Flora e fauna de Jujuy: espécies mais representativas

A província de Jujuy, localizada no noroeste da Argentina, é conhecida por sua rica diversidade de flora e fauna. Com um clima variado que varia desde regiões áridas até florestas tropicais, Jujuy abriga uma grande variedade de espécies vegetais e animais. Entre as espécies mais representativas da região estão a palmeira Yatay, o cacto cardón, o tucán grande, o jaguar, o condor andino e a vicunha. Essas espécies desempenham um papel fundamental no ecossistema da região e contribuem para a sua beleza e biodiversidade únicas.

Descubra a diversidade da flora argentina: conheça as espécies de plantas encontradas no país.

Localizada no noroeste da Argentina, a província de Jujuy é conhecida pela sua rica biodiversidade, tanto em flora quanto em fauna. Com uma variedade de ecossistemas que vão desde as montanhas até as florestas tropicais, Jujuy abriga inúmeras espécies de plantas que se adaptaram a essas condições únicas.

Entre as espécies mais representativas da flora de Jujuy, destacam-se o cacto cardón, o ceibo e o lapacho. O cacto cardón é uma planta típica da região árida de Jujuy, conhecida por sua resistência às condições climáticas extremas. Já o ceibo, árvore nacional da Argentina, é famoso por suas flores vermelhas vibrantes, enquanto o lapacho impressiona com suas flores roxas e sua madeira resistente e durável.

Além dessas espécies, Jujuy também abriga uma grande variedade de cactos, orquídeas e bromélias, que se adaptaram aos diferentes microclimas da região. Essas plantas contribuem para a beleza e a diversidade do ambiente natural de Jujuy, tornando-a um verdadeiro paraíso para os amantes da natureza.

Portanto, se você está interessado em descobrir a diversidade da flora argentina, não deixe de explorar as espécies de plantas encontradas em Jujuy. Com sua rica biodiversidade e suas paisagens deslumbrantes, essa região certamente irá surpreendê-lo com a sua beleza e variedade.

Quais são os animais característicos da Argentina?

Na província de Jujuy, localizada no noroeste da Argentina, podemos encontrar uma rica diversidade de flora e fauna. Entre os animais mais característicos da região, destacam-se o condor andino, a vicunha, a llama e o puma.

O condor andino é uma das aves mais emblemáticas da região, conhecida por suas impressionantes asas e pelo seu voo majestoso. Já a vicunha e a llama são camelídeos nativos da região, que vivem em altitudes elevadas e são essenciais para a cultura e economia local, fornecendo lã e carne para as comunidades andinas.

O puma, por sua vez, é o maior felino da América do Sul e pode ser avistado nas montanhas de Jujuy, onde caça suas presas e mantém o equilíbrio do ecossistema local.

Além dessas espécies, Jujuy também abriga uma grande variedade de aves, répteis e insetos, que contribuem para a riqueza da fauna da região. É importante preservar essas espécies e seus habitats naturais para garantir a biodiversidade e o equilíbrio do ecossistema de Jujuy.

Significado de Jujuy: descubra a origem e a definição desse nome peculiar.

Jujuy é uma província localizada no noroeste da Argentina, conhecida por sua rica biodiversidade. Mas você já parou para se perguntar o significado desse nome peculiar? A origem da palavra Jujuy tem raízes no idioma Quechua, uma língua indígena falada na região. Ela deriva da palavra “Xuxuyoc”, que significa “terra da água brilhante”. Esse nome faz referência aos rios e riachos cristalinos que cortam a região, proporcionando vida abundante à flora e fauna local.

Flora e fauna de Jujuy: espécies mais representativas

A diversidade de flora em Jujuy é impressionante, com uma grande variedade de plantas nativas adaptadas às condições climáticas únicas da região. Entre as espécies mais representativas, podemos destacar o cacto cardón, o quebracho colorado e a palma caranday. Essas plantas desempenham um papel fundamental no ecossistema local, fornecendo alimento e abrigo para a fauna que habita a região.

