O que é psicofarmacologia?

A psicofarmacologia é o estudo que investiga o efeito das substâncias químicas no cérebro e no sistema nervoso central, com o intuito de compreender como essas substâncias podem afetar o comportamento e a saúde mental das pessoas. Por meio da psicofarmacologia, é possível desenvolver medicamentos que atuam no tratamento de transtornos psiquiátricos, como depressão, ansiedade, esquizofrenia, entre outros. Essa área de estudo é fundamental para a psiquiatria, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes e para o avanço da ciência no campo da saúde mental.

Significado e aplicação da psicofarmacologia na área da saúde mental.

O termo psicofarmacologia se refere ao estudo dos efeitos das substâncias químicas no cérebro e no sistema nervoso central, com o objetivo de tratar distúrbios psiquiátricos e promover a saúde mental. Essas substâncias químicas são conhecidas como psicofármacos e são utilizadas no tratamento de uma variedade de condições, como depressão, ansiedade, transtornos bipolares, esquizofrenia e transtornos de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

A psicofarmacologia desempenha um papel fundamental no campo da saúde mental, pois os psicofármacos ajudam a regular os neurotransmissores no cérebro, o que pode melhorar os sintomas dos distúrbios psiquiátricos. Por exemplo, os antidepressivos atuam aumentando os níveis de serotonina no cérebro, ajudando a aliviar os sintomas da depressão. Da mesma forma, os medicamentos antipsicóticos são usados ​​no tratamento da esquizofrenia, ajudando a reduzir os sintomas psicóticos, como alucinações e delírios.

É importante ressaltar que a psicofarmacologia deve ser realizada sob a supervisão de um profissional de saúde qualificado, como um psiquiatra, que pode avaliar o diagnóstico do paciente, prescrever o tratamento adequado e monitorar os efeitos colaterais dos medicamentos. Além disso, o tratamento com psicofármacos geralmente é combinado com psicoterapia e outras formas de intervenção para obter os melhores resultados no tratamento dos distúrbios psiquiátricos.

Com a supervisão adequada de um profissional de saúde, os psicofármacos podem ser uma ferramenta eficaz no cuidado da saúde mental e no bem-estar dos pacientes.

Conheça os diferentes tipos de medicamentos psiquiátricos disponíveis atualmente no mercado farmacêutico.

A psicofarmacologia é a área da medicina que estuda o uso de medicamentos para tratar transtornos mentais e emocionais. Atualmente, existem diversos tipos de medicamentos psiquiátricos disponíveis no mercado farmacêutico, que podem ser utilizados no tratamento de diferentes condições, como ansiedade, depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, entre outras.

Alguns dos principais tipos de medicamentos psiquiátricos incluem os antidepressivos, os ansiolíticos, os estabilizadores de humor, os antipsicóticos e os estimulantes. Cada um desses tipos de medicamentos atua de forma diferente no cérebro, ajudando a regular os neurotransmissores e a melhorar os sintomas associados aos transtornos mentais.

Os antidepressivos, por exemplo, são utilizados no tratamento da depressão e atuam aumentando a disponibilidade de neurotransmissores como a serotonina no cérebro. Já os ansiolíticos são indicados para o tratamento da ansiedade e ajudam a reduzir os sintomas de nervosismo e preocupação.

Os estabilizadores de humor são comumente utilizados no tratamento do transtorno bipolar e ajudam a controlar as oscilações de humor, enquanto os antipsicóticos são indicados para o tratamento da esquizofrenia e de outros transtornos psicóticos.

Por fim, os estimulantes são utilizados no tratamento do TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) e ajudam a melhorar a concentração, o foco e o controle impulsivo.

É importante ressaltar que a escolha do medicamento psiquiátrico adequado deve ser feita por um profissional de saúde qualificado, como um psiquiatra, que irá considerar o diagnóstico do paciente, seus sintomas e possíveis efeitos colaterais.

Propósitos dos psicofármacos: entender seu papel no tratamento de transtornos mentais.

A psicofarmacologia é o estudo dos efeitos dos medicamentos no cérebro e no comportamento humano. Os psicofármacos são medicamentos utilizados no tratamento de transtornos mentais, como a depressão, a ansiedade, a esquizofrenia, entre outros. Eles atuam no sistema nervoso central, alterando a química cerebral e ajudando a regular o humor, as emoções e o pensamento.

Os psicofármacos têm diversos propósitos no tratamento de transtornos mentais. Eles podem ser utilizados para aliviar sintomas como tristeza, ansiedade, delírios e alucinações. Também podem ser prescritos para estabilizar o humor em casos de transtorno bipolar, por exemplo. Além disso, os psicofármacos podem melhorar a qualidade de vida do paciente, ajudando-o a funcionar melhor no dia a dia.

