Células alvo: características e exemplo

As células alvo são células específicas que são sensíveis a estímulos ou substâncias específicas devido à presença de receptores específicos em sua superfície. Esses receptores permitem que as células alvo respondam a sinais químicos, hormonais ou neurais, desencadeando uma série de respostas específicas no organismo. Um exemplo comum de célula alvo são os neurônios, que respondem a neurotransmissores específicos liberados no cérebro para transmitir sinais nervosos. Outro exemplo são as células de determinados tecidos que respondem a hormônios liberados na corrente sanguínea, como as células do músculo cardíaco que respondem à adrenalina durante situações de estresse. Essas características das células alvo são fundamentais para a regulação e coordenação das funções do organismo.

Quais são as células que são alvo de alguma ação específica?

Células alvo são aquelas que são afetadas por alguma ação específica, seja ela um medicamento, um vírus, uma toxina, entre outros. Essas células são selecionadas devido às suas características particulares que as tornam vulneráveis a determinada substância ou processo.

Um exemplo claro de células alvo são as células cancerígenas. Quando um paciente recebe um tratamento de quimioterapia, as drogas utilizadas têm como alvo as células que se multiplicam de forma descontrolada e desordenada, ou seja, as células tumorais. Essas células são mais sensíveis aos efeitos dos quimioterápicos do que as células saudáveis do organismo, o que permite o combate seletivo do câncer.

Portanto, as células alvo são aquelas que são impactadas por uma ação específica devido às suas características únicas que as tornam suscetíveis a determinado tratamento ou agente. Entender quais são as células alvo em determinado contexto é essencial para o desenvolvimento de terapias mais eficazes e direcionadas.

Significado e função das células alvo e receptores no organismo humano.

As células alvo são células específicas do organismo que possuem receptores capazes de reconhecer e se ligar a determinadas substâncias, como hormônios ou neurotransmissores. Os receptores, por sua vez, são proteínas localizadas na membrana celular ou no citoplasma das células alvo, responsáveis por reconhecer e transmitir sinais químicos para o interior da célula.

Quando uma substância se liga ao receptor da célula alvo, desencadeia uma série de eventos bioquímicos que resultam em uma resposta celular específica. Isso pode incluir a ativação de genes, a produção de proteínas ou a modificação de processos metabólicos.

Um exemplo clássico de células alvo são as células do músculo liso no útero, que possuem receptores para o hormônio oxitocina. Quando a oxitocina se liga a esses receptores, as células do músculo liso se contraem, desencadeando o trabalho de parto. Nesse caso, as células do músculo liso são as células alvo e os receptores para a oxitocina são os responsáveis por desencadear a contração muscular.

Relacionado:  Artemia salina: características, habitat, ciclo de vida, cultivo

Tipos de receptores presentes na sinalização celular: descubra os 4 principais tipos.

Os receptores são proteínas localizadas na membrana celular que reconhecem moléculas sinalizadoras e desencadeiam uma resposta dentro da célula. Existem quatro principais tipos de receptores presentes na sinalização celular: receptores de membrana acoplados à proteína G, receptores de tirosina quinase, receptores de canais iônicos e receptores de citocinas.

Os receptores de membrana acoplados à proteína G são os mais comuns e estão envolvidos em uma variedade de processos celulares, como a regulação da pressão sanguínea e a resposta ao estresse. Eles funcionam ativando proteínas G que, por sua vez, ativam vias de sinalização intracelular.

Os receptores de tirosina quinase são responsáveis pela fosforilação de proteínas de tirosina, desempenhando um papel crucial no crescimento e na diferenciação celular. Um exemplo de receptor de tirosina quinase é o receptor de insulina, que regula os níveis de glicose no sangue.

Os receptores de canais iônicos são responsáveis por regular o fluxo de íons através da membrana celular, afetando a polarização da célula e a transmissão de sinais elétricos. Um exemplo é o receptor de acetilcolina, que regula a transmissão sináptica em células nervosas.