Relacionado:  Gregor Mendel: Biografia e Contribuições

Quando se trata de fauna, Jujuy também não decepciona. A província abriga uma variedade de espécies animais, incluindo a vicunha, o condor andino e o tatu carreta. Além disso, a região é um paraíso para os amantes de aves, com uma grande diversidade de espécies de pássaros coloridos e exóticos.

Se você é apaixonado pela natureza, não pode deixar de visitar essa região e se maravilhar com toda a sua beleza e diversidade.

Qual é a vegetação predominante na Argentina?

A vegetação predominante na Argentina varia de acordo com as diferentes regiões do país. No entanto, o bioma mais representativo é o da estepe, que cobre grande parte do território argentino. Este tipo de vegetação é caracterizado por gramíneas, arbustos e pequenas árvores resistentes à seca, devido ao clima árido de algumas regiões.

Além da estepe, a Argentina também possui áreas de selva subtropical no nordeste do país, onde a vegetação é mais exuberante e diversificada, com árvores de grande porte e uma grande variedade de plantas e flores. Já na região de Patagônia, no sul do país, a vegetação é mais rasteira e adaptada às baixas temperaturas e ventos fortes.

Na província de Jujuy, localizada no extremo noroeste da Argentina, a vegetação predominante é a de montanha, devido à presença da Cordilheira dos Andes. Nessa região, é possível encontrar uma grande diversidade de espécies vegetais adaptadas às condições de altitude e clima específicos.

Entre as espécies mais representativas da flora de Jujuy estão a cactácea Echinopsis terscheckii, o cardo azul (Eryngium bonariense) e o aguaraíba (Blepharocalyx salicifolius). Essas plantas são essenciais para a manutenção do ecossistema local e são fundamentais para a sobrevivência de diversas espécies da fauna da região.

Portanto, a vegetação predominante na Argentina é diversificada e adaptada às condições climáticas e geográficas de cada região do país. A flora de Jujuy, em particular, conta com espécies únicas e de grande importância para o equilíbrio ecológico da região.

Flora e fauna de Jujuy: espécies mais representativas

A flora e fauna de Jujuy são representadas por espécies como llareta, aligustre, sacha-cabra e chingolo, entre outras. Jujuy faz parte das 23 províncias que existem na Argentina. Está localizado a nordeste desse país, limitando o norte com a Bolívia e o oeste com o Chile.

Nesta região, três áreas geográficas são distinguidas: o Altiplano, o Rio Grande de Jujuy e o Gran Chaco. Além disso, destacam-se algumas áreas desérticas, como os Yungas e as Salinas Grandes.

Flora e fauna de Jujuy: espécies mais representativas 1

Llareta Fonte: erdbeernaut [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)] Vicunha. Fonte: pixabay.com

No entanto, apesar dessa diversidade, o terreno em Jujuy é principalmente semi-árido e árido, exceto no Vale do São Francisco.

Flora de Jujuy

Llareta ( Azorella compacta )

Este arbusto fanerógamo, pertencente à família Apiaceae, é nativo da América do Sul. Da mesma forma, é distribuído na Bolívia, Peru, Argentina e Chile. A altura desta espécie caméfita pode atingir 1 metro, com um diâmetro aproximado de 1 a 2 metros.

Durante o seu crescimento, forma uma massa compacta e arredondada. É composto de várias hastes fasciculadas, convergindo em uma estrutura basal radical. No extremo terminal destes, as folhas formam rosetas.

As folhas são simples e resinosas, medindo 3 a 6 milímetros de comprimento e 1 a 4 milímetros de largura. Aqueles que estão morrendo permanecem dentro da planta, formando um enchimento conhecido como detrito .