É importante ressaltar que os psicofármacos devem ser prescritos por um profissional de saúde habilitado, como um psiquiatra, após uma avaliação cuidadosa do paciente. O uso inadequado desses medicamentos pode levar a efeitos colaterais indesejados e até mesmo a dependência. Por isso, é fundamental seguir as recomendações médicas e realizar um acompanhamento regular durante o tratamento.

Com o uso adequado e supervisionado dos psicofármacos, é possível promover a recuperação e o bem-estar das pessoas que sofrem com essas condições.

Quem está autorizado a praticar psicofarmacologia?

A psicofarmacologia é uma área da psicologia que estuda o uso de medicamentos para tratar distúrbios mentais e emocionais. Os profissionais autorizados a praticar psicofarmacologia são médicos psiquiatras e médicos especializados em saúde mental.

Esses profissionais possuem formação específica na área da psiquiatria e estão habilitados a prescrever medicamentos psicotrópicos para o tratamento de transtornos mentais. Além disso, o psicofarmacologista deve estar atualizado com as pesquisas e avanços na área da farmacologia, a fim de garantir o melhor tratamento para os pacientes.

Relacionado:  Catecolaminas: síntese, liberação e funções

É importante ressaltar que outros profissionais da saúde mental, como psicólogos e psiquiatras, não estão autorizados a prescrever medicamentos psicotrópicos, pois não possuem a formação necessária em farmacologia. Por isso, é fundamental que os pacientes busquem ajuda de um profissional qualificado para garantir um tratamento adequado e seguro para os transtornos mentais que possam estar enfrentando.

O que é psicofarmacologia?

A psicofarmacologia (grego pharmakon “droga”) é definida como a ciência que estuda os efeitos das drogas sobre tanto o sistema nervoso e comportamento.

Coloquialmente, certas substâncias psicotrópicas (agindo no sistema nervoso central) que são usadas para uso recreativo são geralmente chamadas de drogas, mas no campo da psicologia e da medicina, qualquer substância psicotrópica externa que altera significativamente a droga é incluída nas drogas. Funcionamento normal de nossas células em doses relativamente baixas.

O que é psicofarmacologia? 1

Especifica-se que a substância deve ser externa (ou exógena) para ser considerada uma droga, porque nosso corpo fabrica suas próprias substâncias químicas (substâncias endógenas) que podem ter efeitos semelhantes a drogas psicotrópicas, como neurotransmissores, neuromoduladores ou hormônios.

É importante esclarecer que os medicamentos causam mudanças significativas em doses baixas, já que em doses altas quase qualquer substância pode causar alterações em nossas células, mesmo a água em grandes quantidades pode modificar nossas células.

O efeito das drogas depende principalmente de seu local de ação; o local de ação é o ponto exato em que as moléculas da droga se ligam às moléculas das células a serem modificadas, afetando bioquimicamente essas células.

O estudo da psicofarmacologia é útil para psiquiatras e psicólogos, para psiquiatras é útil para o desenvolvimento de terapias psicofarmacológicas para tratar distúrbios psicológicos e para os psicólogos entenderem melhor o funcionamento das células do sistema nervoso e sua relação com o comportamento .

Neste artigo, tentarei descrever a psicofarmacologia de uma maneira que seja útil para psicólogos ou pessoas com treinamento no assunto e também para o público em geral. Para isso, primeiro explicarei alguns conceitos-chave da psicofarmacologia.

Princípios de psicofarmacologia

Farmacocinética

A farmacocinética é o estudo do processo através do qual os medicamentos são absorvidos, distribuída, metabolizada e excretada.

Primeiro passo: Administração ou absorção de medicamentos

A duração e a intensidade do efeito do medicamento dependem em grande parte da via pela qual ele foi administrado, uma vez que a taxa e a quantidade de medicamento que atinge a corrente sanguínea variam.