Por fim, os receptores de citocinas são responsáveis por receber sinais de moléculas sinalizadoras como as citocinas, que desempenham um papel importante no sistema imunológico e na resposta a infecções.

Cada tipo de receptor tem uma função específica e é essencial para manter o equilíbrio e a homeostase do organismo.

Entenda o significado da presença de hemácias em formato de alvo no exame de sangue.

Células alvo são um tipo de hemácia que apresenta uma aparência característica de um alvo, com um centro mais escuro e uma borda mais clara. Essa forma peculiar pode ser observada em exames de sangue e geralmente está associada a determinadas condições médicas.

As células alvo são formadas devido a alterações na membrana das hemácias, que podem ocorrer em condições como anemia falciforme, talassemia e deficiência de ferro. Essas alterações fazem com que as hemácias assumam essa forma específica, que pode ser identificada microscopicamente durante a análise do sangue.

A presença de hemácias em formato de alvo no exame de sangue pode indicar problemas de saúde, como anemia, distúrbios hepáticos, talassemia ou doenças crônicas. Portanto, é importante que um médico avalie os resultados do exame e indique o tratamento adequado, caso seja necessário.

Por isso, é fundamental realizar exames regulares e procurar acompanhamento médico em caso de alterações nos resultados.

Células alvo: características e exemplo

Uma célula alvo ou célula alvo é qualquer célula na qual um hormônio reconhece seu receptor. Em outras palavras, um glóbulo branco possui receptores específicos onde os hormônios podem se ligar e exercer seu efeito.

Podemos usar a analogia de uma conversa com outra pessoa. Quando queremos nos comunicar com alguém, nosso objetivo é entregar uma mensagem efetivamente. O mesmo pode ser extrapolado para as células.

Células alvo: características e exemplo 1

Fonte: Arturo González Laguna [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

Quando um hormônio está circulando na corrente sanguínea, eles encontram várias células durante sua jornada. No entanto, apenas as células de destino podem “ouvir” a mensagem e interpretá-la. Graças aos seus receptores específicos, a célula alvo pode responder à mensagem

Definição de células alvo

No ramo da endocrinologia, uma célula alvo é definida como qualquer tipo de célula que possui receptores específicos para reconhecer e interpretar a mensagem de hormônios.

Hormônios são mensagens químicas que são sintetizadas pelas glândulas, são liberadas na corrente sanguínea e produzem uma resposta específica. Os hormônios são moléculas extremamente importantes, pois desempenham um papel crucial na regulação das reações metabólicas.

Dependendo da natureza do hormônio, a maneira de transmitir a mensagem é diferente. Os de natureza protéica não são capazes de penetrar na célula e, portanto, se ligam a receptores específicos na membrana da célula-alvo.

Por outro lado, os hormônios do tipo lipídico podem atravessar a membrana e exercer sua ação dentro da célula, sobre o material genético.

Características de interação

A molécula que atua como mensageiro químico é acoplada ao seu receptor da mesma maneira que uma enzima faz ao seu substrato, seguindo o modelo da chave e da fechadura.

A molécula de sinal se assemelha a um ligante, uma vez que se liga a outra molécula, que geralmente é maior.

Na maioria dos casos, a ligação ao ligante causa alguma alteração conformacional na proteína receptora que ativa diretamente o receptor. Por sua vez, essa mudança permite a interação com outras moléculas. Em outros cenários, a resposta é imediata.

A maioria dos receptores de sinal está localizada no nível da membrana plasmática da célula alvo, embora existam outros que estão dentro das células.

Sinalização celular

As células alvo são um elemento-chave nos processos de sinalização celular, uma vez que são responsáveis ​​pela detecção da molécula mensageira. Esse processo foi elucidado por Earl Sutherland e sua pesquisa recebeu o Prêmio Nobel em 1971.

Este grupo de pesquisadores conseguiu apontar as três etapas envolvidas na comunicação celular: recepção, transdução e resposta.

Recepção

Durante o primeiro estágio, ocorre a detecção da célula alvo da molécula de sinal, que vem de fora da célula. Assim, o sinal químico é detectado quando o mensageiro químico está ligado à proteína receptora, na superfície da célula ou dentro da célula.

Transdução

A união do mensageiro e da proteína receptora altera a configuração do último, iniciando o processo de transdução. Nesta fase, a conversão do sinal ocorre de uma maneira que é capaz de causar uma resposta.

Relacionado:  20 animais que rastejam ou rastejam e suas características

Pode conter uma única etapa ou abranger uma sequência de reações denominada via de transdução de sinal. Da mesma forma, as moléculas envolvidas no caminho são conhecidas como moléculas transmissoras.

Resposta

O último estágio da sinalização celular consiste na origem da resposta, graças ao sinal transduzido. A resposta pode ser de qualquer tipo, incluindo catálise enzimática, organização do citoesqueleto ou ativação de certos genes.

Fatores que afetam a resposta das células

Existem vários fatores que afetam a resposta das células antes da presença do hormônio. Logicamente, um aspecto está relacionado ao hormônio em si.

A secreção do hormônio, a quantidade na qual ele é secretado e a proximidade com a célula alvo, são fatores que modulam a resposta.

Além disso, o número, o nível de saturação e a atividade dos receptores também afetam a resposta.

Exemplo

Em geral, a molécula de sinal exerce sua ação ligando-se a uma proteína receptora e a induz a uma mudança de forma. Para exemplificar o papel das células-alvo, usaremos o exemplo de pesquisa de Sutherland e seus colegas da Universidade de Vanderbilt.

Degradação de epinefrina e glicogênio

Esses pesquisadores procuraram entender o mecanismo pelo qual o hormônio animal epinefrina promove a degradação do glicogênio (um polissacarídeo cuja função é o armazenamento) nas células do fígado e células do tecido muscular esquelético.

Nesse contexto, a degradação do glicogênio libera glicose-1-fosfato, que a célula converte em outro metabólito, a glicose-6-fosfato. Posteriormente, algumas células (suponha que um do fígado) é capaz de usar o composto, que é um intermediário na via glicolítica.

Além disso, o fosfato do composto pode ser removido e a glicose pode cumprir sua função de combustível celular. Um dos efeitos da adrenalina é a mobilização de reservas de combustível, quando secretada pela glândula adrenal durante os esforços do corpo, seja físico ou mental.

A adrenalina consegue ativar a degradação do glicogênio, uma vez que ativa na célula alvo uma enzima encontrada no compartimento citosólico: glicogênio fosforilase.

Mecanismo de ação

As experiências de Sutherland chegaram a duas conclusões muito importantes sobre o processo mencionado acima. Primeiro, a epinefrina não interage apenas com a enzima responsável pela degradação; existem outros mecanismos ou etapas intermediárias envolvidas na célula.

Segundo, a membrana plasmática desempenha um papel na transmissão do sinal. Assim, o processo é realizado nas três etapas de sinalização: recepção, transdução e resposta.

A ligação da epinefrina a uma proteína receptora na membrana plasmática da célula hepática leva à ativação da enzima.

Referências

  1. Alberts, B. & Bray, D. (2006).Introdução à biologia celular . Pan-American Medical Ed.
  2. Campbell, NA (2001).Biologia: Conceitos e relações . Pearson Education.
  3. Parham, P. (2006).Imunologia . Pan-American Medical Ed.
  4. Sadava, D., & Purves, WH (2009).Vida: A ciência da biologia. Pan-American Medical Ed.
  5. Voet, D., Voet, JG, & Pratt, CW (2002).Fundamentos de Bioquímica. John Wiley & Sons.

Deixe um comentário