Relacionado:  Plantas não vasculares: características, tipos e espécies

Nas inflorescências terminais do yarita, assim como nesta espécie conhecida, os pedúnculos emergem do mesmo ponto, todos subindo à mesma altura. Assim, eles formam uma figura tipo guarda-chuva.

Em relação às flores, elas podem ocorrer sozinhas ou em grupos de 2 a 5 delas. São hermafroditas e amarelo esverdeado. O fruto é um esquizocarpo seco que possui dois pericarpios, com uma semente cada. Isso pode medir entre 4 e 5 milímetros.

Habitat e utilidade

O Azorella compacto é um longo – duração espécie que cresce muito lentamente. Está localizado em habitats em altas montanhas e áreas montanhosas, em altitudes entre 3200 e 4800 metros acima do nível do mar.

O tipo de almofada compacta que forma a llareta é difícil e contém muitas resinas. Por esse motivo, é utilizado pelos agricultores como lenha.

Aligustre ( Ligustrum lucidum )

O aligustre faz parte da família Oleaceae, originária do sudeste da Ásia. Esta planta foi introduzida em todo o mundo, tornando-se em alguns países uma espécie invasora.

A altura desta árvore pode estar entre 3 e 8 metros. A casca é marrom acinzentada, textura suave. No entanto, com o tempo, pude apresentar algumas rachaduras finas.

As folhas são opostas e verde escuro, medindo 3 a 8 centímetros de largura e 5 a 15 centímetros de comprimento. Sua forma é oval, com a ponta afiada e toda a margem. Eles têm a particularidade de serem brilhantes pelo feixe e sem brilho pelo inverso.

Durante o verão, a hena, como essa espécie também é conhecida, forma panículas cônicas. Cada um tem inúmeras flores pequenas e branco marfim. Eles cobrem quase todo o vidro e impregnam a atmosfera de sua agradável fragrância.

No outono, as flores fertilizadas originam bagas globosas, violeta-escuro, quase negras. Isso faz parte da dieta de alguns pássaros, como estorninhos e toutinegra-de-bico-preto.

Cochucho ( Zanthoxylum coco )

Esta árvore perene pertence à família Rutaceae. É nativa da Bolívia e da Argentina, crescendo naturalmente nas montanhas sub-andinas e nos pampas, com uma altura de até 1300 metros acima do nível do mar.

O cochucho é uma espécie orofílica que cresce entre 5 e 11 metros de altura. Tem uma haste reta, com casca marrom amarelada ou acinzentada, coberta de espinhos. Os galhos são tortuosos com um tom cinza-marrom. Estes também têm espinhos cônicos, dispostos irregularmente.

Em relação à folhagem, é abundante, com folhas ímpares, com espinhos muito notáveis, dispostas emparelhadas. Da mesma forma, eles têm a margem serrilhada e os folhetos lanceolados.

Esta espécie, também conhecida como ancião fedorento, pode ser monóica ou dióica. As flores são imperfeitas, branco esverdeado. Além disso, eles têm cinco sépalas e cinco pétalas e podem medir cerca de 5 milímetros de diâmetro. Eles ocorrem em uma inflorescência panicular de 10 a 25 centímetros de comprimento.

A fruta é um folículo de forma esférica, áspera, roxa quando madura. Cresce em aglomerados pendulares e contém uma semente preta brilhante.

Jujuy Fauna

Sacha-cabra ( Mazama gouazoubira )

Este cervo é nativo da América, vivendo do México à Argentina. Geralmente é encontrado, sozinho ou em pares, em regiões arborizadas semi-abertas ou abertas. Lá, alimenta-se de folhas, brotos, frutas e fungos.

A cor do seu corpo é acastanhada, marrom acinzentada ou sépia, no entanto, os flancos são mais claros. Ao contrário da cor do corpo, a barriga, o queixo, a parte superior e traseira das coxas e a parte inferior da cauda podem ser sépia branca, laranja ou clara.