As principais vias de administração de medicamentos são:

  • Injeção A maneira mais comum de administrar medicamentos a animais de laboratório é injetando-o; geralmente é preparada uma solução líquida do medicamento. Existem vários locais onde a droga pode ser injetada:
    • Via intravenosa Essa via é a mais rápida porque o medicamento é injetado diretamente nas veias, portanto entra imediatamente na corrente sanguínea e atinge o cérebro em alguns segundos. A administração por essa via pode ser perigosa, pois toda a dose atinge o cérebro ao mesmo tempo e, se o indivíduo ou o animal for especialmente sensível, haverá pouco tempo para administrar outro medicamento que contrarie o efeito do primeiro.
    • Via intraperitoneal. Esta rota também é bastante rápida, embora não tanto quanto a via intravenosa. O medicamento é injetado na parede abdominal, especificamente na cavidade intraperitoneal (o espaço que circunda os órgãos abdominais internos, como estômago, intestinos, fígado …). Essa via de administração é amplamente utilizada em pesquisas com pequenos animais.
    • Via intramuscular A droga é injetada diretamente em um músculo longo, como os músculos do braço ou pernas. A droga passa para a corrente sanguínea através das veias capilares que circundam os músculos. Essa via é uma boa opção se for necessário que a administração seja lenta, pois, nesse caso, a droga pode ser misturada com outra que contrai os vasos sanguíneos (como a efedrina) e atrasa a circulação sanguínea através do músculo.
    • Rota subcutânea Nesse caso, a droga é injetada no espaço que existe logo abaixo da pele. Este tipo de administração é usado apenas se uma pequena quantidade de medicamento é injetada, pois a injeção de grandes quantidades pode ser dolorosa. Nos casos em que é desejável uma liberação lenta do medicamento, comprimidos sólidos desse medicamento podem ser feitos ou introduzidos em uma cápsula de silicone e implantados na área subcutânea, dessa maneira o medicamento será gradualmente absorvido.
    • Via intracerebral e intraventricular . Essa rota é usada com drogas que não conseguem ultrapassar a barreira sanguínea e, portanto, são injetadas diretamente no cérebro, no líquido cefalorraquidiano ou no cérebro (nos ventrículos cerebrais). As injeções diretas no cérebro geralmente são usadas apenas em pesquisas e com quantidades muito pequenas da droga. As injeções ventriculares raramente são usadas e são usadas principalmente para administrar antibióticos, se houver uma infecção grave.
  • Via oral É a maneira mais usual de administrar drogas psicoativas aos seres humanos, geralmente não é usada com animais, porque é difícil fazê-los comer qualquer coisa se não gostarem do seu gosto. Os medicamentos administrados por essa via começam a se degradar na boca e continuam a se degradar no estômago, onde são finalmente absorvidos pelas veias que suprem o estômago. Existem algumas substâncias que não podem ser administradas por via oral porque seriam destruídas pelo ácido estomacal ou enzimas digestivas (isso acontece, por exemplo, com insulina, por isso geralmente é injetada).
  • Maneira sublingual. Este tipo de administração consiste em depositar a droga sob a língua, a droga psicoativa será absorvida pelas veias capilares da boca. Por razões óbvias, esse método é usado apenas com seres humanos, pois seria difícil cooperar com um animal dessa maneira. A nitroglicerina é um exemplo de um fármaco que é normalmente administrado por esta via, esta droga é vasodilatador e levado para aliviar a dor da angina de peito, causado por um bloqueio nas artérias coronárias.
  • Via intraretal. Os medicamentos são administrados introduzindo-os no ânus na forma de supositórios, uma vez introduzidos, passam para a corrente sanguínea pelas veias que irrigam a musculatura anal. Essa rota geralmente não é usada com animais, pois eles podem defecar se ficarem nervosos e não levaria tempo para a droga ser absorvida. Este tipo de administração é indicado para medicamentos que podem danificar o estômago.
  • Inalação Existem muitos medicamentos recreativos administrados por inalação, como nicotina, maconha ou cocaína, tanto quanto os psicotrópicos geralmente administrados por essa via, os anestésicos se destacam, pois geralmente ocorrem na forma de gases e o efeito aparece rapidamente. porque o caminho que a droga segue entre os pulmões e o cérebro é bastante curto.
  • Maneira tópica. Este tipo de rota usa a pele como um meio para administrar a droga. Nem todos os medicamentos podem ser absorvidos diretamente através da pele. Os hormônios e a nicotina são geralmente administrados dessa maneira usando adesivos que aderem à pele. Outra via tópica é a mucosa que está dentro do nariz, geralmente mais usada para o uso de drogas recreativas como a cocaína, uma vez que o efeito é quase imediato.
Relacionado:  Glicina: funções, estrutura e propriedades

Segundo passo: Distribuição da droga pelo organismo

Uma vez que a droga está na corrente sanguínea, ela deve atingir o local de ação que geralmente é encontrado no cérebro, a velocidade com que a droga chega a esse local depende de vários fatores:

  • Solubilidade do medicamento . A barreira hematoencefálica impede que substâncias solúveis em água (solúveis em água) entrem no cérebro, mas permite a passagem de moléculas solúveis em gordura (solúveis em lipídios), para que sejam rapidamente distribuídas pelo cérebro. Por exemplo, a heroína é mais solúvel em gordura que a morfina ; portanto, a primeira chegará ao cérebro mais cedo e terá efeitos mais rápidos.
  • Ligação às proteínas plasmáticas. Depois de terem entrado na corrente sanguínea, algumas moléculas que formam o fármaco podem se ligar às proteínas plasmáticas formando outros compostos, quanto mais moléculas se ligam às proteínas plasmáticas, menor quantidade de droga alcançará o cérebro.

