta coletada é controlada de maneira controlada, com o mínimo de distorção possível, para realizar
sua análise.

Processamento de sinais e filtro

Uma vez amplificado, o sinal deve ser filtrado.O que significa isto?

Muito simples: normalmente, os sinais que podemos registrar em nosso corpo (pressão arterial, contração muscular, atividade elétrica do cérebro etc.) não são puros, pois podem ter sido capturados por outros potenciais, além de sinal com o qual pretendemos trabalhar.

Para fazer isso, o sinal capturado com os eletrodos é filtrado através de diferentes faixas de frequência.Depois que o sinal é filtrado, é processado.

Biofeedback: para que serve e como funciona (técnicas) 4

O processamento consiste em converter o sinal interno do organismo que foi registrado no aparelho de biofeedback em sinais visuais, auditivos ou informações diretas ao sujeito.

Para fazer isso, existem duas técnicas:

  • Integração: é para simplificar o sinal de feedback. Isso é feito acumulando conjuntos de sinais isolados que ocorrem em um determinado período de tempo, com o objetivo de convertê-los em um único sinal que pode funcionar como um representante de tudo o que é um conjunto de sinais.
  • O limiar de resposta: com esta técnica, o fornecimento de informações ou feedback ao sujeito é realizado apenas quando o sinal excede (acima ou abaixo) uma certa amplitude previamente estabelecida.

Conversão em pistas auditivas ou visuais

Nesta fase, os sinais já processados ​​são finalmente transformados em estímulos que podem ser percebidos e avaliados pelo paciente.

Relacionado:  Mindfulness: o que é e exercícios para praticá-lo

O objetivo desse estímulo é ser capaz de produzir a função fisiológica que registramos e com a qual queremos trabalhar.

Estabelecimento de metas

Uma vez que o sinal fisiológico seja convertido em estímulo, é hora de definir os objetivos do treinamento.Nesta fase, é determinado o que se pretende alcançar com o treinamento e quais são os objetivos de curto e longo prazo.

Definir essas metas é essencial para poder monitorar adequadamente o treinamento e quantificar se os procedimentos e processos executados são adequados ao objetivo.

Treinamento em biofeedback

Finalmente chegamos à fase importante da intervenção. O treinamento em si.

Biofeedback: para que serve e como funciona (técnicas) 5

Nesta fase, os dispositivos de medição usados ​​no início da terapia serão reconectados. No entanto, agora não vamos nos deitar enquanto a máquina estiver funcionando.

E é que durante o treinamento, os sinais que nosso corpo envia ao nosso cérebro nos alcançam através dos estímulos que foram feitos anteriormente.

Ou seja: apresentaremos os estímulos que o especialista fez. Esses estímulos podem ser:

  • Visuais: movimento de uma agulha, série de luzes coloridas, imagens, etc.
  • Auditivo: tons que variam em frequência e intensidade.

Além disso, o estímulo pode ser apresentado de diferentes maneiras:

  • Proporcionalmente: o feedback varia proporcionalmente em todo o intervalo de respostas
  • Binário: o estímulo possui dois estados, e um dos dois é apresentado com base em critérios previamente estabelecidos.

O objetivo desse treinamento é que, aos poucos, aprendemos a controlar nossas respostas fisiológicas aos estímulos.

No começo, nossa resposta fisiológica aos estímulos apresentados é uma resposta concreta. No entanto, através da apresentação sistemática desses estímulos, você aprende a controlar sua resposta fisiológica, fato que anteriormente não conseguia controlar.

À medida que os estímulos são apresentados a nós, os dispositivos estão registrando nossa resposta, podemos objetivar nossas respostas fisiológicas e nosso progresso no treinamento, fato que ajudará o terapeuta a redefinir os exercícios das sessões seguintes.

É possível que o terapeuta solicite que você faça algum tipo de atividade em casa, com o objetivo de estender a habilidade para fora da consulta, mesmo em estágios avançados, pode ser que eu o ensine a usar os dispositivos, com o objetivo de poder de fazer treinamento solo.

E você já teve alguma experiência com biofeedback? Que resultados você observou?

Referências

  1. BIOFEEDBACK: das técnicas de modificação de comportamento, aplicadas a problemas mentais, às técnicas de intervenção para problemas físicos. HERNÁN
    ANDRÉS MARÍN AGUDELO E STEFANO VINACCIA ALPI.
  2. Prática Baseada em Evidências em Biofeedback e Neurofeedback. Carolin Yucha e Christopher Gilbert.
  3. Revisão conceitual de Biofeedback. Por Mariano Chóliz Montañes e Antonio Capafóns Bonet. Universidade de Valência

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies