Elenco da África: causas, principais disputas e impérios

O elenco da África , também conhecida como a corrida pela África, foi o processo de colonização e divisão desse continente pelas potências européias da época. O início do elenco é geralmente marcado na década de 1880 e durou até o início da Primeira Guerra Mundial .

Os europeus exploravam o continente africano desde o final do século XVI, embora não tenha sido até o século XVIII que mapearam a maior parte do território. A princípio, países como Portugal ou a Holanda haviam estabelecido fábricas comerciais nas costas, de onde organizavam o comércio de escravos.

Elenco da África: causas, principais disputas e impérios 1

Colônias na África (1914)
– Fonte: Tuareg50 sob a licença Creative Commons Attribution / Share-Equal 3.0 Creative Commons.

A partir de meados do século XVIII, as potências européias buscaram territórios ricos em matérias-primas. Além disso, aquela era estava cheia de tensões entre Alemanha, França, Inglaterra e Rússia, entre outras, por se tornar o país mais poderoso, comercial, militar e politicamente do continente.

O ponto chave da distribuição foi a Conferência de Berlim, realizada em 1884. Os líderes das potências concordaram em dividir o continente africano entre eles, tentando acabar com as disputas que quase causaram uma guerra em erupção. No entanto, a colonização africana foi uma das causas que precipitaram a Primeira Guerra Mundial.

Antecedentes

Os europeus começaram a explorar o continente africano no final do século XVI. Imediatamente, isso foi acompanhado pela exploração de seus recursos naturais.

Em 1835, já havia mapas da região noroeste do continente, desenhados por exploradores conhecidos como David Livingstone ou Alexandre de Serpa Pinto.

Nas décadas de 1850 e 1860, outras explorações se seguiram, como as realizadas por Richard Burton ou John Speke. No final daquele século, os europeus haviam mapeado todo o curso do Nilo, o rio Níger e o rio Congo e Zambeze.

Portugal

Uma das grandes potências marítimas da história, Portugal, havia estabelecido algumas cidades na costa africana durante os séculos XV e XVI. Lá, ele fundou fábricas comerciais. Foi nesse período em que o comércio de escravos começou.

Um pouco mais tarde, durante o século XVII, ingleses e holandeses arrebataram muitas de suas conquistas dos portugueses.

Século XVIII

Apesar do exposto, a presença européia na África era muito baixa no início do século XVIII. Segundo especialistas, 90% do continente era governado por líderes locais, com apenas algumas áreas costeiras nas mãos de países europeus. O interior ainda era de difícil acesso e muito perigoso para estrangeiros.

No oeste, os europeus criaram várias rotas para lidar com escravos. No norte, povoado por árabes e berberes, eles logo começaram a negociar com a Europa.

Por outro lado, várias expedições da Holanda chegaram ao sul do continente, estabelecendo grandes colônias. Especificamente, em 1652, chegaram à África do Sul atual e, um século depois, conseguiram penetrar no interior.

Novas armas e técnicas médicas, como o quinino, para combater a malária, permitiram aos europeus entrar no coração da África.

Europa

No século XVIII na Europa, especialmente após a guerra franco-prussiana, testemunhou o surgimento de nacionalismos e um novo imperialismo. Os diferentes poderes, com a inclusão de um poderoso Império Alemão, passaram várias décadas tentando impor sua influência sobre os outros,

Isso, juntamente com a Revolução Industrial , causou uma corrida para capturar recursos africanos e asiáticos.

Causas

O imperialismo do século XIX foi causado, por um lado, pela Revolução Industrial. As novas técnicas de produção exigiram muito mais matérias-primas, além de novos mercados onde vender os produtos.

Por outro lado, a luta para se estabelecer como a primeira potência , fez com que muitos países procurassem expandir seus territórios e suas riquezas.

Crescimento populacional europeu

A população européia passou, na segunda metade do século XIX, de 300 para 450 milhões de habitantes. Esse aumento foi devido aos avanços que acompanharam a Revolução Industrial e as descobertas científicas. A crescente pressão demográfica tornou necessários maiores recursos econômicos.

Novo sistema econômico

Como já foi observado, a Revolução Industrial mudou completamente o sistema econômico europeu. A partir desse momento, cresceu a demanda por matérias-primas e fontes de energia mais baratas. A Europa não possuía recursos suficientes, então colonizar a África era a solução mais simples da época.