Terceiro passo: Ação psicofarmacêutica

Este passo é o mais interessante e o mais estudado no campo da psicofarmacologia. As ações das drogas psicotrópicas podem se dividir em duas grandes categorias: agonistas, se facilitarem a transmissão sináptica de um certo neurotransmissor ou antagonista, se isso dificultar. Esses efeitos das drogas ocorrem porque as moléculas das drogas psicoativas agem em um local específico dentro do neurônio, o que facilita ou inibe a sinapse . Portanto, para entender sua ação, é necessário saber qual é a sinapse e como ela ocorre, para pessoas que não sabem como ocorre a sinapse e para quem quer se lembrar dela, deixo o gráfico a seguir.

O que é psicofarmacologia? 2

  • Na síntese de neurotransmissores. A síntese de neurotransmissores é controlada por enzimas, de modo que, se uma droga inativa um tipo de enzima, o neurotransmissor não será criado. Por exemplo, a paraclorofenilalanina inibe uma enzima (triptofano hidroxidase) que é indispensável para a síntese de serotonina ; portanto, pode-se dizer que a paraclorofenilalanina reduz os níveis de serotonina.
  • Ao transportar as estruturas necessárias para realizar sinapses ao axônio . Os elementos usados ​​na sinapse geralmente ocorrem em organelas próximas ao núcleo e precisam ser transportados para os axônios onde a sinapse será realizada; se as estruturas responsáveis ​​por transportá-las se deteriorarem, a sinapse não poderá ser realizada e a droga funcionará como antagonista. Por exemplo, a colchicina (usada para evitar crises de gota) se liga à tubulina, essencial para criar os microtúbulos que transportam dentro dos neurônios, impedindo que os microtúbulos se desenvolvam eficientemente e deteriorem a sinapse.
  • Ao receber e conduzir potenciais de ação . Para ativar um neurônio, é necessário receber algum estímulo (pode ser elétrico ou químico), para receber o estímulo químico, os receptores pré-sinápticos de dendrito devem estar ativos (local onde os neurotransmissores se unem), mas existem alguns medicamentos que bloqueiam esses receptores pré-sináptica e impedir que os potenciais de ação sejam conduzidos. Por exemplo, a tetrodotoxina (presente no peixe-balão) bloqueia os canais de sódio pré-sinápticos (canais de íons), impedindo sua ativação e cortando a condução nervosa.
  • No armazenamento de neurotransmissores nas vesículas . Os neurotransmissores são armazenados e transportados para o axônio nas vesículas sinápticas, alguns compostos psicoativos podem modificar a estrutura das vesículas e seu funcionamento. Por exemplo, a reserpina (um antipsicótico e anti-hipertensivo) modifica as vesículas, causando o desenvolvimento de poros através dos quais os neurotransmissores “escapam” e, portanto, não podem realizar a sinapse.
  • No processo de liberação de neurotransmissores na fenda sináptica . Para liberar os neurotransmissores, as vesículas devem unir-se à membrana pré-sináptica próxima aos axônios e abrir um buraco através do qual os neurotransmissores podem sair. Algumas drogas agem facilitando a ligação da vesícula à membrana pré-sináptica e outras dificultando. Por exemplo, o verapamil (para tratar a hipertensão ) bloqueia os canais de cálcio e impede a liberação de neurotransmissores, enquanto as anfetaminas facilitam a liberação de neurotransmissores de catecolamina, como adrenalina e dopamina.. Um exemplo curioso é o mecanismo de ação do veneno da viúva negra (que contém latrotoxinas), esse composto causa excesso da liberação de acetilcolina , obtendo mais acetilcolina livre do que é produzido, o que esgota nossas reservas e causas e estado de exaustão e finalmente paralisia muscular.
  • Nos receptores pós-sinápticos . Uma vez liberados os neurotransmissores, eles devem se ligar aos receptores pós-sinápticos para ativar o próximo neurônio. Existem alguns medicamentos que afetam esse processo, modificando o número de receptores pós-sinápticos ou juntando-se a eles. O álcool é um exemplo do primeiro tipo, aumenta o número de receptores nos neurônios inibitórios GABAérgicos, que produz o estado de obnubilação (embora esse efeito seja perdido se o álcool continuar por muito tempo). Um exemplo de drogas que bloqueiam os receptores pós-sinápticos é a nicotina, que bloqueia os receptores de acetilcolina, impedindo sua ação.
  • Na modulação de neurotransmissores. Os neurônios têm autoreceptores pré-sinápticos nos dendritos, esses receptores se ligam ao mesmo neurotransmissor que o neurônio expeliu na sinapse e sua função é controlar os níveis do referido neurotransmissor: se muitos neurotransmissores se ligarem aos receptores, sua produção será interrompida. enquanto que, se poucos se juntarem, continuará sendo produzido. Alguns medicamentos bloqueiam esses receptores e podem facilitar e inibir a produção de neurotransmissores, pois existem medicamentos que ativam esses receptores como se fossem o mesmo neurotransmissor (o que inibiria a produção), enquanto outros os bloqueiam impedindo sua ativação (facilitando a liberação de neurotransmissores). Um exemplo desse efeito é o que acontece com a cafeína, as moléculas de cafeína bloqueiam os auto-receptores de cafeína.adenosina , um composto endógeno (produzido por nós mesmos), que deixa esse composto livre e impede sua função inibitória e sedativa.
  • Na recaptação de neurotransmissores . Uma vez usados ​​na sinapse para ativar o próximo neurônio, os neurotransmissores são recapturados pelo neurônio pré-sináptico para desativá-los e degradá-los. Existem drogas que se ligam aos receptores responsáveis ​​pela recuperação de neurotransmissores e inibem a recaptação, por exemplo, anfetaminas e cocaína produzem esse efeito nos neurônios dopaminérgicos, de modo que a dopamina permanece livre na fenda sináptica e continua a ativar outros neurônios até que toda a reserva de dopamina está esgotada e a sensação de cansaço chega. Também existem antidepressivos que agem dessa maneira, chamados de inibidores da recaptação da serotonina (ISRS), que ajudam a manter ou aumentar os níveis desse neurotransmissor.
  • Na inativação de neurotransmissores . Uma vez metabolizados os neurotransmissores, eles são degradados em subcompostos para desativá-los e reiniciar o processo criando novos neurotransmissores. Essa metabolização é realizada por certas enzimas e existem drogas que se ligam a essas enzimas e inibem sua ação, por exemplo, outro tipo de antidepressivo , os MAOIs ( inibidores da monoamina oxidase), como o próprio nome sugere, eles inibem a enzima monoamina oxidase que é envolvidos na desativação de alguns neurotransmissores, portanto, os MAOIs tornam os neurotransmissores mais ativos.
Relacionado:  O que é memória seletiva e como funciona?