Relacionado:  Tuba de Eustáquio: características, funções, distúrbios e disfunções

A garupa é mais alta que os ombros. A cauda é curta, medindo 8 a 15 centímetros. Os machos têm chifres curtos, com um comprimento de 7 a 15 centímetros. Essas estruturas têm extremidades afiadas voltadas para a retaguarda. Eles aparecem quando o animal tem um ano de idade.

Os chifres carecem de ramificações, embora em adultos possam ser bifurcados. Eles têm calhas marrons longitudinais. A queda destes ocorre geralmente após o acasalamento, mas às vezes pode ser mantida por mais de dois anos.

O comprimento da corzuela marrom, como também é conhecida nesta espécie, está entre 82 e 125 centímetros, pesando de 8 a 25 kg.

Vicunha ( Vicugna vicugna )

Este mamífero artiodáctilo é um camelídeo da América do Sul que vive na Argentina, Bolívia, Chile, Equador e Peru. Quanto ao seu peso, pode ter entre 40 e 50 kg, chegando a 80 centímetros de comprimento.

A coloração da cabeça, pescoço, costas e laterais é bege ou marrom avermelhado claro, assim como as listras que entram em cada membro. O peito e toda a parte inferior do corpo são brancos. No entanto, os tons podem variar dependendo da área geográfica em que você habita.

Aqueles que vivem no norte são mais escuros e têm um topete corporal, com longos cabelos brancos. O pêlo é denso, cujas fibras crescem juntas. Assim, estes protegem o animal do vento, frio e chuva.

A vicunha tem pernas finas e longas, com bloco terminal. Isso permite que você caminhe em vários tipos de solo, incluindo pedregoso, típico de seu habitat natural.

Sua distribuição são planícies abertas, cercadas por escarpas e montanhas rochosas, localizadas em climas frios, ventosos e secos. Sua dieta é baseada na grama, preferindo ervas herbáceas e curtas. Em muito poucas ocasiões, eles comem grama dura, no entanto, gostam de líquen.

Chingolo ( Zonotrichia capensis )

O chingolo é uma ave neotropical, com aproximadamente 15 centímetros de comprimento. Esta espécie pode habitar desde estepes e prados abertos até florestas, ambientes urbanos e plantações agrícolas.

O cachilo, como também é conhecido Zonotrichia capensis , é caracterizado por possuir um tufo com listras pretas. A garganta é branca, com uma espécie de “colar” em laranja ou canela. A região ventral e o tórax são brancos ou castanhos claros, com reflexos escuros e lados cinzentos.

A parte traseira é marrom, com manchas pretas. No entanto, a cauda e as asas são mais escuras. O jovem chingolo tem uma plumagem mais uniforme, com estrias escuras no peito.

É um animal solitário, que forma pares na fase de reprodução. Seus hábitos são diurnos, permanecendo ativos até o anoitecer. Embora seja uma espécie arbórea, geralmente desce à terra para coletar vermes e sementes, que formam seu principal alimento.

A música chingolo é exclusiva para o sexo masculino. É composto por um tema, com três vezes e um trinado. Embora o tema seja diferente em cada espécie, o trinado pode ser típico de uma população. Dessa forma, a fêmea poderia identificar seu parceiro.

Referências

  1. Wikipedia (2019). Província de Jujuy. Recuperado de en.wikipedia.org.
  2. Encyplonedia britannica (2019). Jujuy, província Argentina. Recuperado de britannica.com.
  3. Richard, Enrique, Julia, Juan Pablo, Samaniego, J, Aceñolaza, Pablo. (1995). A corzuela marrom: Mazama gouazoubira. Recuperado em researchgate.net.
  4. Governo de Jujuy (2017). Jujuy protege seu patrimônio cultural e paisagístico. Recuperado de press.jujuy.gob.ar.
  5. Jujuy online (2018). Geografia Jujuy. Recuperado de jujuyenlinea.com.

Deixe um comentário