Além disso, o mercado começou a mostrar sintomas de saturação. A Grã-Bretanha, por exemplo, teve um déficit comercial significativo, agravado pelas políticas protecionistas causadas pela crise de 1873.

O continente africano, além de seus recursos naturais, ofereceu aos britânicos, alemães ou franceses um mercado aberto. Tratava-se de extrair as matérias-primas e depois vender os produtos manufaturados.

Por outro lado, o capital viu muitas vantagens em investir no continente africano. O trabalho era muito mais barato e praticamente sem direitos trabalhistas.

Finalmente, as regiões africanas, assim como as asiáticas, ofereceram muitos produtos altamente demandados, mas quase impossíveis de obter na Europa. Entre eles, destacaram-se cobre, borracha, chá ou lata.

Causas políticas e ideológicas

Após o triunfo, ainda que ideológico, das revoluções burguesas, o medo dos novos movimentos operários levou os burgueses a posições mais conservadoras. Além disso, as potências européias haviam embarcado em uma corrida para conseguir o controle militar e comercial das rotas marítimas e terrestres.

Essa luta, no início da guerra, para dominar o restante das potências, foi acompanhada pelo fortalecimento dos nacionalismos, baseados no Estado-nação e na reivindicação de que territórios com a mesma língua ou cultura deveriam fazer parte deles. .

A colonização na África começou nos enclaves que haviam se estabelecido nas costas. A partir daí, os poderes começaram a explorar e conquistar o interior. Muitas vezes, essas incursões eram justificadas por razões científicas, embora sempre tentassem anexar os novos territórios que estavam explorando.

Da mesma forma, havia surgido uma série de estudos antropológicos que defendiam a superioridade dos brancos sobre o resto das etnias. Dessa forma, considerou-se que os brancos estavam destinados a governar o resto e, inclusive, alguns autores passaram a falar sobre “o pesado fardo do homem branco”: civilizar e governar o resto por causa deles.

Weltpolitik de Bismarck

O Império Alemão havia se tornado uma das potências mais fortes do continente europeu. A partir da década de 1880, as políticas de Bismarck, apoiadas pela burguesia nacional, incentivaram sua expansão mundial.

Esse imperialismo era conhecido como Weltpolitik (política mundial). O crescente nacionalismo pan-germânico, com o objetivo de criar um forte estado alemão que acolhia todos os territórios de língua alemã, favoreceu a reivindicação de obter mais recursos e riqueza.

Em alguns anos, a Alemanha se tornou a terceira potência colonial na África. Foi Bismarck quem propôs realizar o Congresso de Berlim para dividir o continente africano sem que uma guerra eclodisse na Europa.

Congresso de Berlim

Esse encontro entre as diferentes potências européias ocorreu entre 1884 e 1885. A intenção era regular seus bens na África, com base no princípio da ocupação efetiva dos territórios. Por outro lado, eles também tentaram acabar com o tráfico de escravos.

Apesar da tentativa de dividir o continente pacificamente, as tensões entre os poderes não desapareceram. De fato, essas disputas são consideradas um dos gatilhos da Primeira Guerra Mundial.

No Congresso de Berlim, foi decidido que a área entre o Egito e a África do Sul, além de algumas no Golfo da Guiné, permaneceria em mãos britânicas. Enquanto isso, o norte da África, junto com Madagascar e parte da África equatorial, foi designado para a França.

Portugal recebeu Angola, Moçambique, Guiné e algumas ilhas, enquanto a Alemanha apreendeu o Togo, Camarões e Tanganica. A Bélgica ficou com o Congo Belga, a Itália com a Líbia e a Somália. Finalmente, a Espanha só obteve o Saara Ocidental e os enclaves na Guiné.

As potências não conseguiram resolver disputas no norte do continente: Tunísia, Marrocos e Egito.

Somente a Etiópia, posteriormente invadida pela Itália, e a Libéria, fundada por afro-americanos libertados, foram consideradas países independentes.

Principais disputas

Incidente de Fachoda

O Reino Unido e a França, no final do século XIX, planejavam unir seus respectivos territórios africanos através de uma ferrovia. Isso causou, em 1898, um incidente entre os dois causado por uma cidade localizada no limite de ambos os bens: Fachoda (Sudão).

Finalmente, foram os britânicos, com mais força na área, que ganhariam a propriedade dessa localidade.

Colonização do Congo

O rei belga Leopoldo II foi o único a apoiar o explorador Henry Morton Stanley. Para isso, ele forneceu financiamento para explorar a área do Congo. Lá, ele fez vários acordos com alguns chefes africanos e, em 1882, controlou território suficiente para fundar o Estado Livre do Congo.

Ao contrário do que aconteceu com outras colônias, esse novo estado era propriedade pessoal do monarca belga, que começou a explorar seu marfim e borracha.

O Estado Livre do Congo incluiu, em 1890, todo o território entre Leopoliville e Stanleyville e tentou se expandir para Katanga, em concorrência com a África do Sul de Cecil Rhodes. Finalmente, foi Leopoldo II quem conseguiu conquistar essa área rica, expandindo sua propriedade africana.

O monarca belga estabeleceu um regime de terror autêntico na área, com assassinatos maciços de milhares de pessoas. A situação chegou a tal ponto que as pressões em seu próprio país forçaram Leopoldo, e quase à morte, a ceder o comando sobre a colônia.

Ocupação britânica do Egito e África do Sul

O Reino Unido foi um dos países que mais ocuparam território no continente africano. Entre estas, as cidades do Cairo e do Cabo, duas das mais importantes.

As forças britânicas ocuparam o Egito em 1882, embora, legalmente, tenha sido declarado protetorado, e não colônia, em 1914. Durante os anos 90, estendeu seus domínios ao Sudão, Nigéria, Quênia e Uganda.

No sul, adquiriu a Cidade do Cabo, de onde organizou sua expansão para os estados vizinhos, tanto os governados pelos chefes locais quanto os holandeses.

A Guerra Anglo-Zulu de 1879 consolidou o poder britânico na área. Os bôeres, habitantes holandeses da África do Sul, protestaram sem sucesso. Dado isso, eles estrelaram uma rebelião em 1880, que levou a uma guerra aberta.

A solução oferecida pelos britânicos foi a criação de um governo livre no Transvaal. No entanto, em 1899, eclodiu a segunda guerra dos bôeres, que foram derrotados novamente e perderam os territórios que ainda preservavam.

Primeira crise marroquina

O Congresso de Berlim não apaziguou os ânimos imperialistas das grandes potências. O incidente de Fachoda estava prestes a provocar uma guerra entre a França e a Grã-Bretanha. Ambos os países assinaram um acordo, Entente Cordiale, para evitar novos confrontos.

Enquanto isso, os alemães estavam determinados a expandir sua presença na África. Para testar a resistência do resto das potências, ele usou o território do atual Marrocos.

Em 1905, o Kaiser William II da Alemanha fez uma visita a Tânger, no norte de Marrocos. Lá, para desafiar os franceses, ele fez um discurso apoiando a independência do país.

Em julho daquele ano, a Alemanha se queixou de ser afastada das decisões relacionadas à área. Os franceses concordaram em realizar uma conferência, mas os alemães mobilizaram suas tropas na Europa. A França também enviou tropas para a fronteira comum em janeiro de 1906.

Para evitar o conflito, a Conferência de Algeciras foi realizada no mesmo ano. A Alemanha ganhou apenas o apoio da Áustria-Hungria, enquanto a França foi apoiada pelo Reino Unido, Rússia, Itália, Espanha e Estados Unidos da América. Dado isso, os alemães aceitaram que os franceses mantivessem o controle sobre o Marrocos.

Agadir Crisis

Cinco anos depois, uma nova crise começou no território marroquino. Foi a chamada Crise de Agadir, que começou quando a Alemanha lançou uma canhoneira, em 1º de julho de 1911, no porto daquela cidade.

Quando os britânicos receberam a notícia, pensaram que os alemães pretendiam fazer de Agadir sua base naval no Atlântico.

No entanto, o objetivo do movimento militar alemão era pressionar por uma compensação pela aceitação do controle francês do Marrocos. Em novembro de 1911, após uma convenção, os poderes assinaram um acordo pelo qual a Alemanha aceitava a posição da França na área em troca de alguns territórios na atual República do Congo.