Como você pode ver, as ações das drogas psicoativas são complexas, pois dependem de múltiplos fatores, do local e do momento da ação, do estado anterior do local de ação etc. Portanto, eles não devem ser tomados sob nenhuma consideração sem receita médica, pois pode ter efeitos inesperados e até adversos em nossa saúde.

O que é psicofarmacologia? 3

Quarto passo: Inativação e excreção

Uma vez desempenhadas suas funções, os medicamentos psicotrópicos são inativados e excretados. A maioria das drogas é metabolizada por enzimas localizadas nos rins ou no fígado, embora também possamos encontrar enzimas no sangue e até no próprio cérebro.

Essas enzimas normalmente degradam os medicamentos, transformando-os em compostos inativos que eventualmente serão secretados pela urina, suor ou fezes. Mas existem algumas enzimas que transformam drogas psicoativas em outros compostos ainda ativos, e até em compostos com efeitos mais intensos do que a droga psicoativa original.

Referências

  1. Carlson, NR (2010). Psicofarmacologia Em NR Carlson, Fisiologia do Comportamento (pp. 102-133). Boston: Pearson.
  2. Catillo, A. (1998). Psicofarmacologia Em A. Perales, Manual de psiquiatria «Humberto Rotondo». Lima Obtido em http://sisbib.unmsm.edu.pe/bibvirtual/
  3. Nestler, EJ, & Duman, RS (2002). Neurotransmissores e transdução de sinal. Em KL Davis, D. Charney, JT Coyle, & C. Nemeroff, Neuropsicofarmacologia – 5a geração de progresso. Filadélfia: Lippincott, Williams e Wilkins. Obtido em http://www.acnp.org/
  4. Stahl, SM (2012). Circuitos em psicofarmacologia. Em SM Stahl, Stahl Essential Psychopharmacology (pp. 195-222). Madri: UNED.

Deixe um comentário