Dessa maneira, a França estabeleceu um protetorado sobre o Marrocos em 1912. As duas crises marroquinas reforçaram os laços entre a Grã-Bretanha e os franceses e os separaram da Alemanha.

Impérios colonizadores

Durante o século 19, três grandes impérios coloniais foram estendidos. A estes, foram adicionadas algumas potências médias europeias.

Império Britânico

O Império Britânico foi o que cobriu mais territórios durante esse tempo. Seu momento mais importante ocorreu no reinado da rainha Vitória, quando seus domínios se estendiam pela Oceania, América, Ásia, África e Mediterrâneo.

O sistema de governo mais comum em seus territórios africanos era por meio de governos indiretos. Na maioria das vezes, preferiam deixar os chefes locais em seus cargos, mas controlavam importantes decisões finais por meio de uma série de oficiais e oficiais.

No continente africano, eles passaram a controlar o Egito, incluindo o canal fundamental de Suez. A partir de 1882, eles entraram no Sudão, buscando realizar seu projeto de unir o Cairo ao Cabo.

No sul, do Cabo, eles avançaram para a Nigéria, derrotando os bôeres holandeses e conquistando suas terras.

Império Francês

No auge, o Império Francês controlava 13 milhões de quilômetros, com territórios em todo o planeta.

Suas primeiras incursões na África remontam a meados do século XIX, pois já haviam concentrado seus esforços nas Antilhas, parte da Índia e em alguns enclaves estratégicos no Pacífico.

O norte da África foi uma das áreas às quais a França dedicou mais esforço. Em 1847, eles conseguiram conquistar a Argélia, tornando o país o centro de seu poder naquela parte do continente.

Da mesma forma, em 1880, ele iniciou sua conquista do território que se tornaria conhecido como Congo Francês, estabelecendo um protetorado que incluía Cambinga, Camarões e o Estado Livre do Congo. Um ano depois, ele foi controlar a Tunísia.

O incidente de Fachoda fez com que a França abandonasse sua intenção de unir as extremidades leste e oeste do continente. Isso permitiria que eles se conectassem no Oceano Atlântico com o Oceano Índico.

Depois de criar, em 1904, a África Ocidental Francesa, uma federação de oito territórios, a França dedicou seus esforços para ganhar o controle de Marrocos. Em 1905, ele alcançou seu objetivo, embora duas crises envolvendo os alemães estivessem prestes a provocar uma guerra aberta.

Alemanha

O Império Alemão, depois de fortalecer sua posição na Europa, começou a participar da corrida pelo controle da África. Em pouco tempo, tornou-se o terceiro país com mais posses naquele continente, controlando 2,6 milhões de quilômetros quadrados.

Dadas as posições já consolidadas de franceses e britânicos, a Alemanha focava em territórios ainda quase virgens, como o sudoeste da África, Togolândia, Camarões e Tanganica.

A crescente disputa sobre a África fez com que Bismarck convocasse a Conferência de Berlim, realizada entre 1884 e 1885. Depois disso, e antes do acordo alcançado entre a França e o Reino Unido, a Entente Cordial tentou isolar os franceses, causando a Primeira Crise. Marroquino

Itália

A Itália, como aconteceu com outros países, não teve escolha a não ser esperar pelos jogos de poder da França, Alemanha e Grã-Bretanha. Assim, sua presença na África era baixa: Eritreia, Somália e Líbia.

Referências

  1. Montagut, Eduardo. O elenco da África. Obtido em nuevatribuna.es
  2. Pigna, Felipe. O elenco da África e da Ásia. Obtido em elhistoriador.com.ar
  3. Mgar Colonização européia (séculos XIX e XX). Obtido em mgar.net
  4. Shisia, Maureen. Qual foi a disputa pela África? Obtido em worldatlas.com
  5. Cleary, Vern. As causas e motivações para a corrida pela África. Obtido em webs.bcp.org
  6. Enciclopédia do novo mundo. Corrida para a África. Obtido em newworldencyclopedia.org
  7. Boddy-Evans, Alistair. Eventos que levam à disputa pela África. Obtido em thoughtco.com
  8. História da África do Sul Online. A Conferência de Berlim Obtido em sahistory.org.za

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies